Os Ensaios, de Montaigne | Digestivo Cultural

busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cia de Danças de Diadema apresenta-se na CAIXA Cultural Rio de Janeiro
>>> Confraria do Vinil chega ao Cachaça Social Club na Lapa
>>> Windsor Marapendi apresenta Companhia Estadual de Jazz
>>> CarnaRock KISS FOR KIDS
>>> Para compreender a filosofia de Schopenhauer
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Matiz carmim (série: Sonetos)
>>> Gente que corre
>>> Inventário de provas
>>> Escrever, escrever, escrever...
>>> Políticos e suas politicas
>>> Marceneiro
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Allegremente
>>> Reflexões a respeito de uma poça d´água
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> As melhores capas de 2008
>>> Por uma lógica no estudo da ortografia
>>> Píramo e Tisbe
>>> A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte
>>> A vida se elabora no Ano Novo
>>> Pais e filhos, maridos e esposas II
Mais Recentes
>>> O ingles sem auxílio do professor - vol.2
>>> Amazônia Reino da Fantasia
>>> É fácil matar
>>> Assassinato na casa do pastor - Miss Marple
>>> Por que não pediram a Evans?
>>> Ouse Dançar com Deus
>>> Exposição sintética da Filosofia Teosófica- a Sabedoria Antiga
>>> 20 Poemas de Amor e uma canção desesperada
>>> Cartas de Amor a LIlja Brik
>>> A droga da obediência
>>> A droga do amor
>>> Anjo da morte
>>> Anjo da morte
>>> Robin Hood
>>> A marca de uma lágrima
>>> Rick e a girafa
>>> Julinho, o sapo
>>> Como se fosse dinheiro
>>> O homem que sabia javanês
>>> O reizinho mandão
>>> O catador de papel II
>>> O código polinômio
>>> História de sinais
>>> Judy Moody Salva o Mundo!
>>> História econômica Agricultura, indústria e populações
>>> A Questão Pneumatológica em Yves Marie-Joseph Congar- O Espírito e o Verbo- As duas Mãos do Pai
>>> A testemunha ocular do crime
>>> Morte na Mesopotâmia
>>> O mistério do trem azul
>>> Spharion
>>> Os crimes A B C
>>> Uma Exposição das Sete Eras da Igreja
>>> Vovó tem Alzha... o quê?
>>> Física - Volume Único - Curso Completo
>>> A menina que roubava livros
>>> Sonhos de Volúpia
>>> Ciprestre Triste
>>> CLT - Consolidação das Leis do Trabalho
>>> Autobiografia de um Iogue
>>> Lazarillo de Tormes + Cd - Nível 3 - Colección Leer En Español
>>> O manual da fotografia digital
>>> Gabriela, cravo e canela
>>> O Morro dos Ventos Uivantes
>>> Calendário do Poder
>>> Uma Longa Jornada
>>> O Futuro da Democracia - 7ª Edição Revista e Ampliada
>>> O espírito de empresa
>>> Sucesso sem Stress
>>> O Agente Infiitrado
>>> A arte da seduçaõ
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 28/3/2012
Os Ensaios, de Montaigne
Julio Daio Borges

+ de 11200 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 486 >>> Todo mundo que aprecia uma leitura de fôlego já ouviu falar da forma "ensaio". Tantos escritores e pensadores lançaram seus livros de "ensaios" que parece um formato tão antigo quanto, sei lá, as diferenças entre "poesia" e "prosa". Mas o fato é que o "ensaio" foi inventado por um sujeito chamado Michel Eyquem, nascido em 1533, que chegou a ser prefeito de Bordeaux (na França), que não era nobre, mas que detinha posse de terras, e que, nos seus escritos, usou a alcunha de "Michel [Seigneur] de Montaigne". Reza a lenda que em 1569 sofreu uma queda de cavalho séria, que o fez contemplar a possibilidade da própria morte e, assim, nasceu um projeto autobiografico, o dos Ensaios. Também reza a lenda que Montaigne utilizou a palavra "ensaio" porque, na sua abordagem de temas, fazia "tentativas", não tinha a pretensão de ser definitivo e admitia que estava muito longe dos sábios da antiguidade, em quem se inspirava. Foi criado primeiro em latim, por determinação de seu pai, depois em francês. De modo que dominar os clássicos fazia parte do seu dia a dia, não era nenhuma coisa de outro mundo. Justamente por não ser um especialista, apesar de conhecer bastante, Montaigne se revela, no final das contas, um dos sábios mais humildes de toda a História. Dialoga, principalmente, com Sêneca e Plutarco, mas cita desde Sócrates, Platão e Aristóteles até Alexandre, César e Virgílio. Cronologicamente, está próximo da descoberta da América, tendo, aliás, escrito um ensaio mencionando o canibalismo (mas com muito respeito às culturas pré-colombianas). Apesar de ser considerado de fé cristã, praticamente não cita a Bíblia ou nenhum dos Doutores da Igreja. Como bom renascentista, sente-se mais à vontade entre autores gregos e romanos do que entre a literatura da Idade Média. Ainda que esteja, por exemplo, relativamente próximo do Dom Quixote (1605), toda a mitologia de príncipes e princesas, reis e rainhas não está presente na obra de Montaigne, a não ser para desconstruí-la (ocupa-se, insistentemente, com o lado humano, e menos nobre, da coisa toda). É assim, por exemplo, que apresenta seus Ensaios: "Quero que me vejam aqui em meu modo simples, natural e coerente, sem pose nem artifício: pois é a mim que retrato". Mais adiante, define seu projeto: "É um registro de ocorrências diversas e mutáveis, de ideias indecisas, e se calhar, contrárias". Contrariando Maquiavel, aliás, declara: "Mesmo se pudesse me fazer temido, gostaria mais ainda de me fazer amado". Fechando com: "Quem impõe seu discurso como um desafio e um comando mostra que sua razão é fraca". Montaigne varre praticamente todo o escopo de preocupações humanas (a edição original, dos Ensaios, abarca três volumes), tendo se tornado mais conhecido por capítulos como "Que filosofar é aprender a morrer" (uma constatação de Cícero), onde arremeda os estoicos: "Não há nenhum mal na vida para aquele que bem compreendeu que a privação da vida não é um mal". Fala, também, de estética: "É descortês e inoportuno criticar tudo o que não é de nosso gosto". Pondera sobre os limites do conhecimento: "É uma ousadia perigosa de grande consequência desprezar o que não compreendemos". E, citando Heráclides do Ponto, define-se mais um pouco: "Não sei arte nem ciência, mas sou filósofo". Reconhece, aliás, que a filosofia não está mais em alta: "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática". Contudo, quando necessário, soa igualmente pragmático: "É obrigado a agir mal no varejo quem quiser agir bem no atacado, e a cometer injustiça nas pequenas coisas quem quiser fazer justiça nas grandes". A nova edição dos Ensaios, lançada na coleção de clássicos da Penguin Companhia, é perfeita para quem deseja adentrar no universo de Montaigne, comprometendo-se, inicialmente, com um volume apenas. A introdução de Erich Auerbach, situando Montaigne na história da literatura, é primorosa. A tradução é fluida e as notas de rodapé são oportunas sem prejudicar a leitura. Conhecer Montaigne, para quem deseja fazer "amizade com a sabedoria" (sentido original da palavra "filosofia"), é, muito mais que uma obrigação, um indescritível prazer. Afinal, como Montaigne, mais uma vez, nos ensina: "Não há nada tão belo e legítmo quanto agir como um homem deve agir, nem ciência tão árdua como saber viver esta vida".
>>> Os Ensaios
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier (Música)
02. O mensalão, 5 anos depois, pelo Valor Econômico (Imprensa)
03. A arte do romance, por Milan Kundera (Literatura)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2012
13h42min
Caro Julio e leitores, A observação de Montaigne - "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática" - continua a ter validade, acho que até maior, nos nossos dias. Abraço,
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ANTIGO EVANGELHO
J. I. PACKER
FIEL
(1986)
R$ 10,00



TURMINHA DA FÉ TIMY E A FÉ
JEAN CARLOS FERREIRA
VALE DAS LETRAS
R$ 5,00



TEATRO DE LABICHE (TEATRO FRANCÊS)
LABICHE
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1968)
R$ 35,00



DOMINGOS DE GUSMÃO - O EVANGELHO VIVO
FREI FELICISSIMO MARTINEZ DIAZ
CIDAL
(1987)
R$ 31,40



GABRIELA EM CORDEL
MANOEL D ALMEIDA FILHO
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 18,00



HISTÓRIA DA ETERNIDADE
JORGE LUIS BORGES
GLOBO
(2001)
R$ 35,00



PEDAÇO DO MEU CORAÇÃO
PETER ROBINSON
RECORD
(2008)
R$ 16,00



O MARANHÃO NA POESIA POPULAR
FELIX AIRES
SIOGE
(1977)
R$ 10,00



DIÁLOGOS NOTURNOS EM JERUSALÉM-SOBRE O RISCO DA FÉ
CARDEAL CARLO M. MARTINI GEORG SPORSCHILL
PAULUS
(2008)
R$ 9,50



MARVEL MILLENNIUM HOMEM-ARANHA PODER E RESPONSABILIDADE
BILL JEMAS, BRIAN MICHAEL BENDIS E MARK BAGLEY
PANINI
(2016)
R$ 30,50





busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês