Esquecendo de mim | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eitonilda rumo aos 100K
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> A concisão dos meus poemas
>>> 13 de Novembro #digestivo10anos
>>> O altar das montanhas de Minas
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> Prelúdio, de Júlio Medaglia
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
Mais Recentes
>>> Dr. Odilon de Carlos A. Baccelli pela Didier (1998)
>>> Evolução das Espécies: o Pensamento Científico, Religioso e Filosófico de Samuel Murgel Branco pela Moderna (2004)
>>> Gestão de Pessoas Modelo, Processos, Tendências e Perspectivas de Joel Souza Dutra pela Atlas (2002)
>>> Geek Parenting de Stephen H. Segal; Valya Dudycz Lupescu pela Random House (2016)
>>> Terra Sagrada de Rose Tremain pela Rocco (1999)
>>> 200 Receitas Irresistíveis Com Chocolate de Felicity Barnum Bobb pela Publifolha (2010)
>>> A Harpa Emudecida de Gasparino José Romão pela Scortecci
>>> Ferrugens - Diversidade de Uredinales do Parque Nacional do Itatiaia de Mauricio Salazar Yepes / Anibal Alves de Carvalho pela Technical Books (2010)
>>> A Mágica do Marketing de Clóvis Tavares pela Navegar (1999)
>>> Meditazioni su Luca de Richard Gutzwiller pela San Paolo Edizioni (1982)
>>> Mulheres Perigosas- Contos de Otto Penzler pela Record (2007)
>>> Veneno Nas Veias de M. G. Scarsbrook; Eliana Sabino pela Geração Editorial (2012)
>>> Direito Digital de Patricia Peck Pinheiro pela Saraiva (2008)
>>> O Brasil e o mundo ásio-africano de Adolpho Justo Bezerra de Menezes pela Fundação Alexandre de Gusmão (2022)
>>> O Caçador de Pipas de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2005)
>>> Sangue na Neve de Jo Nesbo; Gustavo Mesquita pela Record (2015)
>>> Paciente Crítico de Guilherme Schettino; e Outros pela Manole (2012)
>>> Stendhal de O Vermelho e o Negro - Parte 1 pela Nova Cultural
>>> Histórias para Aquecer o Coração - 50 Histórias de Vida de Mark Victor Hansen; Jack Canfield; Heather pela Sextante (2001)
>>> Por Dentro das Equipes de Luiz Contro pela Ágora (2014)
>>> Manual do Chefe de Coleção Você Em Ação pela Abril
>>> Bilionários por Acaso: a Criação do Facebook de Ben Mezrich pela Intrinseca (2010)
>>> Novos Temas Em Educação, Cultura e Comunicação Nas Periferias Urbanas de Liliane Lerox e Outros pela Garamond (2012)
>>> Relações intracoloniais: Goa-Bahia 1675-1825 de Philomena Sequeira Antony pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbasi pela Gente (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/5/2012
Esquecendo de mim
Marta Barcellos

+ de 4900 Acessos

A memória é o que há. Quem já conheceu uma pessoa que teve perda de massa encefálica, com danos na memória, sabe do que estou falando. Ou mesmo quem convive com um idoso com demência. Pois é. Sentimentos à parte, é impossível ignorar a sensação de que o que sobra, sem a memória, é uma semipessoa - uma prova viva da inconsistência da alma, do espírito ou do que quer que seja a nossa construção da essência do verdadeiramente humano.

Há, claro, a possibilidade de essa essência humana sem memória ser reconstruída, mesmo que precariamente, e desta forma voltar a fazer sentido, quando tudo o que se quer é crer. Nada mais poderoso e incontestável do que a crença. Então, para esta mãe que cuida do filho sobrevivente do desastre de carro, ou para esse filho que se dedica a captar os lapsos de lucidez da mãe com Alzheimer, existe o humano sem memória. E apenas para eles.

Isso tudo me vem à mente - sempre ela - quando me pergunto por que andamos tão preocupados com a memória. Talvez, nestes tempos sem deuses nem ideologias, ela seja mesmo o que nos resta.

Queremos escrever a nossa biografia na linha do Tempo e deixar o álbum de fotografias da nossa vida na posteridade da internet. Sentimos a urgência de lembrar e ser lembrados. E que desespero quando perdemos a memória - do computador. A ironia é que, como a memória também é feita de esquecimento e fabulações, temos tanto controle sobre ela quanto sobre a nuvem que abriga o nosso back-up.

A memória física parece ser o que nos restou, o que ainda nos faz humanos - "ainda" porque já se fala por aí no pós-humano. Esquecer é como morrer sem deixar vestígios. Por isso haja fosfosol, café com coca zero, alertas no smartphone, listinhas de papel na bolsa - e que desespero não saber onde estão as chaves de casa...

Cultuamos a memória como nunca, a nossa e a dos outros. Biografias e casos reais nos ensinam a viver quando não há mais de onde tirar motivos ou esperanças: alma, deus, natureza, o novo iPhone... tudo parece tão provisório!

Precisamos desse grande arquivo da vida para nos basear, um arquivo no qual se possa acessar informações e histórias de outras vidas aos borbotões. Uma dose diária de Google e outra de Facebook para nos alimentar e também nos inserir no mundo, deixando o nosso rastro de imagem cool e conectada.

Só que existe um problema: um belo dia, acordamos querendo esquecer. Há algo de insuportável em colecionar memórias. Principalmente nossas próprias memórias. Por mais que tenhamos inventado cuidadosamente a nossa autobiografia e recebido treinamentos intensivos nos últimos anos para deixar a modéstia e a discrição de lado, ser nós mesmos, com tanta intensidade, cansa.

Mesmo quem lapidou um bom personagem para esta encenação narcísica atual um dia para de se divertir. Talvez porque até os borrões da autoficção são criados por nós mesmos - este "eu" que nos persegue - a partir de experiências e expectativas que tentamos corresponder.

É nessa hora de cansaço que dá vontade de usar aquele aparelho do filme Brilho eterno de uma mente sem lembranças, que simplesmente apaga recordações. Ou de sair para comprar cigarros na esquina e nunca mais voltar. Ou de tornar-se o personagem anônimo na multidão dos livros de João Gilberto Noll.

Muita calma. Contra a saturação da memória de nós mesmos, não é preciso radicalizar tanto. Recomendam-se coisas menos irreversíveis do que caminhar a esmo na ponte Rio-Niterói à noite.

Pode-se, por exemplo, viajar temporariamente para um lugar estrangeiro - de verdade ou por meio de um bom livro. Mas, atenção: um romance. Nunca recorra a um livro de auto-ajuda ou a qualquer produto e serviço que envolva os prefixos "auto" ou "personal". O tiro sairá pela culatra. Outra recomendação é ajudar alguém, com a expressa condição de não contar a ninguém. Tem inspiração religiosa, mas funciona.

É bastante indicado também expor-se ao máximo a obras de arte, de preferência aquelas absolutamente resistentes a "interpretações pessoais". As melhores são as que "apenas" arrepiam a gente.

Há quem relate bons resultados com a meditação. No entanto, pela quantidade de celebridades (celebridade = pessoa que vive do próprio narcisismo) adeptas, tenho minhas dúvidas. Nunca tentei de verdade.

De qualquer forma, penso que, na falta de drogas eficientes, deveríamos nos prescrever estas doses diárias de esquecimento de nós mesmos entre amigos e familiares. Quando minha filha era pequena, lembro de meu esforço para representar, em casa, uma propaganda de frutas tão eficiente quanto à do McDonald's: "Hummm... Nossa... Que delícia de abacaxi! Tão doce e ainda por cima é cheio de vitamina C, que ajuda a dar cambalhotas!"

Talvez, para contrabalançar tanta pressão de sermos garotos-propaganda de nós mesmos, aumentando nosso capital de convencimento na internet ou nas relações de trabalho, deveríamos trocar dicas e experiências sobre práticas de auto-esquecimento. Algo como: "Hummm... Que máximo... Foi como entrar num filme ou ser personagem de um livro. Melhor que spa! Fiquei três dias longe do Facebook e do Twitter enquanto caminhava como um estrangeiro nas ruas do centro do Rio. E sem tirar nem uma foto! Você tem que experimentar!"

Para finalizar, e antes que eu me esqueça (ops), há outra prática bem boa que descobri recentemente: escrever ficção. O único efeito colateral é a possibilidade de ser assombrado pela memória de um personagem....



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 25/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua de Elisa Andrade Buzzo
02. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
03. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
04. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
05. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2012
01. A Paris de Chico Buarque - 19/10/2012
02. O fim do livro, não do mundo - 20/4/2012
03. Esquecendo de mim - 25/5/2012
04. O Facebook e a Alta Cultura - 17/8/2012
05. O direito autoral vai sobreviver à internet? - 27/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Radio Nacional - o Brasil Em Sintonia
Luiz Carlos Saroldi e Sonia Virginia Moreira
Funarte
(1984)



Os Donos do Poder 1 e 2
Raymundo Faoro
Globo
(2000)



Tudo Sobre Drogas - Heroína
Fred Zackon
Nova Cultural
(1988)



Confissões de um peregrino
Paulo Coelho
Objetiva
(2000)



The Photoshop Cs Book - For Digital Photographers
Scot Kelby
New Riders
(2003)



Ser Protagonista - Física 3 Ensino Médio
Ser Protagonista
Sm
(2013)



Jogo de cintura - como as mulheres podem conciliar lazer e trabalho
Rebecca Abrams
Rosa dos tempos
(2001)



Ensinamentos Sobre o Amor
Thich Nhat Hanh
Sextante
(2005)



Educação Infantil Enfoques Em Diálogo
Eloisa A. C. Rocha e Sonia Kramer
Papirus
(2011)



O Rosário Em São Vicente
João Adriano Ribeiro
Calcamar





busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês