Cabeça de papel | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta Régis Bonvicino
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
Mais Recentes
>>> Platero E Eu
>>> O Piano
>>> Blue Like Jazz - Nonreligious Thoughts On Christian Spirituality
>>> A Prece Ucraniana na Pressa da Cidade- as renegociações das práticas religiosas ucranianas nos espaços da cidade de Curitiba, a partir de 1960
>>> Harmonia
>>> O Muro
>>> Tetralogia Monstro
>>> O Poder da Mulher que Ora
>>> Historia Geral Da Africa, Vol.2 Africa Antiga
>>> Revista de Cultura Brasileña - Número 39, junho de 1975 (ESPANHOL/PORTUGUÊS)
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Terça-feira, 23/9/2003
Cabeça de papel
Julio Daio Borges

+ de 10600 Acessos

Como sou da geração televisão (cresci nos anos 80), minha "formação literária", digamos assim, se deu basicamente através dos jornais. Como não havia internet na época, eles foram minha "janela para o mundo".

Também o meu trabalho no Digestivo Cultural me aproximou dos jornalistas. Eram eles o meu modelo. Fizeram não só a minha cabeça, mas também a de todos aqueles que hoje escrevem na Web brasileira.

Assim, é natural que eu comece por eles (pelos jornalistas), ao indicar quais foram (e ainda são), para mim, os livros fundamentais.

A primeira influência que me ocorre é o Paulo Francis. Acontece, porém, que nenhum livro dele capta o que ele "foi" nos jornais. Então indico Waaal (1996), que é da época em que eu respirava Paulo Francis. Na minha opinião, ele foi o sujeito que tirou do jornalismo brasileiro (principalmente do cultural) o "complexo de vira-lata". Ele era pretensioso (no bom e no mau sentido) e discutia as grandes questões. Não fazia média e tinha horizontes largos. Civilizou muita gente com seu trabalho, embora poucos admitam.

Depois, quase junto, ou "quase antes", o Nélson Rodrigues (que eu insisto em grafar com acento, respeitando o original). Este me foi apresentado pelo Ruy Castro (de quem eu falo mais adiante), quando editava, para a Companhia das Letras, toda a obra jornalística do Anjo Pornográfico. Nélson tem um dos melhores textos do "português brasileiro" e nunca encontrei nada dele que fosse "ruim". Além de gênio do teatro, ele foi gênio da palavra, e eu não hesitaria em colocá-lo como o maior escritor brasileiro do século XX (considerando Machado de Assis como do século XIX). Uma boa introdução ao Nélson é O óbvio ululante (1993); foi por onde comecei, e não parei mais.

Logo em seguida, na minha "trinca" de influências, vem um "escritor de verdade" (não-jornalista). É o Rubem Fonseca. Hoje, no meu conceito, ele passa por uma reavaliação, mas, em termos de ficção, foi quem me mostrou "que era possível". Rubem Fonseca indubitavelmente abriu um caminho que não existia: retomou a temática urbana, quando a literatura brasileira parecia "perdida para sempre" no reino do regionalismo. Sem ele, não haveria nada do que estamos vendo (no cinema) e lendo (nos livros). Nesse meio tempo, vá de O buraco na parede (1995).

O Ruy Castro eu não lembro de ter "descoberto"; acho que ele sempre foi uma presença constante. Junto com o Fernando Morais (a seguir), praticamente inventou a biografia no Brasil. Você pode ler "de olhos fechados": O anjo pornográfico (1992), Estrela solitária (1995) e Chega de saudade (1990), o meu favorito. Além disso, Ruy Castro criou toda uma mitologia em torno do Rio dos anos 50 e 60. Se hoje o Tom Jobim, o Vinicius de Moraes e a turma da Bossa Nova são o que são neste País, foi por causa do Ruy. Do alto de sua cobertura no Leblon, ele preserva a alma encantadora das ruas do Rio de Janeiro.

Já o Fernando Morais, escreveu um dos livros que mais me marcou: Chatô: o rei do Brasil (1994). O Assis Chateaubriand, para além das questões "éticas", sempre me fascinou por ser um homem de ação. Recomendo veementemente a leitura de Chatô; pelo menos para entender como um menino do interior do Nordeste, que demorou a falar, teve poderes de imperador no Brasil e nos legou uma das melhores galerias de arte do mundo: o Masp.

Saindo do rol dos brasileiros, eu citaria Kafka, que foi uma descoberta relativamente recente (o que não me impediu de ter lido quase tudo dele). Certamente eu devo esse "admirável mundo novo" kafkiano ao Modesto Carone. (Se você quiser saber a importância que tem um bom tradutor, compare as edições "antes" e "depois" de Modesto Carone.) Kafka - para além do viés interpretativo de querer relacioná-lo aos horrores da Segunda Guerra Mundial - é um autor universal. Ainda que de sua pena tenham saído muitos clássicos, para mim, Carta ao pai (1919) é insuperável.

E eu tenho uma teoria particular sobre Kafka: acho que ele saiu todo de dentro de Dostoiévski. Impossível não relacionar as descrições da São Petersburgo de Raskolnikov com as da Praga de Josef K. Assim, não é difícil adivinhar que, no meu ponto de vista, Fiódor Dostoiévski é o maior de todos. E Os irmãos Karamásov (1881), o maior entre todos (os livros). Perfeitamente construído, retrata a ascensão e a queda da espiritualidade no Ocidente, do século XIX em diante; ombreando-se com Nietzsche.

Agora vamos a outros três que eu considero "leituras básicas", embora não sejam necessariamente as minhas preferidas.

Começando por Oscar Wilde. Se você quiser compreender o "culto à personalidade" de hoje, tem de ler Wilde. Ele conseguiu a façanha de ser maior que a própria obra. O Retrato de Dorian Gray (1891) foi, para mim, um divisor de águas; e eu ficava decorando as falas de Lord Henry. Também recomendo De Profundis, uma das cartas confessionais mais bem escritas de todos os tempos. E as frases dele, que são ótimas.

Outra "leitura básica" é George Orwell, que resumiu o ocaso da individualidade (do homem comum) em 1984. Foi publicado em 1949 e é lamentável que continue tão atual. Não para Orwell, que merece muito mais; mas para nós, que continuamos vivendo sob o jugo dos "Big Brothers" da vida.

E a terceira "leitura básica", e minha última dica, é O Estrangeiro (1942), de Albert Camus. Li em francês e fiquei bestificado. Também fala da nossa existência como "autômatos": sem sentimentos, sempre "ao sabor do vento", com a eterna impressão de que "tudo foi em vão". Tem a abertura clássica do sujeito que não se lembra se a mãe morreu naquele dia ou no dia anterior. Por aí, já dá para imaginar o que virá.

Fico nesses dez. Lembrando sempre que, para nós mortais, livros e leituras são felizmente intermináveis.

Nota do Editor
Texto especialmente composto para integrar a seção "Biblioteca Ideal" da Livraria Cultura.


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. Acadêmicos de Curitiba de Rafael Azevedo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2003
01. Freud e a mente humana - 21/11/2003
02. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
03. A internet e as comunidades virtuais - 24/1/2003
04. Rubem Fonseca e a inocência literária perdida - 16/5/2003
05. Cabeça de papel - 23/9/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO LER A CARTA DE JUDAS- CORAGEM PARA LUTAR PELA FÉ
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2001)
R$ 18,00
+ frete grátis



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



O ÚLTIMO E GRANDE DIA DA FESTA
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2007)
R$ 5,00



A TESTEMUNHA OCULAR DO CRIME
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 4,90



O HOMEM EM TEILHARD DE CHARDIN
CHAUCHARD
HERDER
(1973)
R$ 6,30



CIRCUITOS LINEARES
CHARLES M. CLOSE
LTC - LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1975)
R$ 65,00



O QUE FREUD NÃO EXPLICOU
MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 12,45
+ frete grátis



A REBELDE APAIXONADA
FRANK G. SLAUGHTER
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 3,00



LIBERTINOS LIBERTÁRIOS
ADAUTO NOVAIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 89,90



O TEATRO DE ANTONIO ROCCO (TEATRO BRASILEIRO)
ANTONIO ROCCO
IMPRENSA OFICIAL
(2009)
R$ 7,00





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês