Os Ensaios, de Montaigne | Digestivo Cultural

busca | avançada
89107 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Caminhos da Reportagem investiga a história dos americanos em Natal na Segunda Guerra
>>> Palacete Carmelita exibe documentários no mês de setembro
>>> Recital em Paris com pianista brasileira Helena Elias
>>> Teatro do Incêndio encerra temporada de Pano de Boca dia 14/9
>>> Cia Fragmento de Dança coloca em cena a potência sensível de "Corpos Frágeis"
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Mais uma crise no jornalismo brasileiro
>>> Meio Sol Amarelo
>>> A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
Colunistas
Últimos Posts
>>> Literatura na estrada (BH)
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
Últimos Posts
>>> Reflexões Abissais
>>> DESCOMPASSO
>>> A melhor corrida de minha vida
>>> Cartografia de uma terra imaginária
>>> Filosofando
>>> Um tema, duas penas
>>> Entre a luz e a sombra
>>> Pessoas, seus erros e acertos - Crônica
>>> O crack e os assaltos
>>> 7 coisas que aprendi
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Vendedor de Livros, por Milton Assumpção
>>> As lições de Jack Bauer
>>> Festival literário em BH
>>> Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor
>>> Entrevista com Catarse
>>> A luz da outra casa
>>> Alex Grey
>>> Entrevista com Cronópios
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
>>> O Som ao Redor
Mais Recentes
>>> O SEMEADOR DE IDÉIAS
>>> O FUTURO COMEÇOU
>>> Madre Teresa- venha, seja minha luz.
>>> Mística e Espiritualidade
>>> O Despertar da Terra- O Cérebro Global
>>> AUTO-ESTIMA
>>> O BURACO NO CÉU
>>> OS DRAGÕES DO ÉDEN - ESPECULAÇÕES SOBRE A EVOLUÇÃO DA INTELIGÊNCIA HUMANA
>>> TEOLOGIA SISTEMÁTICA
>>> CHRISTINE
>>> O TALISMÃ
>>> Formação Histórica do Acre vol II
>>> Amamentação e o desdesign da mamadeira
>>> Las voces bajas
>>> França Guia Visual folha de São Paulo
>>> O programa aeróbico para o bem-estar total
>>> A Comunidade do Futuro: Idéias para uma nova comunidade
>>> Finanças para não financistas
>>> Esperança além da Esperança.
>>> Esplendores de um ideal Coleção Ampliando com Kardec vol III
>>> Yoga, inmortalidad y libertad
>>> O olhar do poder
>>> Meu Universo e a Energia HUmana
>>> Marketing Trends 2005
>>> Só o amor consegue
>>> Quando a propaganda funciona
>>> Mentes Perigosas
>>> Protocolos Assistenciais Maternidade-Escola
>>> O Brasil de todas as idéias
>>> O Brasil de todas as idéias
>>> Números Magia e Mistério
>>> Roland Barthes- uma biografia
>>> Xamã
>>> Missarum Sollemnia
>>> Como fazer marketing na internet
>>> Tudo Que Você Queria Saber Sobre Propaganda e Ninguém Teve Paciênci...
>>> O pensamento à sombra da ruptura política e filosofia em Hannah Arendt
>>> Análise Científica da Personalidade
>>> O Petróleo é nosso
>>> A Criança Divina e o herói
>>> Sócrates
>>> Veritas
>>> Helena/ O Alienista
>>> Indícios incriminadores
>>> A dama de ferro
>>> Viagem por um Mar Desconhecido
>>> Os casos mais difíceis de Lilyj White
>>> A marca da maldade
>>> ALÉM DAS FORÇAS - NOBEL DE LITERATURA DE 1903
>>> Contágio criminoso
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 28/3/2012
Os Ensaios, de Montaigne
Julio Daio Borges

+ de 10700 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 486 >>> Todo mundo que aprecia uma leitura de fôlego já ouviu falar da forma "ensaio". Tantos escritores e pensadores lançaram seus livros de "ensaios" que parece um formato tão antigo quanto, sei lá, as diferenças entre "poesia" e "prosa". Mas o fato é que o "ensaio" foi inventado por um sujeito chamado Michel Eyquem, nascido em 1533, que chegou a ser prefeito de Bordeaux (na França), que não era nobre, mas que detinha posse de terras, e que, nos seus escritos, usou a alcunha de "Michel [Seigneur] de Montaigne". Reza a lenda que em 1569 sofreu uma queda de cavalho séria, que o fez contemplar a possibilidade da própria morte e, assim, nasceu um projeto autobiografico, o dos Ensaios. Também reza a lenda que Montaigne utilizou a palavra "ensaio" porque, na sua abordagem de temas, fazia "tentativas", não tinha a pretensão de ser definitivo e admitia que estava muito longe dos sábios da antiguidade, em quem se inspirava. Foi criado primeiro em latim, por determinação de seu pai, depois em francês. De modo que dominar os clássicos fazia parte do seu dia a dia, não era nenhuma coisa de outro mundo. Justamente por não ser um especialista, apesar de conhecer bastante, Montaigne se revela, no final das contas, um dos sábios mais humildes de toda a História. Dialoga, principalmente, com Sêneca e Plutarco, mas cita desde Sócrates, Platão e Aristóteles até Alexandre, César e Virgílio. Cronologicamente, está próximo da descoberta da América, tendo, aliás, escrito um ensaio mencionando o canibalismo (mas com muito respeito às culturas pré-colombianas). Apesar de ser considerado de fé cristã, praticamente não cita a Bíblia ou nenhum dos Doutores da Igreja. Como bom renascentista, sente-se mais à vontade entre autores gregos e romanos do que entre a literatura da Idade Média. Ainda que esteja, por exemplo, relativamente próximo do Dom Quixote (1605), toda a mitologia de príncipes e princesas, reis e rainhas não está presente na obra de Montaigne, a não ser para desconstruí-la (ocupa-se, insistentemente, com o lado humano, e menos nobre, da coisa toda). É assim, por exemplo, que apresenta seus Ensaios: "Quero que me vejam aqui em meu modo simples, natural e coerente, sem pose nem artifício: pois é a mim que retrato". Mais adiante, define seu projeto: "É um registro de ocorrências diversas e mutáveis, de ideias indecisas, e se calhar, contrárias". Contrariando Maquiavel, aliás, declara: "Mesmo se pudesse me fazer temido, gostaria mais ainda de me fazer amado". Fechando com: "Quem impõe seu discurso como um desafio e um comando mostra que sua razão é fraca". Montaigne varre praticamente todo o escopo de preocupações humanas (a edição original, dos Ensaios, abarca três volumes), tendo se tornado mais conhecido por capítulos como "Que filosofar é aprender a morrer" (uma constatação de Cícero), onde arremeda os estoicos: "Não há nenhum mal na vida para aquele que bem compreendeu que a privação da vida não é um mal". Fala, também, de estética: "É descortês e inoportuno criticar tudo o que não é de nosso gosto". Pondera sobre os limites do conhecimento: "É uma ousadia perigosa de grande consequência desprezar o que não compreendemos". E, citando Heráclides do Ponto, define-se mais um pouco: "Não sei arte nem ciência, mas sou filósofo". Reconhece, aliás, que a filosofia não está mais em alta: "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática". Contudo, quando necessário, soa igualmente pragmático: "É obrigado a agir mal no varejo quem quiser agir bem no atacado, e a cometer injustiça nas pequenas coisas quem quiser fazer justiça nas grandes". A nova edição dos Ensaios, lançada na coleção de clássicos da Penguin Companhia, é perfeita para quem deseja adentrar no universo de Montaigne, comprometendo-se, inicialmente, com um volume apenas. A introdução de Erich Auerbach, situando Montaigne na história da literatura, é primorosa. A tradução é fluida e as notas de rodapé são oportunas sem prejudicar a leitura. Conhecer Montaigne, para quem deseja fazer "amizade com a sabedoria" (sentido original da palavra "filosofia"), é, muito mais que uma obrigação, um indescritível prazer. Afinal, como Montaigne, mais uma vez, nos ensina: "Não há nada tão belo e legítmo quanto agir como um homem deve agir, nem ciência tão árdua como saber viver esta vida".
>>> Os Ensaios
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2012
13h42min
Caro Julio e leitores, A observação de Montaigne - "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática" - continua a ter validade, acho que até maior, nos nossos dias. Abraço,
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


PONTO FINAL
J. H. BRAGATTI

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



ECONOMIA POLÍTICA 1
JOSÉ PAULO NETTO E MARCELO BRAZ

De R$ 46,00
Por R$ 23,00
50% off
+ frete grátis



CLASSIFICADOS E NEM TANTO
MARINA COLASANTI

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



CURRÍCULO - DEBATES CONTEMPORÂNEOS
ALICE CASIMIRO LOPES E ELIZABETH MACEDO

De R$ 42,00
Por R$ 21,00
50% off
+ frete grátis



O ANJO VAGABUNDO
LOMONT FILHO

De R$ 30,00
Por R$ 15,00
50% off
+ frete grátis



O CONCEITO DE DIREITO
H. L. A. HART

De R$ 87,40
Por R$ 43,70
50% off
+ frete grátis



101 POETAS PARANAENSES
ADEMIR DEMARCHI

De R$ 50,00
Por R$ 25,00
50% off
+ frete grátis



A DÉCIMA SINFONIA
JOSEPH GELINEK

De R$ 44,80
Por R$ 22,40
50% off
+ frete grátis



MOHAMED, O LATOEIRO
GILBERTO ABRÃO

De R$ 47,80
Por R$ 23,90
50% off
+ frete grátis



O NOVO CÉREBRO DA GE
DAVID MAGEE

De R$ 73,00
Por R$ 36,50
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
89107 visitas/dia
1,7 milhão/mês