A rentável miséria da literatura | Lucas Carvalho Peto | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/3/2011
A rentável miséria da literatura
Lucas Carvalho Peto

+ de 12600 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A literatura está empobrecendo. A literatura como expressão artística por excelência perde espaço dia após dia. Autores como Georges Bataille perdem espaço para contadores de histórias "vendáveis". A verdade é que os leitores aumentam, mas a qualidade de suas leituras diminui significativamente. A transgressão está diminuindo. O poder "revolucionário" da linguagem está sendo deixado de lado. Aqui, o que se questiona é a padronização, e não uma ou outra obra. Esse ou aquele autor. Essa ou aquela editora. Questiona-se a padronização. Os Tertuliano Máximo Afonso, personagem do livro O homem duplicado, de José Saramago, estão perdendo a queda de braço para o senso-comum. Se o Tchítchicov de Gogol, perambulasse, hoje, em uma breve busca por fortuna literária, não encontraria, de fato, muito além de almas mortas. E o jovem Wilhelm Meister, de Goethe, para quem "um poema ou deve ser excelente ou não existir", apaixonado pelo teatro shakesperiano, que em cóleras se consumia a constatar a "ausência de um único comentário sobre o valor poético de uma peça teatral", o que seria dele? O que seria desse mesmo Meister, que se percebia atônito frente à predileção dos atores por questionamentos como: "O que será desta peça? Quanto tempo ficará em cartaz? Quanto ganharemos com ela?". Hoje, encontraria ele os Vinteuil's proustianos, ou Karmazínov's, que, como apontado por Lipútin, em Os Demônios, de Dostoiévski, prezava mais por suas "relações com os homens fortes e a alta sociedade do que com a própria alma e sua arte"?

O que deveria ser uma expressão da subjetividade do autor como em Proust, um retrato político-social como em Victor Hugo, um esboço fictício de ideias filosóficas como em Camus e Simone de Beauvoir, ou, nos moldes parnasianos, arte pela arte, atualmente não passa de cópia da cópia, de uma cópia copiada. O que dizer, então, sobre a inovação? Inovação estética e conceitual, como no Decamerão de Boccaccio, por exemplo. Esta também está escassa. É só entrar em uma livraria e constatar o óbvio. As capas se assemelham. As histórias se assemelham, até as ideias se parecem. "Vivemos no que se pode chamar hoje, sem nenhum exagero, um deserto de ideias. Não há ideias novas, não há ideias que mobilizem, não há ideias que façam levantar as pessoas da sua resignação", disse Saramago. Roland Barthes diria (disse, aliás) que os autores não existem mais, existem apenas scriptores. E por quê? Os autores são os culpados? As editoras? E o leitor, ele não tem "parcela de culpa"?

O affair com a sétima arte tem seu papel nessa questão. Deixa-se de lado uma produção literária reflexiva, epistemológica, existencial, metalinguística ou filosófica para se produzir cinema impresso. Essa é a base genética da predileção pela descrição física das personagens e do ambiente no qual estão inseridas. Alguns dirão que Flaubert já fazia isso. E Proust também, em menor escala. A diferença aqui é o objetivo. Flaubert e Proust tinham um propósito estético puro. Não se pode dizer o mesmo da maioria dos autores contemporâneos. Eles buscam o estético prático e, com isso, furtam de seus leitores um dos pilares da literatura: o imaginário. E o objetivo é preciso, criar personagens que lembrem atores famosos, com especificidades da moda. O cineasta não precisa mais vasculhar os livros em busca de histórias para retratar, os escritores é que se esforçam para levar seus escritos para a tela. É uma inversão de polaridade. Essa é uma das partes que cabe aos autores.

A sociedade-minuto também impede uma produção literal vertical, ou seja, uma literatura que questiona e submerge nas questões. Personagens com pouca, às vezes nenhuma, intensidade psicológica são interessantes. Fazem, e só. Não há tempo para as divagações de Raskólnikov, nem para os diálogos infinitos de Dolmancé. Quem quer ser lido precisa produzir literatura-miojo: três minutos e pronto. E de preferência cremosa. Quanta ironia, vislumbrem o zeitgeist! Por que a primeira versão do romance Suave é a noite, de F. Scott Fitzgerald, não nos aparece mais como em sua primeira edição, com os flashbacks na história da desintegração do casamento de Nicole Warren e Richard Diver? Porque, como aponta Zizek, a volta ao passado, atualmente, "não fica inteiramente justificada em termos artísticos". É desperdício de tempo. E a única maneira de permanecer fiel à verdade artística é "cerrar os dentes e admitir a derrota".

O sistema econômico não se ausenta. Só o que vende fica. Está exposto nas prateleiras, nos sites, em outdoors, camisetas. Em resumo: é uma avalanche. Quem é Michelet? Genet? Rimbaud? Balzac? Petrarca? Raimundo Correia? Gide? Yesenin? Eles vendem milhões de exemplares? Suas personagens, em fotos, decoram os quartos de milhares de jovens? Seus livros são filmes que viraram, ou virarão, febre mundial? Essa é parcela das editoras.

Outro problema: o exílio que se impõe aos grandes autores. Não que os mesmos estejam extintos, pelo contrário, continuam vivos e fortes: na mesa dos leitores "hardcore". Mas, no geral, o pouco que deles se conhece são os quote. Esse movimento não é novo. O que se conhece, primordialmente, de grandes autores (me limitarei aos brasileiros, para ser mais específico) como Machado de Assis, Guimarães Rosa e Clarice Lispector são algumas poucas frases batidas. De Lispector, sobre o amor e os questionamentos existenciais. De Guimarães, algumas frases soltas das primeiras páginas do cultuado, e pouco lido, Grande Sertão: Veredas. "O senhor não duvide - tem gente, neste aborrecido mundo, que mata só para ver alguém fazer careta". De Machado, pobre Machado, que não se preocupou em reproduzir bordões, se fala pouco, muito pouco. Isso sem contar o citado, amado, mas pouco lido Caio Fernando Abreu. Pouco se lê, mas muito se diz que leu. E os autores estão exilados em fragmentos de suas obras. Essa é a contribuição dos leitores.

As relações entre os três elos são complexas. As editoras ditam o que se lê, independente da qualidade, os autores produzem, os leitores aceitam. Ou, por outra perspectiva: os leitores demandam leituras mais "mamão-com-açucar", as editoras procuram, e promovem, os autores que se propõem a fazê-lo. Essas vias são complementares, concomitantes, e todos os envolvidos têm papel ativo.

Alguns irão exclamar que aqui se fala da literatura "de massa". Um braço fraco da arte. O lado "pop". Não se enganam por completo. Porém, esse elo é o que, necessariamente, deveria ser o mais forte. A literatura "pop" é que deveria ser a mais "hardcore", os leitores de clássicos não precisam de mais; na leitura, os que precisam são os que se iniciam. "Nossos antepassados só depois de terem tido as ideias que os fizeram inteligentes é que começaram a ser suficientemente inteligentes para terem ideias", diz Maria da Paz para Tertuliano. E por que não tratar os clássicos como best-sellers? Aliás, por que não defender que os clássicos mesmos se tornem os best-sellers? Por que não iniciar um movimento nesse sentido? Por que não transformar os clássicos na "literatura de massa"? Será que o único impecilho é o comercial? Ou o benefício do interculor fala mais alto? O medo de que, com isso, o discurso daqueles que antecipam uma liberdade intelectual, aqueles que profetizam o ardor pelo saber, o discurso daqueles que dizem conhecer o "caminho das pedras" perca força?

A literatura está miserável em qualidade, mas rica em quantidade. A esperança existe, está em Jorge Mario Vargas Llosa, esteve até pouco tempo em José Saramago e Moacyr Scliar, está em Gabriel García Márquez. E em outros mais, claro. A questão agora é: quem guiará os insurretos? Bons nomes? Existem. No Brasil? Sim. Onde? Lá no fundo, onde o preto do lápis se funde ao branco do papel e o verde da cédula ainda não penetrou.

Nota do Editor
Lucas Peto mantém o blog lucaspeto.wordpress.com.


Lucas Carvalho Peto
Ribeirão Preto, 30/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva
04. Matar e morrer pra viver de Carina Destempero
05. Tolos Vorazes de Vicente Escudero


Mais Lucas Carvalho Peto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/3/2011
12h00min
texto muito bem escrito e muito bem pensado, parabens! Não se acomodem, saudade dos poetas marginais.
[Leia outros Comentários de Yasmin Salgado]
5/4/2011
11h39min
É exatamente o que diz Jameson em seu texto sobre a pós-modernidade. Vivemos na época do pastiche e da esquizofrenia. Não é possível ser original, tudo já foi inventado. E isso é triste
[Leia outros Comentários de Barbara]
9/4/2011
14h35min
Muito destes livros fariam a mente das massas entrarem em colapso ou desvirtuarem os reais objetivos, devido a falta de preparo e preguiça usufruída por estas literaturas pobres e cinematográficas (diferente em Caio Fernando). OBS: O problema hoje da originalidade está em saber usar o que já se tem.
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
9/4/2011
15h24min
É uma verdade, mas há na pobreza uma espécie de recauchutamento da identidade que hoje é mera economia e senso comum. Abs.
[Leia outros Comentários de Daniella Caruso]
16/4/2011
13h37min
O autor faz um grande discurso sobre a mediocridade, e finaliza citando como porta-voz da esperança um autor medíocre: Moacyr Scliar. Dá pra entender?
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
24/4/2011
11h33min
O texto está ótimo, mas há um erro: empecilho (e não impecilho, penúltimo parágrafo).
[Leia outros Comentários de Mariana]
28/6/2011
10h18min
Particularmente, não vejo a cópia como problema, mas o fato de que a paranoia experimentalista é tão grande que se esquece justamente de contar uma boa história. Não gosto tanto de "Um jogador", do Dostoievski, por sua linguagem ou seja lá o que for quanto gosto por ser justamente uma boa história. Além disso, é impossível não dialogar com uma tradição, e isso pode sempre parecer, aos olhos dos desavisados, como "cópia da cópia etc". Proclamas um empobrecimento da literatura, mas não mencionaste nenhum dos ótimos escritores brasileiros [tanto em termos de linguagem quanto de boas histórias] que estão já há bons anos solidificando suas carreiras. Acho que o maior erro do texto é criticar aquilo que [aparentemente] ignora.
[Leia outros Comentários de Brincher]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




KATE VAIDEN
REYNOLDS PRICE
ROCCO
(1988)
R$ 13,00



O QUE TODA MULHER INTELIGENTE DEVE SABER
STEVEN CARTER & JULIA SOKOL
SEXTANTE
(2006)
R$ 10,00



GLOBALIZACIÓN NEOLIBERAL Y CRISIS ECONÓMICA GLOBAL (POLÍTICA, ECONOMIA, GLOBALIZAÇÃO)
FIDEL CASTRO
CONSEJO DE ESTADO/HAVANA
(1999)
R$ 40,00



O UNIVERSO EM SUAS MAOS - ESOTERICO
CHRISTOPHE GALFARD
LEYA
R$ 40,00



AUTOIMPERIALISMO - TRÊS ENSAIOS SOBRE O BRASIL.
BENJAMIN MOSER / TRADUÇÃO EDUARDO HECK DE SÁ
CRÍTICA
(2016)
R$ 20,00



POR TRÁS DA MÁSCARA - MAQUIAGEM, BELEZA E SEGREDOS
MARIMARIA
UNIVERSO DOS LIVROS
(2017)
R$ 27,13



SAIA DO BURACO
BETH MOORE
THOMAS NELSON
(2007)
R$ 10,00



HELLBLAZER HOMEM DE FAMILIA
JAMIE DELANO E OUTROS
VERTIGO
(2000)
R$ 24,00



ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES
MARCOS RONALDO ALBERTIN, HERÁCLITO LOPES PONTES
INTERSABERES
(2016)
R$ 59,00



SABEDORIA, MILAGRE E MAGIA
MONICA BUONFIGLIO
PANDORA
(2000)
R$ 9,90





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês