Como se fosse fácil escrever | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/11/2003
Como se fosse fácil escrever
Eduardo Carvalho

+ de 7300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Disparada na África

Defeito Manada

Um amigo, dia desses, na praia, depois de uma partida de tênis, me explicou, em linhas gerais, a tese que pretende desenvolver, no ano que vem, na London School of Economics and Political Science: o efeito manada aplicado ao mercado financeiro. O assunto é complicado, envolvendo - e exigindo conhecimento de - Economia, Finanças, Estatística, Psicologia, etc.

Voltei para casa, no domingo, e continuei lendo Ébano - Minha vida na África, do jornalista polonês Ryszard Kapuscinski. O livro já é um clássico para a compreensão do Continente, suas culturas e seus conflitos, porque Kapuscinski acompanha de perto, há quatro décadas, a situação africana, como jornalista profissional e viajante casual. Numa passagem, o narrador descreve a experiência de um amigo, que durante anos observou de avião o comportamento dos búfalos africanos, sozinhos e em bandos. E reparou no seguinte: quando se aproxima de avião de um animal solitário, perdido do grupo, normalmente ele não se assusta; percebe a presença da máquina, mas continua pastando, tranqüilamente. Quando, porém, o avião, num vôo rasante, passa por cima de uma manada de búfalos, os animais inicialmente mantém silêncio - e depois explodem numa corrida desordenada, nervosos e cegos, em estado de pânico.

O que, afinal, acontece? Não deveria o grupo se sentir mais seguro do que o indivíduo, e preservar a calma enquanto passa o avião? Não. Porque a tendência, nesse caso, é de que o comportamento do grupo se iguale ao do animal mais sensível. Se, portanto, apenas um búfalo começar a correr, o resto, aos poucos, o imita - provocando, pelo mais simples motivo, uma situação de pavor generalizado. Não tenho aqui as bases estatísticas, nem uma teoria sólida trabalhada. Mas acho que essa observação africana ilustra com nitidez alguns movimentos do mercado financeiro.

Bárbaro babão

Ouvi, dias atrás, no elevador da faculdade, de um nerd, desses que babam - com óculos torto e bigodinho -, contando para o seu amigo peralta: "Pô, velho, eu tenho um amigo que trabalha na PF (Polícia Federal; repare na intimidade). É animal. Outro dia, na balada, ele mandou baterem nos seguranças. Tesão, diz aí...".

A nota média desse sujeito deve ser, por baixo, uns 7,5. Desconfio que seja, em algumas matérias, dos melhores da classe. E é nisto que dá: continua sendo um bárbaro babão. Não que isso seja, para mim, novidade. Para certas pessoas, entretanto, ainda é. Que fique, então, pelo menos, registrada a situação.

Mongólia

Bernardo Carvalho não é apenas um escritor com sobrenome bonito. É também um autor novo e competente, que busca assuntos diferentes para os seus livros, fugindo dos temas que dominam os lançamentos editoriais brasileiros. Seu mais recente livro, o festejado Mongólia, nem parece ter sido escrito por um brasileiro, apesar das eventuais referências ao País. Pode-se reclamar do estilo, ou da ausência dele: mas a prosa, mecânica, é eficiente. Bernardo Carvalho é um autor com interesse cosmopolita e de, no melhor sentido da expressão, qualidade internacional.

Há no livro, porém, no final - que evito contar -, uma sutil influência de Chico Mineiro, aquele clássico da música sertaneja. A coincidência, casual ou não, é evidente. Ninguém, porém, ousará apontar essa comparação, porque música caipira legítima, no Brasil, é diversão apenas para caipiras - e dos legítimos, que, aliás, estão desaparecendo.

A música sertaneja, eu diria, é o oposto do axé. Dizer que gosta de Tião Carreiro não pega bem. No entanto, não há nada mais verdadeiro, original, espontâneo. Chico Mineiro possui uma beleza simples e triste, real, que pertence ao coração humano - e não, como é o caso do axé, a uma gigantesca bunda artificial. Além de ser melodicamente pobre, o axé é um estilo falso, fabricado, forçado. Ninguém razoavelmente sensível consegue absorver essa suposta alegria distribuída.

Transposta a comparação acima, com todos os cuidados, para a literatura contemporânea, eu enquadraria então Bernardo Carvalho como um escritor - nessa onda de lançamentos vulgares e barulhentos - caipira. Dos legítimos. Não pelo seu provincianismo - que, em sua obra, inexiste. Mas pela sua produção honesta e bonita, que segue silenciosamente marginal - enquanto os trios elétricos literários dominam a avenida.

Como se fosse fácil escrever

Como se fosse fácil escrever. Se fosse assim: eu sento, com calma e tempo, e digito palavras, que escapam ordenadamente dos meus dedos. Sento então, e tento. Saem, contudo, idéias desordenadas, em frases feias e feitas. Faltou sempre, e faltará, uma capacidade natural para a comunicação agradável, composta por um texto fluente e lógico. Morro, e antes não escreverei bem.

E, pior, vou morrendo, enquanto isso, de inveja, de quem sabe - ou soube - escrever. É uma habilidade milagrosa. Exige esforço metódico e talento natural, mas não só, - repito - não só. Porque se esforçar todo mundo pode; e talento é uma sorte pequena. A prosa precisa e criativa é provavelmente uma das opções disponíveis ao gênio, para que imponha sua inteligência e confirme sua especialidade. Continua, no entanto, um mistério, onde reside a origem dessa genialidade. Sinto-me analfabeto, lendo Machado de Assis. Não sei mais como expressar isso. É a impressão que me resta, depois de ler Memorial de Aires.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 28/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
02. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/12/2003
12h31min
Realmente, escrever é ofício para poucos, assim como cozinhar e fazer boa música. Tentem ler João Antonio:"Malagueta, Perus e Bacanaço", fritem (ou tentem) um ovo a là Paul Bocouse ou escreva uma canção como "modinha" e talvez vocês se surpreendam com o fato de que o simples e o belo escondem sutilezas tão perversas quanto as mais herméticas das ciências.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo da Silva]
9/12/2003
14h41min
Pois escrever bem eh o misterio maior. Acho que a escrita, antes de ser um dom, eh um exercicio. Mas, para exercitar, temos que gostar. As vezes fico horas para escrever um tantinho assim. Outras, que facilidade, parece que as palavras ja estavam ali e eu simplesmente fui descobrindo-as da nevoa em que estavam envoltas. Sinto como se escrevesse com uma borracha no papel, apagando em vez de digitando. O texto jah existia. Porisso, louvo os escritores, esses seres que estao acima de nos mortais, livres como sua imaginacao.
[Leia outros Comentários de Marco Linhares]
19/12/2003
04h21min
A escrita distraída, na caneta, de saída, flui com volteios mansinhos e nos despe aos pouquinhos. A boca, maior orifício, desnuda, enquanto veículo, a emoção que em amplo espaço tropeça nos próprios laços. Assim, prefiro escrever, uma vez que o leitor, tão discreto esse ser, oculta-se atrás dos livros, quando, disposto a saber. O difícil é falar, tendo logo e bem à frente, olhos que fitam a gente, ansiosos, aguardando por dizeres indulgentes. Falando, faço-me breve, escrevendo, mais eu me estendo... O som esvai-se ao vento, mas, as letras no papel, seguras, vencem o tempo. maria da graça almeida
[Leia outros Comentários de maria da graça]
24/12/2003
10h56min
As palavras faladas têm uma vida mais efêmera e um raio de ação menor. No entanto têm um vigor maior, estão no presente. A palavra escrita ganha mais espaço e durabilidade no tempo. No entanto perde significado na medida em que se afasta do ato. Poucas leis antigas têm validade duradoura. Escrever sobre o dia-a-dia é um exemplo marcante da perda de significado. É como jornal de ontem. Escrever com conteúdo duradouro é bem mais difícil. Mas o mais triste é que uma grande maioria cada vez lê menos. E dos poucos que leem, ainda existe nas ofertas a parafernália do inútil. Mas em todo o caso, devemos ter esperança que cresçam as ofertas de escritos de valor.
[Leia outros Comentários de Vladimir D. Dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRATADO DE METODOLOGIA CIENTÍFICA
SILVIO LUIZ DE OLIVEIRA
PIONEIRA
R$ 10,00



NOS DOMÍNIOS MARAVILHOSOS DA PSICOMETRIA
OSVALDO POLIDORO
NÃO INFORMADO
(1994)
R$ 20,00



A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS
MARKUS ZUSAK
INTRÍNSECA
R$ 16,00



CURSOS DE DIREITO COMERCIAL
FRAN MARTINS
FORENSE
(1999)
R$ 10,00



ESTUDOS FILOLÓGICOS
ANTENOR NASCENTES
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
(2003)
R$ 30,00



OS GRANDES LÍDERES - KHOMEINI
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 4,00



AMHARIC FOR VISITORS
TESFAYE BAYE ASSEFA
MEGA PUBLISHING
(2011)
R$ 15,00



DIGITAL VIDEO SECRETS
TONY LEVELLE
MICHAEL WIESE PRODUCTIONS
(2008)
R$ 95,00



A ALDEIA SAGRADA
FRANCISCO MARINS
MELHORAMENTOS
(1964)
R$ 4,50



INTRODUCIÓN AL TEATRO DEL SIGLO XX - JOSÉ MARÍA MONNER SANS
JOSÉ MARÍA MONNER SANS
EDITORIAL COLUMBA
(1963)
R$ 15,00





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês