Guns N' Roses no Brasil: São Paulo | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Dicionário Inglês/português Português/inglês: Mini Yes de Larousse pela Larousse (2005)
>>> O encontro marcado de Fernando Sabino pela Record (1975)
>>> Larousse de Poche de Précis de Grammaire pela Librairie Larousse (1979)
>>> A Burrice do demônio de Hélio Pellegrino pela Rocco (1988)
>>> Curso de Decoração Casa Claudia de Vários Autores pela Abril (1990)
>>> Verdades e Mistérios da Amazônia de Barros Ferreira pela Clube do livro (1967)
>>> Tempo de Esperas de Pe. Fabio de Melo pela Planeta (2011)
>>> Romance com cocaína de M. Aguêiev pela Círculo do Livro (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick (1988)
>>> Vida e contemplação de P. Nelson Carloni pela Loyola (1975)
>>> Sem Rodeios de Oscar Niemeyer pela Revan (2006)
>>> Brida de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Zélia, uma Paixão de Fernando Sabino pela Record (1991)
>>> H. Stern Um Passeio pelas Curvas Infinitas de Oscar Niemeyer de Oscar Niemeyer e outros pela H. Stern
>>> Tempo de esperança. 24 horas para você renovar suas energias. de Mark Finley pela Casa Publicadora Brasileira (2009)
>>> O Monstro de Olhos Azuis (memórias) de Tonia Carrero pela Lpm (1986)
>>> Introdução à Crítica do Direito do Trabalho de Tarso Genro pela Lpm (1979)
>>> Virando a Própria Mesa de Ricardo Semler pela Best Seller (1998)
>>> O Segredo das Quatro Letras de Gabriel Chalita pela PlugMe
>>> Elisão Tributária de Diva Prestes Marcondes Malerbi pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Linux - Guia do Administrador do Sistema de Rubem E. Ferreira pela Novatec (2003)
>>> Bellini e os Espíritos de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (2005)
>>> O menino e o bruxo de Moacyr Scliar ; Maurício Veneza pela Ática (2007)
>>> Sou João : verdade e diálogo por uma Igreja-comunhão de João Braz Aviz pela Cidade nova (2015)
>>> Elt Pocket Dictionary de Ronald Ridout pela Nelson (1979)
>>> Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação 48 Volume 13 Julho Setembro 2005 de Fundação Cesgranrio pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> Relações desumanas no trabalho: da primeira entrevista à aposentadoria de Max Gehringer pela Casa da qualidade (1998)
>>> O Manual do Guerreiro da Luz de Paulo Coelho pela Klick (1997)
>>> Revista de Teatro n. 475 de Aldo Calvet pela Cbag (1990)
>>> Revista de Teatro n. 468 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> Revista de Teatro n. 467 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> O Processo Tributário - Edição ampliada e atualizada de Cleide Previtalli Cais pela Revista dos Tribunais (1996)
>>> Revista de Teatro n. 466 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> Justiça Distributiva e Aplicação de Direito de Plauto Faraco de Azevedo pela Fabris (1983)
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (1999)
>>> Confia filho ... de Pe. Fernando Maria Alvarez de Miranda pela Loyola (1983)
>>> Revista Economia y Sociedad Enero Junio 2016 de Roxana Morales Ramos Editora pela Euna (2016)
>>> Revista de Teatro n. 465 de Sbat pela H.Pereira da Silva (1988)
>>> Direito Internacional Público de Ivo Sefton de Azevedo pela Jurídica/Acadêmica (1982)
>>> A senhora do jogo de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe pela Record (2009)
>>> Evangelização e libertação de J. B. Libânio pela Vozes (1976)
>>> Revista de Teatro n. 452 (Out.Nov.Dez.1984) de H.Pereira da Silva pela Dalugraf (1984)
>>> Direito Internacional Público de Ivo Sefton de Azevedo pela Jurídica/Acadêmica (1982)
>>> Álbum de Retratos Ferreira Gullar de Por: Geraldo Carneiro pela Folha Seca (2008)
>>> O Direito Penal e o Novo Código Penal Brasileiro de Vladimir Giacomuzzi org. pela Fabris (1985)
>>> Depois da escuridão de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe pela Record (2011)
>>> Legislação Aduaneira comentada - Mercosul, Aladi, Gatt, Dumping, Drawback e Zona Franca de Guilherme A. dos Santos Mendes pela Meta (1995)
>>> Anuário 1918 =1978 Casa dos Artistas de Francisco Moreno pela Gráfica Jóia (1978)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/4/2010
Guns N' Roses no Brasil: São Paulo
Rafael Fernandes

+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Crédito da foto: @gunsnroses

A maioria das resenhas sobre os shows do Guns N' Roses no Brasil foi um festival de ideias pré-concebidas, regadas a ódio a Axl Rose. O resultado? A repetição de clichês: textos que pareciam cópias entre si e chegavam ao ponto de colocar nas matérias set lists e músicas que não eram do show específico. Também foi muito destacado que a banda viveria de seu passado. É irônico, então, que tenha tocado em São Paulo nove músicas de seu mais recente disco ― mais que o dobro da soma de músicas dos dois Use Your Illusion e duas a mais que as do clássico Appetite For Destruction. Quanta nostalgia, não?

Na realidade, foi uma apresentação ótima. Só não foi excelente por alguns poréns, como o atraso de sempre de Axl Rose. Alguns fãs tentam justificar o injustificável alegando que o cantor só entra quando está preparado e sempre para dar seu melhor. Essa última parte é verdadeira, mas que comece a se preparar antes, se demora tanto, se tem seus rituais. Tudo bem, isso é um show de rock, mas não precisa exagerar. Porém, também não compro essa pretensa ingenuidade de fãs "indignados" com o atraso. Esse comportamento do cantor, apesar de condenável, é recorrente, conhecido e foi amplamente divulgado. Não dá pra fingir surpresa. Eu, como muitos, fui preparado: com boa companhia, trocando mensagens de texto com amigos, descansando nos intervalos, vendo a "paisagem". Era uma noite apenas para diversão, o que de fato se concretizou. Outros dois problemas: a voz de Axl não estava no seu melhor, o que foi justificado por um problema na garganta e provado por uma rouquidão ao falar. Também houve problemas no som, que em alguns momentos tornavam inaudíveis sua voz. De resto, nada a reclamar.

Depois da histeria do início do show, com "Chinese Democracy", cortada pelo anticlímax do momento "Axl clássico" de interromper o show, o público ficou insandecido com o início de "Welcome To The Jungle". As pessoas pulavam como loucas. Axl Rose foi um show à parte. É muito carismático, um dos grandes frontmen do rock. Sua performance vocal estava prejudicada pelos já citados problemas na garganta. Eu diria que em um terço das músicas ele foi mal, como em "I.R.S", em que chegava a não cantar alguns versos. No outro terço as também citadas questões de mixagem do P.A. por vezes deixavam sua voz abaixo do instrumental. No terço restante, esteve ótimo. Em músicas como "Welcome To The Jungle", "Street Of Dreams", "Sorry" e "This I Love" mostrou grande potência e desenvoltura. E como alguém já disse, quando Axl canta, parece que dá significado a cada verso ― não são só palavras simplesmente cantadas a esmo. Além disso, grande sorte dos paulistanos, estava com um bom humor raro, fazendo piadas, sorrindo para o público e até usando da autoironia: em dado momento incentivou o público a gritar "Fuck You, Axl Rose". Ele é dos últimos representantes de uma linhagem clássica do rock de cantores que hipnotizam o público ao mesmo tempo em que contam com grande desenvoltura vocal ― artigos raros hoje em dia.

É importante destacar a competência da banda ao vivo: peso, dinâmicas, surpresas e dedicação descrevem bem o que fizeram no palco. Não soa como músicos "juntados" nem como "músicos contratados" ― essa bobagem repetida à exaustão. Soa com uma banda extremamente coesa e integrada. Parece que tocam juntos há mais de dez anos. Pior do que essa crítica, mesmo, só a "cover de luxo". Repita-se: que banda cover toca nove músicas de seu disco mais recente de inéditas? Ou, como bem disse o Felipe Machado: "Se uma banda cover leva 38 mil pessoas a um estádio, eu queria tocar em uma banda cover" (nota: nos cinco shows no Brasil, mais de 110 mil pessoas viram a banda).

O baixista Tommy Stinson e o baterista Frank Ferrer compõem a coesa cozinha do Guns N' Roses. Enquanto os guitarristas se esbaldam em poses e caretas, eles seguram a onda. O guitarrista Richard Fortus, que encarna bem a porção poser da banda, fecha seu competente centro rítmico, por ser responsável pela maioria das bases. Chris Pitman e Dizzy Reed tomam conta das programações (o primeiro), pianos (o segundo) e teclados (ambos). São a cobertura da potente massa sonora do grupo. Já DJ Ashba parece ter sido escolhido mais por sua persona do que por suas habilidades ― apenas médias. Além disso, acaba emulando demais a figura de Slash, com um chapéu, cigarro e poses ― nisso ele só tem a perder. Mas os fãs já o acolheram e ele tem boa presença de palco. Ron "Bumblefoot" Thal fecha o trio de guitarras. É um músico de muitos recursos, que vai facilmente de uma uma interpretação comovente a intervenções de vanguarda.

"Rocket Queen" ficou ótima no show: peso e suingue duelaram bem. "This I Love", apesar de bem breguinha, teve uma performance fabulosa de Axl ― o que conquistou o público, que aplaudiu bastante no final. "Sorry" e "Shackler's Revenge" também se sobressaíram. A primeira tem ressaltada sua dramaticidade e a segunda é menos seca e mais solta que a gravação em estúdio. Algumas das músicas novas, como "Better", tiveram reação satisfatória, logo nos seus primeiros acordes ― o que é incrível dada a parca divulgação e pedradas críticas que o disco recebeu. Lamentavelmente, a canção mais bem recebida pelo público está longe de ser o melhor momento de qualquer encarnação do grupo: a enfadonha "November Rain". Mostra bem o que o público médio espera de uma banda. Em compensação, grandes clássicos como "Welcome To The Jungle", "Mr. Brownstone", "Paradise City" e "Nightrain", além de recentes como "If The World" e "Madagascar", foram ótimas.

Num Tungcast, já conversei com o Diogo Salles sobre a grande capacidade que as bandas dos anos 80 tinham de tranformar cada show num espetáculo de fato, em levar a maior diversão possível ao público. Coisa que, infelizmente, se perdeu um pouco nos anos 2000 ― também com certa culpa de muitos exageros cometidos na mesma época. E esse tal espetáculo acaba sendo taxado por uns e outros como brega, clichê ou poser. Não se trata disso. Trata-se de um senso de entretenimento. Porque estamos falando de rock, não de arte (ou pseudoarte). O show do Guns N' Roses é assim: uma produção certeira com bom cenário e suas luzes e explosões calculadas. Essas explosões são muito impactantes in loco. E não são usadas gratuitamente: apenas para aumentar ainda mais o frisson do público. Só quem esteve lá percebeu como os fãs se enlouqueceram quando a cortina de fogo foi se formando no início de "Chinese Democracy". Ou quando uma explosão encerra "It's So Easy" quase fazendo o estádio vir abaixo. Axl Rose tem seus xiliquinhos, idiossincrasias e seus inexplicáveis e imperdoáveis atrasos, mas nunca entra num palco senão para entregar o melhor a seu público: dar a ele uma noite memorável.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 21/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Parque de Diversão Brasil de Daniel Bushatsky
02. Discos de Jazz essenciais de Jardel Dias Cavalcanti
03. Informação, Redes Sociais e a Revolução de Noah Mera
04. A morte de Michael Jackson, um depoimento de Guilherme Pontes Coelho
05. Obsessão por livros de Rafael Rodrigues


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2010
01. Os piores músicos da década - 22/9/2010
02. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos - 9/6/2010
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 - 17/2/2010
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 - 26/5/2010
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 - 28/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2010
20h58min
Melhor comentário até agora sobre o show do Guns. Com certeza os outros (comentários) foram cópias, pessoas que não conhecem o Guns, não sabem a história da banda. Não foi um show como em 1992, mas foi um grande espetáculo, e satisfez os seus verdadeiros fãs.
[Leia outros Comentários de Aleksandra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA VIDA INVENTADA
MAITÊ PROENÇA
AGIR
(2008)
R$ 5,00



MOTIVADO PARA VENCER VOL. 2 HISTORIAS PARA TRANSFORMAR SUA VIDA
D. DCARTIO
LIO
(2008)
R$ 5,00



UM PRESENTE DE NATAL
MARY HIGGINS CLARK E CAROL HIGGINS CLARK
RECORD
(2006)
R$ 7,50



A MAIOR POÇA DE LAMA DO MUNDO
MARK BAKER
SALAMANDRA
(2014)
R$ 7,50



REVISTA BRASILEIRA DE ECONOMIA - VOL. 26/ Nº 1/ JAN./MAR 1972
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(1972)
R$ 5,00



DEUS E MEU SUCESSO - COMO TRANSFORMAR OBSTACULOS EM VANTAGENS
LARRY S. JULIAN
LAROUSSE
(2008)
R$ 5,99



O COMUNICADOR
RENATO CASTELO BRANCO
PRESTIGIO
(2004)
R$ 6,90



HEADWAY ELEMENTARY STUDENTS BOOK
LIZ & JOHN SOARS E PAUL HANCOCK
OXFORD
(2019)
R$ 239,90



UM NOVO MUNDO
ALFONS BALBACH
EDIFICAÇAO DO LAR
R$ 6,90



NOVAS BASES DA BIOLOGIA - SERES VIVOS E COMUNIDADES
NÉLI BIZZO
ÁTICA
(2011)
R$ 12,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês