A idolatria do século XXI | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
34499 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> Ana Salvagni e Eduardo Lobo apresentam 'Canção do Amor Distante' em Campinas
>>> Diálogos com um gênio da literatura mundial que marcaram toda a cultura ocidental
>>> 'Chet Baker, Apenas Um Sopro' com Paulo Miklos estreia dia 06/10 no CCBB/RJ
>>> Bolo de chocolate recheado de frutas com cobertura de chocolate
>>> Homenagem ao nascimento de Heidegger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
Últimos Posts
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
>>> Insone
>>> Sobre a Filosofia (obrigatória) no ensino médio
>>> Estátuas de areia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro
>>> Memorial de Berlim
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> O retorno à cidade natal
>>> Confissões de um jornalista que virou suco
>>> Nelson Rodrigues e o Vestido
>>> O filósofo da contracultura
>>> Elegia 1938
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
Mais Recentes
>>> O orfanato da srta. Peregrine para crianças peculiares
>>> A Senhoria
>>> Noite na Taverna
>>> As Brasas
>>> Nassau - Governador do Brasil holandês
>>> Balada para as Meninas Perdidas
>>> Gracias A La Vida
>>> Os Ciganos na Umbanda
>>> Diário da Tarde
>>> Navalha na Tela;plinio Marcos e o Cinema Brasileiro
>>> O Psicanalismo
>>> A Arte de Lidar Com as Mulheres
>>> A Mancha
>>> As Avós
>>> Introdução à Física do Estado Sólido
>>> Cuentos Fantásticos - Edicción Íntegra
>>> A perversão do trapezista - o romance em Cornélio Penna
>>> Literatura Brasileira - A arte da palavra e Literatura Brasileira e os vestibulares com CD
>>> Manual de Contabilidade Societária
>>> As tardes de um pintor
>>> Capitães da areia
>>> Histórias para o rei
>>> Nada na língua é por acaso
>>> O advogado do diabo
>>> Os limites do sentido
>>> A linguística e o ensino da língua portuguesa
>>> Textualidade e ensino
>>> História da escola em São Paulo e no Brasil
>>> Resenha
>>> Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística
>>> Ensino de gramática: descrição e uso
>>> Pequena gramática do português brasileiro
>>> A emoção e a regra
>>> A fórmula do texto
>>> Descobertas acidentais em ciências
>>> Gabriela cravo e canela
>>> O rei, o Rio e suas hiistórias
>>> Esboço para uma teoria das emoções
>>> Verdes vales do fim do mundo
>>> O Jogador
>>> A Humilhação do Redentor- Encarnação e Sofrimento
>>> Automotivação- ''É Fácil''- O Caminho do Sucesso
>>> As Múltiplas Faces da Velhice no Brasil
>>> Desenvolvendo Relacionamentos Familiares
>>> Manual do Auxiliar de Célula
>>> Noções Básicas de Discipulado - Para Jovens - Jumoc
>>> Manual da Escola de Oraçao
>>> Limites do Sofrimento
>>> Quero Minha Vida de Volta
>>> Quero Minha Vida de Volta
COLUNAS

Segunda-feira, 19/8/2002
A idolatria do século XXI
Marcelo Barbão

+ de 4300 Acessos

Recentemente, na busca por alguma coisa boa na televisão, passei por um desses programas de auditório tipo B, com um cenário pobre, algumas dançarinas que já foram gostosas antes da celulite atacar e uma platéia que participa mais pelo sanduíche de mortadela do que pelas atrações.

Mas, antes de continuar meu passeio pelos botões do controle remoto, fui pego pelo choro de um homem nos seus 50 anos. Eu conheço esse homem, foi meu pensamento na hora. E fiquei assistindo. Queria saber porque ele chorava. E descobri rapidamente. Sentados em banquinhos de plástico, uma série de artistas que fizeram sucesso no passado, reclamavam do esquecimento da mídia e pediam (era por isso que o homem chorava) uma nova chance.

Era a grande dicotomia moderna: a luta entre os famosos e os anônimos. Pois, esse é o tema do recém-lançado livro de Ignácio de Loyola Brandão, O Anônimo Célebre. Quando o anonimato passa a ser considerado uma doença, a doença-símbolo do século XXI, e vale qualquer coisa para "curar-se" dela, quando vale até transar na frente das câmeras, simular casamentos, brigas, reconciliações, quando começamos a pensar que até vale a pena morrer se nos transformarmos num mito, então podemos pensar que algum limite, em algum lugar, foi extrapolado.

O texto está construído como uma coleção de pequenas notas que Loyola foi coletando por vários anos (10, segundo o próprio autor) sobre a história do anônimo que queria ficar célebre. Tanto queria, que organizava, a seu redor, um pequeno exército de assessores (mais adiante, de acordo com a última tendência da moda, os assessores começaram a ser chamados de gurus - o conhecimento deles não mudou em nada, mas os cachês...) com a única incumbência de colocá-lo em evidência. Assim, para se manter up-to-date (será que ainda usam isto?) é necessário um assessor cultural, de tribos (criam-se novas todos os dias), de imagens, de patrocínios (afinal, depois de famoso, ninguém compra mais nada na vida - troca pelo uso de sua imagem, de serem vistos comendo naquele restaurante ou passeando nesse shopping) e um dos mais importantes de todos: o criador de falsos eventos. Loyola até dá uma excelente idéia para escritores talentosos mas sem oportunidades no terrível mercado editorial brasileiro: criador de causos para alimentar a biografia de famosos.

Entre os diversos momentos maravilhosos do livro, alguns mostram uma boa dose de inspiração, como o capítulo (não sei se o melhor seria chamar de capítulos ou notas, já que o livro lembra uma colagem de momentos como o autor já havia feito na época do O Verde Violentou o Muro e Zero) que mostra qual é o mais belo som da vida para alguém alucinado pela celebridade: o som do aplauso. Direcionado a ele, é claro. Talvez possamos complementar que o pior som do mundo seria o silêncio. O silêncio do desconhecimento e do anonimato. De não ser convidado para as festas da moda, de não ser entrevistado, de não ser chamado para dar sua opinião em programas de auditórios ou não mostrar aquela famosa receita de sua tia-avó naquele programa matinal.

O texto de Loyola é sempre interessante e fácil de ler. Neste novo livro ele, ajudado ainda pelo tema ultra-modernoso, brinca com formatos novos de linguagem como o quase-dialeto dos e-mails. Outro aspecto interessante é o uso de recursos gráficos, o que mais uma vez nos relembra os experimentalismos inovadores dos seus romances mais famosos. O resultado é um excelente livro que supera em muito suas últimas e medianas obras como O Homem que Odiava Segunda-Feira e o Anjo do Adeus.

Mas, apesar de ser um Manual para tornar-se um Famoso, algo me diz que o livro de Loyola não servirá para uma grande parte dos anônimos que vemos diariamente na TV, nas festas, em desfiles de escola de samba e em qualquer lugar onde houver uma câmera fotográfica ou de filmagem. As muitas citações, entre filmes, livros, filósofos, atores e escritores, colocam este livro acima da capacidade de qualquer um dos atuais candidatos ao estrelato global. Seria necessário acompanhar só por alguns momentos qualquer um dos (finalmente) finados programas BBB ou Casa dos Artistas para descobrir que seus participantes não seriam capazes de reconhecer nenhum dos "modelos" citados pelo escritor, como talvez não conhecessem o próprio Loyola. Estranha ironia.

O final da saga do nosso célebre anônimo ainda surpreende com um quê cortazariano que explica sem explicar. Loyola, dessa forma, consegue criar uma excelente novela dos tempos atuais onde desvenda a verdadeira arte que é manter-se em evidência. Os 12 anos à frente da Vogue, uma das publicações que tradicionalmente dita a moda e o comportamento deste mundo de famosos, certamente ajudaram na coleta do material para o manual dos Vir-a-Ser.

Para ir além



O anônimo célebre
Ignácio de Loyola Brandão
Ed. Global
379 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 19/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
05. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRISTIANISMO- ÓPIO DO POVO?
DAVID GOODING E JOHN LENNOX
A VERDADE
(2013)



DIANÉTICA- O PODER DA MENTE SOBRE O CORPO
L.RON HUBBARD
HUBBARD
(2007)



AVENTURAS DE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS & ATRAVÉS DO ESPELHO E O QUE ALICE ENCONTROU POR LÁ
LEWIS CARROLL
ZAHAR
(2010)



VIANINHA - CÚMPLICE DA PAIXÃO (TEATRO)
DÊNIS DE MORAES
NORDICA
(1991)



ELEGIAS DE DUÍNO (EDIÇÃO BILÍNGUE)
RAINER MARIA RILKE
GLOBO
(2004)



ESTE LADO DO PARAÍSO
SCOTT FITZGERALD
COSAC NAIFY
(2013)



A QUINTA MULHER
HENNING MANKELL
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)



ATREVA-SE A SER O LÍDER: OS SEGREDOS DO SUCESSO EMPRESARIAL
WARREN AVIS
MALTESE - EDITORIAL NORMA
(1989)



FEBRE DE BOLA
NICK HORNBY
ROCCO
(2000)
+ frete grátis



TEATRO CHILENO: HECHOS CONSUMADOS - JUAN RADRIGÁN
JUAN RADRIGÁN
LOM EDICIONES
(2011)
+ frete grátis





busca | avançada
34499 visitas/dia
846 mil/mês