A minha Flip | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 28 de Abril #digestivo10anos
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
Mais Recentes
>>> Manuscrito revista de Filosofia Volume II No 2 abril 1979 de Gérard Lebrun, Herman Parret, Yuval Lurie e outros pela Unicamp (1979)
>>> Ele ela 71 março 1975 de Diversos autores pela Bloch (1975)
>>> Tex especial de férias 10 de Mythos editora pela Mythos (2011)
>>> Novo Vocabulário Político Volume Um - Hegemonia e Pluralismo de Pedro Claudio Cunca Bocayuva; Sandra Mayrink Veiga pela Fase-Vozes (1992)
>>> Costos sociales de las reformas neoliberales en America Latina de Anita Kon / Catalina Banko / Dorothea Melcher / Maria Cristina pela Miguel Á. Garcia / Venezuela (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> Câes de guerra de Frederick Forsyth pela Circulo do Livro (1974)
>>> Gre-nalzinho é sempre gre-nalzinho de Kalunga pela Maneco (2011)
>>> Receitas Comemorativas de Rede feminina de combate ao cancer pela Do autor (1999)
>>> Sob Pressão de Bruce Hoverd pela Gente (2015)
>>> Ai comprei um bode e um bezerro de Nilton Ferreira pela Kirios (2013)
>>> Casa de vó é sempre domingo de Marina Martinez pela Nova Fronteira (2014)
>>> O mundo de Sofia de Jostein Gaarder pela Jostein Gaarder (1996)
>>> Introdução à psicologia vol. 100 de Ernest R. Hilgard / ///Richard C. Atkinson pela Nacional (1979)
>>> Teologia do Antigo Testamemto de Eugene H. Merriell pela Shedd (2009)
>>> Scientia et Virtus Julho 1956 de Colegio Estadoal Lemos Junior pela Do autor (1956)
>>> La guerra de Matisse de Peter Everett pela Circe (1998)
>>> Compêndio de Teologia Apologética de François Turretine pela Cultura Cristã (2011)
>>> Alergia na infância de Maria Candida Faria Rizzo pela Lemos (2002)
>>> Archivos de la universidad de Buenos Aires año 26 n 1 de Diversos autores pela Meuba (1951)
>>> Anais do Primeiro congresso de câmaras Municipais do estado de São Paulo 1° volume de Diversos autores pela Ibge (1948)
>>> Os filhos da África em Portugal: Antropologia, multiculturalidade e educação (2ªed.) de Neusa Maria Mendes de Gusmão pela Autêntica (2006)
>>> A arte de desenhar Perspectiva 14 de Renato Silva pela Conquista
>>> Almanaque do tchê! de Diversos autores pela Tchê (1984)
>>> Cinderela - coleção fantasminha de Cordélia Dias D'Aguiar pela Ediouro (1975)
>>> Signale der Sinnlichkeit erotik de Wolf Donner pela Whilhelm heyne (1989)
>>> King's English 3ª série Ginasial de Harold Howard Binns pela Companhia Nacional (1944)
>>> Ele Ela 70 Rosemary de Bloch editora pela Bloch (1975)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2020)
>>> Les Deux Nigauds de La condesse de Segur pela Hachette
>>> Navegação - Curso para pescador profissional especializado de Ministério da Marinha pela Marinha (1985)
>>> Riquinho 32 de Editora Globo pela Globo (1990)
>>> x-9 229 março 1951 O mistério do 5° homem de Roberto Marinho diretos pela Vecchi (1951)
>>> Aulas de artesanato Apostila n° 2 Pintura em Madeira de Lazeres da Família pela L da familia
>>> Almanaque Total sagitário de André De Biasi pela Três
>>> Obra Imatura de Mário de Andrade pela Agir (2009)
>>> Plotinus - ennead ii, v.2 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb (1966)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
>>> Pilares para uma Vida Saudável de Mohamad Barakat pela Vital (2017)
>>> Anticâncer Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais de David Servan-Schreiber pela Fontanar (2008)
>>> A Marca da Vitória de Phil Knight pela Sextante (2016)
>>> O Grande Livro da Saúde Natural - 73 Segredos da Cura Sem Remédios de Jolovi Natural Health pela Jalovi Natural (2018)
>>> Slapstick Lonesome no more! de Kurt Vonnegut pela Dell (1976)
>>> Relatos de uma Quarentena de Acioli Junior pela Promove (2020)
>>> Les Fiançailles D'Imogène de Exbrayat pela Champs - Elysees (1971)
>>> Ce Jésus Qu'on Applle Christ de Jacques Loew pela Fayard-Mame (1970)
>>> The Enciclopedia of Reality - A Guide to the New Age de Kalinka Matson pela Granada (1979)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/8/2007
A minha Flip
Rafael Rodrigues

+ de 5500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Foi em 2004 que, pela primeira vez, deu vontade de ir à Flip. Uma vontade morna, eu estava trabalhando e não poderia abandonar o trabalho para ir, tamanhas dívidas tinha na época e tão pequenino era o salário que recebia. Em 2005 consegui a carta de alforria do trabalho e quase, faltou pouco, fui à Flip. A prudência me fez ficar quietinho em casa e aguardar uma oportunidade melhor. Um ano depois, já quase desesperado por não ter ainda encontrado um emprego decente, nem cogitei a possibilidade de ir a Parati. Acompanhei tudo daqui mesmo, de casa, via TV, Digestivo e Paralelos.

Eis que este ano, mesmo trabalhando ― até demais da conta ―, fui à Flip. Milagrosamente consegui um adiantamento de 10 dias de férias do novo trabalho e me mandei para Parati. Com escala em São Paulo, com direito a encontro do Digestivo e tudo mais. Foi (e vou ser piegas agora) uma viagem inesquecível. Mas aqui falarei apenas dos dias em Parati, e do que vi na Festa.

Para quem não está entendendo nada: a Flip, Festa Literária Internacional de Parati, começou dia 04 e foi até o dia 08 de julho. Chegamos à cidade carioca no dia 04 à noite, e a chegada não foi tão tranqüila quanto pensávamos que seria. Escrevo no plural porque fui de carona com o Julio e com a Carol, e porque achamos que seria fácil encontrar a pousada onde eu ficaria. Mas que nada... Procuramos tanto sem encontrar que desistimos de procurar. Fomos para o show da excelente e divertidíssima Orquestra Imperial, para relaxar um pouco. De lá fui a um ponto de táxi, onde um taxista, devidamente munido de um mapa, me explicou direitinho onde era a pousada escondida. Voltamos, encontramos a pousada (que compensou o contratempo com instalações mais que excelentes; já tenho até reserva para o ano que vem), e só então pude dormir o sono dos justos.

Minha intenção era acordar cedo para assistir a uma entrevista coletiva e encontrar a sala de imprensa, para ver a possibilidade de conseguir um ingresso para assistir, de dentro da Tenda dos Autores, uma das mesas que eu mais queria ver: Jim Dodge e Will Self.


Arthur Dapieve, Jim Dodge e Will Self.

É bem provável que todo aquele que ler este texto saiba como funciona a Flip, mas, por desencargo de consciência, explicarei de maneira breve a diferença entre a Tenda dos Autores e a Tenda da Matriz. A Tenda da Matriz é onde os espectadores assistem às mesas através de telões. A Tenda dos Autores é o local onde acontecem as mesas. Para entrar lá o ingresso é mais caro, e muito difícil de se conseguir, se você for da imprensa. Nada que uma boa conversa não resolva, se ainda houver ingresso, claro. No caso da mesa com o Dodge e o Self, consegui o ingresso para a Tenda dos Autores na pura sorte. A assessoria de imprensa da Flip me deu um ingresso para uma outra mesa. Eu não vi, o cara que poderia me barrar na entrada também não, e pronto, entrei. Como já falei dela no blog, não falarei novamente. Digo apenas que foi o melhor dia, para mim. Até porque foi meu aniversário.

Não dá para ir à Flip e ver tudo. Essa foi uma das lições que aprendi. Se você quer ir, você deve definir suas prioridades e ser bastante disciplinado em relação a horários. Por conta de dormir tarde e nunca acordar cedo, perdi todas as entrevistas coletivas. Saí de Parati sem ver nenhuma. Justamente o que o Julio disse ser o melhor de se ver. Mas enfim, paciência.

A segunda mesa que vi foi com o brasileiro Silviano Santiago e o argentino César Aira. Ambos críticos literários e ficcionistas, falaram sobre como é ser escritor e crítico, ao mesmo tempo. Silviano começou a escrever crítica literária quando jovem. Segundo ele, sua literatura, naquela época, era sofrível, e ele percebeu que era melhor analisando do que fazendo literatura. Com o tempo, a coisa ficou equilibrada, e hoje ele é quem é. Já César Aira começou a escrever ensaios aos 40 anos. Disse que resolveu praticar a crítica para aprender sobre teoria literária e para poder escrever sobre livros que são deixados de lado pela "grande crítica" (algo que, guardadas as devidas proporções, eu humildemente tento fazer). A mesa, que poderia ser muito boa, foi morna, por culpa do mediador, o poeta Carlito Azevedo. Atrapalhou-se com a quantidade de perguntas enviadas pela platéia e me pareceu ter ficado nervoso ao lado dos dois autores. O que de mais "quente" aconteceu na mesa foi Aira dizer que Alejo Carpentier e García Márquez são "medíocres". Carlito ficou rindo, rindo, gargalhando, quase. Não perguntou por quê Aira disse isso, não expôs a própria opinião, não instigou Santiago a dizer a dele, enfim, poderia ter sido uma boa discussão. Afinal, por mais que cada um possa falar o que bem entender, Aira não deveria ter saído de lá sem fundamentar sua declaração ― absurda, na minha opinião. Coisa que em nada desabona sua literatura, é bom deixar isso claro.

Outra mesa que assisti do início ao fim foi a com o escritor israelense Amós Oz e com a escritora sul-africana Nadine Gordimer. Ela, ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura; ele, um dos mais elogiados escritores contemporâneos, fizeram uma das mesas mais comentadas e elogiadas de toda a Flip. Fiquei maravilhado com os dois autores. São modelos para qualquer escritor, em qualquer parte do mundo. E foram tão simples, tão respeitosos um com o outro, e conversaram com tanto bom humor... É difícil assistir a uma mesa dessas e depois ficar sabendo de um ou outro escritor nacional reclamando de não ter conseguido publicar aquele seu "livro genial de contos" sobre prostitutas e personagens beberrões. Não dá para comparar. Tudo bem que Nadine viveu o Apartheid, e acho que não preciso detalhar aqui o que Amós Oz viveu e tem vivido em Israel. É certo que são autores que têm vivências ímpares, não dá para comparar as vidas deles com as de outros autores. Mas tem escritor que abusa da boa vontade do leitor (e dos editores também, coitados). Infelizmente não anotei nada da mesa, apenas uma frase de Oz: "Escrever qualquer um escreve. O difícil é apagar, moldar...". Acreditem ou não, mesmo sem anotar nada, absorvi muita coisa, e aprendi muito com ambos. Foi uma mesa mágica, se me permitem o exagero.

A última mesa que assisti foi com os jornalistas Lawrence Wright (norte-americano) e Robert Fisk (britânico). E esta foi um exemplo para qualquer organização de evento literário. Uma mesa pode ser salva pela qualidade dos autores, a depender de quem sejam. Mas uma mesa pode ser muito melhor do que o esperado se o mediador for alguém que realmente saiba o que está fazendo.


Dorrit Hazarim, Lawrence Wright e Robert Fisk.

Foi o que aconteceu na conversa de Fisk e Wrigh, mediada por Dorrit Hazarim, uma das editoras da revista Piauí, que conduziu a mesa brilhantemente. Tanto que, em determinado momento, os autores foram deixados totalmente à vontade, como se estivessem conversando, apenas os dois, na casa de um deles. A mediadora assumiu o papel de espectadora, depois de ter levado os autores, propositalmente, até aquele ponto.

Me chamou a atenção o que Lawrence Wrigh disse sobre quando começou a escrever O vulto das torres, livro sobre o de 11 de setembro, vencedor do Prêmio Pulitzer (não-ficção) deste ano. Horas depois de ficar sabendo sobre o ataque ao World Trade Center, mesmo abalado pela notícia, começou a pesquisar sobre o ocorrido. Deu telefonemas, pesquisou na internet, TV, rádio. E isso me fez lembrar do que fiz quando soube do atentado. Comecei a pesquisar na internet, em sites brasileiros e nas agências internacionais (mesmo lendo mui porcamente em inglês). Eu, que já vinha cultivando a vontade de fazer jornalismo, tive naquele momento a certeza absoluta de que o jornalismo era o meu caminho. Essa lembrança, de ter quase que seguido o mesmo instinto de Wrigh (que mesmo conhecendo pouco, admiro bastante), me deixou bastante emocionado. Houve ainda discussões entre eles sobre a permanência das tropas americanas no Iraque, sobre Osama Bin-Laden não ter sido encontrado até hoje, sobre o apoio de Tony Blair à iniciativa belicista de Bush. Fisk, no melhor estilo britânico, provocou Wright dizendo que nenhuma nação merece ser atacada, mas que não se deve esquecer que os EUA humilharam o Oriente durante décadas. O jornalista americano, ou não afeito a polêmicas ou sem ter argumentos para as provocações de Fisk, acabou por concordar com o inglês, mesmo sem ter dito isso com palavras. Robert Fisk é mais ativo que Wright. E isso ficou demonstrado na mesa, com as declarações mais enérgicas de Fisk. Ele faz a cobertura da guerra direto do front. Dois livros seus recém-lançados no Brasil (A grande guerra pela civilização e Pobre nação) são prova disso. Em ambos Fisk descreve os horrores que viu nas guerras que cobriu, além de fazer análises políticas sobre os conflitos.

Infelizmente não pude comparecer a todas as mesas que planejei ver, mas consegui assistir a todas que realmente queria, inclusive a leitura que o sul-africano J.M. Coetzee fez do seu ainda inédito Diário de um ano ruim que, pelos trechos lidos, é certeza de ser um grande livro.

A Flip não é apenas um evento literário, isso é certo. É também um evento social. Como disse o Sérgio Rodrigues, "aqui tem gente de todo tipo, inclusive gente que nunca leu um livro na vida". E com toda a razão. Mas é uma ótima oportunidade para ver autores que talvez nunca mais voltem ao Brasil, ou que você talvez nunca mais tenha a chance de ver de perto. Ok, literatura não é "ver autor de perto", Dostoiévski morreu faz mais de 100 anos e ninguém precisa ver ele pra perguntar nada. Mas dá um desconto: é legal poder conversar com os autores. E não é difícil conseguir falar com alguns convidados. Exceto quando o convidado é tão arrogante que finge que não viu você se dirigir a ele. Coisa que não aconteceu quando encontrei Jim Dodge, depois da leitura de Coetzee, nem quando encontrei a Maria Amélia, que há mais de 20 anos está à frente da editora José Olympio, fazendo um belíssimo trabalho. Bom seria se todo mundo fosse assim.


O atencioso Jim Dodge, eu e Fup.

Queria ter falado aqui sobre os "novos autores", mas não vi nenhuma mesa com eles. Até escrevi uma notinha no caderno, sobre o que vi fora da mesa, nas ruas de Parati:

"Jovens autores reclamam de barriga cheia: circulam por Parati com óculos escuros Ray-Ban e mochilhas, camisas e chapéus Puma. Onde estão os 'autores marginais', afinal?"

Mas não consegui melhorar e desenvolver isso, nem consegui um gancho para falar sobre o assunto. Fica para a próxima.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 10/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. O primeiro assédio, na literatura de Marta Barcellos
04. Marcador de página inteligente de Wellington Machado
05. Os bastidores de Psicose de Gian Danton


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2007
01. O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues - 2/11/2007
02. O nome da morte - 16/2/2007
03. História dos Estados Unidos - 29/6/2007
04. Os dois lados da cerca - 7/12/2007
05. O homem que não gostava de beijos - 9/3/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2007
12h48min
Bonito o texto, Rafa. Estava aqui pensando em como deve ser difícil para um escritor de língua espanhola e sul-americano, como Cesar Aira, enfrentar um livro como O Outono do Patriarca, do Gabo. A salvação é dizer que o autor é medíocre. Só pode. O que dá a dimensão do desespero do Aira. Alguém mais é capaz de escrever daquele jeito? Em espanhol, ou mesmo em português? Gostei também da nota no caderno. Seria bom desenvolver a pergunta, pra gente ler. Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
10/8/2007
11h15min
São quatro dias de celebração à arte, não só literária. Foi também a minha primeira visita à Paraty. Ano que vem tem mais...
[Leia outros Comentários de Marcos Henrque Lauro]
12/8/2007
15h35min
Foi a minha terceira FLIP e acho q foi espetacular. A mesa de Nadine Gordimer e Amos Oz realmente foi a melhor.
[Leia outros Comentários de Anderson]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS BENÇÃOS QUE ENRIQUECEM - 1ª EDIÇÃO
R. R. SOARES
GRAÇA
(1985)
R$ 7,00



A HISTÓRIA DA ARTE - 1ª EDIÇÃO ( EDIÇÃO POCKET )
ERNST H. GOMBRICH
LTC
(2013)
R$ 71,95



ORBITOGRAFIA - CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA SEMIOLOGIA ORBITÁRIA
ROBERTO ABUCHAM
EDIÇÃO DO AUTOR
(1971)
R$ 25,68



A ECONOMIA MUNDIAL
JOSÉ MARIA VIDAL VILLA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



JEANNE DEMESSIEUXS SIX ÉTUDES AND THE PIANO TECHNIQUE
DOMITILA BALLESTEROS
CONTRACAPA
(2004)
R$ 19,28



EU, UM SERVO? VOCÊ ESTÁ BRINCANDO!
CHARLES SWINDOLL
BETÂNIA
(1983)
R$ 12,00
+ frete grátis



GEOGRAFIA DE DONA BENTA
MONTEIRO LOBATO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 9,90



INTRODUÇÃO À FILOSOFIA
MIGUEL REALE
SARAIVA
(2012)
R$ 20,00



CRÉDITO E GÊNERO NO NORDESTE BRASILEIRO
JORGE O. ROMANO E CRISTINA MARIA BUARQUE
AS-PTA (RIO DE JANEIRO)
(2001)
R$ 19,28



A ESTRADA DO SOL
VICTOR W. VON HAGEN
MELHORAMENTOS
R$ 5,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês