Os Ensaios, de Montaigne | Digestivo Cultural

busca | avançada
28300 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> "A Falecida", de Nelson Rodrigues, estreia no Teatro Macunaíma
>>> Orlando Azevedo organiza evento com venda de obras e discussão sobre arte e fotografia
>>> Fotógrafo Marcelo Aniello lança livro fotografia inspirado nas cores de Trancoso
>>> Martie sobe ao palco ao lado do pianista Marcos Nimrichter
>>> Embaixador croata lança livro de poemas no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> O santo e el-rei (série: sonetos)
>>> O sonho acabou?
>>> Marola
>>> Quando algo está para acabar, chove. Foi testado.
>>> Tem café?
>>> Ferreira Gullar (1930-2016)
>>> 4 de Dezembro de 2016
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Sobre o show da Madonna
>>> A ideologia que faltava
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Risos, maestro!
>>> O soldado absoluto
>>> Meu Marido, de Livia Garcia-Roza
>>> Flores Azuis, de Carola Saavedra
>>> 13 musas da literatura
>>> Palpites e Patentes
Mais Recentes
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Futebol Ao Sol E À Sombra
>>> Prática Das Pequenas Construções - Volume 1
>>> A Condição Humana
>>> A Arte Brasileira Em 25 Quadros (1790-1930)
>>> Geográfica Universal - Jul/1994
>>> Men'sHealth - Jan/2015
>>> Men'sHealth - Nov/2014
>>> Men'sHealth - Dez/2014
>>> Scientific American Brasil 27 - Edição Especial
>>> Dás Um Banho: Roberto Alves o rádio, o futebol e a cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> Scientific American Brasil 8 - Edição especial fronteiras da física
>>> Scientific American Brasil - Edição Especial Física (1)
>>> História das Ideias Políticas
>>> Caim
>>> O Evangelho segundo Jesus Cristo
>>> This will make you smarter
>>> A Universe from nothing
>>> As Relaçoes diplomáticas da Ásia
>>> BRICS - As potências emergentes
>>> História da Sexualidade III - O cuidado de si
>>> A assustadora história do holocausto
>>> História das Crenças e das Ideias Religiosas - parte I: da idade da pedra aos mistérios de elêusis
>>> Microfísica do Poder
>>> A insustentável leveza do ser
>>> Os crimes do amor
>>> A ética protestante e o espirito do capitalismo
>>> A ordem do discurso
>>> Der Antichrist (Deutsch)
>>> Basic writings of Nietzsche
>>> Eu via Satanás cair como um relâmpago
>>> The greatest show on Earth
>>> O macaco e a essência
>>> Os dêmonios de Loudun
>>> Pedaços de um caderno manchado de vinho
>>> Pulp
>>> Delirios Cotidianos
>>> Factótum
>>> Super Interessante - Ago/2012 - Especial
>>> Super Interessante - Out/2010
>>> Super Interessante - Ago/2011
>>> O Elo Perdido: Classe e identidade de classe
>>> Série Reencontro: O Morro Dos Ventos Uivantes
>>> A Mulher V: Moderna, À Moda Antiga
>>> Super Interessante - Mai/2010 - Edição especial
>>> Casamento Blindado
>>> Numa fria
>>> O capitão saiu para o almoço e os marinheiros tomaram conta do navio
>>> Fabulário geral do delírio cotidiano: ereções, ejaculações e exibicionismos - Parte II
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 28/3/2012
Os Ensaios, de Montaigne
Julio Daio Borges

+ de 11100 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 486 >>> Todo mundo que aprecia uma leitura de fôlego já ouviu falar da forma "ensaio". Tantos escritores e pensadores lançaram seus livros de "ensaios" que parece um formato tão antigo quanto, sei lá, as diferenças entre "poesia" e "prosa". Mas o fato é que o "ensaio" foi inventado por um sujeito chamado Michel Eyquem, nascido em 1533, que chegou a ser prefeito de Bordeaux (na França), que não era nobre, mas que detinha posse de terras, e que, nos seus escritos, usou a alcunha de "Michel [Seigneur] de Montaigne". Reza a lenda que em 1569 sofreu uma queda de cavalho séria, que o fez contemplar a possibilidade da própria morte e, assim, nasceu um projeto autobiografico, o dos Ensaios. Também reza a lenda que Montaigne utilizou a palavra "ensaio" porque, na sua abordagem de temas, fazia "tentativas", não tinha a pretensão de ser definitivo e admitia que estava muito longe dos sábios da antiguidade, em quem se inspirava. Foi criado primeiro em latim, por determinação de seu pai, depois em francês. De modo que dominar os clássicos fazia parte do seu dia a dia, não era nenhuma coisa de outro mundo. Justamente por não ser um especialista, apesar de conhecer bastante, Montaigne se revela, no final das contas, um dos sábios mais humildes de toda a História. Dialoga, principalmente, com Sêneca e Plutarco, mas cita desde Sócrates, Platão e Aristóteles até Alexandre, César e Virgílio. Cronologicamente, está próximo da descoberta da América, tendo, aliás, escrito um ensaio mencionando o canibalismo (mas com muito respeito às culturas pré-colombianas). Apesar de ser considerado de fé cristã, praticamente não cita a Bíblia ou nenhum dos Doutores da Igreja. Como bom renascentista, sente-se mais à vontade entre autores gregos e romanos do que entre a literatura da Idade Média. Ainda que esteja, por exemplo, relativamente próximo do Dom Quixote (1605), toda a mitologia de príncipes e princesas, reis e rainhas não está presente na obra de Montaigne, a não ser para desconstruí-la (ocupa-se, insistentemente, com o lado humano, e menos nobre, da coisa toda). É assim, por exemplo, que apresenta seus Ensaios: "Quero que me vejam aqui em meu modo simples, natural e coerente, sem pose nem artifício: pois é a mim que retrato". Mais adiante, define seu projeto: "É um registro de ocorrências diversas e mutáveis, de ideias indecisas, e se calhar, contrárias". Contrariando Maquiavel, aliás, declara: "Mesmo se pudesse me fazer temido, gostaria mais ainda de me fazer amado". Fechando com: "Quem impõe seu discurso como um desafio e um comando mostra que sua razão é fraca". Montaigne varre praticamente todo o escopo de preocupações humanas (a edição original, dos Ensaios, abarca três volumes), tendo se tornado mais conhecido por capítulos como "Que filosofar é aprender a morrer" (uma constatação de Cícero), onde arremeda os estoicos: "Não há nenhum mal na vida para aquele que bem compreendeu que a privação da vida não é um mal". Fala, também, de estética: "É descortês e inoportuno criticar tudo o que não é de nosso gosto". Pondera sobre os limites do conhecimento: "É uma ousadia perigosa de grande consequência desprezar o que não compreendemos". E, citando Heráclides do Ponto, define-se mais um pouco: "Não sei arte nem ciência, mas sou filósofo". Reconhece, aliás, que a filosofia não está mais em alta: "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática". Contudo, quando necessário, soa igualmente pragmático: "É obrigado a agir mal no varejo quem quiser agir bem no atacado, e a cometer injustiça nas pequenas coisas quem quiser fazer justiça nas grandes". A nova edição dos Ensaios, lançada na coleção de clássicos da Penguin Companhia, é perfeita para quem deseja adentrar no universo de Montaigne, comprometendo-se, inicialmente, com um volume apenas. A introdução de Erich Auerbach, situando Montaigne na história da literatura, é primorosa. A tradução é fluida e as notas de rodapé são oportunas sem prejudicar a leitura. Conhecer Montaigne, para quem deseja fazer "amizade com a sabedoria" (sentido original da palavra "filosofia"), é, muito mais que uma obrigação, um indescritível prazer. Afinal, como Montaigne, mais uma vez, nos ensina: "Não há nada tão belo e legítmo quanto agir como um homem deve agir, nem ciência tão árdua como saber viver esta vida".
>>> Os Ensaios
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/5/2012
13h42min
Caro Julio e leitores, A observação de Montaigne - "É espantoso que as coisas tenham chegado, em nosso século, ao ponto de a filosofia ser até para as pessoas inteligentes algo vão e fantástico, considerado de nenhuma utilidade e de nenhum valor tanto para a opinião geral como para a prática" - continua a ter validade, acho que até maior, nos nossos dias. Abraço,
[Leia outros Comentários de Cesar Barroso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PAZ QUE EXCEDE TODO O ENTENDIMENTO
KATHLEEN LITTLETON
VIDA
(2005)



ISTO ÉS TU - REDIMENSIONANDO A METÁFORA RELIGIOSA
JOSEPH CAMPBELL
LANDY
(2002)



MEU BRASIL
CATULO DA PAIXÃO CEARENSE
A NOITE



LA SUPERACION : COMO SE LOGRA EN OTROS Y EN NOSOTROS
ALAN LOY MCGINNIS
MUNDO HISPANO
(1987)
+ frete grátis



O TEATRO DOS SETE POVOS LUSÓFONOS (PORTUGAL/BRASIL/ÁFRICA) - SEBASTIÃO MILARÉ (COORD.)
SEBASTIÃO MILARÉ (COORD.)
SECRETARIA DE CULTURA DE SÃO PAULO
(1998)
+ frete grátis



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN
INTRÍNSECA
(2012)
+ frete grátis



AS VOZES DA CONSCIÊNCIA
JOSÉ ANGELO GAIARSA
ÁGORA
(1991)
+ frete grátis



LENIN: CAPITALISMO DE ESTADO E BUROCRACIA
LEÔNCIO MARTINS RODRIGUES & OTTAVIANO DE FIORE
ELOS
(1978)
+ frete grátis



ESTUDOS SOBRE A VOZ CANTADA
SYLVIO BUENO TEIXEIRA
AP
(1970)
+ frete grátis



JURUPARI: ESTUDOS DE MITOLOGIA BRASILEIRA
SILVIA MARIA S. DE CARVALHO
ÁTICA
(1979)
+ frete grátis





busca | avançada
28300 visitas/dia
957 mil/mês