Orgasmo ao avesso | Débora Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
>>> Melhores Blogs
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Apontamentos de inverno
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
Mais Recentes
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
>>> Machu Picchu
>>> Cidade Escola - Série Jovens Utopias Livro 3
>>> Dr. Clorofila Contra Rei Poluidor
>>> Trio Enganatempo - Sua Mãe Era Uma Neanderthal
>>> Através Do Espelho
>>> Watchman nee ( O Poder latente da alma )
>>> Oh! Dúvida Cruel 2
>>> Felicidade Em Um Mundo Material
>>> Coleção Enem & Vestivulares Volume 7 - Física
>>> Para Homens Na Crise Dos 40
>>> O Elo Perdido- Classe E Identidade De Classe
>>> Progresso Editora: Tribuna e Paixão de Pinto de Aguiar
>>> Criando Clientes
>>> Coroa Cruel
>>> Aurora Boreal
>>> Práticas Corporais - Volume 3
>>> A Rainha Vermelha
>>> Espada de Vidro
>>> Botânica Criptogâmica Volume 2 - Briofitos E Pteridófitos
>>> Abominação
>>> Afinal Por Que Nossos Alunos Não Aprendem?
>>> Branca de Neve tem que morrer
>>> Sexo: Bloqueios E Desbloqueios
>>> Dezessete Luas
>>> A Googlelização de Tudo
>>> Português Série Novo Ensino Médio Volume Único
>>> Talento Para Ser Feliz
>>> A livraria 24 horas do Mr. Penumbra
>>> Os Deuses Subterrâneos
>>> Pequim em Coma
>>> Para Gostar De Ler 29 - Nós E Os Outros
>>> O homem que foge
>>> Lincha Tarado
>>> Silas Malafaia ( lições de vencedor)
>>> Alongamento - Uma Abordagem Anatômica
COLUNAS

Terça-feira, 22/6/2010
Orgasmo ao avesso
Débora Carvalho

+ de 5800 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Espasmos mais fortes do que é possível imaginar. O corpo entregue a sensações antes desconhecidas em partes que nunca foram sentidas. Não há o que fazer. Impossível lutar contra. Gemidos? Os mais intensos. Não dá pra voltar atrás, nem pedir para parar. Só resta abrir as pernas e relaxar, deixar acontecer. Isso implica respirar fundo e se entregar à dor que vai expulsar o feto do ventre e transformá-lo em um bebê, e você, em mãe.

É como perder a virgindade, só que ao contrário. Em vez de puro prazer com uma pitadinha de dor e ansiedade por não saber exatamente o que vai sentir, muita dor e ansiedade com uma pitada de prazer ― pelo mesmo motivo. (Isso para quem gosta de aventura, mistério e superação.)

Minha maior curiosidade era a intensidade da chamada "dor de expulsão" do feto. Agora já sei e vou contar: é como a dor de fechar a porta do carro e esquecer de tirar a mão da porta. Como dar uma martelada no prego e acertar o dedo. Ou, ainda, como as agulhadas de uma anestesia local no dedão de um pé que acabou de perder a unha num acidente (aconteceu comigo no sexto mês de gestação. Até então, as cinco agulhadas da anestesia geraram a maior dor que me lembro ter sentido na vida). No caso do parto, a extensão também é maior ― dentro do abdome todo até "lá embaixo". A duração também é mais longa, e vai e volta, e vem e vai ― por vários minutos... até surgir o rebento.

O momento mais interessante ― chega a ser engraçado ― é quando começam os espasmos espontâneos. Nessa hora, mesmo quem não é muito fã de gemidos "à la filme pornô" acaba gemendo muito. Esses espasmos são semelhantes ao orgasmo mais intenso ― aquele que a gente nunca mais quer sentir de novo, porque exige muita entrega e a gente fica sem controle e pensa que vai morrer, mas ao mesmo tempo quer morrer sentindo aquilo. A diferença é no final. Acaba de repente. E tem que se entregar para a dor. Relaxar mesmo, da mesma maneira que para o prazer. No começo a gente tem que ajudar fazendo força. A enfermeira obstetra diz: "Faz força de cocô!". Eu tentei. Acho que podiam dizer outra coisa, mas a gente pega o jeito mais rápido. É uma frase feia, mas prática. Na verdade, é o mesmo tipo de força de quando o "número dois" está ressecado. É a mesma sensação do momento de passagem da cabeça do feto ― só que em outra saída. No começo a gente tem mesmo que fazer força. Se não fizer, a dor é muito maior e parece que vai rasgar tudo. Fazer força faz a dor e a sensação de que vai rasgar diminuírem, além de fazer a gente se sentir no controle, forte e poderosa.

A grande surpresa é que depois de algum tempo o corpo começa a fazer tudo sozinho. Eu levei um susto enorme. Não fosse a dor, eu teria dado muita risada de mim mesma. Ninguém me avisou que isso aconteceria. Na hora, lembrei do meu obstetra com quem fiz o pré-natal. Ele me ajudou muito na preparação para o parto natural, mas esqueceu desse detalhe. Lembro que a obstetra me pedia para não fazer mais força (porque estava aplicando anestesia para uma episioestemia depois que a Lara tentou por a cabeça pra fora umas 15 vezes, sem sucesso), mas eu não conseguia parar ― era o corpo fazendo tudo sozinho. Nem senti as agulhadas. E, de repente, o choro do rebento invade o ambiente e rouba todas as atenções. Inclusive a das dores que se transformaram em recordação num piscar de olhos.

O pai, coitado. Se tentar ajudar, atrapalha. Lembro que, na sala de pré-parto e durante o exame de cardiotocografia, ele queria fazer massagem na minha barriga, um carinho para ajudar aliviar a minha dor. Em troca, levou uns berros:

― Não me toca!

E quando tentava conversar para distrair:

― Cala a boca! Eu estou concentrada na dor! Fica aí quieto, não faz nada. Só não esquece de filmar.

Eu concentrada na minha aventura dolorida, analisando cada intensidade das contrações pré-expulsão do feto, e ele:

― Você está dormindo?

― Cala a boca!

Daí ele ficou quieto. Eu já tinha avisado pra ele:

― Não espere um parto bonitinho. Parto não é bonito. É um milagre. Mas não é bonito. Eu vou sofrer, posso gritar muito. Não faço ideia do quanto vai doer, mas acho que vai ser algo horroroso e com muito sangue. E você, trate de não entrar em pânico porque vai ter que filmar tudo.

E não é que ele conseguiu?

Engraçado foi quando a bolsa estourou. Eu estava na sala deitada e a enfermeira obstetra verificando a dilatação. Perdi a cena da bolsa que estoura do nada e vasa um monte de água e a gente sai correndo pro hospital. Ele:

― Nossa! Quanto sangue!

E a enfermeira:

― Vixe, pode ficar tranquilo que daqui vai sair de tudo, até bebê.

Eu não aguentei e dei uma gargalhada. Doeu pra caramba. Não dá pra fazer piada diante de uma parturiente, né?

Outra coisa bem esquisita é que nos filmes e novelas a gente vê as mulheres respirando bem rápido durante as contrações. Mas no hospital me ensinaram a respirar com bastante calma, inspirando pelo nariz e expirando pela boca. Inspira, segura e solta, bem devagar e concentrada. Isso ajudou bastante, pois alivia as dores e relaxa. É como comparar um comercial de Casas Bahia com um comercial da Natura ou O Boticário.

E assim como o sexo de vídeo, filme, novela não é como na vida real, o parto também não é. É tudo mais lento, mais intenso, diferente mesmo. Amamentar e cuidar do bebê também. Não é só dar o peito, trocar fraldas e dar banho. É preciso massagear os seios, cuidar do mamilo, e tem até um jeito certo para o bebê mamar sem machucar. Demorei três dias para aprender amamentar ― com as orientações do Banco de Leite. Mas agora está tudo bem tranquilo.

Ah, como tudo foi tão perfeito na gestação e no parto, ela tinha que nascer com o rostinho vermelho e um pouco inchado. Foi a força para nascer... e bebês nascem inchados mesmo. Mas seis horas depois ela já estava desinchada. No dia seguinte, nem parecia a mesma garota. Ela perdeu 300 gramas, mas recuperou o peso do nascimento e cresceu 3 centímetros em apenas 9 dias de vida ― sendo que o normal é com 15.

Assistindo a coleta de sangue na veia da mão (para verificar o grau da icterícia e a evolução do tratamento), as enfermeiras disseram que eu era muito calma, pois muitas mães ficavam desesperadas ao ver furar a veia do filhinho.

― Imagina. Ainda bem que tem como ver se tá tudo bem, e ainda bem que tem vocês para fazer isso, né? Ruim seria não ter tratamento.

Acabei dizendo isso para outras mães cujos filhos ficaram internados mais tempo. A filha da minha colega de quarto descobriu que estava com uma bactéria de infecção urinária da mãe, e precisaria ficar internada mais duas semanas. A mãe quase chorando de angústia e eu disse:

― Nossa! Que bom que os médicos descobriram isso antes dela ter alta! Assim ela vai ser tratada. Já pensou se você vai embora com ela sem saber dessa infecção?

Na hora a mãe parou de chorar e disse:

― É verdade. Você tem razão. Ainda bem mesmo.

Eu nunca fiquei internada nem nada. O que sofri de mais sério na vida foi ter deslocado os ossos do braço direito aos cinco anos de idade (salvando meu irmão mais novo de uma queda num tanque de lavar roupa que estava solto na nova casa alugada), e um escorregão que levei no banheiro e acabei chutando o trilho do Box e perdi a unha do dedão. Já sofri batida de carro que amassou a metade, quase caí de um penhasco na praia... mas nada grave aconteceu. Minha primeira internação foi agora, para parir.

Eu fiquei admirada com a cultura que a gente tem sobre partos em geral. Me lembro que assim que o pessoal do condomínio soube que eu estava grávida, cada mulher vinha me contar uma história. Umas diziam:

― Não dói nada. Parto normal é tranquilo. O meu foi... ― e lá vinham duas horas de relato.

Teve uma que até viveu uma piada. Ela não sabia nada de nada. Mal sabia como engravidara (na época, 40 anos atrás). Então, foi ao banheiro fazer xixi e a bolsa estourou. Ela não sabia do que se tratava e apenas contou do "xixi estranho". Daí, alguém perguntou: ― Por que você não me contou que a bolsa estourou? E ela respondeu: ― Mas eu não levei bolsa pro banheiro.

Também ouvi histórias de quase morte, de cesarianas com recuperação terrível, e relatos de que parto normal é a coisa mais horrível do mundo. Que eu deveria fazer cesariana para não sofrer.

No hospital ouvi dizer ― de quem havia tido quatro partos normais e o último cesariana ― que cesariana é a pior coisa, pois a recuperação dos pontos é terrível.

Sobre leite, uma senhora me disse: você tem que beber bastante leite para ter leite. E depois que ela nascer, tem que tomar canja para ter leite. ― O que é canja? (Eu juro que não sabia. Nunca tomei isso.)

Mas caramba! Essa conversa toda não faz o maior sentido. As especialistas do banco de leite informaram que toda mãe produz leite saudável. Meu obstetra me explicou como me preparar para um parto natural. O importante é saber que a gente vai sofrer, mas precisa estar relaxada. Não dá para tentar aliviar a dor, lutar contra ela ― isso sim faz doer muito mais. E a gente precisa sentir o corpo. Não tem nada que respirar rápido, fazer tudo correndo. Não. É devagar, lento. Bem diferente dos vídeos. Mesmo o montão de vídeo que tem no YouTube. Tem parto bonito, parto horrível... Mas eu acho que optar por uma cesariana sem necessidade biológica pode ter ligação psicológica com algum medo de enfrentar o desconhecido descontrolado.

Meu marido disse:

― Amorzinho, agora você provou que é macho. Estou muito admirado de como você aguentou tudo aquilo sem se esguelar. Eu pensei que você ia morrer, e você ali, calminha, controlada. Parabéns!

E parabéns mesmo. Agora me sinto muito mais poderosa do que antes. Não posso dizer que foi o maior sofrimento que tive na vida. Afinal, foi uma escolha minha engravidar. Mas posso dizer que se consegui passar por esse momento de forma consciente e sem berrar feito louca, se consegui encarar sem pirar (como algumas mulheres me relataram), acho que consigo encarar qualquer coisa.

Agora não vejo a hora de acabar essa fase chamada "puerpério", dieta, resguardo e voltar a namorar o maridão para desavessar esse orgasmo tão intenso que senti. Será que vai ser como foi a primeira vez? Não faço ideia... só sei que o jeito é relaxar e deixar a vida acontecer. E por mais que seja necessário estar no controle durante um bom tempo, treinando e se preparando, chega a hora em que para sentir os intensos espasmos da vida a gente tem que abrir mão do controle. Então, tudo acontece naturalmente ― horrorosa e maravilhosamente.

E o resultado:



Débora Carvalho
São Paulo, 22/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
03. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
04. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Débora Carvalho
Mais Acessadas de Débora Carvalho em 2010
01. Por que comemorar o dia das mães? - 4/5/2010
02. Choque de realidade no cinema - 23/2/2010
03. Metade da laranja ou tampa da panela? - 13/7/2010
04. Orgasmo ao avesso - 22/6/2010
05. Desperte seu lado Henry Ford - 17/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/7/2010
20h48min
Puxa! Que texto legal! Uma perspectiva totalmente diferente do que minhas 62382937 amigas mamães já relataram.
[Leia outros Comentários de Kátia Chiaradia]
15/7/2010
14h30min
Nossa, adorei este texto... Ele diz exatamente tudo como eu gostaria de expressar. Como sempre, foi um show de risadas, principalmente o diálogo com seu marido... "Não toca em mim!" Foi demais... soou quase como que um: "Tá vendo, você me ajudou a ficar nessa situação!!!" Apesar de fazermos tudo muito conscientes é impossivel não pensar nessa hora, né? Muito bom... E mais poderoso ainda é conseguir ser mãe e escrever com tanta qualidade!
[Leia outros Comentários de Marina Matos]
19/7/2010
22h40min
Ameeeiii!!! Cunhada linda, que texto emocionante e que diz exatamente o que sentimos nesse momento sublime que é o parto... Orgasmo às avessas... Explicaste o que sempre senti. E viva o parto natural!
[Leia outros Comentários de Tully Ehlers]
12/3/2011
19h05min
Parabéns, Débora, pelo texto e pela princesinha. Mas é agora que a coisa começa... Muitas felicidades para vocês duas!
[Leia outros Comentários de Ryoki Inoue]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANDRÔMACA - JEAN RACINE (EDIÇÃO BILINGUE) - TEATRO FRANCÊS
JEAN RACINE
EDIOURO
(1964)
R$ 20,00



ABRAÃO- UMA JORNADA AO CORAÇÃO DE TRÊS RELIGIÕES
BRUCE FEILER
SEXTANTE
(2003)
R$ 28,90



PSICANÁLISE DE TRANSTORNOS ALIMENTARES - VOL. 2
CYBELLE WEINBERG
PRIMAVERA
(2016)
R$ 27,00



IMPECÁVEIS PRETTY LITTLE LIARS
SARA SHEPARD
ROCCO JOVENS LEITORES
(2012)
R$ 12,90



O CAVALEIRO INEXISTENTE
ITALO CALVINO
COMPANHIA DE BOLSO
(2009)
R$ 15,00
+ frete grátis



TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA - PRINCIPIOS FÍSICOS E APLICAÇÕES
ALEXANDRE ARAÚJO
CORPUS
(2007)
R$ 46,90



A PESSOA COMO CENTRO - CARL R. ROGERS
CARL R. ROGERS E RACHEL L. ROSENBERG
EDUSP
(1997)
R$ 34,00



A PASSAGEM DE MAEL: UM AMIGO
RICARDO AMBROSIO
ALL PRINT
(2014)
R$ 16,00



PARIS NO SÉCULO XX
JÚLIO VERNE
ÁTICA
(1995)
R$ 9,00



ADVOGADOS, PATOS E ASSOMBRAÇÕES
MAURO TAVARES CERDEIRA
KOMEDI
(2004)
R$ 6,90





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês