Meu fiel rádio-relógio | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/10/2010
Meu fiel rádio-relógio
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

De repente, eu me dei conta de que meu rádio-relógio, aquele que fica em minha mesa de cabeceira (sempre fiz questão delas), completou 21 anos. Ninguém imaginava que ele duraria tanto assim. Não sei a marca - embora ele esteja há tanto tempo comigo -, não sei o modelo, não sei direito como funciona. Sei que é um aparelhinho cinza, simples e fiel companheiro. Falhou poucas vezes, abilolou-se com piques de energia, mas jamais se queimou. Aguentou muita pancada na cabeça e não perdeu a sensibilidade (em seu touch pad frontal de desligamento). Manteve o pulso firme, ao meu lado. Passou 21 anos me acordando, às vezes sem sucesso, sempre no modo apito. Raras vezes ouvi o rádio, sendo bem mais entusiasta do relógio e da função sleep. E era nela que morava o perigo. De dez em dez minutinhos a galinha enchia o papo. Acorda, dorminhoca! Mais dez minutinhos, por favor. E eles fazem uma imensa diferença.

Meu rádio-relógio não toca CD, não tem alta potência e nem mesmo serve como item de decoração. É uma caixinha meio listrada posicionada ao alcance da mão, em geral, a direita. Não superaquece nem tem baterias que o mantenham aceso em caso de pane. Embora sirva para acordar pessoas, não tem uma sirene muito irritante. Cumpre bem seu papel, sem exageros.

Quantos tapas na testa ele levou, em duas décadas? Quantas vezes me deixou na mão quando a energia caiu? Quantas vezes apareceu piscante, dando-me um sinal de que algo havia acontecido com nossa energia elétrica? Tocou música poucas vezes, mas tocou. E, mais importante, foi presente, um importante presente de um padrinho falecido dez dias antes dos meus 15 anos. O último presente.

Mas eis que meu rádio-relógio andou mostrando sinais de cansaço. Embora os números digitais vermelhos ainda fossem bem acesos, o botão de volume começou a falhar e o apito, com o tempo, ficou rouco. Como um velhinho que perde a voz, logo cedo, na hora de dar o grito de acorda!, o toque começava fraquinho e ia se acostumando, até conseguir alcançar maior intensidade. Dei uns toquinhos no alto-falante, pedi por favor, mas não teve jeito. Era hora de descansar. Os números ainda piscavam com vida, alerta, mas a voz já não era mais a mesma. Era chegada a hora, então, de substituir o rádio-relógio.

A procura pelo novo aparelho durou muito. Nem todo mundo emprega esses dinossauros em seus quartos, com a função de interromper um sono gostoso. Rádios-relógio são carinhosos, prestativos, úteis e companheiros, mas, dizem por aí, celulares podem ser ainda mais. Muita gente se acorda com a ajuda desses telefones móveis, que também têm alarmes e sonecas (inclusive, muito simpáticas). Mas eu ainda fazia questão de um rádio-relógio. E não é fácil de achar.

O modelo caixinha foi impossível. Hoje, eles são mais arredondados, sedutores e híbridos. Um deles era robusto, gorducho e tocava CD. Outros quase nada tinham de rádio-relógio. Onde fica o botão da soneca? Consegui achar um com as funções do meu velho companheiro, só que vertical. Interessante, afinal, mas que me demandou certo realinhamento de postura. Vamos testá-lo no momento de acordar.

Passei a vida toda acordando com rádio-relógio. Não se trata de um costume da vida adulta. É coisa de infância, quando descobri, bem cedo, que teria sempre, sempre, sempre dificuldades de me levantar ao amanhecer. De fato, até hoje é das coisas que mais me custa fazer na vida.

Pronto. É feita a substituição. Mas isso não significa que aposentarei completamente meu radinho. Lá vai ele migrar de quarto, onde se alivie ao menos da tarefa de acodar alguém e de levar tapas na testa. De agora em diante, fica apenas na função relógio, ajudando a ver as horas no escuro, com seus olhinhos vermelhos de bolinhas piscantes.

E que histórias deve haver com esse tipo de equipamento! Outro dia mesmo soube de um estudante de engenharia que jamais conseguia se levantar em tempo para a primeira aula da manhã. Jamais. Todos os dias ele era despertado pelo rádio-relógio, mas apertava a soneca e tirava lá mais dez, vinte, trinta minutos de sono. Quando chegava à faculdade, já havia perdido os primeiros cálculos ou os primeiros desenhos da rodada.

Um dia, o aluno de engenharia achou por bem tentar resolver seu problema. Foi para o laboratório e inventou um relógio-carrinho. Projetou uma interface entre o apito e as rodinhas e pronto. Construiu seu protótipo e levou para casa. Posicionou seu aparelho exclusivo no chão e esperou o dia amanhecer.

O barato do despertador era este: quando o apito tocava, bem cedo, acionava as rodas e o carrinho saía andando pelo quarto. O estudante era, então, obrigado a se levantar para desligar a sirene ambulante. É sempre possível se deitar de novo, mas o fato de estar de pé e no horário de ir para a aula aumentava a culpa do jovem sonolento. Quando conheci esse projeto, tratei logo de dizer: patenteia, produz e me avisa. Quero comprar uma coleção desses reloginhos aí. E acho que não serei só eu.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
04. Precisamos falar sobre o Kevin de Guilherme Pontes Coelho
05. Neon Genesis Evangelion de Duanne Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/10/2010
23h55min
Ontem o despertar romanticamente era feito com o cantar dos galos, e até João Cabral de Melo dizia que era o galo que fazia o amanhecer. Com o tempo foi o rádio-relógio, que às vezes despertava com o repicar da viola. Hoje pode até ser o som do celular. O importante do despertar é abrir a janela do olhar para um mundo, que aprazivelmente vamos construindo a partir não do sonho, mas de uma realidade. Em cada respirar do existir necessitamos acordar.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONJUGAR VERBOS DE ESPAÑA Y DE AMERICA - 1ª EDIÇÃO - C/ CD AUDIO
ALFREDO GONZALES HERMOSO
EDELSA
(2011)
R$ 104,86



LA MUSICA COMO MEDICINA DEL ALMA
JUNE BOYCE TILLMAN
PAIDOS ESPANHA
(2003)
R$ 50,00



OS PERUS - CRIAÇÃO E APROVEITAMENTO
J. REISORG
MELHORAMENTOS
R$ 17,51



BELMIRO
MÁRIO RUDOLF
NOOVHA AMERICA
(2003)
R$ 5,00



THE WALKING DEAD - A ASCENSÃO DO GOVERNADOR ROBERT KIRKMAN
ROBERT KIRKMAN
GALERA
(2013)
R$ 5,00



DAHMANE
BENEDIKT TASCHEN
TASCHEN
(1994)
R$ 69,90



DA INTERPRETAÇÃO JURÍDICA 2ª EDIÇÃO
MÁRIO FRENZEM DE LIMA (CAPA DURA)
FORENSE (RJ)
(1955)
R$ 17,82



PINHO, PINHEIRO, PINHAO
L. MARQUES
MELHORAMENTOS
(1969)
R$ 7,00



OS SUPER MARKETERS
ROBERT HELLER
HARBRA
(1990)
R$ 6,90



ESPUMAS FLUTUANTES
CASTRO ALVES
KLICK
R$ 6,99





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês