Voz de um passado presente | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poema em Linha Reta - Pessoa
>>> Perturbador e cosmogônico
>>> O Fino da Fina
>>> Poesia, no tapa
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Um safra de documentários de poesia e poetas
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
Mais Recentes
>>> Contos de Machado de Assis pela Agir (1963)
>>> Contos de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1999)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1998)
>>> Helena de Machado de Assis pela Tecno Print (1967)
>>> Uma mulher na escuridão de Charlie Donlea pela Faro Editorial (2017)
>>> Morte Súbita de J.K. Rowling pela Casa dos Livros (2012)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade (1962)
>>> Levando a Vida Numa Boa de Ernie J. Zelinski pela Sextante (2003)
>>> Corpos Inversos de Rodrigo Noval pela LP-Books (2017)
>>> Parábolas Eternas - Reflexões para enriquecer a vida com sabedoria, alegria e emoção de Legrand pela Soler (2004)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural / W. Bucb (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Abril Cultural (1981)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Ática (1976)
>>> Fundamentos em Ecologia de Colin R. Townsend, Michael Begon e JohnL. Harper pela Artmed (2006)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Zero Hora / Click (1997)
>>> Folhas do Jardim de Morya Livro 2 de Mestre Morya pela Agna Yoga (1973)
>>> O banquete dos sentidos de Lúcia faria Nascimento e Edir Nascimento e Silva pela Bei (1998)
>>> Revista da Faculdade de Direito da FMP nº 06 de Fundação Escola Superior do Ministério Público (org) pela Fmp (2011)
>>> Repartição da renda - pobres e ricos sob o regime militar de Paulo Singer pela Zahar (1986)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Tropical Sol da Liberdade de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1988)
>>> Manuscritos do Mar Morto de Adam Blake pela Novo Conceito (2013)
>>> Estudios del Trabajo - nº 37/38 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2009)
>>> Contos de amor rasgados de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> Quincas Borga de Machado de Assis pela Tecno Print
>>> Ciranda de pedra de Lygia Fagundes Telles pela José Olympio (1981)
>>> Amplitude 1- Você onde se põe -só para quem quer a verdade de Gasparetto pela Vida E Consciencia (1997)
>>> O que é psicologia de Richard H. Henneman pela José Olympio (1982)
>>> Amar, verbo intransitivo de Mário de Andrade pela Ime (1980)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2010)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Estudios del Trabajo - nº 34 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2007)
>>> Magno de Maria Luiza de Queiroz pela José Olympio (2007)
>>> Filhotes de Cube Book pela Sextante (2010)
>>> A extinção do crédito tributário por decurso de prazo de José Hable pela Brasília Jurídica (2004)
>>> Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica de Vários pela Sarvier (2000)
>>> Canine - Feline Nutricion de Vários pela Mosby (2010)
>>> Você é Insubstituível - este livro revela a sua biografia de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Da ação cautelar fiscal de Carlos Henrique Abrão pela Universitária de direito (1992)
>>> Adão e Eva Voavam em Atlântida de José Francisco pela Futurama (2013)
>>> O mundo mudou ... bem na minha vez! de Dado Schneider pela Integrare (2013)
>>> Coreção monetária: concordata e créditos fiscais de Eros roberto Grau pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> O Lugar dos Inocentes - A Trilha levava até a entrada dessa clareira de Núbia Moura Ribeiro pela Pensamento (1999)
>>> Memorial de Aires / Ressurreição de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Iaiá Garcia / Helena de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> A aventura de Miguel Littin clandestino no Chile de Gabriel García Márquez pela Record (1986)
>>> A chave do tamanho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
COLUNAS

Terça-feira, 8/4/2008
Voz de um passado presente
Daniel Lopes

+ de 3600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Diz que três ou quatro órfãs engravidavam na noite de devoção à Virgem."

Momentos assim de ironia são exceção em Órfãos do Eldorado (Companhia das Letras, 2008, 112 págs.). A bem da verdade, só consegui captar essa frase, que, coitada, quase tem de pedir desculpa por existir no meio de um livro de temática tão sombria.

Obra de um escritor sem pressa, Órfãos... é a quarta ficção do amazonense Milton Hatoum. De uma forma geral, vários dos temas levantados por essa novela já apareceram com mais intensidade em Cinzas do Norte, de 2005, seu melhor livro. Por exemplo: a decadência de uma família lado a lado com a decadência de uma era; a degradação da vida indígena e a indiferença que ela suscita em todos, de turistas a funcionários públicos; o filho arredio, fonte de frustração permanente para um pai que o sonhava continuador dos negócios da família.

No Cinzas..., esse menino rebelde responde por Mundo, de Raimundo. O pai, por Trajano Mattoso, um rico comerciante mancomunado com a Ditadura, ou pelo menos com o braço da Ditadura que pretendeu levar a civilização à Amazônia ― quer dizer, a civilização à brasileira sendo levada à brasileira. Em Órfãos..., é Arminto quem não corresponde às expectativas de seu pai Amando, que por sua vez é filho de Edílio. Essa é a base da família Cordovil, pequena e tradicional. Milton situa temporalmente esse novo enredo no que vai da ascensão à queda do período de expansão na Amazônia do negócio da borracha, durante a primeira metade do século passado.

Nesse universo sócio-econômico é que Edílio ― avô do narrador Arminto, famoso também por ter abusado de mulheres ― iniciara a ventura familiar ainda no século XIX, ao tornar-se senhor de terras e esmagar sem dó revoltas de índios e caboclos desarmados. Seu filho Amando pensou até em escrever uma obra sobre o pai, a se chamar "Façanhas de um civilizador", mas, com os dias sempre ocupados em exportar borracha para o primeiro mundo, nunca lhe sobrou tempo para tal empreitada.

Como ficamos sabendo apenas no finalzinho da obra, Arminto, já velho e miserável, conta (contou) sua história a algum visitante casual:

"Ninguém quis ouvir essa história. Por isso as pessoas pensam que ainda moro sozinho, eu e minha voz de doido. Aí tu entraste para descansar na sombra do jatobá, pediste água e tiveste paciência para ouvir um velho. Foi um alívio expulsar esse fogo da alma. A gente não respira no que fala? Contar ou cantar não apaga nossa dor?"

Daí a oralidade presente em cada linha da novela, como se as palavras estivessem no ar e não no papel. Li com a voracidade com que havia lido outras duas pequenas e geniais criações literárias, o Bartleby de Melville, e Amy Foster, do Conrad. Não podia ter sido de outro jeito.

Assim que pisam na capital do Amazonas, vindos da cidadezinha de Vila Bela, Amando manda o filho para uma pensão, longe de si e de Florita, agregada da família, exatamente como uma punição por ter surpreendido, certa noite, o filho na rede com Florita.

Poderia ter sido, a estadia de Arminto na pensão ― deveria ter sido, segundo o plano paterno ―, o caminho do arrependimento e da remissão, mas acabou sendo mesmo foi a porta de entrada do protagonista na vida boêmia, que divide sua atenção e suas energias de maneira muito desmesurada com a recém-iniciada vida acadêmica.

A energia dispersa em vários bares e cabarés concentra-se enfim quando aparece um alvo digno: Dinaura, moça de origem índia, órfã e interna do Sagrado Coração de Jesus. Essa menina de pouquíssimas palavras e gestos furtivos (ainda que tenha uma torrencial cena de amor com Arminto), guarda, claro, um grande segredo no passado. Segredo este que está diretamente ligado à morte de Amando, por ataque cardíaco, no meio de uma praça e nos braços do filho. A propósito, foi no velório do pai que Arminto viu Dinaura pela primeira vez, e se surpreendeu atraído por sua mirada: "Às vezes um olhar tem a força do desejo".

A madre superiora do orfanato, que levara as moças ao velório de Amando em consideração às doações que este fizera à instituição, permite a Dinaura sair para encontrar-se com Arminto aos sábados à tarde. E só. A disciplina, os horários, são rígidos. Assim, por muito tempo o único dia que valia mesmo a pena ser vivido para Arminto era o sábado, verdadeiro dia sagrado: "Esperava com ânsia o sábado seguinte", ouvimos à sombra do jatobá, "e me rendia ao olhar de um rosto calado".

Com a cabeça mergulhada no corpo e nos enigmas de Dinaura, Arminto negligencia cada vez mais suas responsabilidades para com a empresa de exportação herdada. Nem mesmo abre os telegramas que lhe chegam da gerência em Manaus, rasgando-os tão logo os tem em mãos, impaciente, inábil com o lado prático da vida.

Mas após entregar-se ao namorado numa noite chuvosa, de forma súbita a órfã Dinaura recolhe-se para um mês do mais completo isolamento, por decisão própria. E um mês é o que basta para Arminto embarcar para Manaus e tentar resolver graves problemas financeiros que apareceram por decorrência do naufrágio de uma embarcação de carga, lotada na ocasião. O acidente o obriga a vender vários dos bens da empresa, além de objetos de valor pessoal ― piano, porcelanas, anéis que pertenceram à mãe.

Acontece que naquelas alturas, mesmo sem um acidente grave no meio do caminho, de uma forma ou de outra a empresa que Arminto fora forçado a administrar iria fechar as portas. O Eldorado amazônico de extração e exportação estava com os dias contados. "Uns anos antes da morte do meu pai", relembra Arminto, "as pessoas só falavam em crescimento. Manaus, a exportação de borracha, o emprego, o comércio, o turismo, tudo crescia. Até a prostituição". E então, anos depois, numa tour pelas ruas de Manaus, a constatação de que o progresso cobrara seu preço:

"Andei de bonde pela cidade, vi palafitas e casebres no subúrbio e na beira dos igarapés do centro, e acampamentos onde dormiam ex-seringueiros; vi crianças ser enxotadas quando tentavam catar comida ou esmolar na calçada do botequim Alegre, da Fábrica de Alimentos Italiana e dos restaurantes. A cadeia de Sete de Setembro estava lotada, vários sobrados e lojas à venda."

E esse retrato do sistema prisional:

"Quando entrei na cadeia púbica, desisti de qualquer justiça. O edifício, uma pocilga; e os carcereiros, uns miseráveis: pareciam mais condenados que os detentos."

Decadência alavancada pela Guerra Mundial nociva ao comércio da borracha, bem como pelo novo plantio de seringueiras no continente asiático, séria ameaça à soberania brasileira no ramo. Decadência no meio da qual pais índios vendem suas filhas crianças por míseros trocados; vendem mesmo, sem espaço para metáfora, é beijo e adeus. E os turistas com isso? Em busca do exótico na miséria, nunca o contrário, eles não "queriam conversar, e sim fotografar".

A figura de Arminto é uma das mais interessantes da literatura brasileira recente, e rivaliza até com o Mundo de Cinzas do Norte. Através dele e dos personagens-satélites temos noção ― sem qualquer discurso vazio, porque o que os olhos registram dizem o suficiente ― não apenas da incrível infelicidade de muitos que resultou da felicidade de poucos, mas também de um caráter aparentemente perpétuo do Norte-Nordeste brasileiro: os mitos. Órfãos do Eldorado, vale a pena informar, faz parte de uma coleção chamada... "Mitos". Nada das tintas exageradas do meramente folclórico, usado aqui em seu pior sentido, de manifestação pitoresca, estereotipada. Entre os homens e mulheres em volta de Arminto, a vida não precisa dar lugar às lendas, porque elas já compõem parte fundamental da vida. Evocar cidades sob rios, habitadas por almas, por exemplo, é tão natural quanto respirar. Muitas vezes, é lamentavelmente a única maneira de imaginar um mundo Bom em tudo averso ao vale de lágrimas do calvário amazônico de proporções amazônicas.

Dessa maneira, quando Arminto volta de Manaus para Vila Bela com a esperança de rever Dinaura, e descobre que esta sumiu do Sagrado Coração de Jesus, da cidade, talvez do mundo, começam a surgir hipóteses fantásticas sobre seu paradeiro:

"Uns diziam que Dinaura havia me abandonado por um sapo, um peixe grande, um boto ou uma cobra sucuri; outros sussurravam que ela aparecia à meia-noite num barco iluminado e dizia aos pescadores que não suportava viver na solidão do fundo do rio."

Porque o rio aqui, meus amigos, é o rio Amazonas. E o rio Amazonas é um mar de rio. Não é por acaso que no Norte há fantásticas histórias do "fundo do rio", como na Europa um dia houve (e em alguns pontos ainda há) os mistérios do "fundo do mar".

Sempre digo a amigos que considero Milton Hatoum altamente indicado e, mais que isso, obrigatório. Altamente indicado porque, além de ser sempre garantia de um excelente texto, é porta-voz (ou apenas a voz, se preferirem) de uma parte do Brasil que não se reduz às lendas, mas que não seria a mesma sem elas. E obrigatório, sim. Como não? Afinal de contas, as duas maiores tragédias do sul brasileiro são 1) não saber nada do restante do país e 2) pensar que sabe alguma coisa do restante do país. Não duvido que alguém consiga se informar mais sobre as coisas do Brasil profundo assistindo a BBC do que lendo uma revista de circulação nacional. É triste, mas é.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 8/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dheepan, uma busca por uma nova vida de Guilherme Carvalhal
02. O africano e o taubateano de Ricardo de Mattos
03. Privacidade de Daniel Bushatsky
04. Neon Genesis Evangelion de Duanne Ribeiro
05. A aura da música de Luiz Rebinski Junior


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2008
01. Não gostar de Machado - 3/6/2008
02. Chris Hedges não acredita nos ateus - 1/7/2008
03. Neruda, oportunista fantasiado de santo - 18/3/2008
04. Cenas de um país machista - 17/6/2008
05. 20 anos de Trapo - 25/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/4/2008
15h26min
Texto excelente, Daniel. É sempre bom valorizar os nossos escritores, principalmente para leitores como eu - acostumado aos extrangeiros - conhecê-los.
[Leia outros Comentários de Lucas R. Bispo]
9/4/2008
13h06min
A dica foi preciosa... principalmente por valorizar a NOSSA literatura, um alívio... afinal... escutei certo dia que Câmara Cascudo tinha nascido em SP... e a minha Natal ficou como símbolo de Papai Noel...! rsss
[Leia outros Comentários de Geórgia Lorena ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESPERANÇA PARA A FAMÍLIA
WILLIE E ELAINE OLIVER
N/D
R$ 9,00



O COMO E O PORQUÊ DE UMA SFM - SOCIEDADE FEMININA MISSIONÁRIA
PREPARADO POR ELZA SANTANNA DO VALLE ANDRADE
UFMBB
(1982)
R$ 37,00



A RUA DE NOMES NO AR - 199
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
CÍRCULO DO LIVRO
(1988)
R$ 7,00



LA INTERDICCION DE LA DISCRECIONARIDAD EN LA GESTION TRIBUTARIA
REVISTA DE DIREITO TRIBUTÁRIO, Nº 35
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1986)
R$ 31,28



PRINCIPAIS INOVAÇÕES NO CÓDIGO CIVIL DE 2002
CARLOS ROBERTO GONÇALVES
SARAIVA
(2002)
R$ 11,00



PRINCIPES DE MORPHOLOGIE GÉNÉRALE VOL II
ÉDOUARD MONOD-HERZEN
GAUTHIER-VILLARS
(1927)
R$ 67,70



UM NOVO OLHAR PARA A VIDA
GABRIEL METZLER
LITERARE BOOKS INTERNATIONAL
(2018)
R$ 34,90



AMOR E VIRGINDADE - ESTUDOS PSICO-SEXUAIS
DR. CHARLES FOUQUÉ
ED. SÃO PAULO
(1955)
R$ 11,00



O LIVRO DOS MÉDIUNS
ALLAN KARDEC
ESPÍRITA BRASILEIRA
(1993)
R$ 19,00



LITERATURA BRASILEIRA - TEMPOS , LEITORES E LEITURAS
MARIA LUIZA ABAURRE
MODERNA
(2009)
R$ 9,90





busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês