Leitura e escola | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estranho Wittgenstein
>>> O Gene Egoísta, de Richard Dawkins
>>> Te cuida, rapaz
>>> As cores de Pamuk
>>> Morreu Vinicius de Moraes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
Mais Recentes
>>> Livro, Isto - Cartuns
>>> Quelques Sentiments de Culpabilité
>>> A Ilha Sob o Mar
>>> Criança 44 - 3ª Edição
>>> Sefarad - Um Romance de Romances
>>> Tiro no Coração - A História de Um Assassino - 1ª Edição
>>> Bartleby, O Escrevente - Uma História de Wall Street
>>> O Homem que Comeu de Tudo - 1ª Edição
>>> Como a Música Ficou Grátis - O Fim de Uma Industria... 1ª Edição
>>> Pensando o Século XX - 1ª Edição
>>> Hemorragias Elétricas
>>> Derriça Elétrica
>>> O Sequestro do Santa Maria - Um Sonho de Liberdade
>>> Artigos, Análises e Tutoriais de Telecomunicações
>>> O Desafio da Inovação - A Revolução do Conhecimento nas Empresas Brasileiras
>>> Sob O Olhar de Deus ... - 4ª Edição
>>> Lendas do Deserto - 11ª Edição
>>> Céu de Allah - 11ª Edição
>>> Lendas do Povo de Deus - 8ª Edição
>>> Minha Vida Querida - 12ª Edição
>>> Maktub (Estava Escrito) - 9ª Edição
>>> Seleções (Os Melhores Contos) - 5ª Edição
>>> O Homem que Calculava - 19ª Edição
>>> Mil Histórias Sem Fim... Volume 2 - 5ª Edição
>>> Novas Lendas Orientais - Livro Virgem
>>> Os Filósofos Pré-Socráticos
>>> O Caminho da Cura, o Chi Kung para a Energia e a Saúde
>>> Respiração, pura alquimia
>>> Nossa Senhora dos Heréticos
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo
>>> Os 100 Segredos das Pessoas Felizes
>>> O blog da família
>>> Comer, rezar, amar
>>> Sabor de vitória
>>> Tarô Madame Lenormand
>>> Foundation IELTS Masterclass
>>> Baralho Cigano Lenormand Clássico
>>> Golden Lenormand Oracle Cards
>>> Easy Lenormand: Quick Answers to Everyday Questions
>>> The Lenormand Fortune-telling Cards: The Legendary 18th-Century Oracle
>>> Aleister Crowley Thoth Tarot Deck
>>> A árvore do medo
>>> A invasão francesa do brasil
>>> Coleção 70o Aniversário da II Guerra Mundial
>>> Do outro lado do muro
>>> O advinhador
>>> Rita está crescendo
>>> Fenomenologia da Percepção
>>> A Condição Humana
>>> Carrego no peito
COLUNAS

Segunda-feira, 31/1/2011
Leitura e escola
Gian Danton

+ de 5300 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A preocupação com a leitura parece cada vez mais urgente num país como o Brasil. Há tempos não se consegue formar uma geração de leitores, mas a situação parece ter piorado. A escola, que deveria ser a grande incentivadora da leitura, está provocando dois fenômenos preocupantes: o analfabetismo funcional e a fobia de livros.

Os analfabetos funcionais são aqueles que frequentaram a escola mas, por falta de contato com a leitura e a escrita, foram perdendo a capacidade de compreensão do mundo das palavras. Luzia de Maria, no livro Leitura e colheita, conta que realizava uma oficina de leitura quando disse que um analfabeto funcional era aquele que não conseguia entender revistas como Veja, Isto e Época, e três professoras da plateia disseram: "eu".

A fobia de livros é perfeitamente percebida quando se ouve alguém dizer que tem dor de cabeça quando começa a ler. É como se o organismo reagisse patologicamente a uma experiência traumática.

Certa vez, eu lecionava um curso de histórias em quadrinhos para crianças da periferia de Belém e perguntei a elas qual era a diferença entre um gibi e um livro. Eu esperava que elas apontassem a ilustração como diferença, pois é possível publicar um livro sem desenhos, mas não é possível o mesmo com uma HQ. A resposta, dada por uma menina, surpreendeu-me: "O livro é chato; história em quadrinho é divertida".

Na cabeça dela, o livro era algo lido por obrigação puramente escolar, sem nenhum prazer ou contato com a vida.

A grande pergunta que surge é: onde a escola errou? Por que, ao invés de despertar os alunos para a magia da leitura, ela os afastou dessa mesma magia?

Esse desvio no caminho tem sua origem na noção de leitura que acompanha a maior parte da vida escolar. Nas escolas ainda predomina a visão do livro como objeto sagrado, típica da Idade Média. Nessa época, os escritos eram encadernados em couro, com ornamentação de metais preciosos. As Bíblias que existiam nas igrejas ficavam presas por correntes. O livro era um objeto caro, raro e distante.

Com a invenção da imprensa, surge aquilo que Marshall McLuhan chamou de "Galáxia Gutenberg". É inaugurado o pensamento linear e a visão cartesiana de mundo.

É também a época das gramáticas normativas. Esses gramáticos viam na palavra escrita o lugar de acerto, de uma linguagem correta, a linguagem dos bons doutos. A linguagem oral, ao contrário, era o lugar do erro, do caos, da inconstância. Orientados pelo pensamento cartesiano, esses gramáticos se interessaram apenas pela ordem expressa da palavra escrita.

Na escola, essa visão separou a fala e a escrita como ações contrárias, e os textos perderam contato com a vida real. Sua utilização na sala de aula privilegiava não o entendimento, não a atribuição de significado, mas a capacidade de decodificar os signos e de identificar classes gramaticais ou sintáticas.

Assim, alfabetizado era aquele capaz de ler um texto em voz alta, ou tirar dele os substantivos, os verbos ou identificar as construções sintáticas. Pouco interessava se a pessoa estava conseguindo atribuir significado ao que lia.

Isso não faz parte de um passado remoto. Dia desses, meu filho trouxe um dever de caso que era a "interpretação" de um texto. A tal interpretação consistia apenas em descobrir encontros vocálicos no texto. Ou seja, a narrativa era apenas uma espécie refinada de tortura, com pouquíssima utilidade prática e sem nenhum significado.

Rubem Alves diz que tem calafrios quando sabe que um de seus textos está sendo utilizado para isso. Enquanto escreve, nenhum escritor pensa em verbos, substantivos, ditongos, hiatos ou algo do gênero.

Certa vez utilizaram um texto meu, sobre McLuhan, em um vestibular. Fui resolver as questões relacionadas ao meu texto e errei algumas. No texto eu explicava a teoria do filósofo canadense segundo a qual o homem inventou extensões de seu próprio corpo para melhorar seu desempenho. Uma das questões perguntava o que não era extensão do corpo humano. A resposta, segundo os elaboradores da prova, era roupa, porque eu não citava o vestuário em meu texto. Entretanto, uma compreensão correta do artigo levaria a identificar que o conceito era ampliável também para as roupas, afinal, elas são uma extensão da pele. O exemplo mostra que até a interpretação de um texto pode ser transformada em um ato mecânico, de retirar informações de um conjunto de palavras, sem a necessidade de entender seus conceitos.

A falta de sentido desses exercícios é exemplificada num fato simples: gramática nenhuma jamais transformou alguém em escritor. Escrever é um ato criativo e pensar em hiatos e ditongos enquanto se escreve é provavelmente a melhor forma de se ter um bloqueio.

Tenho um livro infantil, Os Gatos, publicado por uma editora de Curitiba. Na época a editora estava iniciando na área de literatura infantil e chamou um gramático para revisar os originais. A revisão tornou o texto totalmente incompreensível para uma criança e a editora foi obrigada a chamar uma professora de literatura infantil para refazer a revisão. Para o gramático, era mais importante que o livro fosse escrito nos moldes renascentistas da gramática normativa. Se haveria compreensão por parte da criança, pouco importava.

Só existe uma maneira de tomar gosto pela leitura: lendo. Só existe uma forma de aprender a escrever bem: escrevendo. Nunca conheci um grande autor que não fosse um leitor voraz e um escritor compulsivo.

Enquanto o texto for encarado apenas pelos seus aspectos gramaticais, enquanto a interpretação for a simples decodificação, sem a possibilidade de variedade de leituras ou de interpretação, a escola será sempre a criadora de analfabetos funcionais e de pessoas que têm dor de cabeça à simples visão de um livro.

Nota do Editor
Leia também "O desafio de formar leitores" e "O Brasil pode ser um país de leitores?".


Gian Danton
Macapá, 31/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho
04. Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. Entredentes, peça de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2011
01. Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito - 28/2/2011
02. Hells Angels - 20/6/2011
03. Medo e Delírio em Las Vegas - 9/5/2011
04. Melhores de 2010 - 3/1/2011
05. Leitura e escola - 31/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/2/2011
23h41min
Hoje quando fala-se na escola, na leitura, além da patologia da dor de cabeça, tem-se a ideia de que a nova geração tem um transtorno de aprendizagem em que não consegue compreender as escritas ou que se perde quando lê. Outra coisa que eu vejo é que o aluno é digital e tem um cérebro só visual, portanto não adianta leitura. E só acho que estamos próximos da terna loucura. No caminho da bárbarie cultural.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
21/2/2011
14h04min
Belo texto sobre um dos problemas mais feios que temos. Na verdade, o formato de nossas aulas de português e literatura merecem uma boa revisão. Quem não recorda de filmes americanos do gênero em que um aluno é convidado a ler uma parte de um livro consagrado e, a partir dele, a sala de aula é incentivada a interpretá-lo de forma livre e espontânea (mas para isso teríamos que ter professores atualizados e mais culturalmente preparados para tal prática). Sempre fiquei imaginando uma aula assim sobre Machado de Assis, Vinicius de Moraes (sim, música e poesia), Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Erico Verissimo e principalmente Nelson Rodrigues.
[Leia outros Comentários de Ari Dias]
18/7/2011
16h09min
Quando eu era pequeno também não gostava de livros, quando se tem pouca idade nossos exemplos são a casa/escola. Nunca achei que a escola cumpre bem o papel de transformar crianças em leitoras naturais e, no meu caso, meus pais também não cumpriram. Dei a sorte de ser cercado de amigos que gostavam de ler e por isso acabei copiando o que eles faziam. É preciso integrar o livro à vida das crianças como algo natural, como um entretenimento, tal como brincar, assistir tv ou entrar na internet.
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÍCONES DO SÉCULO XX
GIORGIO TABORELLI
SENAC, MONDADORI
(1999)
R$ 40,00
+ frete grátis



CASAIS TROCADOS
JOHN UPDIKE
CÍRCULO DO LIVRO
(1968)
R$ 3,00



COMO SALVAR SEU CASAMENTO
DR LES PARROTT E DRA LESLIE PARROT
VIDA
(1998)
R$ 18,00



A LITERATURA FRANCESA E A PINTURA - ENSAIOS CRÍTICOS
CELINA MARIA MOREIRA DE MELLO
7LETRAS
(2004)
R$ 20,30



RUMOS DOUTRINÁRIOS
INDALÍCIO MENDES
FEB
(2010)
R$ 9,25



O ENFORCADO
GEORGES SIMENON
LPM POCKET
(2004)
R$ 4,90



ESTRUTURA E FUNÇÕES DO CORPO HUMANO
GARY A. THIBODEAOU E KEVIN T. PATTON
MANOLE
(2017)
R$ 45,00



OS MANUSCRITOS PERDIDOS DOS REIS MAGOS
BRENT LANDAU
MATRIX
(2013)
R$ 9,30



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING
PHILIP KOTLER
PRENTICE HALL
(2000)
R$ 65,00



A MAGIA DA CAMISA 10
ANDRÉ RIBEIRO & VLADIR LEMOS
VERUZ
(2006)
R$ 14,00





busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês