Guns N' Roses no Brasil: São Paulo | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/4/2010
Guns N' Roses no Brasil: São Paulo
Rafael Fernandes

+ de 5500 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Crédito da foto: @gunsnroses

A maioria das resenhas sobre os shows do Guns N' Roses no Brasil foi um festival de ideias pré-concebidas, regadas a ódio a Axl Rose. O resultado? A repetição de clichês: textos que pareciam cópias entre si e chegavam ao ponto de colocar nas matérias set lists e músicas que não eram do show específico. Também foi muito destacado que a banda viveria de seu passado. É irônico, então, que tenha tocado em São Paulo nove músicas de seu mais recente disco ― mais que o dobro da soma de músicas dos dois Use Your Illusion e duas a mais que as do clássico Appetite For Destruction. Quanta nostalgia, não?

Na realidade, foi uma apresentação ótima. Só não foi excelente por alguns poréns, como o atraso de sempre de Axl Rose. Alguns fãs tentam justificar o injustificável alegando que o cantor só entra quando está preparado e sempre para dar seu melhor. Essa última parte é verdadeira, mas que comece a se preparar antes, se demora tanto, se tem seus rituais. Tudo bem, isso é um show de rock, mas não precisa exagerar. Porém, também não compro essa pretensa ingenuidade de fãs "indignados" com o atraso. Esse comportamento do cantor, apesar de condenável, é recorrente, conhecido e foi amplamente divulgado. Não dá pra fingir surpresa. Eu, como muitos, fui preparado: com boa companhia, trocando mensagens de texto com amigos, descansando nos intervalos, vendo a "paisagem". Era uma noite apenas para diversão, o que de fato se concretizou. Outros dois problemas: a voz de Axl não estava no seu melhor, o que foi justificado por um problema na garganta e provado por uma rouquidão ao falar. Também houve problemas no som, que em alguns momentos tornavam inaudíveis sua voz. De resto, nada a reclamar.

Depois da histeria do início do show, com "Chinese Democracy", cortada pelo anticlímax do momento "Axl clássico" de interromper o show, o público ficou insandecido com o início de "Welcome To The Jungle". As pessoas pulavam como loucas. Axl Rose foi um show à parte. É muito carismático, um dos grandes frontmen do rock. Sua performance vocal estava prejudicada pelos já citados problemas na garganta. Eu diria que em um terço das músicas ele foi mal, como em "I.R.S", em que chegava a não cantar alguns versos. No outro terço as também citadas questões de mixagem do P.A. por vezes deixavam sua voz abaixo do instrumental. No terço restante, esteve ótimo. Em músicas como "Welcome To The Jungle", "Street Of Dreams", "Sorry" e "This I Love" mostrou grande potência e desenvoltura. E como alguém já disse, quando Axl canta, parece que dá significado a cada verso ― não são só palavras simplesmente cantadas a esmo. Além disso, grande sorte dos paulistanos, estava com um bom humor raro, fazendo piadas, sorrindo para o público e até usando da autoironia: em dado momento incentivou o público a gritar "Fuck You, Axl Rose". Ele é dos últimos representantes de uma linhagem clássica do rock de cantores que hipnotizam o público ao mesmo tempo em que contam com grande desenvoltura vocal ― artigos raros hoje em dia.

É importante destacar a competência da banda ao vivo: peso, dinâmicas, surpresas e dedicação descrevem bem o que fizeram no palco. Não soa como músicos "juntados" nem como "músicos contratados" ― essa bobagem repetida à exaustão. Soa com uma banda extremamente coesa e integrada. Parece que tocam juntos há mais de dez anos. Pior do que essa crítica, mesmo, só a "cover de luxo". Repita-se: que banda cover toca nove músicas de seu disco mais recente de inéditas? Ou, como bem disse o Felipe Machado: "Se uma banda cover leva 38 mil pessoas a um estádio, eu queria tocar em uma banda cover" (nota: nos cinco shows no Brasil, mais de 110 mil pessoas viram a banda).

O baixista Tommy Stinson e o baterista Frank Ferrer compõem a coesa cozinha do Guns N' Roses. Enquanto os guitarristas se esbaldam em poses e caretas, eles seguram a onda. O guitarrista Richard Fortus, que encarna bem a porção poser da banda, fecha seu competente centro rítmico, por ser responsável pela maioria das bases. Chris Pitman e Dizzy Reed tomam conta das programações (o primeiro), pianos (o segundo) e teclados (ambos). São a cobertura da potente massa sonora do grupo. Já DJ Ashba parece ter sido escolhido mais por sua persona do que por suas habilidades ― apenas médias. Além disso, acaba emulando demais a figura de Slash, com um chapéu, cigarro e poses ― nisso ele só tem a perder. Mas os fãs já o acolheram e ele tem boa presença de palco. Ron "Bumblefoot" Thal fecha o trio de guitarras. É um músico de muitos recursos, que vai facilmente de uma uma interpretação comovente a intervenções de vanguarda.

"Rocket Queen" ficou ótima no show: peso e suingue duelaram bem. "This I Love", apesar de bem breguinha, teve uma performance fabulosa de Axl ― o que conquistou o público, que aplaudiu bastante no final. "Sorry" e "Shackler's Revenge" também se sobressaíram. A primeira tem ressaltada sua dramaticidade e a segunda é menos seca e mais solta que a gravação em estúdio. Algumas das músicas novas, como "Better", tiveram reação satisfatória, logo nos seus primeiros acordes ― o que é incrível dada a parca divulgação e pedradas críticas que o disco recebeu. Lamentavelmente, a canção mais bem recebida pelo público está longe de ser o melhor momento de qualquer encarnação do grupo: a enfadonha "November Rain". Mostra bem o que o público médio espera de uma banda. Em compensação, grandes clássicos como "Welcome To The Jungle", "Mr. Brownstone", "Paradise City" e "Nightrain", além de recentes como "If The World" e "Madagascar", foram ótimas.

Num Tungcast, já conversei com o Diogo Salles sobre a grande capacidade que as bandas dos anos 80 tinham de tranformar cada show num espetáculo de fato, em levar a maior diversão possível ao público. Coisa que, infelizmente, se perdeu um pouco nos anos 2000 ― também com certa culpa de muitos exageros cometidos na mesma época. E esse tal espetáculo acaba sendo taxado por uns e outros como brega, clichê ou poser. Não se trata disso. Trata-se de um senso de entretenimento. Porque estamos falando de rock, não de arte (ou pseudoarte). O show do Guns N' Roses é assim: uma produção certeira com bom cenário e suas luzes e explosões calculadas. Essas explosões são muito impactantes in loco. E não são usadas gratuitamente: apenas para aumentar ainda mais o frisson do público. Só quem esteve lá percebeu como os fãs se enlouqueceram quando a cortina de fogo foi se formando no início de "Chinese Democracy". Ou quando uma explosão encerra "It's So Easy" quase fazendo o estádio vir abaixo. Axl Rose tem seus xiliquinhos, idiossincrasias e seus inexplicáveis e imperdoáveis atrasos, mas nunca entra num palco senão para entregar o melhor a seu público: dar a ele uma noite memorável.


Rafael Fernandes
Araçoiaba da Serra, 21/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
02. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
03. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
04. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos
05. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2010
01. Os piores músicos da década - 22/9/2010
02. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos - 9/6/2010
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 - 17/2/2010
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 - 26/5/2010
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 - 28/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2010
20h58min
Melhor comentário até agora sobre o show do Guns. Com certeza os outros (comentários) foram cópias, pessoas que não conhecem o Guns, não sabem a história da banda. Não foi um show como em 1992, mas foi um grande espetáculo, e satisfez os seus verdadeiros fãs.
[Leia outros Comentários de Aleksandra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SONO - NORMAL - PATOLÓGICO - TERAPÊUTICO
JOSÉ CARUSO MADALENA
BYK-PROCIENX
(1979)
R$ 10,00



CAVALEIROS VINDOS DE PARTE NENHUMA
ALEXANDRE E SERGUEI ABRÁMOV
CAMINHO
(1985)
R$ 7,80



BOTÂNICA 3 VOLUMES
MARIA DE LOURDES CANTO
LIVRARIA NOBEL
(1971)
R$ 15,00



A MANSÃO
WILLIAM FAULKNER
MANDARIM
(1998)
R$ 25,00



ENGLISH FOR EVERYONE BUSINESS ENGLISH LEVEL 2 PRACTICE BOOK
ENGLISH FOR EVERYONE BUSINESS ENGLISH LE
DK
(2017)
R$ 60,00



TEORIA GERAL DO ESTADO
DARCY AZAMBUJA
GLOBO
R$ 8,77



GUIA DE MEDICINA HOMEOPÁTICA
NILO CAIRO
LIVRARIA TEIXEIRA
(1996)
R$ 190,00



O ENCANTADOR DA MONTANHA
EDUARDO MOREIRA
RECORD
(2013)
R$ 14,00



DEUS NÃO ESTÁ MORTO
RICE BROOKS
THOMAS NELSON DO BRASIL
(2014)
R$ 50,00



AREIAS ESCALDANTES: INVENTARIO DE UMA PRAIA
SCARLET MOON DE CHEVALIER
ROCCO
(1999)
R$ 45,82





busca | avançada
71230 visitas/dia
1,4 milhão/mês