Alice no País de Freud, Marx ou Hegel | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
32216 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Andrea e Bia Jabor fazem a Festa da Árvore neste domingo!
>>> Alfabetização visual comemora 10 anos com mostra de fotografias feitas por pessoas com deficiência
>>> Musical jovem AVESSO reestreia em janeiro e traz fortes emoções no conflito de gerações
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
>>> Carioquíssima realiza edição de Natal na Fábrica Bhering (RJ)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Gente como a gente
>>> Memórias sentimentais de um jovem paulistano
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> O Último Samurai Literário
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Naked Conversations
>>> A verdade sobre o MST
>>> O que é crítica, afinal?
Mais Recentes
>>> Os sete saberes necessários à educação do futuro de Edgar Morin pela Cortez Editora (2004)
>>> Gestão e análise de risco de crédito de José Pereira da Silva pela Atlas (1998)
>>> Economia Brasileira de Antonio Correa de Lacerda de outros pela Saraiva (2000)
>>> Código da Vida de Saulo Ramos pela Planeta (2007)
>>> Guia politicamente incorreto da história do Brasil de Leandro Narloch pela Leya (2011)
>>> Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes de Stephen R. Covey pela BestSeller (2004)
>>> A Entrevista de Seleção Com Foco Em Competências Comportamentais de Valeria dos Reis pela Qualitymark (2003)
>>> Gestão de Sonhos - Riscos e Oportunidades de Amyr Klink pela Casa da qualidade (2000)
>>> O vendedor de sonhos de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Cooperativismo Democracia e Paz - Surfando a Segunda Onda de Roberto Rodrigues pela Nova bandeira (2008)
>>> O grande livro da casa saudável de Mariano Bueno pela Roca (1995)
>>> Seja Assertivo! de Vera Martins pela Campus (2005)
>>> Nascido para correr de Christopher McDougall pela Globo (2010)
>>> CBN Mundo Corporativo de Herodoto Barbeiro pela Futura (2006)
>>> Não tenha medo de ser chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Mentes brilhantes, Mentes treinadas de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> Pensamento Pedagógico Brasileiro de Moacir Gadotti pela Editora Atica (1990)
>>> O homem que matou Getúlio Vargas de Jô Soares pela Companhia das Letras (1998)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo Soares pela Objetiva (2006)
>>> Dinâmicas de Grupo na Empresa, no Lar e na Escola de Lauro de Oliveira Lima pela Vozes (2005)
>>> Paulo Freire - Vida e Obra de Ana Ines Souza pela Expressão Popular (2001)
>>> A Arte e a Ciência de Memorizar Tudo de Joshua Foer pela Nova fronteira (2011)
>>> Consumismo é Coisa da sua Cabeça de Nanci Azevedo Cavaco pela Ferreira (2010)
>>> Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> Uma Farmácia para a Alma de Osho pela Sextante (2006)
>>> CAUSOS DE PEDRO MALASARTES de Julio Emilio Braz pela Cortez (2011)
>>> D. João Carioca - A corte portuguesa chega ao Brasil (1808-1821) de Lilia Moritz Schwarcz pela Quadrinhos na Cia (2007)
>>> UM UNIVERSO NUMA CAIXA DE FOSFORO de Alexandre Rampazo pela Panda Books (2011)
>>> O menino da terra de Ziraldo pela Melhoramentos (2010)
>>> Fábulas - Monteiro Lobato de Monteiro Lobato pela Globo (2012)
>>> Princesas e Contos de Fadas Turma da Monica de Mauricio de Sousa pela Girassol (2008)
>>> O menino que aprendeu a ver de Ruth Rocha pela Quinteto Editorial (1998)
>>> Muito mais que cinco minutos de Kefera Buchmann pela Paralela (2015)
>>> Diário de um banana: A verdade nua e crua de Jeff Kinney pela V&R Editoras  (2013)
>>> Diário de um banana: dias de cão  de Jeff Kinney pela V&R Editoras  (2012)
>>> Histórias Extraordinárias - Edgard Allan Poe de Edgar Allan Poe pela Melhoramentos (2010)
>>> Se eu fosse aquilo - Para gostar de ler junior de Ricardo Azevedo pela Atica (2012)
>>> Somos Todos Diferentes: Convivendo Com a Diversidade do Mundo de Maria Helena Pires Martins pela Moderna (2001)
>>> O Visconde Partido ao meio de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2011)
>>> Trabajo en equipo Nivel 2 - Incluye CD Audio de Santillana Espanol pela Moderna (2015)
>>> Slumdog Millionaire de Vikas Swarup pela Macmillan Readers (2015)
>>> O Morro do Vento Uivante de Emily Bronte pela José Olympio (1957)
>>> Coleção Grandes Civilizações Desaparecidas - 21 Volumes de Vários Autores pela Otto Pierre (1978)
>>> You´re a bad man, Mr. Gum! de Andy Staton pela Egmont Press (2018)
>>> As Flores do Mal de Charles Baudelaire pela Max Limonad (1981)
>>> Confesso que Vivi de Pablo Neruda pela Difel (1981)
>>> Iniciação ao Xadrez de Flavio De Carvalho Júnior pela Summus (2000)
>>> A Barcarola de Pablo Neruda pela L&pm (1983)
>>> Em Nome da Vida de Moacyr Félix pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Discurso da Difamação do Poeta de Affonso Ávila pela Summus (1978)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/1/2002
Alice no País de Freud, Marx ou Hegel
Paulo Polzonoff Jr

+ de 7000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Daniela Mountian

Existem leitores e leitores. Os primeiros, que são a grande maioria, quero crer, lêem por um estranho instinto que os guia página após página, até o êxtase final. Outros, lêem por uma necessidade estranha de encontrar sentidos ocultos em cada uma das frases impressas. Ao último time pertencem toda uma gama de acadêmicos, guiados por gurus como Marx, Freud e Hegel. Eles infestam os departamentos das universidades com teses que anunciam descobertas as menos interessantes possíveis: uma visão primitiva do fluxo de pensamento em Ulisses, de Joyce; uma cosmovisão da influência política da prosa dickensiana na União Soviética durante o regime stalinista; ou o falo e o totem nas Líricas de Camões. São livros cheios de aspas e citações nos mais remotos dialetos, que se sustentam por uma visão sempre específica demais sobre determinado parágrafo de tal página do romance tal. É como se, de cada obra-prima, brotassem obras-parasitas, que acabam, muitas vezes, por matar o hospedeiro.

Um dos casos mais explícitos é Lolita, o clássico de Vladimir Nabokov. O livro conta a história de um professor universitário que se apaixona perdidamente por uma menina de apenas doze anos. Pior: ele é seduzido por ela. Lolita é um verdadeiro demoniozinho, com consciência plena de cada ato seu. Claro que o professor não é nenhum santo; tanto que ele acaba por matar a mãe da menina quando ela descobre o flerte entre os dois. Nabokov, contudo, que não é bobo nem nada, tratou de dar uma explicação, logo nas primeiras páginas do livro, para a fascinação do professor Humbert Humbert pela pequena e lasciva Lolita: ele teria se apaixonado perdidamente, na puberdade, por uma menina que morrera dias depois de trocarem carícias, em algum lugar da Europa.

O livro, como se vê, é um prato cheio tanto para freudianos, como para marxistas e para sociólogos de todas as tribos. Além disso, é matéria-prima para leituras cristãs, mulçumanas e até médicas. Não estaria exagerando se dissesse que é um dos livros mais discutidos do século 20. Os freudianos, obviamente, se atém ao comportamento sexual de Humbert Humbert e de sua amante-mirim. Eles criticam a explicação de Nabokov para o desvio, por assim dizer, do professor — o argumento do romancista seria pouco consistente do ponto de vista analítico. E toneladas e toneladas de papel são gastas para se explicar o comportamento de Nabokov de acordo com esta ou aquela corrente da psicanálise. Já os marxistas, estes, mentes geniosas capazes de enxergar um chifre em cabeça de cavalo a quilômetros de distância nas largas e geladas estepes russas, gostam de ver no romance de Nabokov toda a degeneração moral causada pelo capitalismo. Ainda mais em se tratando de um escritor de origem russa, que se tivesse crescido e desenvolvido sua narrativa sob os auspícios do regime vermelho, jamais teria escrito tamanha pornografia. Para os adoradores de Marx, Lolita seria a encarnação do demônio estampado na nota de cem dólares. Os sociólogos, estes gostam de dar explicações as mais estapafúrdias possíveis. Rir, nestes casos, é o melhor remédio para não se irritar. A última que li até que não era das piores, e dizia que o livro de Nabokov nada teria a ver com pedofilia; o romance seria um retrato da hipocrisia americana, já que, na viagem empreendida pelos amantes por toda a América, ninguém questiona o fato de aquele homem dormir com uma menina. Até que parece plausível, não fosse reduzir o romance a um tratado antropológico. Os cristãos, obviamente, condenam o livro, sério candidato a entrar para o próximo Index Librorium Prohibitorium, por suas cenas de sexo, por sinal, narradas com extrema delicadeza por Nabokov. Eu, particularmente, jamais esquecerei uma cena em que Lolita se senta no colo de Humbert Humbert enquanto ele lê jornal e.

Escrevi sobre Lolita para anunciar o mais recente edição de Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho, pela Jorge Zahar Editor (R$ 38,50), com as ilustrações originais de John Tenniel, e devidamente comentada pelo carrolliano Martin Gardner. O livro é enriquecedor do ponto de vista interpretativo. Jamais li, em toda a minha pequena vida, tantas notas inúteis.

Para quem não conhece e venha a se interessar pelo romance, As Aventuras de Alice no País das Maravilhas narra um sonho da pequena Alice numa terra imaginária. A divagação começa quando Alice decide seguir um coelho e entra na toca dele. Cai até o centro da Terra ou lugar próximo e lá conhece as mais estranhas criaturas, que estão sempre a se agredirem com piadinhas e trocadilhos. Já Através do Espelho conta uma viagem da menina por um... espelho! Lá ela se envolve num intrincado jogo de xadrez, também com criaturas estranhas, também com agressões mútuas. Para o comentador Martin Gardner, contudo, Alice... é mais do que uma história muito bem engendrada pela mente matemática de Carroll; é um verdadeiro Finnegans Wake do século 19. Por vezes, a impressão deste leitor foi de estar entrando na mente de Carroll e desvendando segredos nem por ele imaginados. Numa mistura de biografia com psicologismos fáceis, alguma erudição de enciclopédia e conclusões capazes de ligar a palavra guarda-chuva com uma civilização perdida no mar da Arábia, Gardner torna o livro de Carroll uma muralha intransponível, escrito, ao que parece, desde a primeira até a última linha, para ser um dos alicerces da literatura americana. Claro, como não poderia deixar de ser, na edição comentada faz-se alusões ao suposto envolvimento de Carroll com a garotinha a quem o livro foi dedicado.

Ler um livro sem este tipo de ruído (para usar um tipo de jargão que os comunicólogos adoram) é, por outra, uma experiência gratificante. As Aventuras de Alice... é uma obra-prima do nonsense, capaz de dar nó nas imaginações mais férteis. Esqueça os simbolismos matemáticos, a sexualidade sempre duvidosa de Carroll, a hipótese do consumo de drogas durante a criação do livro, as interpretações freudianas, marxistas, hegelianas, católicas ou protestantes, e tente ler o romance como uma história capaz de fazer os mais intrincados ziguezagues para se ir de a até z.

Não faço aqui, como podem pensar os mais precipitados, uma apologia da leitura retilínea, homogênea, pastosa e superficial. A mim me parece óbvio que livros como o de Carroll ou Nabokov (entre tantos) foram escritos com a tinta carregada da ambigüidade, e por isso mesmo é que são considerados grandes romances. A ambigüidade, contudo, permite muitas leituras individuais, e é nesse sentido que as leituras acadêmicas, seja de que corrente forem, são perniciosas. Porque reduzem o leitor-indivíduo a um leitor-seguidor, não raro membro de sociedades que se voltam para o estudo da arte numa espécie de tertúlia conspiratória sob os mandamentos deste ou daquele pensador. Quando nada há de mais individual (quer chamar de egoísta? Pois chame) do que a arte.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 16/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
02. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
03. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2002
01. Alice no País de Freud, Marx ou Hegel - 16/1/2002
02. Dois Idiotas - 13/2/2002
03. Ele, Francis - 6/2/2002
04. Riobaldo - 2/1/2002
05. Pode guerrear no meu território - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/1/2002
22h54min
Sugiro que articulista, antes de enveredar pelos tortuosos caminhos da metacrítica literária, leia os clássicos textos de Mikhail Bakhtin sobre polifonia discursiva.
[Leia outros Comentários de André Amaral Gurgel]
17/1/2002
10h02min
Este é o tipo de leitor pelo qual me interesso. Aquele que, não tendo o que dizer, mas espumando de raiva diante daquilo com o que não concorda porque simplesmente não entende, tenta desqualificar o autor. É coisa mais do que comum — e perdoável. (Hoje estou todo tolerante, como vêem). O Sr. Gurgel me sugere que leia um livro teórico. Não lerei tão obra-prima, porque tenho uma pilha de coisas mais interessantes para degustar até os noventa. Quem depois disso, se a senilidade não me acometer de vez, eu leia o russo chato em questão. Um último dado, que convém: cerca de 15% da população brasileira é analfabeta; do restante, cerca de 70% é analfabeta funcional, ou seja, não compreende um texto simples. Só para constar.
[Leia outros Comentários de Paulo]
17/1/2002
10h15min
Os erros de digitação, antes que me ataquem com duas pedras em cada mão (não, não vou me comparar a Cristo, não senhor), não se explicam se não pela minha incapacidade de acordar antes do meio-dia.
[Leia outros Comentários de Paulo]
19/6/2007
19h22min
Foi bom ler este artigo. Eu mesmo sou fã de ambos os "alices"; só não consegui ler "Alice" aos 90 (que não é do pastor Carrol). Eu admiro o livro por seu absurdo, por sua fantasia generosa, seu humor irrevente e já me peguei, sim e também, pseudocontextualizando e interpretando a obra. Para mim, Alice pode estar falando da passagem da infância para a puberdade ou adolescência, bem como do autoritarismo da Rainha Vitória e sua moral dupla: a duquesa "moralista", bem como o "cortem suas cabeças". Mas nunca escrevi nem vou escrever nada acadêmico a respeito. Lembro-me que, em uma revista SET, quando comentando acerca de Hellbound-Renascido do Inferno II, de Clive Barker, a matéria comparava o inferno e seus corredores com a jornada em uma Alice "sadomasoquista", eu ri e ao mesmo tempo só comecei a gostar (mais) ou odiar (menos) este filme por esta referência. Digo que, se tivesse uma filha, ela se chamaria justamente Alice ou Alícia .
[Leia outros Comentários de Alcides Alencar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AUTO DA COMPADECIDA
ARIANO SUASSUNA
NOVA FRONTEIRA
(2018)
R$ 20,00



O DIREITO CANÔNICO EM CARTAS - O BISPO
DOM LELIS LARA, C.SS.R
EDIÇÕES CNBB
(2008)
R$ 4,00



O ESCARAVELHO DE OURO E OUTRAS HISTÓRIAS
EDGAR ALLAN POE
L&PM POCKET
(2011)
R$ 12,00



STRANGE AFFAIR
PETER ROBINSON
AVON BOOKS
(2006)
R$ 35,00



REGULARIZAÇÃO IMOBILIÁRIA DE ÁREAS PROTEGIDAS - VOL. 1
PAULO DE MELLO SCHWENCK JR E PEDRO UBIRATAN ESCOREL DE AZEVEDO (ORG.)
GOVERNO DO ESTADO SP
(1998)
R$ 26,00



A-CIENTIFICIDADE DA PSICANÁLISE - TOMO 1 - A ALIENAÇÃO DA PSICANÁLISE
JOEL DOR
ARTES MÉDICAS
(1993)
R$ 49,90



A CIDADE PERDIDA DE MARTE/ I SING THE BODY ELECTRIC
RAY BRADBURY
HEMUS
(1975)
R$ 21,00



A CARTUXA DE PARMA - 02 VOLS
STENDHAL
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 15,20



O IRMÃO DE ASSIS
INÁCIO LARRAÑAGA
PAULINAS
(2001)
R$ 20,00



CADERNOS DE INFÂNCIA - MEMÓRIA
NORAH LANGE
RECORD
(2009)
R$ 35,00





busca | avançada
32216 visitas/dia
1,1 milhão/mês