Não me interrompas, Pilar | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
>>> Roberto Carlos:Detalhes em PDF
>>> Olhos de raio x
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Fred Trajano sobre Revolução Digital na Verde Week
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> 7 de Setembro
>>> Fazendo as Pazes com o Swing
Mais Recentes
>>> Superdicas Para Escrever Bem Diferentes Tipos de Texto de Edna M. Barian Perrotti pela Saraiva (2006)
>>> Técnica da Redação Comercial de Helena Montezuma pela Tecno Print (1963)
>>> Todo o Mundo Tem Dúvida, Inclusive Você de Édison de Oliveira pela L&PM Pocket (2012)
>>> Manual de Estilo Editora Abril de Vários Autores pela Nova Fronteira (1990)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Guia Prático de Redação de Massaud Moisés pela Cultrix (1967)
>>> Estudo Sintético e Racional da Arte e da Técnica de Escrever de Dr. Paulo Acioly pela Exame
>>> Comunique-se Melhor e Desenvolva Sua Memória de Jorge Luiz Brand pela Pe. Berthier (1996)
>>> Os Pecados da Língua – Pequeno Repertório de Grandes Erros de Linguagem de Paulo Flávio Ledur & Paulo Sampaio (Sampaulo) pela Age (1993)
>>> Independence Day - O ressurgimento de Alex irvine pela Nemo (2016)
>>> Técnica de Redação – O Texto nos Meios de Informação de Muniz Sodré e Maria Helena Ferrari pela Francisco Alves (1977)
>>> Óculos, aparelho e Rock ' N ' Roll de Meg Haston pela Intrínseca (2012)
>>> O doador de memórias de Lois Lowry pela Arqueiro (2014)
>>> Dez leis para ser feliz de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> #Manual da Fossa de Mica Rocha pela Benvirá (2020)
>>> Como Parar O Tempo de Matt Haig pela Harper Collins (2017)
>>> O guia dos curiosos: língua portuguesa de Marcelo Duarte pela Panda Books (2010)
>>> Mentes Geniais: Aumente em 300% a Capacidade do Seu Cérebro de Alberto Dell Isola pela Universo dos Livros (2013)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intríseca (2009)
>>> Tipo Destino: E se sua alma gêmea fosse o namorado de sua melhor amiga? de Susane Colasanti pela Novo Conceito (2013)
>>> Seu Cachorro É O Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Os Contos dos Blythes Vol 2 de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2020)
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Globolivros (2014)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare pela Galera (2014)
>>> A Casa de Hades de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Amores impossíveis e outras perturbações quânticas de Lucas Silveira pela Dublinense (2016)
>>> A Marca de Atena de Rick Riordan pela Intríseca (2013)
>>> Will e Will, Um nome, Um Destino de John Green, David Levithan pela Galera (2014)
>>> O Azarão de Markus Zusak pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Capitão América: A Ameaça Vermelha de Steve Epting, Mike Perkins, Ed Brubaker pela Panini (2005)
>>> O Fio do Destino de Zibia M. Gasparertto pela Vida e Consciência (1500)
>>> O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux pela Principis (2020)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lafonte (1500)
>>> Coleção folha tributo a Tom Jobim nº8 Tide de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Rostos Do Protestantismo de José Míguez Bonino pela Sinodal/Est (2020)
>>> Coleção folha grandes vozes Fred Astaire nº4 de Folha de São Paulo pela Mediafashion (2012)
>>> Sherlock Holmes – O Vampiro de Sussex e Outras Histórias de Sir Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (2003)
>>> As pernas de Úrsula e outras possibilidades de Claudia Tajes pela L&PM (2001)
>>> Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2008)
>>> A vitória final de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2008)
>>> Apoliom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> O glorioso aparecimento de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Armagedom de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> Assassinos de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Nicolae de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O possuído de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Profanação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2004)
>>> O remanescente de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> A marca de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2005)
>>> Comando Tribulação de Tim LaHaye / Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/2/2011
Não me interrompas, Pilar
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma árvore caiu por causa da chuva forte. O bairro ficou sem luz e minha ida ao cinema, por alguns minutos, pareceu frustrada. Um cinema sem luz. Nunca eu pensara nisso. Sem luz não se tem nada, exceto pelo livro, que independe disso e pode ser lido sob o Sol.

Umas voltas pelas lojas ao redor e a luz voltou. As pessoas comemoraram e o bilheteiro veio avisar que haveria sessão. Mesmo atrasadinha, haveria sessão, para minha alegria e a de mais quatro ou cinco pessoas, naquela tarde cinza.

O filme era José e Pilar, documentário por meio do qual se pode acompanhar o final da trajetória de José Saramago. No filme, Pilar, a esposa mais jovem do escritor mundialmente conhecido, é também personagem central, algo que não costuma ocorrer aos pares de artistas. Veja-se aí a luta de Frida ou as quantas esposas que jamais soubemos existir. Nora, a esposa de James Joyce, que jamais lia seus originais ou mesmo livros, era o oposto da esposa-copista-dedicada de León Tolstói. E onde estavam elas? Sob as páginas viradas, nos colofões ou, menos, nos créditos de foto, às vezes. Mas Pilar está lá, leitora, administradora, esposa e agente. Talvez tenha se tornado uma figura profissional ao lado do marido.

Uma imensa antipatia é o que Pilar provoca, talvez. Meu parceiro de cinema saiu da sessão admirado da arrogância daquela mulher. Saí dividida, assumo. Não achei que a esposa de Saramago fosse algum poço de simpatia, mas nutri por ela uma espécie de admiração cínica. Como se pode ser mulher, leitora, interlocutora, gestora, agente, acompanhante e o nome da rua de esquina? O que significaria dar nome à rua da cidade natal? E por quê? Uma coisa é virar rua porque se é escritor consagrado... outra é ser a esposa do escritor e dar de esquina com ele. E nem no traçado da cidade eles se podem livrar um do outro. Que maldição. Ou será?

Se eu virasse nome de rua ficaria muito preocupada. Vão me matar, vou morrer, virei monumento. Não é assim que se faz com pessoas vivas, bem vivas. Prefiro virar um poema. Pilar era tudo isso. Ela era (e ainda é, porque a literatura não deixa as pessoas se esquecerem) a musa de todos os livros, umas tantas dedicatórias (já tiveste, em vida, uma dedicatória? Experimentaste esta emoção?), uns laivos de personagens e umas tantas frases de amor.

José é tão estrela que nem se preocuparam tanto em tratá-lo como mote total do filme. Pilar, sim, é uma exuberância. Nem sempre doce e sedutora, mas bem-enquadrada e forte. Foi por ela, diz ele, que Saramago não morreu. E creio, piamente, que alguém vivo possa disputar o outro com a morte. E ganhar, ao menos provisoriamente.

Os livros de José Saramago não estão todos em minhas estantes. Alguns, sim. Não cheguei a assistir ao filme originado de Ensaio sobre a cegueira, mas lembro bem da resenha encantada que um amigo me fez sobre a obra de papel. Impressionante. Um dos personagens que mais admiro, e pelo qual mais me apaixono, é um revisor de textos que protagoniza, discretamente, História do cerco de Lisboa, livro que ocupou minha cabeceira por algum tempo e de onde eu ainda retiro citações.

Os livros de Saramago, embora nem bem tivessem muitos pontos-finais, me davam síncopes. Eu vivia interrompendo a leitura, de um modo que talvez ele odiasse. Escritores em ato detestam ser interrompidos. Só mesmo a narrativa o pode fazer, em ondas. Escritores desmancham casamentos quando não são plenamente compreendidos. Mas o escritor deixa ao leitor muitos espaços, falhas, abismos por onde se precipitar. Parei umas tantas vezes de ler porque, a cada frase, os narradores de Saramago me faziam pensar tanto que nem dava para continuar a vida de onde parei. Foi assim também com outros, mas principalmente com ele. Em português, minhas línguas.

Você namorou um escritor? Rapaz, já namoraste uma escritora? Dificilmente. Eles não se dão com o mundo assim. Mas tentaste esta experiência? É ofegante. Mas é preciso dar valor (e demonstrar) a umas tantas coisas que costumam passar desapercebidas para a maior parte das pessoas. Se a existência dos livros e da própria literatura passa, imagine o resto. Já ganhaste uma dedicatória? Não aquela que emplasta livros dados de aniversário, ou CDs. Digo aquela que o autor estampa logo no início de sua obra: "Para você". Nem que seja numa tese, num trabalho monográfico. Já recebeste o presente de ver seu nome no convite da formatura? "Ao Dudu, por ter me apoiado enquanto eu trabalhava". Já? Chorei muito quando não me dedicaram um convite de formatura, tendo eu participado ativamente daquela formação. Chorei. E aquilo era uma incisiva vingança. E foi.

Para Pilar. Era a vida de Saramago que ela gerenciava, não apenas sua obra, mas via-se em tudo sua preocupação em não parecer coadjuvante. Preocupação até incômoda, às vezes, exagerada, forçada até. Ser a sombra não pode ser assim tão simples.

José e Pilar é o álbum dos anos de um escritor consagrado, de um casal consagrado. É, afinal, raríssimo assistir, de longe ou de perto, a uma relação amorosa em que uns e outros ficam à vontade para ser, sabendo se é hora de interromper.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 4/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
03. O primeiro assédio, na literatura de Marta Barcellos
04. O pior cego de Luís Fernando Amâncio
05. Gente Esquisita ou Miopia de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2011
10h04min
Ana, também tive essa impressão da Pilar. Ela foi mal interpretada por muitos que viram o filme. Acho que sem ela o Saramago teria morrido bem antes. Ele mesmo admitiu isso. Veja o filme "Ensaio sobre a cegueira", de Fernando Meirelles. É uma ótima adaptação do livro, apesar também das várias críticas que recebeu. Acho que o diretor captou muito bem as cenas do livro.
[Leia outros Comentários de Wellington Machado]
20/2/2011
09h30min
Ana, acabei de ler "Todos os nomes", também de Saramago. Muito bom, mas, principalmente, no início, difícil de ler, acostumada que estou à pontuação convencional. Às vezes me perdi no sentido, outras vezes o sentido se perdeu em mim. Consegui ir em frente, passadas as primeiras 40 dolorosas páginas. Gostei mesmo. Embora dispensasse o final.
[Leia outros Comentários de Rachel Kopit Cunha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MICKEY NO CIRCO
WALT DISNEY
ND
R$ 5,00



RECEITAS INVERNO E VERÃO - COLEÇÃO UNIÃO VOL. 1
COMPANHIA UNIÃO
COMPANHIA UNIÃO
R$ 5,00



NOSSO DIÁRIO OTÁRIO, ULTRASSECRETO
JIM BENTON
FUNDAMENTOS
(2010)
R$ 18,00



GEOGRAFIA - ESPAÇO E VIVÊNCIA - ENSINO MÉDIO - VOLÚME ÚNICO
LEVON BOLIGIAN E ANDRESSA ALVES
ATUAL
(2004)
R$ 10,00



MANUAIS PRÁTICOS ORTOGRAFIA DA LÍNGUA ESPANHOLA
VARIOS AUTORES
ESCALA
(2004)
R$ 6,00



VIDA DE JESUS
E G WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
R$ 18,95



PRESTES LUTAS E AUTOCRÍTICAS
DÊNIS DE MORAES - FRANCISCO VIANA
VOZES
(1982)
R$ 5,00



CORTA A NOITE UM GEMIDO
REYNALDO VALINHO ALVAREZ
MYRRHA
(2007)
R$ 11,90



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 12 Nª 3
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1938)
R$ 11,22



O QUE É MENOR
EDSON PASSETTI
BRASILIENSE
(1985)
R$ 6,90





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês