Os Ensaios, de Montaigne | Digestivo Cultural

busca | avançada
43554 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ARTE DA FELICIDADE, A - UM MANUAL PARA A VIDA
>>> TV Brasil transmite Desfile das Campeãs de São Paulo nesta sexta (12)
>>> Shopping Bay Market realiza programação infantil aos domingos
>>> A ARTE DE SER FELIZ,
>>> O ARQUITETO,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Fui pra Cuba
>>> Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos
>>> Proibir ou não proibir?
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
Últimos Posts
>>> Correndo por um banheiro
>>> Movimento
>>> Recicláveis
>>> Conto e romance
>>> Um muro para pichar
>>> Para que serve um violino?
>>> Qual é o seu nome?
>>> Entrevista Anti Crise -
>>> ARQUITETURA ONÍRICA
>>> Sem pesos de consciência
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> A crise dos 28
>>> Um estranho incidente literário
>>> O Candomblé de Verger e Bastide
>>> A Empulhação Esportiva
>>> Dois mil e cinco: o primeiro ano pós-esperança
>>> Dicas para você aparecer no Google
>>> Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita
>>> 24 Horas: os medos e a fragilidade da América
>>> Os Jornais Podem Desaparecer?, de Philip Meyer
Mais Recentes
>>> LIções básicas sobre aspectos práticos da vida cristã Volume 2- A Boa Confissão, Não deixemos de congregar-nos, Vol 3
>>> DEUS FALA AO TEU CORAÇÃO- Temas Bíblicos Espirituais
>>> Admirável Mundo Novo
>>> Brisingr
>>> Eldest
>>> Eragon
>>> Assim Falou Zaratustra
>>> O Recurso
>>> O homem
>>> A confissão
>>> Ode ao Crepúsculo - Autografado
>>> Casa Dividida - Coleção Catavento
>>> No Verão, a Primavera
>>> Doutrina Militar Soviética (1º Volume)
>>> Capoeira: Pequeno Manual do Jogador - 4ª Edição Revista e Atualizada
>>> Ben-Hur
>>> Decamerão - Coleção Obras Primas - Grandes Autores - Suzano
>>> Boletim - Ano I - Nº 1 - Biblioteca de Cultura Militar
>>> Árvores Brasileiras - Volume 01 - 5ª Edição
>>> Contos - Coleção Obras Primas - Grandes Autores - Suzano
>>> Lacan e a Filosofia
>>> O Livro do Inexplicável
>>> Serviço em Campanha: Operações - Manual de Campanha
>>> Babbitt - Coleção Obras Primas - Grandes Autores - Suzano
>>> Flâmulas - 20 Sonetos de Estréia
>>> Die Kultur Der Antiken
>>> AS RELIGIÕES DO ANTIGO ORIENTE
>>> A REVELAÇÃO BÁSICA NAS ESCRITURAS SAGRADAS
>>> O PAPADO E O DOGMA DE MARIA à luz da Bíblia e da história
>>> BAKHTIN- DA TEORIA LITERÁRIA À CULTURA DE MASSA
>>> A CONCÓRDIA E A PAZ - textos de João Cassiano, Agostinho, João Crisóstomo, Cipriano, Ambrósio, Fulgêncio de Ruspe, Jerônimo
>>> HUMANISMO INTEGRAL-Uma visão nova da ordem cristã
>>> Arlequim, Servidor de Dois Amos
>>> O Grande Deflorador
>>> Mar de Histórias Volume 6
>>> O Conto da Ilha Desconhecida
>>> Cinco Munutos/A viuvinha
>>> A Revoada
>>> História da Literatura Brasileira Simbolismo
>>> História da Literatura Brasileira Realismo
>>> Um Capitão de Quinze Anos
>>> O Castelo
>>> Muito Barulho Para Nada e Bem Está o Que Bem Acaba
>>> Os Subterrâneos da Liberdade
>>> Os Ásperos Tempos
>>> Esquecer o Natal
>>> A GLÓRIA DE DEUS É O HOMEM VIVO- a profissão de fé de santo Irineu
>>> A VOLTA DO FILHO PRÓDIGO- A história de um retorno para casa
>>> A Bíblia- O FILHO DE DEUS
>>> Manual do Guerreiro da Luz
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 28/3/2012
Os Ensaios, de Montaigne
Julio Daio Borges

+ de 10800 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 486 >>> Todo mundo que aprecia uma leitura de fôlego já ouviu falar da forma "ensaio". Tantos escritores e pensadores lançaram seus livros de "ensaios" que parece um formato tão antigo quanto, sei lá, as diferenças entre "poesia" e "prosa". Mas o fato é que o "ensaio" foi inventado por um sujeito chamado Michel Eyquem, nascido em 1533, que chegou a ser prefeito de Bordeaux (na França), que não era nobre, mas que detinha posse de terras, e que, nos seus escritos, usou a alcunha de "Michel [Seigneur] de Montaigne". Reza a lenda que em 1569 sofreu uma queda de cavalho séria, que o fez contemplar a possibilidade da própria morte e, assim, nasceu um projeto autobiografico, o dos Ensaios. Também reza a lenda que Montaigne utilizou a palavra "ensaio" porque, na sua abordagem de temas, fazia "tentativas", não tinha a pretensão de ser definitivo e admitia que estava muito longe dos sábios da antiguidade, em quem se inspirava. Foi criado primeiro em latim, por determinação de seu pai, depois em francês. De modo que dominar os clássicos fazia parte do seu dia a dia, não era nenhuma coisa de outro mundo. Justamente por não ser um especialista, apesar de conhecer bastante, Montaigne se revela, no final das contas, um dos sábios mais humildes de toda a História. Dialoga, principalmente, com Sêneca e Plutarco, mas cita desde Sócrates, Platão e Aristóteles até Alexandre, César e Virgílio. Cronologicamente, está próximo da descoberta da América, tendo, aliás, escrito um ensaio mencionando o canibalismo (mas com muito respeito às culturas pré-colombianas). Apesar de ser considerado de fé cristã, praticamente não cita a Bíblia ou nenhum dos Doutores da Igreja. Como bom renascentista, sente-se mais à vontade entre autores gregos e romanos do que entre a literatura da Idade Média. Ainda que esteja, por exemplo, relativamente próximo do Dom Quixote (1605), toda a mitologia de príncipes e princesas, reis e rainhas não está presente na obra de Montaigne, a não ser para desconstruí-la (ocupa-se, insistentemente, com o lado humano, e menos nobre, da coisa toda). É assim, por exemplo, que apresenta seus Ensaios: "Quero que me vejam aqui em meu modo simples, natural e coerente, sem pose nem artifício: pois é a mim que retrato". Mais adiante, define seu projeto: "É um registro de ocorrências diversas e mutáveis, de ideias indecisas, e se calhar, contrárias". Contrariando Maquiavel, aliás, declara: "Mesmo se pudesse me fazer temido, gostaria mais ainda de me fazer amado". Fechando com: "Quem impõe seu discurso como um desafio e um comando mostra que sua razão é fraca". Montaigne varre praticamente todo o escopo de preocupações humanas (a edição original, dos Ensaios, abarca três volumes), tendo se tornado mais conhecido por capítulos como "Que filosofar é aprender a morrer" (uma constatação de Cícero), onde arremeda os estoicos: "Não há nenhum mal na vida para aquele que bem compreendeu que a privação da vida não é um mal". Fala, também, de estética: "É descortês e inoportuno criticar tudo o que não é de nosso gosto". Pondera sobre os limites do conhecimento: "É uma ousadia perigosa de grande consequência desprezar o que não compreendemos". E, citando Heráclides do Ponto, define-se mais um pouco: "Não sei arte nem ciência, mas sou filósofo". Reconhece, aliás, que a filosofia não está mais em alta: "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática". Contudo, quando necessário, soa igualmente pragmático: "É obrigado a agir mal no varejo quem quiser agir bem no atacado, e a cometer injustiça nas pequenas coisas quem quiser fazer justiça nas grandes". A nova edição dos Ensaios, lançada na coleção de clássicos da Penguin Companhia, é perfeita para quem deseja adentrar no universo de Montaigne, comprometendo-se, inicialmente, com um volume apenas. A introdução de Erich Auerbach, situando Montaigne na história da literatura, é primorosa. A tradução é fluida e as notas de rodapé são oportunas sem prejudicar a leitura. Conhecer Montaigne, para quem deseja fazer "amizade com a sabedoria" (sentido original da palavra "filosofia"), é, muito mais que uma obrigação, um indescritível prazer. Afinal, como Montaigne, mais uma vez, nos ensina: "Não há nada tão belo e legítmo quanto agir como um homem deve agir, nem ciência tão árdua como saber viver esta vida".
>>> Os Ensaios
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2012
13h42min
Caro Julio e leitores, A observação de Montaigne - "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática" - continua a ter validade, acho que até maior, nos nossos dias. Abraço,
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MICHELANGELO
ROLF SCHOTT
THAMES & HUDSON
(1965)



TEXTOS FILOSÓFICOS
KARL MARX E FRIEDRICH ENGELS
EDITORIAL PRESENÇA - LISBOA
(1965)



O ÚLTIMO MAMÍFERO DO MARTINELLI + 3 ROMANCES
MARCOS REY
ÁTICA
(1993)
+ frete grátis



VASTAS EMOÇÕES E PENSAMENTOS IMPERFEITOS
RUBEM FONSECA
PLANETA DEAGOSTINI
(2003)
+ frete grátis



ROMILDO
ALBERTO MORAVIA
BERTRAND BRASIL
(1996)
+ frete grátis



COMO CONQUISTAR AS PESSOAS
ALLAN & BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2006)
+ frete grátis



ANUÁRIO PLACAR 2003
EQUIPE EDITORIAL
ABRIL
(2003)
+ frete grátis



LOUCURA... E O INCESTO
MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO
LACERDA EDITORES
(1997)
+ frete grátis



AS VOZES DO SÓTÃO
PAULO RODRIGUES
COSAC NAIFY
(2009)
+ frete grátis



NEURÓTICA - AUTORES JUDEUS ESCREVEM SOBRE SEXO
MELVIN JULES BUKIET *ORGANIZAÇÃO*
IMAGO
(2001)
+ frete grátis





busca | avançada
43554 visitas/dia
1,5 milhão/mês