Ele, Francis | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
Mais Recentes
>>> Introdução à Programação Usando O Pascal de J. Pavão Martins pela Mcgraw-hill (1994)
>>> Bíblia Sagrada de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin pela Paulus (2000)
>>> A Descoberta Diária de Org. João Ferreira De Almeida pela Alfalit Brasil (1998)
>>> Deus Ajuda Preces de Lorival Lopes pela Otimismo (1998)
>>> Gado Nelore 100 Anos de Seleção de Alberto Alves Santiago pela Dos Criadores (1987)
>>> Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930 de Octavio Kelly pela A. Coelho Branco F. (1930)
>>> This Side Of Innocence de Taylor Caldwell pela Charles Scribner´s Sons (1946)
>>> Lands And Peoples 7 América Latina de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 6 Canadá de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 4 Ásia de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Soltando a Língua 8 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 7 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 6 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 5 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 4 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 3 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 2 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Acervo Artístico E Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo de Org Ika Passos Fleury pela Gov. São Paulo
>>> Introdução à Estatística + CD de Mario F. Triola pela Ltc (2008)
>>> A Era Da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1998)
>>> Pc Guia Do Programador Soluções de Problemas de Robert Jourdain e outros pela Editora Campos (1993)
>>> Aprenda Brincando Artesanato e Atividades de Domingo Alzugaray e Cátia Alzugaray pela Três
>>> Lógica De Programação A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados de André Luiz Villar Forbellone e outro pela Mcgraw-hill (1993)
>>> Musculação Modelo Didático para Prescrição e Controle das Atividades de José Ricardo Claudio Ribeiro pela Casa Da Educação Física (2009)
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de Leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/2/2002
Ele, Francis
Paulo Polzonoff Jr

+ de 5900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Há cinco anos, o Brasil perdeu uma de suas mentes mais brilhantes. Nem se deu conta, como sempre acontece em se tratando de Brasil. Era véspera de Carnaval, como agora, e as pessoas estavam pensando mesmo era na Globeleza. Morreu de ataque cardíaco numa manhã de inverno nova-iorquino. Sim, porque, apesar de ser uma das mais brilhantes mentes brasileiras, resolveu sair do País, indignado com os rumos que a Pátria Amada ia tomando naqueles longínquos anos 70. O ataque cardíaco foi fulminante. Há quem diga que ele estava muito nervoso nos últimos meses, por conta de um processo que um presidente de estatal movia contra ele, e cuja indenização pedida chegava a US$ 100 milhões. Morreu, no dia 4 de fevereiro de 1997, Paulo Francis.

A simples menção do nome Paulo Francis numa roda de amigos pode gerar alguma discórdia. Obviamente entre aqueles que o conhecem, algo que está ficando cada vez mais difícil de encontrar. Francis era isso: discussão. Até consigo próprio dava às vezes a impressão de não se entender. Na juventude e até os quarenta anos, foi um trotskista ferrenho. Acreditava no comunismo de idéias. Depois, já em solo americano, deu uma guinada para a direita, tornando-se um dos expoentes de nosso pensamento conservador.

Paulo Francis nasceu Franz Paul Trannin Heilborn em 3 de setembro de 1930, no Rio de Janeiro, filho de uma família tipicamente alemã. Educado, segundo ele, à base de muita violência, no prestigioso colégio São Bento, começou sua carreira não como jornalista, mas como funcionário de uma empresa de aviação. Foi também ator e até que tentou a direção. Os palcos, porém, não comportavam a crítica e a auto-crítica de Paulo Francis. O caminho natural foi, portanto, o jornal (refúgio dos velhos frustrados, como reza o lugar-comum). Ali, começou escrevendo crítica de teatro. Não poupou ninguém. Ícones da época, como Dercy Gonçalves, foram esfacelados pela pena de Francis, que queria um teatro novo, de idéias, de discussão, um teatro mais... artístico.

De crítico teatral passou a editorialista, a redator, a articulista, até virar nome da coluna que foi, durante quase três décadas, a de maior prestígio no Brasil. Em uma página de jornal, primeiro na Folha de São Paulo, de onde saiu escorraçado por Bóris Casoy & Cia, e mais tarde no O Estado de São Paulo, ele destilava o que havia de melhor e pior no Brasil e no mundo. Era, por assim dizer, um marcador de nível, que conseguia desagradar tanto à esquerda, quanto à direita. Nos últimos anos, também participou do programa de TV a cabo Manhattan Conection, conduzido por Lucas Mendes, com Caio Blinder e Nelson Motta no staff fixo. Francis era um show à parte neste programa. Principalmente quando perdia a paciência com seu desafeto, Blinder.

Apesar de, no fim da vida, assumir que se interessava mais por ballet e pintura do que por livros e cinemas, sempre foi um leitor voraz. Jornais e livros faziam parte de sua rotina. Em suas memórias precoces, intituladas O Afeto que se Encerra, ele diz que lia, a certa altura da vida, mais de seis horas por dia. Entre os livros que mais o impressionaram nesta época estão Crime e Castigo, de Dostoievsky, e Suave é a Noite, de F. Scott Fitzgerald. Francis era também um apaixonado por teatro, psicanálise e filosofia. Seus dramaturgos preferidos eram Bernard Shaw e Bertold Brecht. Também admirava Ibsen. Freud foi, para a vida inteira, uma referência. Como muitos pensadores deste século, achava que Freud tinha criado um olhar novo sobre o ser humano. Era, portanto, mais um filósofo que um médico propriamente dito. Na filosofia, nomes comumente citados por ele eram Wittgenstein, Nietzsche e Santo Agostinho.

No campo musical era onde Paulo Francis se tornava mais controverso. Amava ópera, principalmente Wagner (Tristão e Isolda) e Mozart. No jazz, não escondia sua admiração por Louis Armstrong e Billie Holliday. O problema era quando ele entrava no campo do rock, gênero que simplesmente abominava. Certa vez, escreveu que gente como os Beatles, no tempo de Mozart, estaria fadada a limpar os membros dos cavalos, e não fazer o sucesso absurdo que faziam (fazem). Uma de suas matérias mais interessantes é sobre a morte de John Lennon, em 1980. Francis deu de ombros para o sentimentalismo que imperava na imprensa e soltou o verbo tanto para cima de Lennon quanto de Yoko Ono.

Paulo Francis tinha, contudo, seus pontos fracos, que eram justamente seus romances. Cabeça de Negro, Cabeça de Papel e As Filhas do Segundo Sexo tiveram algum sucesso de público, mas a crítica simplesmente os execrou. Francis não escondia que acreditava que a imortalidade só existia para os que sabiam criar, algo que nele era deficiente. O romancista sofrível, contudo, era um grande cronista do cotidiano. Verborrágico, contundente e contraditório, é, ainda hoje, leitura obrigatória para quem se interesse um mínimo por comportamento e cultura.

Poucas são as obras deixadas por Francis em livro. Quem não quiser se enfurnar numa daquelas maquininhas de microfilme da Biblioteca Pública terá de se contentar com as coletâneas Paulo Francis Nu e Cru, fora de catálogo, mas que pode ser encontrada sem muito esforço em sebos, e principalmente Waal O Dicionário da Corte de Paulo Francis, organizada por Daniel Piza, e que traz um pouco do veneno de Francis publicado sobretudo na década de 90, em sua coluna.

Hoje em dia, muitos tentam ser Paulo Francis. O amigo Élio Gaspari é o que mais chega perto. Falta-lhe, contudo, o humor ácido quase nítrico de Francis. Arnaldo Jabor, sobretudo na televisão, pretende fazer o estilo Francis, mas, convenhamos, falta-lhe credibilidade. Diogo Mainardi, escrevendo para a Bíblia da classe-média, a Veja, cria polêmicas vazias e acha que, assim, estará construindo um mito pessoal à altura de Francis. E o admirador Daniel Piza, em O Estado de São Paulo, tampouco tem a contundência necessária para se igualar ao mestre dele. O fato é que todos estes (à exceção de Gaspari, que vem fazendo o mesmo trabalho muito antes de Paulo Francis morrer) tentam copiar um modelo que já não encontra eco nem na própria imprensa, nem no público, alheio a querelas estéticas.

Há ainda quem duvide do vazio deixado por Paulo Francis no estreitíssimo mundo das idéias. Para se ter uma noção de o quanto o silêncio com aquela dicção mui peculiar que onze em cada dez humoristas e aspirantes imitam, basta pensar nos acontecimentos recentes nos EUA, tais quais a eleição conturbada de George Bush e os atentados terroristas de 11 de setembro. O que Paulo Francis estaria escrevendo sobre o fenômeno Roseana Sarney (em 1986 Francis disse que o Brasil era governado por um jeca, no caso, o pai da presidenciável)? O que ele diria sobre o Fórum Social Mundial, que está sendo realizado em Porto Alegre, apelidado, de antemão, de Disneylândia da Esquerda? E sobre a crise de nuestros hermanos argentinos?

Disneylândia de esquerda

Eu não ia falar nada sobre esse assunto, mas não dá para ficar quieto. Lendo, ouvindo, vendo sobre o Fórum Social Mundial, que está sendo realizado em Porto Alegre, chego a ter saudades de coisas como a Passeata dos Cem Mil, nos anos sessenta. É possível que, ainda hoje, em pleno século XXI, pessoas criem bordões tipo ao-ão-ão-eu-quero-meu-feijão, a fim de mudarem o mundo? Sim, basta dar uma olhadinha lá para as bandas do Rio Guaíba, que nestes dias vira o paraíso da correção política. Algo que fazer inveja a qualquer utopia. Lá estão negros, homossexuais, mulheres, banqueiros, sem-terra, argentinos, muçulmanos, sociólogos e apreciadores de uma certa erva, todos a fazendo coro contra o Fórum Econômico Mundial, que é realizado simultaneamente, em Nova York. Diversidade, os gays pedem respeito, as mulheres pedem respeito, os sem-terra pedem respeito, os banqueiros pedem respeito e os apreciadores de certa erva não pedem nada, ficam lá, só olhando, admirando como o mundo pode ser belo quando tingido de vermelho. Entre as estrelas desta Disneylândia de Esquerda (nada contra a Disneylândia, por favor) Noam Chomsky e Frei Betto, o Mickey e o Pluto desta festa que deixa sociólogos com os olhos rasos d´água. Eu não ia falar nada sobre esse assunto, mas não dá para ficar quieto.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 6/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pequenos grandes negócios poéticos de Ana Elisa Ribeiro
02. Religião prêt-à-porter de Verônica Mambrini
03. Nhô Guimarães de Rafael Rodrigues
04. Escrevendo no Digestivo de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2002
01. Alice no País de Freud, Marx ou Hegel - 16/1/2002
02. Dois Idiotas - 13/2/2002
03. Ele, Francis - 6/2/2002
04. Riobaldo - 2/1/2002
05. Pode guerrear no meu território - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2002
11h40min
Francis
[Leia outros Comentários de heraldo]
7/2/2002
12h12min
Waaaaaaal, Se vc sabe que uma pessoa é cardpiaca e prega um susto nela e ela morre... não se chama assasinato? será que o processo de 100 mi não tinha exatamente isso como objetivo? O texto está ótimo... só esqueceu que o Francis foi o único jornalista cesurado nos anos 90... censurado pelo prórpio PT, por escrever sobre o "mogadon"...
[Leia outros Comentários de celso pinheiro]
7/2/2002
23h01min
Caro Heraldo, confesso não saber por que o Paulo Francis achava o Joyce dispensável. Para ser sincero, eu também o acho, agora, depois de atravessar todo o Ulysses... De qualquer modo, vou dar uma pesquisada e, se souber, comumico-o. Celso: pois é, o PT não é tão democrático quanto apregoa. Mas isso é um assunto para uma discussão longa... Abraço aos dois.
[Leia outros Comentários de Paulo]
8/2/2002
11h14min
Parece que o processo contra P. Francis (autor, ainda, de "Trint'anos esta noite") vinha de um dirigente da Petrobrás. Aliás, eu gostaria de saber o que Francis teria escrito sobre a Petrobrax, quando o Reichstul gastou R$ 1 milhão em "estudos" para mudar a letra "s" para "x" - é muito "x" para tal preço, com certeza a sopinha de letra mais cara da história. O Jabor, no início, era o melhor programa humorístico da TV, seja no JN, seja no ManhConn. Hoje, nem tanto, especialmente quando vocifera como um talibã do messetê. Diogo Mainardi tem emprego na "Óia" apenas por conta de seu nome italiano (não é Civita?), assim como muitos jogadores do meu querido Fluminense só podem mesmo ser afilhados de um dos mais de 300 Conselheiros do Clube, pelo futebol que apresentam. Valeu a dica, Francis, irei com urgência ler alguns dos livros indicados por você.
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
14/2/2002
18h16min
Só agora li seu texto sobre o Francis. Waaal. Ele faz uma falta enorme, apertada. Vai ser difícil aparecer outro - quem sabe daqui a uns 100 anos?
[Leia outros Comentários de Juliana O'Flahertie]
15/2/2002
11h40min
"A esquerda tem memória de elefante e fúria de mulher rejeitada." (Paulo Francis)
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
21/4/2002
14h37min
Escrevo, não exatamente para comentar, mas para pedir que se alguém tiver o documentário EU , FRANCIS gravado, eu gostaria de que entrasse em contato comigo, pois tenho interesse em comprá-lo. Tenho um grande arquivo sobre Paulo Francis e gostaria muito desse vídeo.
[Leia outros Comentários de Teresa Perez]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LÁ LONGE NO SUL
OTHMAR MELSER
LAR CATÓLICO
(1954)
R$ 20,00



ELEMENTOS DE SOCIOLOGIA TEÓRICA
FLORESTAN FERNANDES
NACIONAL E USP
(1970)
R$ 6,00



ENCICLOPEDIA EXITUS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA VOL 8
VÁRIOS AUTORES - MELHORAMENTOS
BRITTANICA DO BRASIL
(1982)
R$ 6,50



COZINHA REGIONAL BRASILEIRA: BAHIA
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL
(2009)
R$ 9,80



A HISTÓRIA DE UM FILME - CORAÇÃO ILUMINADO
JANKA BABENCO/ SUSANA SCHILD/ JUAN A URRUZOLA
CASA AQÜILA
(1988)
R$ 15,00



DOS MEUS ANOS MADUROS
FRITZ PINKUSS
CONGREGAÇÃO ISRAELITA PAULIS
(1980)
R$ 12,00



POEMAS DRAMÁTICOS POEMAS INGLESES POEMAS FRANCESES POEMAS TRADUZIDOS
FERNANDO PESSOA
NOVA AGUILAR
(1976)
R$ 7,00



TRABALHO PRODUTIVO EM KARL MARX
VERA COTRIM
ALAMEDA
(2012)
R$ 25,00



REVISTA PORTUGUESA DE FILOSOFIA, TOMO 51, FASC. 2, COMEMORAÇÕES DOS...
FACULDADE DE FILOSOFIA DE BRAGA
FACULDADE DE FILOSOFIA DE BRAG
(1995)
R$ 22,33



MAZE RUNNER CORRER OU MORRER
JAMES DASHNER
V & R
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês