Pode guerrear no meu territorio | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
>>> Viagem ao Âmago da Palavra
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Escrever não é para amadores
Mais Recentes
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Infâncias Roubadas o Ser Criança Como Desafio para o Reino de Silvana Bezerra de Castro Magalhães pela Coiô Coiô (2016)
>>> Já Pensou Se Alguém Acha e Lê esse Diário? de Nilza Rezende pela Record (2007)
>>> O Quiabo Comunista de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1977)
>>> Mulheres ajudando mulheres de elyse Fitzpatrick e carol Cornish pela c p a D (2005)
>>> O poder dos Quietos de Susan Cain pela Agir (2012)
>>> O segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Sextante (2008)
>>> Marley & eu de John Grogan pela Ediouro (2010)
>>> O grande conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Problemas? OBA ! de Roberto Shinyahiki pela Gente (2011)
>>> Ali and his Camera de Raymond Pizante pela Penguin Readers (2008)
>>> Os 10 hábitos da memorização de Renato Alves pela Gente (2009)
>>> Billy and the Queen de Stephen Rabley pela Penguin Readers (2008)
>>> O código da inteligência de Augusto Cury pela Ediouro (2008)
>>> Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus Normas Brasileiras de Ernst & Young - FIPECAFI pela Atlas (2010)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson,M.D pela Record (2010)
>>> Desenvolvimento Pessoal e Profissional de Josiane C. Cintra; Keli C. de L. Campos; Tatiane R. Bonfim; Yaeko Ozaki; Rodolfo L. de F. Olivo pela Anhanguera Publicações (2011)
>>> Simon and the Spy de Elizabeth Laird pela Penguin Readers (2008)
>>> 0870707329 de Paola Antonelli pela The Museum of Modern Art (2008)
>>> Contabilidade Financeira de Alessandra Cristina Fahl; José Carlos Marion. pela Anhanguera Publicações (2013)
>>> Perícia Contábil de Antônio Lopes de Sá pela Atlas (2011)
>>> Contabilidade Gerencial: Um Enfoque em Sistema de Informação Contábil de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2010)
>>> Administração de Idalberto Chiavenato pela Elsevier (2010)
>>> João santana , um marqueteiro no poder de luiz Maklouf carvalho pela Record (2015)
>>> Custos e Formação de Preços de Eunir de Amorim Bomfim; João Passarelli; pela IOb (2011)
>>> Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras de Marcelo Cardoso de Azevedo; Fernando Coelho; José Carlos Ruiz; Paulo Neves. pela Alínea (2010)
>>> Desenvolvimento Econômico de Aderbal O. Damasceno; Ana Paula Avellar; Claúdio César de Paiva; Fernando C. B. Oliveira; Flávio V. Vieira; Michele P. Veríssimo; Suzana F. de Paiva. pela Alínea (2013)
>>> Educação Corporativa: Fundamentos, Evolução e Implantação de Projetos de Marisa Eboli; André Luiz Fischer; Fábio Cássio Costa Moraes; Wilson Ap. Costa de Amorim. pela Atlas (2012)
>>> 100 cronicas Escolhidas de Mauro Mota pela Cepe (2011)
>>> Mole at the Seaside de Julie Davies pela Richmond (2009)
>>> Contabilidade Avançada: Texto e Testes com as Respostas de José Hernandez Perez Junior; Luís Martins de Oliveira. pela Atlas (2012)
>>> Revista Civilização Brasileira 9 - 10 de Revista (Dias Gomes-Moacir Felix diretores) pela Civilização Brasileira (1966)
>>> Smellybear de John Foley pela Richmond (2009)
>>> Modelo de Competências e Gestão dos Talentos de Maria Rita Gramigna pela Pearson (2013)
>>> Contabilidade Pública de Heilio Kohama pela Atlas (2012)
>>> Fundamentos do Mercado de Capitais de Umbelina Cravo Teixeira Lagioia pela Atlas (2011)
COLUNAS >>> Especial Guerra dos Sexos

Quarta-feira, 30/1/2002
Pode guerrear no meu território
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Tenho de escrever, hoje, sobre uma tal Guerra dos Sexos. Não sei se existe tal guerra porque, para ser sincero, não vivo assim num espírito belicoso com as mulheres que me cercam. Elas lá e eu aqui. Infelizmente, elas não têm invadido meu terreno ultimamente, por isso não temos travado batalha alguma (e-mails para este colunista). Para ser sincero, estou louco para que invadam meu território e, se isso acontecer, prometo que vou ficar aqui, parado, observando como elas pilham e barbarizam a gente - por amor.

(Amor é uma palavra feia. Certa vez, escrevi para uma pessoa querida, dizendo que "temos de inventar uma nova palavra, à moda de um Guimarães, para dizer que nos amamos. Que esta - amor - está gasta e me soa sempre como uma novela colorida demais. Não vou conseguir olhar para você e dizer que te amo porque, sinceramente, não é isto que sinto. Não me compreenda mal. Não é isto que sinto; não sinto por você o mesmo que o personagem do Toni Ramos sente pela Vera Fisher. De preferência deveríamos usar uma palavra que não soasse tão doce. Como se diz cancro em armênio? Por certo é um som gutural que se parece muito com o barulho que fazemos nos amando. E por certo é uma palavra cheia de consoantes, com uma vogal só de enfeite. São as vogais que estragam o amor.")

O fato é que o texto deve ser escrito e eu resistirei à tentação de escrever algo mais literário para revisitar três textos que publiquei neste Digestivo Cultural no ano passado, relacionados sobre o assunto. O primeiro deles, A Literatura da Falência do Macho, trata de dois livros que acho fundamentais, neste início de século, para entender como os homens perderam seus (falsos) lugares de donos do mundo. O primeiro deles é de um gênio da literatura francesa contemporânea, um homem polêmico, com uma prosa cheia da mais voraz ironia e cheia de uma crueldade de fazer corar qualquer escritorzinho vagabundo de hoje em dia, que, em geral, não tem opinião alguma sobre coisa nenhuma. Falo de Michel Houellebecq, autor de Partículas Elementares.

O livro vendeu mais de 2 milhões de exemplares quando do seu lançamento na França. Aqui, para variar, passou despercebido, porque foi lançado pela pequenina editora Sulina. De qualquer modo, se você, leitor, for um destes sortudos e conseguir encontrar o livro, não tenha dúvidas em comprá-lo.

O romance trata de dois irmãos. Um deles é um biólogo que, ficamos sabendo logo nas primeiras páginas, será considerado, num futuro próximo, assim uma espécie de novo Jesus Cristo. Um enviado de Deus, porque, como cientista, entenderá a vida. O outro, por sua vez, é um típico filho da Revolução Sexual. Vivendo a tradicional crise da meia-idade, só vê salvação em uma coisa: sexo. Algo que escrevi à época me parece caber, neste texto sobre a Guerra dos Sexos:

"Houellebecq, que dedica o livro 'aos homens', não encontra saídas para o homem moderno. O de tradição rígida, aristotélica, é o responsável pela criação de um novo sistema religioso, do qual posteriormente acaba virando um ícone, uma espécie de 'Cristo do Tubo de Ensaio'. Para ele o homem, provido de pênis e pêlos no peito, já não serve mais para nada e sua existência só se dará por aceitação da nova divindade, a ciência. Teríamos, sobretudo, de nos curvarmos à inexorabilidade de nossa extinção. Reverenciemos, pois, a ciência.

"O irmão boa-vida, espécie de playboy perdido nas infinitas possibilidades do amor sexual depois dos anos 70, mas que ao mesmo tempo vive uma crise de sublimação por conta da AIDS, religiões e leis, é a prova de nossa possível extinção moral e na nossa irrecuperável decadência física. É patente, no livro, a constatação de que nós, homens modernos, somos algo inferiores, por exemplo, ao homem das cavernas, uma vez que estamos, por força da vida sedentária, incapacitados para ganharmos nosso sustento com nossa próprias mãos. Não estamos habilitados para coisas simples, como matar um animal e comê-lo ou plantarmos nosso alimento. Chegamos, por este prisma, ao ponto mais baixo de nossa escala evolutiva."


O outro livro de que falo é Alta Fidelidade, de Nick Hornby. Sim, aquele folhetim pop bobinho dá ao bom (e paciente) leitor subsídios para entender no que nós, homens, nos transformamos, ou seja, em seres idiotizados, verdadeiras crianças velhas, incapazes de alcançar a maturidade. Sobretudo a leitora já deve ter se deparado com o tipo. Digamos que ele tenha trinta anos. Pode ter mais, pode ter menos. Já na indumentária mostra o que pensa, ou melhor, o que não pensa: usa bermudas largas, de surfista, sempre tênis e camisetas com apologia à maconha, por exemplo. Aliás, maconha ele fuma, se duvidar, até junto com os filhos. Escuta rock, claro. E se esforça pateticamente para aprender as gírias das novas gerações.

Já em A Crise da Mulé (texto com um título horrível, tenho de admitir), trato justamente da crise pela qual a mulher contemporânea passa. A mulher, que nas últimas décadas ganhou espaço em todas as áreas outrora dominadas pelos homens, vê-se, agora, refém das próprias conquistas. No texto, eu digo que "as mulheres passam por uma crise semelhante à do homem, hoje despido de seu papel de macho provedor e confinado a um não-sei-que-função na sociedade do futuro, com suas promessas de clones, filhos perfeitos e vibradores de última geração". E construo o texto a partir de observações meramente empíricas.

As observações, na verdade, são bem simples, e pretende tipificar as mulheres. Falo daquelas que têm um discurso liberal, e até mesmo um comportamento liberal, mas que, ainda assim, gostam de um poeminha de amor, daqueles que rimam mar com amar. Também discorro sobre aquelas que são falsas puritanas, cheias de culpas pelo hímen perdido. Ainda trato daquelas que se consideram auto-suficientes tanto sexual, quando profissional e afetivamente. E, por fim, cito aquela mulher que simplesmente abdicou das conquistas "revolucionárias" da década de 60 para voltar ao lar e seus princípios tradicionalíssimos, como a virgindade. Claro que aquele texto me causou dor-de-cabeça. Algumas ex-namoradas que o leram me ligaram ou escreveram exigindo satisfação. Como não usei nomes e sim letras, queriam saber a qual elas correspondiam. Leitoras também me escreveram, protestando contra o mesmo suposto machismo (simplesmente um homem não pode escrever sobre mulheres sem ser taxado de machista).

O texto, contudo, que me deu maior dor-de-cabeça em se tratando da tal guerra dos sexos foi De Dentro do Banheiro. Tem gente que não fala comigo até hoje por conta daquele texto. Por isso cheguei à conclusão um tanto quanto sórdida de que homens e mulheres podem muito bem conviver em harmonia. O que não podem mesmo, sob pena de ostracismo máximo, é falar de certos atos íntimos alheios. É que neste texto falo sobre (peço perdão às e aos puritanos) masturbação.

Na verdade, o texto não pretendia falar exatamente sobre masturbação, e sim sobre a revista Playboy, que, num passado nem tão remoto assim, fazia a cabeça (e outras partes do corpo) dos meninos, e que hoje não passa de uma publicação vulgar, praticamente ginecológica. Em certo momento, porém, eu digo solenemente que Playboy é sinônimo de masturbação. E constato, logo em seguida, que este é a último tabu sexual. O parágrafo que causou comoção em algumas mulheres dizia, simplesmente:

"Eu vejo mulheres escreverem sobre o absurdo da virgindade (a virgindade feminina para mim é um absurdo), sobre diversas práticas sexuais não-ortodoxas, enfim, sobre toda uma vasta gama de assuntos femininos, que vão desde o sexo durante a menstruação até, sei lá!, a literatura de Anïs Nïn. Só que ninguém fala sobre masturbação. E este assunto fica pairando no ar como algo anacrônico e imperecível. Mulheres, falem!"

O problema, para ser mais exato, foi esta conclamação final. Quando pedi às mulheres que falassem, teve gente que disse que eu era assim uma espécie de tarado querendo saber detalhes da prática alheia. A partir deste momento, desisti, simplesmente, de pensar sobre a tal Guerra dos Sexos. Porque descobri que este é um assunto-sem-fundo, como política e futebol. Coisa para, curiosamente, ser conversado sobre entre os seus, ou seja, homens com homens, mulheres com mulheres.

Antes que vocês, leitores, pensem que eu tive preguiça de escrever um texto deveras original, por isso fiquei fazendo auto-referências, tenho a lhes dizer que em mim reside uma dúvida. Queria que os senhores me respondessem, mas tenho até medo de pedir. É que eu estava aqui pensando em como será a tal Guerra dos Sexos num relacionamento homossexual? Será que não existe guerra porque, afinal, não existe diferença de sexos? Não há (em teoria, em teoria) diferenças anatômicas nem tampouco hormonais. As mulheres entenderiam problemas (o termo não é exato) comuns a mulheres, como a famosa tpm. E os homens entenderiam problemas típicos de homem, como... bem, problemas típicos de homem.

Para finalizar. Dei duas sugestões de leitura para quem quiser entender a crise masculina: Partículas Elementares e Alta Fidelidade . Para as mulheres, acho interessante ler O Diário de Bridget Jones, que é bobinho mas instrutivo (na verdade, eu acho mesmo é que homens deveriam ler este livro). Clássicos como Madame Bovary, Dom Casmurro e Anna Karenina também ajudam a entender as mudanças por que passaram as mulheres no último século. Literatura pornográfica de qualidade é difícil de achar. Sugiro, com muitas, mas muitas reservas mesmo, Anaïs Nïn e Henry Miller. Sobre o amor homossexual, indico Caio Fernando Abreu, em seu livro mais famoso: Morangos Mofados.

Em tempo: sei que é politicamente incorreto dizer isso assim, mas, só para não restar dúvidas: eu não sou homossexual. Não que tenha algum problema, claro...


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 30/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
03. Faxina de Ano Novo: também no Facebook de Adriana Baggio
04. Não me interrompas, Pilar de Ana Elisa Ribeiro
05. 2009: intolerância e arte de Gian Danton


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2002
01. Alice no País de Freud, Marx ou Hegel - 16/1/2002
02. Dois Idiotas - 13/2/2002
03. Ele, Francis - 6/2/2002
04. Riobaldo - 2/1/2002
05. Pode guerrear no meu território - 30/1/2002


Mais Especial Guerra dos Sexos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/2/2002
01h01min
Realmente "A crise da mulé" é um título horrível.
[Leia outros Comentários de João Augusto Guevedo]
3/2/2002
18h56min
A guerra dos sexos entre homossexuais é igualzinha. Conheço um cara que adora tratar os namorados com café na cama e bolos deliciosos, principalmente no começo do relacionamento, mas quando começam as diferenças, possessivamente cobra que ele está morando na casa DELE e quando o outro vai embora reclama do abandono, e que o lugar dele é ao lado do marido. Em compensação já vi briga de ciúmes entre lésbicas onde uma sai dando murros quebrando vidros de janelas e atirando latas de cerveja pelas paredes. Acho que as guerras são mesmo de personalidades influenciadas ou não pelo sexo.
[Leia outros Comentários de luiz]
8/4/2002
22h30min
Paulo, pode ter CERTEZA que muitas vezes me sinto bem mulé mesmo... às vezes até com um "h" no final... Quanto à guerra dos sexos, eu moro sozinha, me mantenho, troco lâmpadas, cozinho superbem, adoro fazer crochê, sei trocar pneu sozinha, faço lindos arranjos de flores, sou louca por crianças, ADORO me masturbar, sozinha ou como preâmbulo de coisas mais interativas, sempre achei uma pena não haver o correspondente feminino da revista playboy, não rimo absolutamente mar com amar, sou apaixonada pelo sexo masculino, choro em todos os desenhos da Disney. De que sexo mesmo que eu sou? Beijos da Sue
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
3/5/2002
11h40min
DICA CULTURAL: QUERIA RECOMENDAR A VOCÊS ESTE LIVRO FANTÁSTICO..Chama-se O Evangelho Segundo Maria e seu autor é Armando Avena. É livro diferente que coloca a mulher em primeiro plano na história bíblica. Foi lançado pela editora Relume-Dumará, do Rio de Janeiro. É a história de Jesus contada pelas mulheres, Maria e Madelena que no Novo Testamento ficaram canonizadas nos papéis da santa e da prostituta, mas que, no romance, se colocam como as forjadoras do pensamento de Cristo. É um romance e, apesar de todos conhecerem o final, vai surpreender o leitor a cada linha.
[Leia outros Comentários de fatima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS SOBRINHAS DA BRUXA ONILDA & CINDERELA - (LITERATURA INFANTIL)
M. COMPANY E R. CAPDEVILA
SCIPIONE
(1997)
R$ 10,00



A AGENDA DE CAROL
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2007)
R$ 10,00



CURSO DE DIREITO CIVIL VOL. 1
WASHINGTON DE BARROS MONTEIRO
SARAIVA
(1997)
R$ 10,00



EMA LADY HAMILTON A DIVINA DAMA
F. W. KENYON
ITATIAIA
(1930)
R$ 10,00



O SORRISO DO GATO
FRANÇOIS MASPERO
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 10,00



FULL FRONTAL FASHION
MELISSA SONES
PENGUIN BOOKS
(2005)
R$ 10,00



A VIDA DE ALLAN KARDEC PARA AS CRIANÇAS 9600
CLÓVIS TAVARES E NINA ARUEIRA
LAKE
(2009)
R$ 10,00



SCRIPTA: LINGUISTICA E FILOLOGIA VOL2 NÚMERO 4
PTOF. PE. GERALDO MAGELA TEIXEIRA
PUC MINAS
(1999)
R$ 10,00



PARA QUERER BEM
MANUEL BANDEIRA
MODERNA
(2005)
R$ 10,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês