Vantagens da vida de solteiro | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta Régis Bonvicino
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
Mais Recentes
>>> Platero E Eu
>>> O Piano
>>> Blue Like Jazz - Nonreligious Thoughts On Christian Spirituality
>>> A Prece Ucraniana na Pressa da Cidade- as renegociações das práticas religiosas ucranianas nos espaços da cidade de Curitiba, a partir de 1960
>>> Harmonia
>>> O Muro
>>> Tetralogia Monstro
>>> O Poder da Mulher que Ora
>>> Historia Geral Da Africa, Vol.2 Africa Antiga
>>> Revista de Cultura Brasileña - Número 39, junho de 1975 (ESPANHOL/PORTUGUÊS)
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
COLUNAS

Terça-feira, 23/8/2011
Vantagens da vida de solteiro
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 7300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

O texto "Liberdade é pouco", de Eliza Andrade Buzzo, publicado nesse mesmo Digestivocultural, me despertou a vontade de falar um pouco sobre minha decisão de viver sozinho (uma vida de solteiro divorciado).

Até agora só encontrei vantagens na vida de solteiro, e já faz 4 anos que me separei. Ao contrário do que pensam os defensores do espírito de rebanho (aqueles que só se sentem bem no meio dos outros e não suportam estar sós), viver sozinho tem sua poesia. E não é a poesia o que interessa na vida?

Depois de mais de dez anos de casamento, decidi me separar, mas não importa agora as razões disso. O que importa é a narrativa das condições de vida de um solteiro que já experimentou o outro lado e que acredita que ser solteiro é mais interessante do que estar casado. Se for necessário, chamarei de volta as lembranças do período da vida de casado, para, como contraponto, acentuar as benesses da vida de solteiro.

A primeira sensação que tive depois que decidi viver sozinho foi a da extrema liberdade. Não a liberdade de sair com todo mundo, me deitar em todas as camas, experimentar todos os prazeres carnais possíveis (não sou mais um adolescente afoito, e prefiro antes a qualidade que a quantidade). A sensação é de que, finalmente, eu pertencia a mim mesmo. Essa sensação não tem preço. Ela resume, talvez, a busca filosófica pela liberdade. E não foi Sartre quem disse que "o inferno são os outros"? Ele estava certo ao dizer isso. E Ezra Pound reforça a idéia dizendo que "o homem livre, necessariamente, é o homem só".

Estando só (eu quase disse "livre"), eu deveria cuidar de mim, criar meu próprio tempo para as coisas que são fundamentais para minha vida, ou seja, inventar uma nova existência, desta vez, sem a sombra de uma outra pessoa que, por mais que te ame, também cria, ou deseja criar, não por maldade, mas apenas por existir ao seu lado, limitações aos seus movimentos e necessidades. E se as pessoas não atingiram uma maturidade intelectual mínima para entender que a vida do outro não é a vida dela, pior para os dois.

Viver só implica também em responsabilidades maiores, pois você não terá mais o quebra-galho do outro que o socorre em várias ocasiões e ajuda, por exemplo, a lavar os pratos, recolher as roupas, varrer a casa, passar as roupas, colocar os livros no lugar, preparar o café da manhã ou jantar, etc. No meu caso, mais responsabilidade ainda, pois não levo a luta de classes para dentro de casa: não tenho empregada. Mas você terá também a liberdade de deixar a casa como está, arrumar quando quiser, comer quando quiser, levar para dentro de casa quem quiser, sem o constrangimento da opinião alheia sobre estas coisas.

São várias as perspectivas que se abrem para o homem, ou mulher, que decide viver só, inclusive a de viver com os outros e ainda se manter só (afinal, pode-se namorar, ter amigos, parentes, visitas, viajar, sair para farras, enfim, fazer o que se quiser e ainda preservar essa condição).

Alugado meu novo apartamento de solteiro, como disse Dante, Incipt vita nova (começa a vida nova). A começar pela disposição e escolha de tudo o que vai estar dentro dele, você tem a liberdade total de decidir sobre como será sua nova moradia. A sensação deliciosa de se sentir dono da própria vida começa por aí, nesse pequeno gesto de aconchego.

Ser o único e exclusivo dono das chaves de sua casa é um êxtase, pois nessa condição você entra e sai de casa quando quer, sem ter que explicar nada a ninguém: onde vai, porque vai, com quem vai, o que vai fazer, quando vai voltar, etc, etc, etc. O tempo e o espaço de um homem solteiro, convenhamos, é muito mais dele. E quem controla o próprio tempo e o espaço experimenta a sensação do poder sobre a própria vida.

A vida de um homem sozinho aumenta em qualidade todas as experiências: só faz sexo quando quer e com quem quer e não por "obrigação marital", come menos e melhores alimentos, aproveita o silêncio e o estar só para ler, ver TV ou ouvir música com muito mais atenção, sem ser interrompido a cada segundo pela presença e tagarelice alheia. Se cuida mais, pois sempre estará na posição de quem deverá tornar-se sempre desejado pelo outro, perdendo a posição acomodada de quem já conquistou e não precisa mais se preocupar com as artimanhas da conquista e sedução. Usa seu dinheiro naquilo que acha importante para si mesmo e não em "comum desacordo" com o outro. Observando casais em supermercados brigando por causa das escolhas, vejo homens querendo Cds, bebidas, bobagens e mulheres querendo o trivial necessário ao lar- um deles sempre ficará com a cara de magoado.

Há uma lista de coisas intermináveis que são de proveito do homem que vive sozinho: pode ver o filme que escolhe sem perguntar a ninguém se quer ou não partilhar daquela escolha, pode ligar a música na altura que achar necessária à sua necessidade, pode ler até a hora que quiser, pode comer e beber o que desejar sem ter que pensar se isso agradaria ou não a outra pessoa. Pode deixar a casa arrumada ou desarrumada sem pensar se o outro se incomodaria, pode escolher que quadros estarão na parece sem ter que brigar sobre esta escolha, pode ouvir ópera ou rock em alto e bom som sem ver o outro torcendo o nariz para seu gênero preferido, pode acordar domingo às 7 da manhã e passar o dia inteiro vendo filmes, aconchegado na poltrona até o dia desaparecer, sem ter que ir ao Carrefour ou Shoppings fazer compras no meio de um turbilhão de gente de classe média barulhenta e de espírito consumista (hábito tradicional de boa parte da população dos casais).

Em relação à vida sexual, tudo muda também. Você pode se decidir por ter uma vida menos regrada, aumentando, por exemplo, seu número de parceiros (com a liberdade sexual de hoje, qualquer barzinho que você freqüente lhe possibilitará novos encontros, sem os custos do compromisso e com os benefícios do prazer sexo-corporal livre). Pode, ao contrário, ter poucos casos, mas sem a afirmação de um compromisso sério (namoro). Será uma espécie de "amizade colorida", como se dizia alguns anos atrás. Há uma infinidade de pessoas dispostas a viver assim, eu garanto.

Pode ainda, em termos de um acordo moderno, ter uma namorada ou companheira afetivo-sexual que entenda sua necessidade de liberdade de tempo e movimento e que, também, viva de forma semelhante à sua, sem querer abrir mão da sua própria liberdade. Garanto, também há muita gente optando por essa situação.

Então, do ponto de vista sexo-afetivo você não será um ser desgraçado ao decidir viver sozinho, ao contrário, será feliz. Tanto para o homem quanto para a mulher a situação é a mesma. Estamos numa das melhores épocas do mundo, onde a liberdade intelectual, sexual e econômica da mulher ampliou muito a liberdade do homem.

O tradicional casamento burguês, no qual a mulher dependia economicamente do homem, aprisionando-a numa situação indefesa foi por água abaixo. Qualquer mulher minimamente preparada para a vida hoje consegue se manter sem o marido, possibilitando o rompimento de relações desgastadas, neuróticas, impossíveis, que só geram sofrimento. E ninguém se sente desconfortável terminando um casamento, como quanto se sentia antigamente nas províncias mais recôndidas.

Na vida de solteiro não existe mais essa história de voltar para casa e sentir-se sozinho, vazio, desolado. O mundo contemporâneo nos oferece excessivamente a presença dos outros e, ao contrário, o que devemos fazer é selecionar com quem deveríamos estar. Diversão não falta, às vezes a preço de banana: TV, DVDs, jogos, churrascos, bate-papos, internet, cerveja, conversa com amigos, tudo está aí disponível para quem quiser encarar a presença dos outros.

Das pessoas casadas que conheço e que se sentiram livres para comentar comigo a sua situação, 100% delas só têm a reclamar da vida de casado. E digo, não são homens em busca de aventuras a maioria das pessoas que reclama. São mulheres descontentes com o que geralmente chamam de "prisão". Quando dei aula num curso de artes em São Paulo, uma aluna minha, casada, fez um objeto artístico que consiste numa ratoeira com a sua própria aliança de casamento colocada no lugar do queijo. Ou seja, o casamento percebido como uma armadilha. Muitas repetem a famosa frase de lona de caminhão: "Casamento é assim, quem está fora quer entrar e quem está dentro quer sair".

Não quero com o que disse acima afirmar que o casamento é apenas uma furada. O forte laço emocional que une as pessoas em projetos de vida em comum, com afinidades eletivas ou às vezes sem elas, e que conseguem gerenciar as diferenças diplomaticamente, é uma razão para se estar co-habitando com alguém.

Também não devemos colocar panos quentes e dizer que é melhor viver acompanhado que sozinho. Pois nem sempre o viver sozinho significa estar solitário (como exemplifiquei acima) e, muitas vezes, há pessoas vivendo em grandes famílias e, no entanto, se sentindo os seres mais solitários do planeta. Afinal, quem é que nunca dormiu ao lado de alguém que, mesmo estando ali em carne e osso, não consegue impor a idéia de presença e preencher nossa alma?

Tenho conhecido pessoas que, como eu, optaram, depois de separadas, por viver sozinhas, mesmo quando afetivamente ligadas a alguém. Pelos relatos que tenho ouvido, ninguém quer trocar essa condição pela do tradicional casamento.

Se Proust estiver certo, ao dizer, no seu livro Em busca do tempo perdido, que o excesso de presença mata o amor, o contrário, o tempo da falta do outro é que alimentará o prazer da companhia e mais, o sabor da liberdade, que é a escolha do tempo e do espaço de onde, como, quando e com quem decidimos viver.

Gostaria de terminar com uma frase do filósofo alemão Friedrich Nietzsche: "Não venhas roubar a minha solidão, se não tiver algo mais valioso para oferecer em troca".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 23/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
02. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
03. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
04. Dando conta de Minas de Marta Barcellos
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/8/2011
00h28min
Mas que casamento horrível esse que você teve, hein?
[Leia outros Comentários de Carol]
23/8/2011
08h26min
Carol, na verdade não foi tão ruim assim, mas o clássico mar de rosas misturado ao abismo dos infernos de sempre. Mas não é o casamento que é ruim, é a liberdade que é boa demais para querer novamente me meter numa furada.
[Leia outros Comentários de jardel dias]
23/8/2011
08h33min
Meu texto parece dizer que meu casamento foi ruim, mas não é isto que eu quis dizer. Fui bastante feliz, explorei minhas emoções e minha sexualidade até onde foi possível. Tenho profunda admiração pela pessoa com quem me casei, mais do que por qualquer outra pessoa desse mundo. Mas o fato de con-viver por si só impõe limitações que eu não quero ter mais. Apenas isso. Já que a grandiosidade sexo-emocional pode ser também adquirida com a vida de solteiro.
[Leia outros Comentários de jardel dias]
24/8/2011
19h46min
Bom texto. Me lembrou também que há outros arranjos possíveis: o Arnaldo Antunes, em seu terceiro casamento, convive com a esposa - mas cada um em sua casa: "Romântico, afetuoso, sente-se bem numa relação estável e duradoura".
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO LER A CARTA DE JUDAS- CORAGEM PARA LUTAR PELA FÉ
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2001)
R$ 18,00
+ frete grátis



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



O ÚLTIMO E GRANDE DIA DA FESTA
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2007)
R$ 5,00



A TESTEMUNHA OCULAR DO CRIME
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 4,90



O HOMEM EM TEILHARD DE CHARDIN
CHAUCHARD
HERDER
(1973)
R$ 6,30



CIRCUITOS LINEARES
CHARLES M. CLOSE
LTC - LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1975)
R$ 65,00



O QUE FREUD NÃO EXPLICOU
MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 12,45
+ frete grátis



A REBELDE APAIXONADA
FRANK G. SLAUGHTER
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 3,00



LIBERTINOS LIBERTÁRIOS
ADAUTO NOVAIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 89,90



O TEATRO DE ANTONIO ROCCO (TEATRO BRASILEIRO)
ANTONIO ROCCO
IMPRENSA OFICIAL
(2009)
R$ 7,00





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês