Cabeça de papel | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
20983 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> COMPETIÇÃO TÍPICA DO SERRADOR DE TORA, DANÇAS HISTÓRICAS GERMÂNICAS, EXPOSIÇÕES... TUDO ISSO E MUITO
>>> Embaixador do Samba Paulista - Carlinhos do Cavaco
>>> O NOVO CZAR: ASCENSÃO E REINADO DE VLADIMIR PUTIN
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Luiz Iria mostra como criar e editar infográficos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Escriturar=costurar
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> A maldição da internet no celular
>>> Dilbert
>>> Apesar da democracia
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco
>>> Seleção, que sufoco
>>> Internet e Microblogs
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
Mais Recentes
>>> Se Arrependimento Matasse
>>> Temporada de Caça
>>> As Palavras de Gandhi
>>> Natação: Guia Passo a Passo
>>> O Corredor da vida
>>> Do-in Para Crianças
>>> Larousse da Terceira Idade
>>> Caderno de Literatura e Cultura Russa
>>> Descuidos, Anacronismos e Equívocos
>>> Padre Antônio Vieira - 400 Anos Depois
>>> Tipos e Aspectos do Brasil
>>> Modos de Governar
>>> Onde o Esporte Se Reinventa: Histórias e Bastidores dos 40 Anos de Placar
>>> Manual de Lazer e Recreação: O Mundo Lúdico ao Alcance de Todos
>>> High Voltage Tattoo
>>> Tattoo Mystique
>>> História do Novo Mundo: As Mestiçagens - Volume 2
>>> Ergonomia Cognitiva e Mente Incorporada
>>> A Instituição da Religião Cristã - Volume 1
>>> História do Futuro
>>> Democracia ou Bonapartismo
>>> Peregrinação - Volume 2
>>> Em Busca da Excelência: Como Vencer no Esporte e na Vida Treinando Sua Mente
>>> Celebrity Tattoos: An A-Z of A-List Body Art: 16 Temporary Tattoos to Wear
>>> O Primeiro Ano de Vida
>>> Literatura Infantojuvenil Africana e Afro-Brasileira
>>> Batizados no Espírito- A Experiência do Espírito Santo nos Padres da Igreja
>>> A Conquista do Reino de Deus
>>> Travessuras da minha menina má - volumes I, II e III
>>> O vício do amor
>>> Vinte anos. duas pessoas. Um dia
>>> À beira da sepultura
>>> Cinderela - Disney - Princess - Idioma: Inglês
>>> Destinada a sepultura
>>> O livro das coisas perdidas
>>> Os homens que não amavam as mulheres
>>> Lira dos vinte anos
>>> A menina que brincava com fogo
>>> A rainha do castelo de ar
>>> A garota na teia de aranha -
>>> Desejo:ate onde ele pode te levar?
>>> Che Guevara - personagens que maracram época
>>> Getúlio Vargas - personagens que marcaram época
>>> Ayrton Senna, personagens que marcaram época
>>> John Lennon, personagens que marcaram época
>>> Machado de Assis - personagens que marcaram época
>>> O Fim das Dietas
>>> O Que É Marxismo?
>>> Dieta das Emoções
>>> Serial Killers
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 23/9/2003
Cabeça de papel
Julio Daio Borges

+ de 10800 Acessos

Como sou da geração televisão (cresci nos anos 80), minha "formação literária", digamos assim, se deu basicamente através dos jornais. Como não havia internet na época, eles foram minha "janela para o mundo".

Também o meu trabalho no Digestivo Cultural me aproximou dos jornalistas. Eram eles o meu modelo. Fizeram não só a minha cabeça, mas também a de todos aqueles que hoje escrevem na Web brasileira.

Assim, é natural que eu comece por eles (pelos jornalistas), ao indicar quais foram (e ainda são), para mim, os livros fundamentais.

A primeira influência que me ocorre é o Paulo Francis. Acontece, porém, que nenhum livro dele capta o que ele "foi" nos jornais. Então indico Waaal (1996), que é da época em que eu respirava Paulo Francis. Na minha opinião, ele foi o sujeito que tirou do jornalismo brasileiro (principalmente do cultural) o "complexo de vira-lata". Ele era pretensioso (no bom e no mau sentido) e discutia as grandes questões. Não fazia média e tinha horizontes largos. Civilizou muita gente com seu trabalho, embora poucos admitam.

Depois, quase junto, ou "quase antes", o Nélson Rodrigues (que eu insisto em grafar com acento, respeitando o original). Este me foi apresentado pelo Ruy Castro (de quem eu falo mais adiante), quando editava, para a Companhia das Letras, toda a obra jornalística do Anjo Pornográfico. Nélson tem um dos melhores textos do "português brasileiro" e nunca encontrei nada dele que fosse "ruim". Além de gênio do teatro, ele foi gênio da palavra, e eu não hesitaria em colocá-lo como o maior escritor brasileiro do século XX (considerando Machado de Assis como do século XIX). Uma boa introdução ao Nélson é O óbvio ululante (1993); foi por onde comecei, e não parei mais.

Logo em seguida, na minha "trinca" de influências, vem um "escritor de verdade" (não-jornalista). É o Rubem Fonseca. Hoje, no meu conceito, ele passa por uma reavaliação, mas, em termos de ficção, foi quem me mostrou "que era possível". Rubem Fonseca indubitavelmente abriu um caminho que não existia: retomou a temática urbana, quando a literatura brasileira parecia "perdida para sempre" no reino do regionalismo. Sem ele, não haveria nada do que estamos vendo (no cinema) e lendo (nos livros). Nesse meio tempo, vá de O buraco na parede (1995).

O Ruy Castro eu não lembro de ter "descoberto"; acho que ele sempre foi uma presença constante. Junto com o Fernando Morais (a seguir), praticamente inventou a biografia no Brasil. Você pode ler "de olhos fechados": O anjo pornográfico (1992), Estrela solitária (1995) e Chega de saudade (1990), o meu favorito. Além disso, Ruy Castro criou toda uma mitologia em torno do Rio dos anos 50 e 60. Se hoje o Tom Jobim, o Vinicius de Moraes e a turma da Bossa Nova são o que são neste País, foi por causa do Ruy. Do alto de sua cobertura no Leblon, ele preserva a alma encantadora das ruas do Rio de Janeiro.

Já o Fernando Morais, escreveu um dos livros que mais me marcou: Chatô: o rei do Brasil (1994). O Assis Chateaubriand, para além das questões "éticas", sempre me fascinou por ser um homem de ação. Recomendo veementemente a leitura de Chatô; pelo menos para entender como um menino do interior do Nordeste, que demorou a falar, teve poderes de imperador no Brasil e nos legou uma das melhores galerias de arte do mundo: o Masp.

Saindo do rol dos brasileiros, eu citaria Kafka, que foi uma descoberta relativamente recente (o que não me impediu de ter lido quase tudo dele). Certamente eu devo esse "admirável mundo novo" kafkiano ao Modesto Carone. (Se você quiser saber a importância que tem um bom tradutor, compare as edições "antes" e "depois" de Modesto Carone.) Kafka - para além do viés interpretativo de querer relacioná-lo aos horrores da Segunda Guerra Mundial - é um autor universal. Ainda que de sua pena tenham saído muitos clássicos, para mim, Carta ao pai (1919) é insuperável.

E eu tenho uma teoria particular sobre Kafka: acho que ele saiu todo de dentro de Dostoiévski. Impossível não relacionar as descrições da São Petersburgo de Raskolnikov com as da Praga de Josef K. Assim, não é difícil adivinhar que, no meu ponto de vista, Fiódor Dostoiévski é o maior de todos. E Os irmãos Karamásov (1881), o maior entre todos (os livros). Perfeitamente construído, retrata a ascensão e a queda da espiritualidade no Ocidente, do século XIX em diante; ombreando-se com Nietzsche.

Agora vamos a outros três que eu considero "leituras básicas", embora não sejam necessariamente as minhas preferidas.

Começando por Oscar Wilde. Se você quiser compreender o "culto à personalidade" de hoje, tem de ler Wilde. Ele conseguiu a façanha de ser maior que a própria obra. O Retrato de Dorian Gray (1891) foi, para mim, um divisor de águas; e eu ficava decorando as falas de Lord Henry. Também recomendo De Profundis, uma das cartas confessionais mais bem escritas de todos os tempos. E as frases dele, que são ótimas.

Outra "leitura básica" é George Orwell, que resumiu o ocaso da individualidade (do homem comum) em 1984. Foi publicado em 1949 e é lamentável que continue tão atual. Não para Orwell, que merece muito mais; mas para nós, que continuamos vivendo sob o jugo dos "Big Brothers" da vida.

E a terceira "leitura básica", e minha última dica, é O Estrangeiro (1942), de Albert Camus. Li em francês e fiquei bestificado. Também fala da nossa existência como "autômatos": sem sentimentos, sempre "ao sabor do vento", com a eterna impressão de que "tudo foi em vão". Tem a abertura clássica do sujeito que não se lembra se a mãe morreu naquele dia ou no dia anterior. Por aí, já dá para imaginar o que virá.

Fico nesses dez. Lembrando sempre que, para nós mortais, livros e leituras são felizmente intermináveis.

Nota do Editor
Texto especialmente composto para integrar a seção "Biblioteca Ideal" da Livraria Cultura.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
03. Ler para ficar acordado de Cassionei Niches Petry
04. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
05. Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
04. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SENTIDO DE ZEUS. O MITO DO MUNDO E O MODO MÍTICO DE SER NO MUNDO
JAA TORRANO
ILUMINURAS
(1996)
R$ 88,00



BRAGUINHA - SONGBOOK
ALMIR CHEDIAK
LUMIAR
(2002)
R$ 45,00



A SABEDORA DE SIDARTA - O BUDA
ANTONIO CARLOS ROCHA
EDIOURO
(1985)
R$ 7,50



DEMOCRATIZAÇÃO EM FLORIANÓPOLIS: RESGATANDO A MEMÓRIA DOS MOV. SOC.
ILSE SCHERER-WARREN
UNIVALI
(1998)
R$ 3,00



A VOLTA DE SHERLOCK HOLMES
CONAN DOYLE
FRANCISCO ALVES
(1983)
R$ 6,00



A CHINA ANTIGA - GRANDES CIVILIZAÇÕES DO PASSADO
MAURIZIO SCARPARI
FOLIO
(2006)
R$ 20,00



MICROONDAS COM CAPRICHO
INGE SCHIERMANN
MELHORAMENTOS
(1990)
R$ 8,60



LIDANDO COM PESSOAS DIFÍCEIS
HARVARD BUSINESS SCHOOL
CAMPUS
R$ 14,90



DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL
FELA MOSCOVICI
LIVROS TECNICOS E CIENTÍFICOS EDITORA LTDA
(1985)
R$ 14,90



SADE UM ANJO NEGRO DA MODERNIDADE
GABRIEL GIANNATTASIO
IMAGINÁRIO
(2000)
R$ 10,00





busca | avançada
20983 visitas/dia
829 mil/mês