Leitura e escola | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
38231 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Companhia de Danças de Diadema leva "por+vir" ao palco do Teatro Clara Nunes
>>> 38ª Edição da Feira da Comunidade acontece no domingo, 29 de outubro, na A Hebraica
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Prevendo o previsível
>>> O do contra
>>> Adiós, muchachos
>>> Bang bang: tiroteio de clichês
>>> absolutamente
>>> Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
>>> Verão Poesia Internacional BH
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> O grande livro do jornalismo
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
Mais Recentes
>>> No Começo Eram os Deuses
>>> Avenida Nievski e Notas de Petersburgo de 1836
>>> O Universo em suas Mãos
>>> Antonio Nobre Correspondência autores portugueses
>>> O Mistério de Cygnus - Desvendando o antigo segredo das origens da vida no universo
>>> Dobras no tempo
>>> Administração De Marketing
>>> Meus Enigmas Favoritos
>>> Manual de Reanimação Neonatal
>>> O Enviado
>>> Ovnis S.O.S. à Humanidade
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil
>>> Patologia do Trato Genital Iferior
>>> Kris lundaard ( o mal que habita em mim )
>>> Os Astronautas de Yaveh
>>> Doenças Hepaticas e do Sistema Biliar em Crianças
>>> O Ovni de Bélem
>>> Mentes Perigosas
>>> Existiu Outra Humanidade
>>> Lesões Traumaticas em Dentes Deciduos-Tratamento e controle
>>> Truques da Mente
>>> Terapia Periodontal Não-Cirurgica-Periodontologia 2000 - 9
>>> Como Passar em Concursos ESAF - 3000 Questões Comentadas
>>> Como Passar Em Concursos da Cespe - 6800 Questões Comentadas
>>> Tudo é Possível
>>> Cirurgia Estetica Avançada
>>> Como se tornar um Líder Servidor
>>> Como Passar Em Concursos Fcc - 5800 Questões Comentadas
>>> Grande Outra Vez
>>> Molecular and Cellular Exercise Physiology
>>> Por Dentro do Priorado de Sião
>>> A Dama, Seu Amado E Seu Senhor
>>> Uma Exposição dos Sete Eras da Igreja
>>> George Lucas: Skywalking A Vida e a Obra do Criador de Star Wars
>>> Star Wars - Sombras do Império
>>> Star Wars - Troopers da Morte
>>> Star Wars - Herdeiro do Império - Vol. 1
>>> Star Wars - Provação
>>> Star Wars - Marcas da Guerra Livro 01
>>> Einstein O Campo Unificado
>>> Dez Lições de Sociologia
>>> Manual do paulistano moderno e descolado
>>> Amor e solidão
>>> Grammar Practice for Intermediate Students
>>> Sombra Errante- a perceptora na narrativa inglesa do século XIX
>>> A mecânica das águas
>>> Judy Moody salva o mundo!
>>> O nascimento do prazer
>>> Cálculo Volume 2
>>> Engenharia de Controle Moderno
COLUNAS

Segunda-feira, 31/1/2011
Leitura e escola
Gian Danton

+ de 5200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A preocupação com a leitura parece cada vez mais urgente num país como o Brasil. Há tempos não se consegue formar uma geração de leitores, mas a situação parece ter piorado. A escola, que deveria ser a grande incentivadora da leitura, está provocando dois fenômenos preocupantes: o analfabetismo funcional e a fobia de livros.

Os analfabetos funcionais são aqueles que frequentaram a escola mas, por falta de contato com a leitura e a escrita, foram perdendo a capacidade de compreensão do mundo das palavras. Luzia de Maria, no livro Leitura e colheita, conta que realizava uma oficina de leitura quando disse que um analfabeto funcional era aquele que não conseguia entender revistas como Veja, Isto e Época, e três professoras da plateia disseram: "eu".

A fobia de livros é perfeitamente percebida quando se ouve alguém dizer que tem dor de cabeça quando começa a ler. É como se o organismo reagisse patologicamente a uma experiência traumática.

Certa vez, eu lecionava um curso de histórias em quadrinhos para crianças da periferia de Belém e perguntei a elas qual era a diferença entre um gibi e um livro. Eu esperava que elas apontassem a ilustração como diferença, pois é possível publicar um livro sem desenhos, mas não é possível o mesmo com uma HQ. A resposta, dada por uma menina, surpreendeu-me: "O livro é chato; história em quadrinho é divertida".

Na cabeça dela, o livro era algo lido por obrigação puramente escolar, sem nenhum prazer ou contato com a vida.

A grande pergunta que surge é: onde a escola errou? Por que, ao invés de despertar os alunos para a magia da leitura, ela os afastou dessa mesma magia?

Esse desvio no caminho tem sua origem na noção de leitura que acompanha a maior parte da vida escolar. Nas escolas ainda predomina a visão do livro como objeto sagrado, típica da Idade Média. Nessa época, os escritos eram encadernados em couro, com ornamentação de metais preciosos. As Bíblias que existiam nas igrejas ficavam presas por correntes. O livro era um objeto caro, raro e distante.

Com a invenção da imprensa, surge aquilo que Marshall McLuhan chamou de "Galáxia Gutenberg". É inaugurado o pensamento linear e a visão cartesiana de mundo.

É também a época das gramáticas normativas. Esses gramáticos viam na palavra escrita o lugar de acerto, de uma linguagem correta, a linguagem dos bons doutos. A linguagem oral, ao contrário, era o lugar do erro, do caos, da inconstância. Orientados pelo pensamento cartesiano, esses gramáticos se interessaram apenas pela ordem expressa da palavra escrita.

Na escola, essa visão separou a fala e a escrita como ações contrárias, e os textos perderam contato com a vida real. Sua utilização na sala de aula privilegiava não o entendimento, não a atribuição de significado, mas a capacidade de decodificar os signos e de identificar classes gramaticais ou sintáticas.

Assim, alfabetizado era aquele capaz de ler um texto em voz alta, ou tirar dele os substantivos, os verbos ou identificar as construções sintáticas. Pouco interessava se a pessoa estava conseguindo atribuir significado ao que lia.

Isso não faz parte de um passado remoto. Dia desses, meu filho trouxe um dever de caso que era a "interpretação" de um texto. A tal interpretação consistia apenas em descobrir encontros vocálicos no texto. Ou seja, a narrativa era apenas uma espécie refinada de tortura, com pouquíssima utilidade prática e sem nenhum significado.

Rubem Alves diz que tem calafrios quando sabe que um de seus textos está sendo utilizado para isso. Enquanto escreve, nenhum escritor pensa em verbos, substantivos, ditongos, hiatos ou algo do gênero.

Certa vez utilizaram um texto meu, sobre McLuhan, em um vestibular. Fui resolver as questões relacionadas ao meu texto e errei algumas. No texto eu explicava a teoria do filósofo canadense segundo a qual o homem inventou extensões de seu próprio corpo para melhorar seu desempenho. Uma das questões perguntava o que não era extensão do corpo humano. A resposta, segundo os elaboradores da prova, era roupa, porque eu não citava o vestuário em meu texto. Entretanto, uma compreensão correta do artigo levaria a identificar que o conceito era ampliável também para as roupas, afinal, elas são uma extensão da pele. O exemplo mostra que até a interpretação de um texto pode ser transformada em um ato mecânico, de retirar informações de um conjunto de palavras, sem a necessidade de entender seus conceitos.

A falta de sentido desses exercícios é exemplificada num fato simples: gramática nenhuma jamais transformou alguém em escritor. Escrever é um ato criativo e pensar em hiatos e ditongos enquanto se escreve é provavelmente a melhor forma de se ter um bloqueio.

Tenho um livro infantil, Os Gatos, publicado por uma editora de Curitiba. Na época a editora estava iniciando na área de literatura infantil e chamou um gramático para revisar os originais. A revisão tornou o texto totalmente incompreensível para uma criança e a editora foi obrigada a chamar uma professora de literatura infantil para refazer a revisão. Para o gramático, era mais importante que o livro fosse escrito nos moldes renascentistas da gramática normativa. Se haveria compreensão por parte da criança, pouco importava.

Só existe uma maneira de tomar gosto pela leitura: lendo. Só existe uma forma de aprender a escrever bem: escrevendo. Nunca conheci um grande autor que não fosse um leitor voraz e um escritor compulsivo.

Enquanto o texto for encarado apenas pelos seus aspectos gramaticais, enquanto a interpretação for a simples decodificação, sem a possibilidade de variedade de leituras ou de interpretação, a escola será sempre a criadora de analfabetos funcionais e de pessoas que têm dor de cabeça à simples visão de um livro.

Nota do Editor
Leia também "O desafio de formar leitores" e "O Brasil pode ser um país de leitores?".


Gian Danton
Macapá, 31/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
04. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti
05. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2011
01. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito - 28/2/2011
02. Hells Angels - 20/6/2011
03. Medo e Delírio em Las Vegas - 9/5/2011
04. Melhores de 2010 - 3/1/2011
05. Leitura e escola - 31/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/2/2011
23h41min
Hoje quando fala-se na escola, na leitura, além da patologia da dor de cabeça, tem-se a ideia de que a nova geração tem um transtorno de aprendizagem em que não consegue compreender as escritas ou que se perde quando lê. Outra coisa que eu vejo é que o aluno é digital e tem um cérebro só visual, portanto não adianta leitura. E só acho que estamos próximos da terna loucura. No caminho da bárbarie cultural.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
21/2/2011
14h04min
Belo texto sobre um dos problemas mais feios que temos. Na verdade, o formato de nossas aulas de português e literatura merecem uma boa revisão. Quem não recorda de filmes americanos do gênero em que um aluno é convidado a ler uma parte de um livro consagrado e, a partir dele, a sala de aula é incentivada a interpretá-lo de forma livre e espontânea (mas para isso teríamos que ter professores atualizados e mais culturalmente preparados para tal prática). Sempre fiquei imaginando uma aula assim sobre Machado de Assis, Vinicius de Moraes (sim, música e poesia), Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Erico Verissimo e principalmente Nelson Rodrigues.
[Leia outros Comentários de Ari Dias]
18/7/2011
16h09min
Quando eu era pequeno também não gostava de livros, quando se tem pouca idade nossos exemplos são a casa/escola. Nunca achei que a escola cumpre bem o papel de transformar crianças em leitoras naturais e, no meu caso, meus pais também não cumpriram. Dei a sorte de ser cercado de amigos que gostavam de ler e por isso acabei copiando o que eles faziam. É preciso integrar o livro à vida das crianças como algo natural, como um entretenimento, tal como brincar, assistir tv ou entrar na internet.
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MARKETING HACKER: A REVOLUÇÃO DOS MERCADOS
HERNANI DIMANTAS
GARAMOND
(2003)
R$ 3,90



NO FIM, O INÍCIO
JURGEN MOLTMANN
LOYOLA
(2007)
R$ 23,00



THE WALKING DEAD - A ASCENÇÃO DO GOVERNADOR
ROBERT KIRKMAN & JAY BONANSINGA
GALERA
(2013)
R$ 15,00



FÍSICA EM SEIS LIÇÕES
RICHARD P. FEYNMAN
EDIOURO
(2001)
R$ 18,00



DAVID COPPERFIELD VOL. 2 - COLÉGIO OBJETIVO
CHARLES DICKENS
SOL
(1997)
R$ 6,00



A CONSTRUÇÃO DO PROJETO DE VIDA E A ESCOLHA PROFISSIONAL -2ª ED
LEO FRAIMAN
ESFERA
(2012)
R$ 23,00



CAMINHOS DA REALIZAÇÃO
HEAN YVES LELOUP
VOZES
(1996)
R$ 17,90



FATOS DO ESPÍRITO HUMANO
D.J. GONÇALVES DE MAGALHAES
VOZES
(2004)
R$ 28,00



AS FORMAS DO FALSO
WALNICE NOGUEIRA GALVÃO
PERSPECTIVA
(1972)
R$ 24,00



O ENREDO
SAMIRA NAHID DE MESQUITA
ÁTICA
(1986)
R$ 10,00
+ frete grátis





busca | avançada
38231 visitas/dia
947 mil/mês