Café-com-leite | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS >>> Especial Politicamente Incorreto

Segunda-feira, 14/5/2001
Café-com-leite
Daniela Sandler

+ de 4800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Quando vim morar nos Estados Unidos, uma das primeiras coisas que me espantaram foi o clima de "patrulha ideológica" que permeia todos os aspectos da vida por aqui: da piada que se conta entre amigos aos temas de estudo na universidade. No Brasil essa história de politicamente correto nunca pegou, a não ser como motivo de piada (exceção feita a alguns movimentos militantes que adotaram o discurso e o jargão, no mais das vezes sem refletir sobre seu significado no contexto brasileiro).

Aqui não. Fala-se o tempo inteiro em direitos das minorias, "identity politics" (luta pela afirmação identitária de grupos, por exemplo, mulheres, homossexuais, negros, "chicanos"), reconhecimento das identidades individuais, e por aí vai. O feminismo, que começou como a justa reivindicação de direitos políticos, econômicos e sociais para as mulheres, virou receptáculo de toda sorte de rancores, no mais das vezes pessoais. Um dia eu estava dirigindo com umas amigas canadenses. Levei uma fechada de uma mulher numa via de alta velocidade e, no susto, soltei: "Só podia ser mulher"! O carro gelou, minhas amigas ficaram quietas, e eu percebi na hora que havia cometido uma gafe quase imperdoável.

Comecei a me policiar o tempo inteiro. Pelo menos, pensava, eu também vou ter meus direitos como minoria respeitados. Deve haver um lado bom no politicamente correto. Se essa atitude corresponde a uma visão libertária da sociedade, em que há abertura para a ação e os direitos de todos, o que pode haver de errado?

Bom, politicamente correto não é nada disso. Não é democrático, não é libertário, e - pior - é movido por preconceito, ignorância e rancor. Os afro-americanos, por exemplo (termo p.c. para negros) - ninguém aqui quer saber se você é racista. Você é branco, você é mau. O clima é quase hostil. Claro que há exceções, especialmente na universidade, mas de uma forma geral - e mesmo nos ambientes acadêmicos - há uma dinâmica de reconhecimento/aliança entre iguais e hostilidade aos demais. Eu fiquei espantada de ver, na universidade, grupos compostos somente por alunos negros. Também não é raro ver bandos de gente loira de olho claro. Mulato, moreno, aqui não existe...

Eu, como branca, senti o politicamente correto como a vingança dos oprimidos: não o desejo de emancipação, mas de trocar de posição com os opressores. Da mesma forma aconteceu em relação a opções sexuais. Pela primeira vez na vida, eu, heterossexual, me vi como minoria! No meu departamento, sei lá por quê, a maioria dos homens e mulheres é gay. No começo achei o máximo o fato de todo mundo se assumir sem muitos problemas, até eu perceber que eu estava sendo vítima de discriminação! O reconhecimento dos "iguais" funciona como uma senha - você é gay, você é automaticamente incluído. Você é straight (hetero), você tem de provar que, apesar disso, você é legal.

Há exceções? Claro. Quase todos os meus (bons) amigos gays são totalmente contra o politicamente correto. Os mais hostis são também aqueles que rezam pela cartilha de "política de identidade", traduzida, no caso, por disciplinas acadêmicas com o nome de "Queer Studies" e "Gender Studies".

Já estava certa de que o politicamente correto não tinha nada de correto, até o belo dia em que parei no sinal vermelho ao lado de uma reluzente BMW (eu estava dirigindo o meu Chevrolet 91). Ao volante, um jovem negro, vistoso, bonito, elegante. Essa cena não tem nada de incomum por aqui, e foi exatamente isso que me ocorreu naquela hora. Negros com carros novos, belas casas, bons empregos - isso se vê a toda hora por aqui. Na universidade em que faço pós (com bolsa integral e ajuda de custo), os alunos de graduação pagam quase 30.000 dólares por ano. Há quase tantos alunos negros quanto brancos. Quantos alunos negros havia na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, onde me formei? Eu me lembro de dois - dois estudantes de intercâmbio africanos. Dois em quase mil alunos.

Fiquei pensando: alguma coisa deve haver de correto nesse sistema em que, apesar dos preconceitos, do histórico de escravidão, das desigualdades, há possibilidade de ascensão social e material (o que, no sistema capitalista, se traduz em emancipação…) A luta pelo reconhecimento dos direitos dos negros, historicamente intensa e mobilizada por aqui, está na raiz tanto da conquista de direitos materiais quanto do politicamente correto, que apareceu depois, como uma de suas ramificações.

O politicamente correto, por aqui, não é o anti-racismo - é o racismo exacerbado, o direito de ser racista estendido às vítimas de discriminação. Os Estados Unidos são terrivelmente racistas. E não estou falando só desse racismo "de vingança". Os brancos são racistas, as pessoas não se misturam, os loiros ficam cada vez mais loiros, não há mulatos, morenos, meio-termo; não há ambigüidades, transição, indefinição. O politicamente correto é xiita, injusto, muitas vezes imbecil; mas, por outro lado, os Estados Unidos precisam disso para controlar a violência "intrínseca" da sua sociedade. Se existe o politicamente correto, é porque existe algo de incorreto a ser controlado. Às vezes, ouço comentários ou piadas que escapam ao controle e penso como isso aqui seria sem esse tipo de "patrulha". Basta ver o que é que os opositores do politicamente correto têm a dizer. A maioria desses opositores corresponde à ala mais conservadora, exclusivista, injusta e discriminatória da sociedade norte-americana. Criticam o politicamente correto não pelos direitos que ele tolhe: para eles, o problema são os direitos que ele fez possível.

Bom, se é essa a alternativa, prefiro a patrulha ideológica...

Por fim, fiquei pensando no Brasil. A gente tem um povo todo misturado, e dizer que se tem um pé na cozinha virou moeda social (vocês devem se lembrar do FHC…). Tudo bem, na FAU não havia negros, mas havia um montão de mulatos, de gente com ascendência indígena, negra, européia, quatrocentona… a gente cresce junto, tudo igual e tudo diferente ao mesmo tempo. Aqui nos EUA, os morenos são imediatamente "classificados" (como negros ou hispânicos). Há racismo no Brasil, mas não há um décimo da hostilidade aberta e onipresente daqui.

Não sei até que ponto a miscigenação no Brasil compensa a discriminação velada, pela qual os negros acabam sendo também os pobres. Não sei se a rigidez social dos EUA, a ausência de mistura e a hostilidade aberta funcionaram, dialeticamente, como motivação para as lutas de emancipação. Mas o meu lado otimista me diz que os dois países teriam muito a aprender um do outro - aprender das conquistas e também dos defeitos -, e que, nessa história de politicamente (in)correto, nada é totalmente claro e definido como, digamos, preto no branco...


Daniela Sandler
Riverside, 14/5/2001


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Politicamente Incorreto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/6/2002
12h41min
OI DANIELA SANDLER, ESTOU NO 3 PERIODO DE JORNALISMO ELI SOBRE SUA MATERIA SOBRE O POLITICAMENTE CORRETO.ACONTECE QUE ACHEI O MAXIMO COMO VOCE SE COLOCOU DIANTE DE TAL ASSUNTO.GOSTARIA QUE SE POSSIVEL VOCE ME ENVIASSE MAIS SOBRE O MESMO.TENHO UM TRABALHO PRA ENTREGAR NA UNIVERSIDADE SOBRE " O QUE É O POLITICAMENTE CORRETO COMO E ONDE SURGIU,SE É UMA QUESTAO DE ETICA,ENFIM CONTO COM SUA AJUDA TA. BEIJINHOS. SYNNARA RECIFE,05/06/2002.
[Leia outros Comentários de SYNNARA RODRIGUES ]
14/6/2002
11h36min
SOi Daniela Sandler,estou no 3 período de comunicação social, lê e gostei muito da sua matéria do politicamente correto, gostaria de ficar recebendo por e-mail qualquer "assunto" na ária que estou estudando. Um abraço.Andréa Karla Recife-15/06/2002
[Leia outros Comentários de AndréaKarlaSantana ]
12/9/2006
03h11min
Ola! Estava lendo a historia do "Digestivo Cultural" e acabei na pagina do seu texto! Estou fazendo faculdade de jornalismo nos EUA ha' 7 meses e ja' tinha reparado em td o que vc disse, mas nunca tinha achado expressoes para descrever o "movimento" que aqui funciona "inconscientemente". Muito bom! Abraco
[Leia outros Comentários de Paulina Vespasiano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RESPONSE TO INFECTION AND INJURY I AUGUST 1976 - THE SURGICAL CLINI...
THE SURGICAL CLINICS OF NORTH AMERICA
W B SAUNDERS
(1976)
R$ 11,85



REGULAMENTO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS DECRETO LEI 167 97 POR...
EDITORA PORTO
PORTO
(1998)
R$ 11,16



DOSSIÊ: SUBJETIVIDADE
CADERNOS DE SUBJETIVIDADE, VOL 3; Nº 2
PUC - SP
(1995)
R$ 19,28



MULHERES SEM DONO
NORMAN BOGNER
RECORD
(1983)
R$ 10,00



WARCRAFT POR TRÁS DO PORTAL NEGRO
DANIEL WALLACE
PIXEL
(2016)
R$ 12,00



PHYSIOLOGIE DE LA GÉNERATION DE L HOMME ET DES PRINCIPAUX ETRES VI...
XAVIER WARNER
DUQUESNE ET PEGAT
R$ 89,32



NUMA DADA SITUAÇÃO - ED. BILÍNGUE
FRANCIS ALIS
COSAC NAIFY
(2010)
R$ 65,00



CHERNOBYL 1986 - 1996
SONIA SALEM - PESQUISA E TEXTO
GREENPEACE - APEOESP
(1996)
R$ 9,50



PORTUGUÊS LINGUAGENS 7º
WILLIAM CEREJA CAROLINA DIAS VIANNA
ATUAL
(2018)
R$ 89,90



AS CIENCIAS PROIBIDAS - GRANDES MISTÉRIOS DO NOSSO TEMPO VOL. 19
DIVERSOS
SECULO FUTURO
(1987)
R$ 8,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês