Digestivo nº 446 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 25/12/2009
Digestivo nº 446
Julio Daio Borges

+ de 2600 Acessos




Internet >>> Ascensão e queda do MySpace
Quem apenas viu o fechamento do escritório do MySpace no Brasil, não sabe, da missa, a metade. Matthew Garrahan, do Financial Times, no início de dezembro, tomou coragem para dissecar o cadáver. Garrahan refaz o caminho desde a negociação com Murdoch e a aquisição, pela News Corp, da maior rede social da internet em 2007 (crescendo, então, a uma taxa de 70 mil usuários por dia). Como os jovens "assistiam cada vez menos televisão e liam cada vez menos jornais" (segundo o próprio Murdoch), fazia sentido a News Corp lançar seus tentáculos sobre a internet. O MySpace foi comprado por 580 milhões de dólares e, para a alegria de Murdoch, meses depois fechou um acordo de publicidade com o Google no valor de 900 milhões (garantindo lucro futuro à operação). Murdoch imediatamente entrou em lua de mel com um dos fundadores do site, Chris DeWolfe, e passaram a desfilar juntos até pelo fórum de Davos. Um ano e três meses depois da aquisição, as receitas mensais do MySpace saltaram de 1 para 50 milhões dólares. Escritórios foram abertos no Japão, na Coréia do Sul, na China e no Brasil. Mas, ainda em 2008, uma ameaça surgia no horizonte: o Facebook, uma rede social aparentemente mais fácil de usar, estava despontando e crescendo mais rápido que o MySpace. Murdoch apostara que o site faria 1 bilhão de dólares em receitas no ano passado, mas, como não cumpriu a meta, seu outrora menino-prodígio, DeWolfe, foi dispensado em abril deste ano. 40% dos empregados do MySpace foram mandados embora, sua participação no mercado de redes sociais caiu de 66 para 30%, e o Facebook atingiu 300 milhões de usuários. Para completar, o MySpace não conseguiu entregar o que foi combinado com o Google — o que resultará em perdas, para o site, de 100 milhões de dólares em 2009. Executivos da News Corp acusam os fundadores do MySpace de falta de estratégia, de trabalharem em muitos produtos ao mesmo tempo e de não saberem receber ordens. Já DeWolfe e Anderson, o outro fundador, acusam a News Corp de se focar demais em pageviews (esquecendo-se de tecnologias como o Ajax); de abandonar o MySpace em prol do Wall Street Journal; e de, no meio da crise, sacrificar o dia a dia da empresa em nome das demissões e dos cortes. Murdoch trocou a diretoria do MySpace, ao convocar Jonathan F. Miller, ex-CEO da AOL, e Owen Van Natta, ex-Amazon. E o site, oficialmente, desistiu de competir com o Facebook. Matthew Garrahan, em sua reportagem no FT, prefere não fazer julgamentos sobre o futuro do MySpace — mas fica claro que, como em tantas outras fusões da velha mídia com a nova, ainda há muitas arrestas a aparar. [1 Comentário(s)]
>>> The rise and fall of MySpace
 



Literatura >>> Clássicos da Penguin pela Companhia das Letras
Enquanto se divulga a notícia de que editoras brasileiras correm atrás da digitalização — por força da grande aceitação do Kindle nos Estados Unidos —, a Companhia das Letras se acautela, igualmente, em outra direção: segue apostando nos pocket books. Reforçando sua entrada nesse mercado, em 2010 a editora de Luiz Schwarcz lança os primeiros volumes em associação com a clássica Penguin Books. Se a britânica se consagrou no mundo todo, por popularizar edições de clássicos a preços convidativos, agora a brasileira poderá desfrutar desse catálogo, brindando o leitor do português brasileiro com grandes traduções. Neste final de ano, a Companhia das Letras distribuiu um teaser do que será o projeto em algumas semanas. Trata-se de uma edição limitada com dois ensaios de Italo Calvino, retirados de Por que ler os clássicos — igualmente um clássico que a própria editora lançou em seu selo Companhia de Bolso. Em capa dura, o volume é todo preto, com exceção de uma bela foto ilustrativa, uma faixa branca, com o tradicional "logotipo do pinguim" e as palavras "Penguin" e "Companhia", acima de "Clássicos". O projeto gráfico, que moderniza o original, é do warrakloureiro. A expectativa, agora, é pelo preço. Se Luiz Schwarcz conseguir argumentar, como Steve Jobs, que adquirir um produto bem acabado é muito mais recompensador do que descolar um "genérico", através da internet, esta nova iniciativa deve prosperar. O risco, talvez, é a coleção nova, de clássicos, "canibalizar" a coleção, não tão nova, de livros de bolso. Mas os estrategistas da Companhia das Letras devem estar preparados. O Kindle e a Amazon, por um lado, e o Google (com seu Google Books), por outro, acenam com uma digitalização sem limites, de obras clássicas na história da humanidade. A primeira disponibilizando o acervo da maior livraria do mundo e o segundo, os acervos das principais bibliotecas dos Estados Unidos. Vai chegar o dia em que teremos tudo o que já caiu em domínio público no alcance da mão, a Companhia das Letras e a Penguin, contudo, apostam que esse dia está mais longe de chegar do que parece — ou mesmo, se chegar, que o futuro permitirá a coexistência de edições de papel e eletrônicas. [1 Comentário(s)]
>>> Clássicos da Penguin pela Companhia das Letras
 



Além do Mais >>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
Numa época de estímulo à democracia e de fragmentação crescente do poder — de pequenos grupos até simples indivíduos —, o poder, absoluto, continua importando? Não é uma questão diretamente respondida por Robert Greene, em seu As 48 Leis do Poder, mas, lendo nas entrelinhas, encontramos a resposta. Greene acredita que as relações de poder, em qualquer tempo, não mudam. Ganhar poder, saber administrá-lo e, sobretudo, nunca perdê-lo são estratégias importantes sempre. E, para sobreviver na selva de poderosos até impotentes, Greene consolidou suas 48 Leis — que nada mais são que o fruto da leitura de mestres como Maquiavel, Sun Tzu e Carl Von Clausewitz. A edição compacta, em formato de bolso, oferece algumas páginas sobre cada "lei", ilustradas com citações, exemplos e parábolas. Em termos de consumo, o volume poderia ser digerido "em uma sentada", como se diz — mas algumas mensagens, mais densas, exigem reflexão de horas e, às vezes, dias. Algumas das Leis de Greene são: "Não confie demais nos amigos"; "Oculte suas intenções"; "Vença por suas atitudes"; "Ao pedir ajuda, apele para o egoísmo das pessoas"; e "Aniquile totalmente o inimigo". Numa época de correção política, quando todos subitamente ficaram bonzinhos, e num ambiente onde a diferenciação social foi para o espaço (ou, melhor dizendo, ciberespaço), essas "leis" parecem meio fora de lugar — mas, surpreendentemente, muitas ainda vigoram, pois quem prega a nobreza de intenções, hoje, nem sempre a pratica. Seguem as Leis: "Cultive uma atmosfera de imprevisibilidade"; "Não ofenda a pessoa errada"; "Concentre suas forças"; "Controle as opções"; e "Seja aristocrático". Algumas parecem contraditórias, porque autoconfiança, em princípio, não combina com humildade, digamos assim, mas talvez as "leis" devam ser aplicadas caso a caso. Em geral, Greene é maquiavélico até a medula, combinado, se possível, com uma observação astuta de Voltaire: "Se Maquiavel tivesse tido um príncipe como discípulo, a primeira coisa que teria lhe recomendado era escrever um livro contra o maquiavelismo". Mais algumas Leis de Greene: "Saiba o tempo certo"; "Ignorar é a melhor vingança"; "Nunca mude muita coisa"; "Aprenda a parar"; e "Evite ter uma forma definida". Como toda habilidosa formulação, As 48 Leis do Poder pode ter um efeito revelador logo no início, mas que tende a se dispersar quando, progressivamente, cai em domínio público. As "leis" valem, portanto, pelo que têm de mais chocante, desumano e mesmo inadmissível. [2 Comentário(s)]
>>> As 48 Leis do Poder
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SKIPPERS BUSY DAY
MICHAEL SULLIVAN
COLLINS
(1983)
R$ 12,00



OBRAS ESCOLHIDAS VOL 8, HISTÓRIA DO FUTURO 1
PADRE ANTONIO VIEIRA PREF. E NOTAS ANTÓNIO SÉ...
SÁ DA COSTA
(1953)
R$ 39,08



UFOS: ILUSÃO OU REALIDADE?
CARLOS S. WALLACE
EDIOURO
(1985)
R$ 6,90



PROSPERIDADE FAZENDO AMIZADE COM O DINHEIRO
LAIR RIBEIRO
OBJETIVA
(1992)
R$ 5,00



RAGTIME
E L DOCTOROW
RECORD
(1975)
R$ 7,00



O APOCALIPSE DE SIMÃO CIRENEU
JONAS NEVES REZENDE
RELUME-DUMARÁ
(2020)
R$ 9,80



PERÍCIA JUDICIAL E ADMINISTRATIVA. UMA ABORDAGEM PRÁTICA
SÓCRATES SARANTOPOULOS
ATLAS
(2005)
R$ 50,00



O DIABO COXO
GUEVARA
ESCALA
(2006)
R$ 10,00



MEMÓRIAS DE PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS
MACHADO DE ASSIS
AVENIDA
(2009)
R$ 10,00



O GRANDE DITADOR
H. G. WELLS
O CRUZEIRO
(1943)
R$ 35,00





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês