50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
>>> E Benício criou a mulher...
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
Mais Recentes
>>> Pai Rico Pai Pobre
>>> Como Fazer Amigos
>>> Go Pro
>>> Filha das Trevas
>>> A Revolução das Mulheres
>>> Nevernight - A Sombra Do Corvo 01 - Crônicas Da Quasinoite
>>> Casa Das Fúrias
>>> Quase 1000 Absurdos De Todos Os Tempos
>>> 1000 Curiosidades Olímpicas Que Todo Recordista Deveria Saber
>>> Quase 1000 Dados Nojentos Para Saber Que Este Mundo É Imundo
>>> 1000 Curiosidades Do Mundo Da Bola - Que Todo Craque Deveria Saber
>>> 1000 Curiosidades Insólitas
>>> 1000 Coisas Inúteis Que Um Garoto Deveria Saber Antes De Crescer
>>> Tríade Deutsch Perfekt - revistas
>>> Os Terceiros 2000 anos
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
COLUNAS

Quinta-feira, 26/2/2015
50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2500 Acessos

Quatro personagens femininas de filmes em cartaz, indo do drama à fantasia e passando pelo drama erótico, formam uma conexão interessante a partir de suas escolhas sobre amor e relacionamentos em momentos críticos - aqui englobando autoconhecimento - de sua existência. Personagens que são mais do que recatadas ou perversas, que ouvem frases como "você não tem ideia do que causa nos homens" e, no entanto, ainda que possam parecer que são letárgicas ou levadas pelas situações, medem e experimentam, sendo protagonistas de sua própria história.

No aclamado drama russo Leviatã, o principal da história é o faz-tudo Kolia (Aleksey Serebryakov), que se encontra frente ao desmoronamento de sua vida e, literalmente, de sua casa, estando de certo modo em segundo plano sua mulher, Lylia (Elena Lyadova). Lylia, que além de cuidar da casa e do afilhado que a rejeita trabalha em uma fábrica de processamento de peixe, realmente parece estar sendo levada ao seu limite, a despeito do amor verdadeiro, mas sufocante, de Kolia. Bom, com a chegada de um amigo de infância de Kolia, um advogado educado e charmoso da capital Moscou, e as situações que daí decorrem, a história irá ter seu contorno alterado. Diante da "desgraça" da traição, Lylia enfim decide permanecer com Kolia ou ir a Moscou em busca de Dmitri (Vladimir Vdovitchenkov) e um novo tipo de vida? Mesmo sendo aceita em ambos os casos, sua resolução (que por sua vez também mudará os contornos da história, como se em última instância as ações em segundo plano da mulher fossem a mola chave do enredo) é bem diferente. Entre duas opções, Lylia parece não conseguir afinal se decidir. Parece não haver saída de fato naquela península esquecida e isolada no Mar de Barents, o que se mostra em sua expressão de desalento e eterno cansaço no longa.

Algo semelhante acontece com a mulher do padeiro no filme de fantasia Caminhos da floresta. Aliás, ousado para um filme da Disney (embora seja baseado no musical homônimo da Broadway) que reúne diversos personagens de contos de fadas num roteiro abrangendo todos eles numa nova história conjunta. Casada e com um filho recém-nascido, a mulher do padeiro (Emily Blunt) não deixa de flertar na floresta com o príncipe da Cinderela (Chris Pine) (e ele não deixa de flertar com ela, primeiro numa busca apaixonada por Cinderela, depois já casado com ela). Depois, numa situação extrema de sobrevivência na história, eles irão se encontrar novamente na floresta e se beijam, numa atração mútua. Depois do ocorrido, a mulher entrará numa crise existencial, dizendo que o ideal seria ficar com os dois, padeiro e príncipe. Por que não? (O príncipe também admire que apenas Cinderela não o poderá satisfazer para sempre.)

Mas o que acontece com aquela, ou melhor, com mais esta personagem feminina com tal brutal decisão a tomar e ao mesmo tempo sem verdadeiras condições de escolha (voltar ao padeiro com a marca latente de novos desejos ou ceder ao príncipe na impossibilidade de completude por ser simples camponesa)? Aí se encontram a jovem camponesa numa época fantasiosa e a russa interiorana Lylia do século XXI. O desenlace da situação da mulher do padeiro, enfim, pode ser interpretado como um castigo dos céus diante da audácia de seus desejos ou então a sua impossibilidade de seguir simplesmente (pois aqui também estamos numa fábula moralista) diante de tais questionamentos.

E o que Anastasia (Dakota Johnson), do amado por alguns e odiado por outros drama erótico Cinquenta tons de cinza tem a ver com estas mulheres? É o empresário de sucesso e sadomasoquista Grey que parece ter personalidade complexa em seus "cinquenta tipos de dores" que ainda não conhecemos, mas dentre as suas metamorfoses ("você é quem está me mudando"), fiquemos aqui com a da estudante de literatura "recatada". Ainda que apaixonada por Grey e cedendo aos seus gostos inusuais, me parece que é ela que vai tendo as rédeas do jogo. Ela aguarda sua formatura para iniciar com Grey; ela vai ao encontro da família em momentos de tensão psicológica e tem decisões duras quando percebe que sua dignidade é ferida, embora apaixonada. Enfim, ao ter sua rotina quebrada, forçada por situações externas, ela tomou resoluções que a transformaram e a deixaram mais forte, e tenta seguir mantendo sua essência diante das situações e, principalmente, de seus desejos. Este ponto é importante: estas protagonistas não estão aí para agradar alguém, embora se testem a todo momento, algumas delas colocando-se, em decorrência disso, em situações-limite.

Se a junção destas três personagens tivesse um ápice, certamente seria com Ida (Agata Trzebuchowska), no longa-metragem Ida (agora sim, tamanha é a amplidão da personagem que mesmo o filme tem por título o seu nome). Uma órfã judia criada num convento, depois da morte brutal da família num vilarejo polonês, durante a Segunda Guerra Mundial, está descobrindo o mundo exterior e a sua identidade antes de fazer o voto final para se tornar freira. Mais do que alcançar o outro e entender o mundo fora dos muros, Ida busca respostas para si mesma e, mais relevante ainda, quer saber quem pretende ser depois de saber quem foi. A parte sentimental fica por conta da figura livre e bela do safoxonista de uma banda de jazz, o qual ela delicadamente experimenta. E qual decisão ela tem? De início pode causar estranheza por conta de nosso mundo mundano ao qual estamos acostumados. Depois, é possível entender esta personagem que se deu ao direito de se arriscar, testar e testar-se para depois ter uma base sólida de decisão.

De todas estas personagens que iniciam um processo de abertura, descobertas e transformação, fatais ou não, Ida é a que parece ter mais maturidade, ou melhor, mais complexão no que acredita ser o que anseia para a sua vida, quem sabe da natureza humana contraditória (sua saída do convento parece o suficiente para conhecer o mundo exterior e suas nuances) e da transitoriedade das situações e dos sentimentos. Ela consegue lidar com as situações que lhe são apresentadas com inteligência e até certo ponto frieza. Talvez seja este um dos pontos a se considerar quando vemos o filme como uma obra-prima e completo, cujas pontas se intercambiam.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 26/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
02. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2015
01. Rugas e rusgas - 15/1/2015
02. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas - 26/2/2015
03. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá - 5/2/2015
04. Em noite de lua azul - 6/8/2015
05. Quero ser Marina Abramović - 7/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE OLD MAN WITH LONG BEARD
CHEEWAN WISASA
SHINSEKEN
(1994)
R$ 30,00



MÃO E MEMÓRIA POEMAS
WALDEMAR CARLOS DE SOUZA
NÃO INFORMADA
R$ 200,00



MAY I PLEASE HAVE A COOKIE?
JENNIFER E. MORRIS
SCHOLASTIC
(2005)
R$ 15,00



ROBIN HOOD
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(2014)
R$ 14,50



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 12,00



MANGÁ HITMAN - MATADOR POR ACASO 3
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 8,99



O ARTISTA INCONFESSÁVEL
JOÃO CABRAL DE MELO NETO
ALFHAGUARA
(2018)
R$ 30,00



BRECHT: DOS MALES, O MENOR
MARTIN ESSLIN
ZAHAR
(1979)
R$ 38,00



Y SU PANDILLA - MÓNICA Nº 13 EM ESPANHOL
MAURÍCIO DE SOUSA
PANINI
R$ 7,00



POEMAS COM SONS E SOL: POESIA LATINO-AMERICANA PARA MENINAS E MENINOS (POESIA INFANTIL)
MABEL MORVILHO (ED.)
EDIÇÕES MELHORAMENTOS
(2000)
R$ 15,00





busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês