A idolatria do século XXI | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
17058 visitas/dia
635 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil apresenta show do Nação Zumbi no programa Todas as Bossas
>>> TV Brasil apresenta final da série O Tempo entre Costuras nesta sexta (13/1)
>>> TV Brasil homenageia Zygmunt Bauman nesta sexta (13/1)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina cênica grátis com Kleber Montanheiro
>>> Valadão Muda o Mundo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
>>> Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso
>>> Gerald Thomas: uma autobiografia
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> 'Hysteria' Revisitada
>>> O tremor na poesia, Fábio Weintraub
>>> Lançamento de Viktor Frankl
>>> E por falar em aposentadoria
>>> O quanto podemos compreender
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
Últimos Posts
>>> Abraço
>>> Paralamas do Sucesso: Novo álbum e shows em SP
>>> Lô Borges ou a estreia 45 anos depois
>>> Águas abertas ao mito
>>> Arranha-céu
>>> Da população ao empoderamento de Brasília
>>> Belém do Pará, ano um. 401.
>>> Na trilha de um corredor
>>> Entropias
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Eu nunca fui nerd
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (IV)
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> A seguir cenas dos próximos capítulos
>>> A literatura de ficção morreu?
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Mamilos
>>> FHC abrindo a Flip 2010
>>> Semana da Canção Brasileira
Mais Recentes
>>> A executiva
>>> Collins Press (UK
>>> Great Expectations
>>> Obras
>>> As Dimensões e os Extraterrestres
>>> Coração de Diamante - Livro Um- Elementos do Real no Homem e Essência
>>> Meus Antepassados
>>> Pinochio
>>> Como e porque se Faz Arte
>>> Alice no Pais da Mentira
>>> Seu Gentil
>>> O Catador de Papel
>>> O Maior Heroi do Mundo
>>> Senna
>>> Os meninos da rua Paulo
>>> O Som dos Acordes - Exercícios de acodes Para Piano e Jazz
>>> Epistemologias do Século XX-Popper- Kuhn- Lakatos- Laudan Bachelard, Toulmin,FEyerabend, Maturana, Bohm, Bunge, Prigogine, Mayr
>>> A Quem Enviarei? Doze Cestos Cheios- Volume 1
>>> Repertório
>>> Doze Cestos Cheios- Volume 1
>>> O Ateneu
>>> A Caça nos Sertões do Seridó
>>> O Mutirão no Nordeste
>>> A História da Imprensa no Brasil
>>> O Quinze
>>> A dominação ocidental na Ásia Vol. 1
>>> O Mandarim
>>> Revista Fluir Edição 228
>>> Constituicion de la Union de Republicas Socialistas Sovieticas
>>> Violão de Rua Vol. 2
>>> Veja 25 Anos: Reflexões Para O Futuro
>>> Violão de Rua
>>> Sonata de Primavera
>>> National Geographic Brasil Nº 08
>>> Revista Paisagismo E Jardinagem Especial Nº 24: Jardins Comerciais
>>> Poe's Prose Tales
>>> Michaelis Pequeno Dicionário: italiano-português português-italiano
>>> National Geographic Brasil Nº 34
>>> National Geographic Brasil Nº 16
>>> Revista Fluir Edição 159
>>> Tom Jones
>>> Revista Casa E Jardim Nº 537
>>> National Geographic Brasil Nº 05
>>> National Geographic Brasil Nº 23
>>> Encantador de Pessoas
>>> O Navio das Noivas
>>> Como eu era antes de Você
>>> A Garota que você deixou para trás
>>> Baía da esperança
>>> Quando você voltar
COLUNAS

Segunda-feira, 19/8/2002
A idolatria do século XXI
Marcelo Barbão

+ de 4400 Acessos

Recentemente, na busca por alguma coisa boa na televisão, passei por um desses programas de auditório tipo B, com um cenário pobre, algumas dançarinas que já foram gostosas antes da celulite atacar e uma platéia que participa mais pelo sanduíche de mortadela do que pelas atrações.

Mas, antes de continuar meu passeio pelos botões do controle remoto, fui pego pelo choro de um homem nos seus 50 anos. Eu conheço esse homem, foi meu pensamento na hora. E fiquei assistindo. Queria saber porque ele chorava. E descobri rapidamente. Sentados em banquinhos de plástico, uma série de artistas que fizeram sucesso no passado, reclamavam do esquecimento da mídia e pediam (era por isso que o homem chorava) uma nova chance.

Era a grande dicotomia moderna: a luta entre os famosos e os anônimos. Pois, esse é o tema do recém-lançado livro de Ignácio de Loyola Brandão, O Anônimo Célebre. Quando o anonimato passa a ser considerado uma doença, a doença-símbolo do século XXI, e vale qualquer coisa para "curar-se" dela, quando vale até transar na frente das câmeras, simular casamentos, brigas, reconciliações, quando começamos a pensar que até vale a pena morrer se nos transformarmos num mito, então podemos pensar que algum limite, em algum lugar, foi extrapolado.

O texto está construído como uma coleção de pequenas notas que Loyola foi coletando por vários anos (10, segundo o próprio autor) sobre a história do anônimo que queria ficar célebre. Tanto queria, que organizava, a seu redor, um pequeno exército de assessores (mais adiante, de acordo com a última tendência da moda, os assessores começaram a ser chamados de gurus - o conhecimento deles não mudou em nada, mas os cachês...) com a única incumbência de colocá-lo em evidência. Assim, para se manter up-to-date (será que ainda usam isto?) é necessário um assessor cultural, de tribos (criam-se novas todos os dias), de imagens, de patrocínios (afinal, depois de famoso, ninguém compra mais nada na vida - troca pelo uso de sua imagem, de serem vistos comendo naquele restaurante ou passeando nesse shopping) e um dos mais importantes de todos: o criador de falsos eventos. Loyola até dá uma excelente idéia para escritores talentosos mas sem oportunidades no terrível mercado editorial brasileiro: criador de causos para alimentar a biografia de famosos.

Entre os diversos momentos maravilhosos do livro, alguns mostram uma boa dose de inspiração, como o capítulo (não sei se o melhor seria chamar de capítulos ou notas, já que o livro lembra uma colagem de momentos como o autor já havia feito na época do O Verde Violentou o Muro e Zero) que mostra qual é o mais belo som da vida para alguém alucinado pela celebridade: o som do aplauso. Direcionado a ele, é claro. Talvez possamos complementar que o pior som do mundo seria o silêncio. O silêncio do desconhecimento e do anonimato. De não ser convidado para as festas da moda, de não ser entrevistado, de não ser chamado para dar sua opinião em programas de auditórios ou não mostrar aquela famosa receita de sua tia-avó naquele programa matinal.

O texto de Loyola é sempre interessante e fácil de ler. Neste novo livro ele, ajudado ainda pelo tema ultra-modernoso, brinca com formatos novos de linguagem como o quase-dialeto dos e-mails. Outro aspecto interessante é o uso de recursos gráficos, o que mais uma vez nos relembra os experimentalismos inovadores dos seus romances mais famosos. O resultado é um excelente livro que supera em muito suas últimas e medianas obras como O Homem que Odiava Segunda-Feira e o Anjo do Adeus.

Mas, apesar de ser um Manual para tornar-se um Famoso, algo me diz que o livro de Loyola não servirá para uma grande parte dos anônimos que vemos diariamente na TV, nas festas, em desfiles de escola de samba e em qualquer lugar onde houver uma câmera fotográfica ou de filmagem. As muitas citações, entre filmes, livros, filósofos, atores e escritores, colocam este livro acima da capacidade de qualquer um dos atuais candidatos ao estrelato global. Seria necessário acompanhar só por alguns momentos qualquer um dos (finalmente) finados programas BBB ou Casa dos Artistas para descobrir que seus participantes não seriam capazes de reconhecer nenhum dos "modelos" citados pelo escritor, como talvez não conhecessem o próprio Loyola. Estranha ironia.

O final da saga do nosso célebre anônimo ainda surpreende com um quê cortazariano que explica sem explicar. Loyola, dessa forma, consegue criar uma excelente novela dos tempos atuais onde desvenda a verdadeira arte que é manter-se em evidência. Os 12 anos à frente da Vogue, uma das publicações que tradicionalmente dita a moda e o comportamento deste mundo de famosos, certamente ajudaram na coleta do material para o manual dos Vir-a-Ser.

Para ir além



O anônimo célebre
Ignácio de Loyola Brandão
Ed. Global
379 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 19/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
02. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
04. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
05. Caiu na rede, virou social de Fabio Gomes


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMÉDIAS PARA SE LER NA ESCOLA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2001)
R$ 15,00
+ frete grátis



PRELÚDIO PARA A MORTE
VAL MCDERMID
BERTRAND BRASIL
(2009)
R$ 42,00
+ frete grátis



SEIS PEÇAS DE TEATRO PARA CRIANÇAS - STELLA LEONARDOS (TEATRO INFANTIL)
STELLA LEONARDOS
EDIOURO
R$ 8,00
+ frete grátis



SIMPLESMENTE CHIQUE - RECEITAS PRÁTICAS PARA SEU DIA A DIA
PAULA NASSER
DO AUTOR
(2015)
R$ 10,00
+ frete grátis



A ESTRATEGIA EM AÇÃO BALANCED SCORECARD
ROBERT S. KAPLAN / DAVID P. NORTON
CAMPUS
(1997)
R$ 45,00
+ frete grátis



A TRAMA DOS TAMBORES - A MÚSICA AFRO-POP DE SALVADOR
GOLI GUERREIRO
34
(2000)
R$ 20,00
+ frete grátis



TEM GENTE QUE SÓ SE MATA POR ERRO DE CÁLCULO
TEM GENTE QUE SÓ SE MATA POR ERRO DE CÁLCULO
REDONDEZAS CONTOS
(2013)
R$ 11,00
+ frete grátis



LIBRAS, QUE LÍNGUA É ESSA?
AUDREI GESSER
PARÁBOLA
(2009)
R$ 10,00
+ frete grátis



THE POWER OF GENEROSITY
DAVE TOYCEN
AUTHENTIC MEDIA
(2004)
R$ 12,00
+ frete grátis



REDAÇÃO E INTERPRETÇÃO INSTRUMENTAL
WILSON DE ARAÚJO MELO
RIO
(1980)
R$ 9,00
+ frete grátis





busca | avançada
17058 visitas/dia
635 mil/mês