Os Ensaios, de Montaigne | Digestivo Cultural

busca | avançada
29956 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> Venha conhecer o trabalho de Daniel Lie no Programa Arte- Papo da Fundação Ema Klabin
>>> Lançamento de Paulinas Editora convida crianças a conhecerem a vida de São Francisco
>>> Ana Salvagni e Eduardo Lobo apresentam 'Canção do Amor Distante' em Campinas
>>> Diálogos com um gênio da literatura mundial que marcaram toda a cultura ocidental
>>> 'Chet Baker, Apenas Um Sopro' com Paulo Miklos estreia dia 06/10 no CCBB/RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
Últimos Posts
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
>>> Insone
>>> Sobre a Filosofia (obrigatória) no ensino médio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A natureza se reveste de ti
>>> Um aborrecimento e uma surpresa
>>> Meu querido mendigo
>>> Borges sensacionalista
>>> Gustavo Rezende: uno... duplo...
>>> O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro
>>> Memorial de Berlim
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> O retorno à cidade natal
Mais Recentes
>>> Memórias Perdidas
>>> Coraline
>>> A Revolução Dos Bichos
>>> Quase todos segredos de uma vida
>>> Lula É Minha Anta
>>> Moderna orientação de leitura e abordagem literária - Poesia e Prosa
>>> Direção de arte em propaganda
>>> Como Reconhecer a arte rococó
>>> E Por Falar Em Amor
>>> Chichapolitik - la prensa com Fujimori em las elecciones generales 2000 em el Perú
>>> Camilo Desconhecido (1918)
>>> Fazendo Meu Filme - Vol.1 - A Estreia de Fani
>>> O desencantamento da arte - a filosofia de Walter Benjamin
>>> A menina que roubava livros
>>> O Novo rádio
>>> Contos Fantásticos
>>> O diabo e a terra de Santa Cruz
>>> Operação Cavalo De Tróia 5
>>> A cabeça do Brasileiro
>>> A Lata - Solução de Futuro
>>> Economia para Leigos
>>> Acervo Nacional de Belas Artes
>>> Arte Sacra Colonial: Barroco Memória Viva
>>> Escultura Gótica 1140-1300
>>> Violeiros do Norte - poesia e linguagem do sertão nordestino - 5ª ed.
>>> Guilherme Marechal ou o melhor cavaleiro do mundo
>>> Angústia
>>> Rua dos artistas e arredores
>>> Treblinka - 2ª edição
>>> Lolita
>>> Messalina
>>> Casei Com um Comunista
>>> The Secret - o Segredo
>>> O Senhor de Todas as Armas
>>> Entre Ossos e a Escrita
>>> Índios no Brasil
>>> Maçonaria nas Américas
>>> 27 Romance
>>> Amo você
>>> Histórias de Nuestra América A lua e a caminhada perigosa Torquemada
>>> A democracia necessária
>>> Trezentos e sessenta e cinco dias 365 histórias
>>> Moderna Enciclopédia de Relações Humanas e Psicologia gerak
>>> O repouso
>>> Assuntos da Vida e da Morte
>>> O pai Goriot
>>> E o mundo silenciou
>>> A enigmática Cultura Egípcia
>>> Obras Escolhidas V
>>> As Valkirias
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 28/3/2012
Os Ensaios, de Montaigne
Julio Daio Borges

+ de 11000 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 486 >>> Todo mundo que aprecia uma leitura de fôlego já ouviu falar da forma "ensaio". Tantos escritores e pensadores lançaram seus livros de "ensaios" que parece um formato tão antigo quanto, sei lá, as diferenças entre "poesia" e "prosa". Mas o fato é que o "ensaio" foi inventado por um sujeito chamado Michel Eyquem, nascido em 1533, que chegou a ser prefeito de Bordeaux (na França), que não era nobre, mas que detinha posse de terras, e que, nos seus escritos, usou a alcunha de "Michel [Seigneur] de Montaigne". Reza a lenda que em 1569 sofreu uma queda de cavalho séria, que o fez contemplar a possibilidade da própria morte e, assim, nasceu um projeto autobiografico, o dos Ensaios. Também reza a lenda que Montaigne utilizou a palavra "ensaio" porque, na sua abordagem de temas, fazia "tentativas", não tinha a pretensão de ser definitivo e admitia que estava muito longe dos sábios da antiguidade, em quem se inspirava. Foi criado primeiro em latim, por determinação de seu pai, depois em francês. De modo que dominar os clássicos fazia parte do seu dia a dia, não era nenhuma coisa de outro mundo. Justamente por não ser um especialista, apesar de conhecer bastante, Montaigne se revela, no final das contas, um dos sábios mais humildes de toda a História. Dialoga, principalmente, com Sêneca e Plutarco, mas cita desde Sócrates, Platão e Aristóteles até Alexandre, César e Virgílio. Cronologicamente, está próximo da descoberta da América, tendo, aliás, escrito um ensaio mencionando o canibalismo (mas com muito respeito às culturas pré-colombianas). Apesar de ser considerado de fé cristã, praticamente não cita a Bíblia ou nenhum dos Doutores da Igreja. Como bom renascentista, sente-se mais à vontade entre autores gregos e romanos do que entre a literatura da Idade Média. Ainda que esteja, por exemplo, relativamente próximo do Dom Quixote (1605), toda a mitologia de príncipes e princesas, reis e rainhas não está presente na obra de Montaigne, a não ser para desconstruí-la (ocupa-se, insistentemente, com o lado humano, e menos nobre, da coisa toda). É assim, por exemplo, que apresenta seus Ensaios: "Quero que me vejam aqui em meu modo simples, natural e coerente, sem pose nem artifício: pois é a mim que retrato". Mais adiante, define seu projeto: "É um registro de ocorrências diversas e mutáveis, de ideias indecisas, e se calhar, contrárias". Contrariando Maquiavel, aliás, declara: "Mesmo se pudesse me fazer temido, gostaria mais ainda de me fazer amado". Fechando com: "Quem impõe seu discurso como um desafio e um comando mostra que sua razão é fraca". Montaigne varre praticamente todo o escopo de preocupações humanas (a edição original, dos Ensaios, abarca três volumes), tendo se tornado mais conhecido por capítulos como "Que filosofar é aprender a morrer" (uma constatação de Cícero), onde arremeda os estoicos: "Não há nenhum mal na vida para aquele que bem compreendeu que a privação da vida não é um mal". Fala, também, de estética: "É descortês e inoportuno criticar tudo o que não é de nosso gosto". Pondera sobre os limites do conhecimento: "É uma ousadia perigosa de grande consequência desprezar o que não compreendemos". E, citando Heráclides do Ponto, define-se mais um pouco: "Não sei arte nem ciência, mas sou filósofo". Reconhece, aliás, que a filosofia não está mais em alta: "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática". Contudo, quando necessário, soa igualmente pragmático: "É obrigado a agir mal no varejo quem quiser agir bem no atacado, e a cometer injustiça nas pequenas coisas quem quiser fazer justiça nas grandes". A nova edição dos Ensaios, lançada na coleção de clássicos da Penguin Companhia, é perfeita para quem deseja adentrar no universo de Montaigne, comprometendo-se, inicialmente, com um volume apenas. A introdução de Erich Auerbach, situando Montaigne na história da literatura, é primorosa. A tradução é fluida e as notas de rodapé são oportunas sem prejudicar a leitura. Conhecer Montaigne, para quem deseja fazer "amizade com a sabedoria" (sentido original da palavra "filosofia"), é, muito mais que uma obrigação, um indescritível prazer. Afinal, como Montaigne, mais uma vez, nos ensina: "Não há nada tão belo e legítmo quanto agir como um homem deve agir, nem ciência tão árdua como saber viver esta vida".
>>> Os Ensaios
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2012
13h42min
Caro Julio e leitores, A observação de Montaigne - "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática" - continua a ter validade, acho que até maior, nos nossos dias. Abraço,
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTERNACIONALIZAÇÃO ESTRATÉGIA E ESTRUTURA
EDUARDO VASCONCELLOS
ATLAS
(2008)
+ frete grátis



DOUTRINA SECRETA - COLEÇÃO COMPLETA
HELENA BLAVATSKY
PENSAMENTO
(1989)
+ frete grátis



O ÚLTIMO JURADO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2004)
+ frete grátis



TEX ITALIANO TUTTO Nº 382 - LA TIGRE NERA
SERGIO BONELLI
SBE
(2003)
+ frete grátis



O CASO MOREL
RUBEM FONSECA
GLOBO
(2003)
+ frete grátis



ESTUDOS SOBRE A PALAVRA DE DEUS- ACTOS DOS APÓSTOLOS, EPÍSTOLA AOS ROMANOS. 1ª EPÍSTOLA AOS CORÍNTIOS.
J.N. DARBY
LISBOA
(1987)
+ frete grátis



SARTRE Y SU EXISTENCIALISMO
ISMAEL QUILES
ESPASA-CALPE
(1958)
+ frete grátis



TEOLOGIA DEL NUEVO TESTAMENTO
FRANK STAGG
CASA BAUTISTA DE PUBLICACIONES
(1976)
+ frete grátis



LULA NA LITERATURA DE CORDEL
CRISPINIANO NETO
IMEPH
(2009)
+ frete grátis



O PORTO DAS BRUMAS
GEORGES SIMENON
NOVA FRONTEIRA
(2004)
+ frete grátis





busca | avançada
29956 visitas/dia
846 mil/mês