24 Horas: os medos e a fragilidade da América | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
>>> Melhores Blogs
Mais Recentes
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
>>> Machu Picchu
>>> Cidade Escola - Série Jovens Utopias Livro 3
>>> Dr. Clorofila Contra Rei Poluidor
>>> Trio Enganatempo - Sua Mãe Era Uma Neanderthal
>>> Através Do Espelho
>>> Watchman nee ( O Poder latente da alma )
>>> Oh! Dúvida Cruel 2
>>> Felicidade Em Um Mundo Material
>>> Coleção Enem & Vestivulares Volume 7 - Física
>>> Para Homens Na Crise Dos 40
COLUNAS

Segunda-feira, 4/7/2005
24 Horas: os medos e a fragilidade da América
Marcelo Miranda

+ de 15700 Acessos
+ 14 Comentário(s)

Vez ou outra na televisão, um seriado domina a atenção dos espectadores acima de todos os outros. Para ficar apenas nos últimos 20 anos, foi assim com Twin Peaks e seu mistério sobre a morte de Laura Palmer. Foi assim com Arquivo X e os infinitos enigmas envolvendo alienígenas, conspirações e seres sobrenaturais. E foi assim em 2001, com a estréia da série de ação que mais mexeu com o público em muito tempo: 24 Horas, criada por Joel Surnow e Robert Cochran (a título de curiosidade: a série da vez, hoje, é Lost, de J.J. Abrams).

Vários fatores tornaram 24 Horas um estouro já na primeira temporada (somam-se quatro, desde então). O maior deles, e a forma como o seriado foi vendido, é o conceito de tempo real: os acontecimentos são contados e apresentados na hora em que os vemos, sem elipses (saltos temporais). Assim, o espectador vive com os personagens os dramas e as situações criados pelos roteiristas, passo a passo, minuto a minuto, desde o começo - com direito a relógio aparecendo na tela e efeitos de split screen (tela dividida) para mostrar eventos que ocorrem simultaneamente. Cada episódio totaliza uma hora. Os obrigatórios intervalos comerciais também contam, e sempre surgem quando alguém está em alguma atividade demorada, como dirigindo ou esperando. No final da temporada, teremos acompanhado um dia completo.

Havia vários riscos para se produzir algo assim na televisão. Afinal, seria uma única história a ser contada, diferente dos demais programas, que, apesar de terem centros narrativos, se baseiam em capítulos independentes. Mais ainda: se o espectador pegasse a série na metade, não entenderia nada e provavelmente desistiria de tentar acompanhar. A Fox apostou na idéia, levou-a adiante e ganhou dezenas de pontos na audiência e inúmeros prêmios importantes (como o Emmy e o Globo de Ouro). A mistura do tempo real com os fortes enredos, mais o elenco impressionantemente convincente e perfeito (capitaneado por Kiefer Sutherland, em retorno triunfal depois do ostracismo artístico), tornaram o programa obrigatório. No Brasil, o sucesso foi também enorme - inclusive na TV aberta, quando foi exibido em 2004 pela Rede Globo nas férias do Programa do Jô e conseguiu atingir três vezes mais espectadores do que o gordo entrevistador. Três temporadas já foram lançadas em DVD. A quarta está sendo exibida por aqui na TV por assinatura e, em breve, na aberta. A produção de outras duas está garantida. A série continua na lista das mais vistas e mantém audiência cativa e legião de fanáticos.

Mais do que um fenômeno pop, 24 Horas é contemporânea também em sua temática, sempre girando em torno do terrorismo. Não foi por acaso que a estréia se deu em 2001, ano do ataque aéreo ao World Trade Center, em Nova York. A série foi o primeiro produto audiovisual, e provavelmente ainda o melhor, a captar o medo que assolou os EUA desde então. Mais do que isso: a captar a fragilidade existente naquele país, atingido em seu coração, numa simples manhã de trabalho, por "invasores" dispostos a se matar em nome de causas religiosas ou ideológicas. O seriado transpôs para a tela pequena dos lares ianques o quanto a América mostrou-se indefesa e um alvo em potencial. Todas as temporadas contêm elementos que mostram tanto um lado extremamente patriótico quanto um viés crítico sobre as formas de se lidar com o perigo iminente.

Na primeira temporada, conhecemos o diretor da Unidade Contra-Terrorismo (UCT) de Los Angeles, Jack Bauer (Sutherland), e toda a equipe que o auxilia. Convocados à meia-noite, recebem a tarefa de impedir um atentado ao senador David Palmer (Dennis Haysbert), provável primeiro presidente negro da história dos EUA. No decorrer das horas, vamos descobrindo mais e mais fatos surpreendentes, até a revelação final: o responsável é um ex-braço-direito de Slobodan Milosevic, antigo ditador do Kosovo. Ele sofrera emboscada de militares americanos e perdera toda a família. O detalhe, aqui, é que a equipe havia errado a estratégia e matado os parentes por engano - num daqueles "ataques cirúrgicos" típicos, acertando onde não se deve -, mas o verdadeiro alvo sobrevivera, conseguindo escapar e passando dois anos a planejar vingança contra o agente líder daquela força de elite (Bauer) e o político que a ratificara (Palmer). Fica explícito que a motivação do antagonista vinha de dentro do país americano, que foi se meter em briga alheia e acabou levando para a própria casa um mal que estava muito longe. No fim, quando tudo parece resolvido, uma espiã mata a sangue frio a esposa grávida do protagonista, colocando por água abaixo todo o seu esforço em protegê-la. A cena final deixa clara o maior dos sinais de fragilidade: a família destruída, a perda como forma de punição pelos erros do passado. Por mais que o senador estivesse a salvo, o preço pago foi altíssimo.

A segunda temporada conseguiu ir além em todos os aspectos dramáticos. Um ano e meio depois da morte da esposa, Bauer está fora da UCT. Tornou-se um homem solitário, sujo, amargo, sem relações próximas com a filha. Reconvocado pelo agora presidente Palmer, volta a campo para impedir a detonação de uma bomba nuclear em Los Angeles. Sem nada mais a perder, Jack Bauer mostra-se selvagem, extremista, muito mais violento que antes. Logo no episódio inicial, assassina uma testemunha para usar sua cabeça como prova de confiança a determinada gangue na qual ele vai se infiltrar. Depois de agonizantes horas correndo para cima e para baixo atrás da bomba (que explode no deserto na metade da série), Bauer se depara com um plano sórdido cujo objetivo era destruir a cidade, jogar a culpa no Oriente Médio, através de falsa gravação em áudio, e gerar uma guerra. Os responsáveis: líderes norte-americanos do setor petrolífero.

Ora, nada muito diferente dos dossiês montados na Inglaterra, recentemente, como forma de justificar a invasão ao Iraque em busca de armas de destruição em massa. Se em 24 Horas a coisa é mais radical, na vida real não se passou muito longe. Os pretextos são barbaramente montados de forma a não haver dúvidas da culpa do "oponente" da vez; é a maneira de afastar desde já qualquer sombra que possa se impor na geopolítica envolvendo a América. É a política de prevenção, sempre melhor do que remediar depois - como aconteceu em setembro de 2001. No seriado, mais uma vez Jack termina frágil e fisicamente derrotado: a certa altura, é torturado por bandidos, sofre parada cardíaca e precisa sobreviver com constantes pausas do coração até o desfecho. Novamente salva a pátria, claro, mas não pode colher glórias - e vistas algumas atitudes suas no decorrer dos episódios (como ameaçar matar a família inteira de um dos terroristas para arrancar-lhe informações), esta "derrota" serve de compensação. Ainda assim, Jack não consegue impedir uma última ação: a infecção do presidente por uma substância quase mortal, que o incapacita e o enfraquece. A temporada termina com um David Palmer estirado no chão, aparentemente agonizante, sob flashes e câmeras.

E se falamos em radicalismo logo acima, o terceiro ano de 24 Horas foi o mais radical com os protagonistas. Boa parte de quem participava da série desde o começo ou morre ou se retira de cena no fim. O enredo envolve vírus letal em poder de terroristas, que planejam liberá-lo em grandes cidades. O curioso é que o motivo vem da mesma ação desastrada que originou os fatos da primeira temporada (a operação em Kosovo). No caso, um agente britânico dado como morto desde então retorna para ajustar as contas com a nação que o deixou para trás. Aqui, mais do que em qualquer momento anterior, temos o medo se instalando em todas as camadas, e uma nação de joelhos diante do inimigo - ele negocia diretamente com o presidente Palmer e ordena as mais absurdas tarefas, chegando a obrigar o líder maior a autorizar o assassinato de um dos chefes da UCT (numa das cenas mais fortes e tristes de todo o seriado). O vírus, a persuasão do "vilão", as formas como ele atinge o orgulho e a moral do mais poderoso Estado do mundo, servem de expiação para os próprios medos dos cidadãos. Se existe a "proteção" de Bush contra o "eixo do mal", tornando os lares mais seguros, a ficção televisiva joga na cara do público que, guardadas as proporções, não há tanta segurança assim. Um plano bem armado, muita paciência e o ódio característico desses "vilões" podem surgir quando e de onde menos se espera - e novamente é válido recorrer ao 11 de setembro, símbolo máximo dessa ameaça que, como tenta mostrar 24 Horas, pode surgir não só do lado de fora, mas também no quintal de casa.

Como não seria diferente, Jack é obrigado a sacrifícios para cumprir a ingrata missão de proteger o país: vicia-se em heroína para se infiltrar num grupo de traficantes, recebe a tarefa de matar o chefe, é obrigado a decepar o parceiro para destruir o vírus. A ingratidão desse trabalho é explicitada pelo próprio personagem, num momento em que ele finge ser membro de uma família criminosa: diz que, depois de tudo que fez, não recebeu nada em troca. Apenas perdeu tudo o que tinha. O discurso pode soar falso, já que fazia parte do disfarce, mas fica óbvio que, apesar do patriotismo exacerbado de Jack, ele sabe muito bem que tudo o que faz deve ser encarado como dever cívico, jamais como forma de ganho, ou mesmo de reconhecimento. Seu trabalho não permite relações íntimas, amizades, amores (como ele diz em conversa com o colega, nas primeiras horas da temporada). Deve-se estar disposto a qualquer coisa para se atingir o fim maior. O choro contido, mas ao mesmo tempo compulsivo, do episódio final é a maneira de Jack se mostrar humano, apesar de tudo que fez. Ele não tem direito a sentimentos, mas possui noção plena da dor à qual é exposto e das dores que impõe a quem fica contra ele ou mesmo ao seu lado. O choro de Jack Bauer é a maior demonstração da América machucada.

O quarto ano de 24 Horas ainda está rolando no Brasil enquanto escrevo. Até o momento, é a menos interessante das temporadas. Deixa um pouco de lado o teor crítico das anteriores e cria um verdadeiro vilão, o primeiro a aparentemente não possuir resquícios de sentimento ou apreensão. Se por um lado isso enfraquece a trama, por outro permite que os mais alucinantes acontecimentos sejam destaque. Das sete da manhã, quando começou a nova série, até uma da manhã, por enquanto, já houve o seqüestro do Secretário de Defesa, o derretimento de usinas nucleares e até a queda e destruição do Força Aérea Um, morada aérea do presidente. Há certa falta de foco neste quarto dia, não existe mais a ameaça única, mas uma série de atos selvagens a serem desvendados ao longo do tempo. Isso tira o brilho de antes, torna tudo um jogo de gato e rato com pouco espaço para complexidades e sutilezas de roteiro. De qualquer forma, continua sendo imperdível no que tem de elementos de ação e política. E sem deixar de lado aquela idéia de que os EUA estão, estarão e estiveram à mercê de inimigos, internos ou externos. Não há Bush que segure essa obstinação, esse anseio pela justiça que às vezes não é tão justa, mas busca equilibrar a complicada balança global, nem que seja pelas vias morais e humanamente questionáveis.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 4/7/2005


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2005
11h02min
Parabéns ao colunista Marcelo Miranda por mostrar que tem conhecimento contemporâneo acerca de fatos sócio-político-econômicos, trazendo a ficção à realidade com tamanha propriedade e retratando tão fielmente os episódios dessa série, pois como fã de 24 horas pude ter um "feed back" de todas as temporadas num artigo muito bem elaborado.
[Leia outros Comentários de Tathiany]
5/7/2005
14h14min
Marcelo, adorei o texto. Eu mesmo tinha assistido o 24 horas, mas so vi um episodio esporadico e nao havia me empolgado muito. Agora os dvds estao entre os mais vendidos...
[Leia outros Comentários de Ram]
15/7/2005
09h27min
Meu caro Marcelo, tenho assistido como você os episódios de 24 Hrs. E quanto mais assisto, mais próxima a conclusão de que os norte-americanos são causadores das próprias dores e sofrimentos. Digo isso por que eles buscam o sofrimento, seja intervindo onde não deviam, seja mentalizando tais ações terroristas através desses expedientes (seriados, etc.).
[Leia outros Comentários de Marcelo Acuña Coelho]
15/7/2005
09h59min
Pois eu tentei assistir alguns episódios e sinceramente não vi nada demais na badaladíssima e premiadíssima série 24 horas. A começar pela insistência em explicar que oh, vejam só, acontece tudo em tempo real, são as 24 horas do dia do agente fulano e que a ação não para nunca e acontece tudo ao mesmo tempo que aparece em vários quadros. Mas eu pergunto: e daí? Que diferença faz se a história acontece em 24, 48 ou 72 horas ininterruptas? E quantos milhares de filmes, seriados, livros já exploraram essa idéia? Do pouco que vi cheguei a conclusão que se eu quiser me divertir de verdade com tiroteios, explosões nucleares, virus letal, morte de presidente, ação louca sem parar com um relógio nervoso marcando o tempo é muito mais negócio investir meu tempo num joguinho de computador qualquer. Além de poder participar da história ainda não preciso me preocupar nem um pouco com a verossimilhança do que tá acontecendo. Mas de qualquer forma, obrigado pelo resumo. Não preciso me preocupar em ter assistir mais um pouco pra entender afinal porque tanta gente fala tanto desse tal de 24 horas. Pois vocês não viram? É incrivel. São 24 horas em tempo real que bla bla bla ... :-)
[Leia outros Comentários de Fabiano]
30/1/2006
14h13min
A respeito do comentário do adolescente espinhento acima: Whatever, dude! Concordo com todos os outros e sou um dos que comprará todos os boxes da série.
[Leia outros Comentários de Bruno Mereu]
2/8/2006
17h15min
Seu texto está escrito de maneira surpreendente, sou um grande fã de 24 horas e concordo que o seriado foca a fragilidade nos E.U.A, e não ligue para o fabiano!
[Leia outros Comentários de Master_Skywalker]
24/10/2006
18h23min
Sou fã da série 24 horas, não perco um só episódio. É o melhor seriado que ja fizeram, melhor que Lost. Só fico muito bravo quando alguem fala mal: se não gosta, por que assiste?
[Leia outros Comentários de Leonardo Vieira More]
7/11/2006
18h08min
Eu achei esse texto incrível, pois sou uma grande fã e não perdi nem um minuto sequer dessa série que, pra mim, é a melhor de todas. E também porque sou muito fã do Kiefer Sutherland, ele é o melhor ator que eu já vi atuar e se saiu muito bem nesse papel. Tenho certeza de que não poderiam ter escolhido outro ator que faria melhor o papel.
[Leia outros Comentários de iris lais]
28/12/2006
14h53min
Adorei o texto, e a série é sensacional (apesar da arritmia cardíaca que nos causa!)... Quem não viu, não sabe o que está perdendo. Quanto ao Kiefer, sem coméntários... O cara é sensacional!
[Leia outros Comentários de Roberta]
2/1/2007
02h08min
Marcelo Miranda com mais um texto franco. Legal ver que o que você nota de uma série aparentemente veloz são suas minúcias. Pra mim, os melhores vilões e heróis são os que se permitem ferir e fragilizar, vilões e heróis com humanidade. Foi a grata surpresa que 24 horas trouxe especialmente sobre o seu herói. A cena de Jack chorando foi inesquecível, foi um belo lamento.
[Leia outros Comentários de Tainah Negreiros]
5/1/2007
17h03min
a série 24 horas é maravilhosa. estou assistindo todos os dias pela globo. uma série mt bem feita e com um elenco brilhante.
[Leia outros Comentários de gabriel alves]
20/1/2007
13h02min
Primeira Classe: seria muito oportuno ouvir algum diretor da Globo e colher uma explicação sobre o horário infausto escolhido para exibir esse marco da telelvisão mundial: 24 horas! Ali, tudo é superlativo, e a grande maioria das pessoas no Brasil não está tendo acesso a essa explosão irresistível de talento e criatividade que, a bem da verdade, já viciou a todo o planeta...
[Leia outros Comentários de Carlos Henrique ]
26/1/2007
04h09min
Somente não acompanhei do início ao fim a primeira temporada. Assisto a saga de J. Bauer com afinco desde o segundo "dia". Mas me obrigo a fazer uma leitura política das histórias. A quarta temporada foi a mais republicana de todas, onde os direitos humanos foram demonstrados como empecilho à "guerra contra o terror", e as pessoas que protestavam contra a política belicista dos EUA foram estigmatizadas como pervertidas (falo do filho do secretário de defesa, que protestava contra o governo e que depois assumiu ser gay...). Mas um momento de extrema violência que me marcou até hoje foi na terceira temporada, quando Jack Bauer foi obrigado a matar seu chefe, o personagem Ryan Chapelle. Concordando com o Marcelo Miranda, foi uma das cenas mais tristes e fortes que assisti, não em toda a série, mas na minha vida. E olha que já vi filmes muito violentos. Mas a cena final, do Bauer chorando, foi espetacular. Esperemos para ver no que mais esse "dia" vai terminar.
[Leia outros Comentários de Vinícius Borges]
26/7/2007
01h57min
Adoro o Seriado 24 horas, acho o máximo. Assisti aos episódios na televisão e aluguei as temporadas mais recentes nas locadoras. É impressionante como nos envolvemos na história, que é surpreendemente escrita.
[Leia outros Comentários de Natasha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PHYSICAL CHEMISTRY
V. KIREEV
HIGHER SCHOOL PUBLISHING HOUSE
(1968)
R$ 35,00



CUPCAKES 2 - A ARTE DE FAZER CUPCAKES
LAROUSSE
LAROUSSE
(2011)
R$ 20,00



A HISTÓRIA DA CONSTITUIÇÃO AMERICANA
CHARLES L. MEE JR.
EXPRESSÃO E CULTURA
(1993)
R$ 22,00



NA TRILHA DAS FERROVIAS
BERTHOLDO DE CASTRO
RELER
(2005)
R$ 75,00



POESIA BRASILEIRA ROMANTISMO - 42012
VALENTIN FACIOLI E ANTONIO CARLOS OLIVIERI (ORG)
ÁTICA
(1999)
R$ 10,00



UM AMOR DO OUTRO MUNDO
GANYMÉDES JOSÉ
ATUAL
(2006)
R$ 10,00



P.S. EU TE AMO
CECELIA AHREN
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 20,00



MENTES BRILHANTES, MENTES TREINADAS
AUGUSTO CURY
ACADEMIA
(2000)
R$ 18,00



TEATRO SOVIÉTICO (INVASION/LOS HOMBRES RUSOS) - TEATRO RUSSO
LEONID LEÓNOV E KOSTANTÍN SÍMONOV
EDITORIAL FUTURO
(1945)
R$ 15,00



BOX CONECTE MATEMÁTICA VOL. 3 - ENSINO MÉDIO
GELSON IEZZI
SARAIVA
(2014)
R$ 149,90





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês