O apanhador no campo de centeio | Nemo Nox | Digestivo Cultural

busca | avançada
21514 visitas/dia
949 mil/mês
Mais Recentes
>>> RECIFE GANHA APLICATIVO QUE TRAÇA PERCURSO LITERÁRIO DA CIDADE
>>> Padrões nas formas de morrer revelam as identidades da vida humana
>>> Diálogo Brasil estreia com entrevista do paratleta Leomon Moreno nesta terça (23) na TV Brasil
>>> LANÇAMENTO: CHINÊS MANDARIM EM 30 DIAS + CD
>>> LANÇAMENTO: POR UMA SIMPLICIDADE FELIZ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu querido mendigo
>>> Na hora do batismo
>>> Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
>>> Existe na cidade alguém, assim como você...
>>> Eleições nos Estados Unidos
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> A que ponto chegamos, EUA!
>>> Caiu na rede, virou social
>>> Fragmentos de Leituras e Sentido
>>> Diálogos no Escuro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Ray-Banless
>>> Primeiro Debate dos Candidatos à Prefeitura
>>> Sem palavras
>>> Contrariando os pessimistas
>>> Fervura
>>> Sobre o Encerramento das Olimpíadas do Rio em 2016
>>> Raízes
>>> Na tessitura da toalha
>>> Sólidos momentos
>>> The enneathlon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> Um certo tom musical
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> 6 anos esta noite
>>> Vida e morte do Correio da Manhã
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Tempo por todos os lados
>>> Entrevista com Guilherme Fiuza
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> 68 e a Música Nova
Mais Recentes
>>> Kit EMEP - Escala de Maturidade para Escolha Profissional
>>> Universidade Nova - Textos críticos e esperançosos
>>> A Quarta Missão da Universidade - Internacionalização Universitária na Sociedade do Conhecimento
>>> Um Teatro Fora do Eixo - Fernando Peixoto
>>> Orientação Vocacional - a Estratégia Clínica
>>> Psicologia,Organizações e Trabalh
>>> A Mulher no Teatro Brasileiro
>>> Censores de Pincenê e Gravata - Dois momentos da censura teatral no Brasil
>>> Memória ABRACE I - Anais do I Congresso Brasileiro de Pesquisa Pós-Graduação em Artes Cênicas
>>> As Quarenta Questões Sobre a Alma
>>> A Aurora Nascente
>>> A Revolução Neurotecnológica
>>> Arte, Neurociência e Transcendência
>>> Os Exilados da Capela
>>> Narrativa, Identidade e Clínica
>>> Salvador Em Preto e Branco
>>> A Constituição Penal
>>> Manual do Candidato às Eleições
>>> Identidade Frota - A Estrela e a Escuridao 5.0
>>> A semântica do intangível
>>> O Vampiro Cearense
>>> Novos Desafios do Direito do Trabalho
>>> Neoterrorismo: Reflexões e Glossário
>>> Direitos Humanos e Questão Social Na América Latina
>>> Carlos Nejar: Poeta da Condição Humana
>>> A Metrópole e o Interior Fluminenses
>>> Violências nas escolas
>>> Serviço social, Religião e Movimentos Sociais no Brasil
>>> Rio de Janeiro: um olhar socioespacial
>>> Revisitando o território fluminense III
>>> O Militar e a Ciência no Brasil
>>> Brasil 1999-2010 Década de Transformações
>>> Brasil - Índia - África do Sul
>>> Autodeterminação, sua dimensão territorial e direitos humanos
>>> He Calvary Road
>>> Are You Stone Deaf.... Rediscovering God?
>>> The Imitation of Christ
>>> C. T. Studd Cricketer Pioneer
>>> An Autobiography
>>> The Messiah - An Oratório
>>> Elijah An Oratório - Op. 70.
>>> Tortured For Christ
>>> Sketches From Church History - First Edition
>>> Creative Hospitality
>>> Estudos Sobre o Livro de Levítico
>>> Estudos Sobre o Livro de Números
>>> A Spy For God
>>> When Iron Gates Yield
>>> Os Cânticos dos Degraus-Meditações Sobre os Estágios do Crescimento Espiritual
>>> Via Pulchritudinis- O Caminho da Beleza
COLUNAS

Segunda-feira, 8/7/2002
O apanhador no campo de centeio
Nemo Nox

+ de 91900 Acessos
+ 19 Comentário(s)

Mark Chapman pediu a John Lennon que autografasse uma cópia de The Catcher in the Rye, e no mesmo dia assassinou o ex-Beatle. Um livro para pessoas instáveis e violentas? O bem-sucedido publicitário brasileiro Washington Olivetto sempre tem em sua casa dezenas de exemplares de The Catcher in the Rye para oferecer a amigos e conhecidos. Um livro para pessoas criativas e generosas? O que tem de extraordinário este The Catcher in the Rye (no Brasil, O Apanhador no Campo de Centeio, editado pela Editora do Autor), obra máxima de J.D. Salinger, que atrai legiões de admiradores dos mais diferentes perfis e é cultuado nos mais diversos círculos?

Jerome David Salinger, o autor, é uma figura estranha. Nascido em 1919, desde sempre foi avesso à imprensa ou outras formas de divulgação da sua figura, tornando-se paranoicamente recluso. Ainda na época do lançamento de The Catcher in the Rye, na década de quarenta, fez o seu editor prometer que não lhe enviaria quaisquer críticas que fossem publicadas sobre o livro. Reclamou também que a sua foto na contra-capa estaria muito grande. Solicitou que não fosse feita qualquer publicidade do livro aludindo à sua pessoa, alegando que não queria correr o risco de acreditar no que leria.

The Catcher in the Rye conta, numa narrativa em primeira pessoa, alguns dias na vida do adolescente Holden Caulfield, que acaba de ser expulso da sua terceira escola bem às vésperas do natal, nos EUA do pós-guerra. Numa linguagem simultaneamente criativa e coloquial (o que dificulta a vida dos tradutores), Caulfield vai revelando, aos poucos, algo sobre o seu passado, sua família e seus conhecidos, ao mesmo tempo em que vagueia por New York pulando de uma encrenca para outra. E, para alguém entediado e deprimido como ele, nada melhor que uma encrenca para manter o interesse.

O texto segue a linha joyceana do fluxo de consciência, com as frases jorrando aos borbotões como se saídas diretamente da cabeça do narrador, saltando de um assunto para o outro sem grande cerimônia, parecendo obra do acaso. (Na verdade, tudo isto é planejadíssimo, e existe até mesmo um capítulo no qual, sob uma sutil máscara, é discutido o papel das digressões na narrativa.) Em The Catcher in the Rye o fluxo de consciência funciona particularmente bem, pois permite expressar a instabilidade emocional do protagonista não somente no conteúdo da narrativa mas também em sua forma.

Holden Caulfield é ao mesmo tempo o herói e o vilão da história. Vítima de si próprio e de sua sensibilidade ao que o cerca, divertidamente mentiroso, assumidamente covarde, parece buscar uma espécie de redenção ajudando desconhecidos e cultuando sua irmãzinha de dez anos. Mas o que realmente o incomoda é o vazio e a falsidade das pessoas, que por mais promissoras que pareçam sempre acabarão por se revelar como mais uma decepção. Isto não faz de The Catcher in the Rye exatamente uma leitura animadora, mas ainda assim existe algum resquício de inocência e ingenuidade infantil em Holden Caulfield, e também um humor (negro, é claro), que não deixam o livro afundar num poço de pessimismo e depressão.

Pode ser que você não resolva oferecer o livro a todos os seus amigos e conhecidos. Mais improvável ainda que depois da leitura você resolva assassinar um astro da música pop. Mesmo assim, The Catcher in the Rye é um daqueles livros que não pode faltar na estante de quem gosta de literatura, pois deixa uma semente de inquietação e a incômoda sensação de que temos em nós muito de Holden Caulfield.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Nemo Nox é editor do blog Por um Punhado de Pixels e do site Burburinho, onde este texto foi originalmente publicado.


Nemo Nox
Washington, 8/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
04. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. A coisa tá preta de Cassionei Niches Petry


Mais Nemo Nox
Mais Acessadas de Nemo Nox em 2002
01. O apanhador no campo de centeio - 8/7/2002
02. Dilbert - 7/6/2002
03. Um Bonde Chamado Desejo - 22/10/2002
04. Os Impossíveis - 11/9/2002
05. Modelos de beleza - 28/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2004
01h44min
"Ainda não tive a oportunidade de ler o apanhador, mas esse texto tirou minha dúvida final, me despertou um grande interese onde havia apenas uma leve curiosidade".
[Leia outros Comentários de Jean B gomes ]
10/1/2005
11h38min
Salinger comanda a narrativa de maneira surpreendente. Holden é o típico garoto americano incomodado com a mesmice, a ignorância e principalmente a falsidade. O mundo lhe incomoda tanto quanto ele "incomoda" o mundo. De fato ele sempre precisa de uma encrenca para se sentir preenchido. Possui um vazio dentro de si, uma legítima angústia. O livro é simplesmente espetacular e com toda certeza, todos guardam um pedaço de Calfield dentro de sim. Um dos melhores livros que já li na vida.
[Leia outros Comentários de Ana Seffrin]
13/7/2005
02h19min
Achei o livro "The Catcher in the Rye" por acaso, numa das prateleiras de uma biblioteca em uma cidadezinha qualquer. O livro praticamente pulou da prateleira para as minhas mãos. Não tive outra escolha senão lê-lo. E gostei muito, principalmente porque em várias situações identifiquei-me com Holden Caulfield, sem contar os pensamentos que passam tão depressa e aquela sensação de sentir-se uma exceção, ou um personagem fora do contexto quando há ao nosso redor tanta hipocrisia.
[Leia outros Comentários de M.B.N.F.]
5/12/2005
13h26min
A primeira vez que li "The Catcher in the Rye" foi para fazer um seminário de faculdade; portanto, foi uma obrigação, mas mesmo assim achei uma viagem entrar no mundo de Holden e até desenhá-lo na cópia que tinha em mãos. Para cada capítulo que me prendia, eu desenhava Holden no canto do parágrafo. Assim, dava asas à minha imaginação dentro do mundo daquele menino ávido por afirmação e entendimento.
[Leia outros Comentários de Reynaldo ]
24/6/2006
14h57min
É uma delícia de livro, mas acredito que toque mais ao mundo masculino. Já o li 4 vezes. Já está na hora de ler de novo.
[Leia outros Comentários de Victor Hargrave]
7/1/2007
15h53min
O autor do texto foi feliz na medida em que se ateve a análises de comportamentos e atitudes da personagem principal, conduzindo assim de forma clara e objetiva seu itento. Parabéns ao autor da matéria.
[Leia outros Comentários de Ednei Xavier]
22/10/2007
23h42min
A leitura do livro de Salinger nos faz recorrer à mesma auto-reflexão feita por Holden. Talvez por conter tantos elementos de reciprocidade com os leitores, o livro seja tão válido a nós mesmos.
[Leia outros Comentários de Nielly]
25/12/2007
20h25min
Eureka... depois de 53 anos e após ter ouvido várias pessoas falarem do Apanhador, comprei-o e li. Eureka... eureka... foi o primeiro livro que li por inteiro.
[Leia outros Comentários de Francisco Manoel]
16/3/2008
22h00min
Horrível, a história é horrível, deprimente; um adolescente depressivo e idiota que se acha o máximo, julga todos o tempo todo e não consegue ver seus próprios pontos fracos, a não ser o fato de ser covarde; mentiroso e sem vontade nenhuma de melhorar ou crescer; o livro começa do nada e chega a lugar algum. É uma enrolação deprimente, a narrativa rápida é a única coisa que nos dá força pra chegar ao fim do livro. Considero uma droga; eu definitivamente não o recomendo a ninguém.
[Leia outros Comentários de Marina]
29/4/2008
15h33min
Recomendo o livro a pessoas que têm sensibilidade de perceber a hipocrisia humana, mas mais ainda às pessoas fúteis, que não conseguem enxergar um palmo à frente do nariz e, que deprimentemente, terminam de lê-lo e não conseguem absorver nada!!! Uma dica: quem estiver nesta última colocação, leia-o novamente, sem os olhos de um ser humano egoísta que não consegue sequer perceber os tormentos dos outros e que não têm conhecimento algum sobre psicologia!
[Leia outros Comentários de Julliana Brito]
11/5/2008
16h25min
Um livro muito bom. Só quem é adolescente e está confuso como Holden estivera poderá compreender este livro por completo. Recomendo a leitura para jovens de todas as idades. Não admito dizerem que o livro não presta e que não chega a lugar algum. A pessoa tem que ler o livro inteiro para poder entendê-lo e só depois julgá-lo!
[Leia outros Comentários de R.M.L.]
2/10/2008
21h25min
Hoje à tarde estava na internet fazendo algumas pesquisas e acabei por pesquisar artigos a respeito de bons livros. Vi alguns comentários sobre "O apanhador no campo de centeio" e gostei. Mais tarde fui à biblioteca e uma pessoa comentava a respeito dele; então peguei para ler e estou com ele agora. Espero gostar da leitura, depois comento o que achei do livro, bjs.
[Leia outros Comentários de luciana soares]
16/12/2008
17h01min
Muito bom o livro, li o original (em inglês) e realmente achei bárbaro, pois Caulfield pensa exatamente como eu em relação ao mundo e às pessoas. Eu ficava indignado a cada pensamento dele, que, de alguma forma, parecia ter sido retirado da minha mente!
[Leia outros Comentários de Gui Figueiredo]
2/8/2009
11h07min
Um romance intrigante, um narrador personagem que nos deixa perplexos como se ao final da leitura precisássemos decifrar um enigma. Envolvente, dá para ler direto, um narrador muito estranho, meio enigmático. Holden é enxerido, metido a besta, sempre fazendo umas porras dumas gracinhas, às vezes engraçado, deprimente e chato. Conta uma droga duma história, da expulsão do colégio, dos amigos, da família, de passeios pelo Central Park e cafés de NY. A linguagem dinâmica, pulando rapidamente de um assunto para outro, o humor negro, as observações a respeito da condição humana através de comentários criativos e sarcásticos.
[Leia outros Comentários de José Adolfo Welter]
4/4/2010
11h12min
Não sei o que as pessoas veem de tão profundo: o garoto está de saco cheio e chutou o pau da barraca; como não sabia mais o que fazer, foi pra casa... Qualquer coisa além disso é invenção da cabeça de quem leu.
[Leia outros Comentários de jonathan]
12/8/2010
16h30min
Vejam o filme "Capítulo 27". Pra ligar o livro ao fato de que você resolva assassinar um astro da música pop. Pra quem gosta de Beatles é um prato cheio!
[Leia outros Comentários de Marcio Couto]
1/6/2011
15h28min
Retificando sua informação meu caro, Mark Chapman pediu a John Lennon que autografasse o álbum Double Fantasy e não o livro.
[Leia outros Comentários de Maurício]
20/1/2012
03h26min
O livro é péssimo. Já li coisas ruim, mas esse é de longe o pior. Li motivado pelas sugestões de listas que o colocam entre os 100 melhores livros de todos os tempos, mas depois dessa leitura comecei a desconfiar dessas listas. Enquanto lia, fiquei na expectativa da existência de uma passagem ou um acontecimento da história que daria sentido a tudo e que culminaria em um episódio extraordinário e surpreendente. Que decepção! A sensação foi a de como assistir a um filme que termina quando menos se espera e você fica se perguntado qual a moral da história. Trata-se da historia de um idiota completo, um moleque riquinho, irresponsável e revoltado com tudo e com todos que faz e sai dizendo um monte de besteira. Não mim venha com esse papo de olhos de um ser humano, egoísmo, perceber os tormentos dos outros, conhecimento sobre psicologia! Visto que Não há virtude naqueles que não enfrentam a vida com coragem, que se acovardam diante dos desafios e não enfrenta as batalhas da
[Leia outros Comentários de Roberto]
14/4/2015
20h03min
Eu gostei muito do livro! Muitas pessoas não gostam do livro porque não tem nenhum fato dramático e surpreendente a acontecer, que é o que geralmente acontece na maioria das obras da literatura. Comecei a ler por obrigação para fazer uma prova sobre o livro. Assim que o vi, eu julguei o livro pela capa. Disse que o título era tão chato, que achava que o livro era uma bosta! Porém, assim que comecei a leitura, me surpreendi, me empolguei. Dei até risadas por alguns fatos acontecidos e sua maneira de pensar e agir diante da hipocrisia no mundo. Achei engraçado a linguagem de Holden, sua maneira de pensar, de agir... Realmente me diverti, apesar de começar e terminar sem sentido, do tipo "nada a ver".
[Leia outros Comentários de Grazielly Farias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A BUSCA
ERIC HEUVEL
QUADRINHOS E CIA
(2009)



PINTAR A PASTEL
ERNEST SAVAGE
PRESENÇA/MARTINS FONTES
(1982)



O MENINO DO DEDO VERDE (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
MAURICE DRUON
JOSÉ OLYMPIO
(1987)
+ frete grátis



TEATRO CUBANO: MONÓLOGOS TEATRALES CUBANOS (ANTOLOGIA)
FRANCISCO GARZÓN CÉSPEDES (ORG.)
LETRAS CUBANAS
(1989)
+ frete grátis



A ETERNA PRIVAÇÃO DO ZAGUEIRO ABSOLUTO- AS MELHORES CRÔNICAS DE FUTEBOL, CINEMA E LITERATURA
LUIS FERNANDO VERÍSSIMO
OBJETIVA
(1999)
+ frete grátis



ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA
MICHAEL A. HITT, R. DUANE IRELAND & ROBERT E. HOSKISSON
THOMSON
(2003)
+ frete grátis



HISTÓRIA CONCISA DO TEATRO BRASILEIRO
DÉCIO DE ALMEIDA PRADO
EDUSP/IMPRENSA OFICIAL
(1999)
+ frete grátis



OS ENDEREÇOS CURIOSOS DE SALVADOR
IARA CREPALDI E GUILHERME MACIEL
PANDA BOOKS
(2005)
+ frete grátis



CORPO DE DELITO
PATRICIA D. CORNWELL
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
+ frete grátis



O FENÔMENO HUMANO
CHARDIN, TEILHARD DE
CULTRIX
(1995)
+ frete grátis





busca | avançada
21514 visitas/dia
949 mil/mês