A idolatria do século XXI | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
45452 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil transmite desfile do Grupo de Acesso de São Paulo
>>> Documentário "Trieletrizado" destaca a malha multicultural do carnaval de Salvador
>>> Fotógrafo celebra esporte e felicidade no samba
>>> TV Brasil apresenta atrações do Carnaval de Salvador nesta sexta (5)
>>> A AUTOESTIMA DO SEU FILHO,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
>>> Terna e assustadora realidade
>>> De louco todos temos um pouco
>>> A coerência de Mauricio Macri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
>>> Vale a pena ver de novo
Últimos Posts
>>> ARQUITETURA ONÍRICA
>>> Sem pesos de consciência
>>> Falando das flores
>>> O espelho
>>> O que a morte disse para Hércules?
>>> Uber confusão
>>> Na solidão dos objetos (Objetos)
>>> AÇÃO DE GRAÇA
>>> Metáfora em cedro
>>> Quimeras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Free, de Chris Anderson
>>> O beatle George
>>> Cisne Negro
>>> Eugênio Christi
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Seu Mauro
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Entrevista de Emprego
>>> Entrevista de Aniversário
Mais Recentes
>>> O ministério celestial de Cristo
>>> JONAS- Um estudo sobre compaixão a do Senhor e a sua
>>> Vendo Cristo no Novo Testamento Vol 4 e 5
>>> Instruções Espirituais- Diálogos com Motovilov
>>> Revista Planeta 5 e 6
>>> Revista Planeta 3 e 4
>>> Rvista Planeta 1 e 2
>>> Morte em Pemberley
>>> Coleção A Ditadura - 4 volumes
>>> Bagagem perdida
>>> French Mapping Of The Americas - The De L' Isle, Buache, Dezauche Succession (1700-1830)
>>> Os redentores - Ideias e poder na América Latina
>>> Guia da medicina homeopática
>>> Pensar é transgredir
>>> O tempo é um rio que corre
>>> Pelas portas do coração
>>> Sementeira de Luz
>>> É tudo tão simples
>>> Mulheres audaciosas da Antiguidade
>>> As melhores histórias da mitologia - vol. 1
>>> Ghostlight - A Luz Espiritual
>>> Adeus Volodia
>>> A Viúva
>>> O Gato Brasileiro e Outros Contos Sensacionais
>>> O Segredo Mortal
>>> A Estátua de Mármore
>>> O Caminho de Volta
>>> As Possuídas
>>> Vernônia / Ironweed
>>> A Voz do Coração
>>> Não Mato por Prazer
>>> Caro Amor
>>> Mão de Chicote
>>> Um Ciclone na Jamaica
>>> A Pérola
>>> Horizonte Perdido
>>> Cartas do Pequeno Príncipe
>>> A Rua das Ilusões Perdidas
>>> A Mulher Pintada
>>> Amigas Íntimas
>>> Estas Fotos Foram Mandadas para Sua Esposa
>>> O Chefão Podearroz
>>> No País das Sombras Longas
>>> Ninja
>>> Arsenal de Família
>>> A Máquina do Amor
>>> Eterno Não É para Sempre
>>> KG 200 - o Esquadrão Fantasma
>>> A Vítima do Ano
>>> A História de Oliver
COLUNAS

Segunda-feira, 19/8/2002
A idolatria do século XXI
Marcelo Barbão

+ de 4000 Acessos

Recentemente, na busca por alguma coisa boa na televisão, passei por um desses programas de auditório tipo B, com um cenário pobre, algumas dançarinas que já foram gostosas antes da celulite atacar e uma platéia que participa mais pelo sanduíche de mortadela do que pelas atrações.

Mas, antes de continuar meu passeio pelos botões do controle remoto, fui pego pelo choro de um homem nos seus 50 anos. Eu conheço esse homem, foi meu pensamento na hora. E fiquei assistindo. Queria saber porque ele chorava. E descobri rapidamente. Sentados em banquinhos de plástico, uma série de artistas que fizeram sucesso no passado, reclamavam do esquecimento da mídia e pediam (era por isso que o homem chorava) uma nova chance.

Era a grande dicotomia moderna: a luta entre os famosos e os anônimos. Pois, esse é o tema do recém-lançado livro de Ignácio de Loyola Brandão, O Anônimo Célebre. Quando o anonimato passa a ser considerado uma doença, a doença-símbolo do século XXI, e vale qualquer coisa para "curar-se" dela, quando vale até transar na frente das câmeras, simular casamentos, brigas, reconciliações, quando começamos a pensar que até vale a pena morrer se nos transformarmos num mito, então podemos pensar que algum limite, em algum lugar, foi extrapolado.

O texto está construído como uma coleção de pequenas notas que Loyola foi coletando por vários anos (10, segundo o próprio autor) sobre a história do anônimo que queria ficar célebre. Tanto queria, que organizava, a seu redor, um pequeno exército de assessores (mais adiante, de acordo com a última tendência da moda, os assessores começaram a ser chamados de gurus - o conhecimento deles não mudou em nada, mas os cachês...) com a única incumbência de colocá-lo em evidência. Assim, para se manter up-to-date (será que ainda usam isto?) é necessário um assessor cultural, de tribos (criam-se novas todos os dias), de imagens, de patrocínios (afinal, depois de famoso, ninguém compra mais nada na vida - troca pelo uso de sua imagem, de serem vistos comendo naquele restaurante ou passeando nesse shopping) e um dos mais importantes de todos: o criador de falsos eventos. Loyola até dá uma excelente idéia para escritores talentosos mas sem oportunidades no terrível mercado editorial brasileiro: criador de causos para alimentar a biografia de famosos.

Entre os diversos momentos maravilhosos do livro, alguns mostram uma boa dose de inspiração, como o capítulo (não sei se o melhor seria chamar de capítulos ou notas, já que o livro lembra uma colagem de momentos como o autor já havia feito na época do O Verde Violentou o Muro e Zero) que mostra qual é o mais belo som da vida para alguém alucinado pela celebridade: o som do aplauso. Direcionado a ele, é claro. Talvez possamos complementar que o pior som do mundo seria o silêncio. O silêncio do desconhecimento e do anonimato. De não ser convidado para as festas da moda, de não ser entrevistado, de não ser chamado para dar sua opinião em programas de auditórios ou não mostrar aquela famosa receita de sua tia-avó naquele programa matinal.

O texto de Loyola é sempre interessante e fácil de ler. Neste novo livro ele, ajudado ainda pelo tema ultra-modernoso, brinca com formatos novos de linguagem como o quase-dialeto dos e-mails. Outro aspecto interessante é o uso de recursos gráficos, o que mais uma vez nos relembra os experimentalismos inovadores dos seus romances mais famosos. O resultado é um excelente livro que supera em muito suas últimas e medianas obras como O Homem que Odiava Segunda-Feira e o Anjo do Adeus.

Mas, apesar de ser um Manual para tornar-se um Famoso, algo me diz que o livro de Loyola não servirá para uma grande parte dos anônimos que vemos diariamente na TV, nas festas, em desfiles de escola de samba e em qualquer lugar onde houver uma câmera fotográfica ou de filmagem. As muitas citações, entre filmes, livros, filósofos, atores e escritores, colocam este livro acima da capacidade de qualquer um dos atuais candidatos ao estrelato global. Seria necessário acompanhar só por alguns momentos qualquer um dos (finalmente) finados programas BBB ou Casa dos Artistas para descobrir que seus participantes não seriam capazes de reconhecer nenhum dos "modelos" citados pelo escritor, como talvez não conhecessem o próprio Loyola. Estranha ironia.

O final da saga do nosso célebre anônimo ainda surpreende com um quê cortazariano que explica sem explicar. Loyola, dessa forma, consegue criar uma excelente novela dos tempos atuais onde desvenda a verdadeira arte que é manter-se em evidência. Os 12 anos à frente da Vogue, uma das publicações que tradicionalmente dita a moda e o comportamento deste mundo de famosos, certamente ajudaram na coleta do material para o manual dos Vir-a-Ser.

Para ir além



O anônimo célebre
Ignácio de Loyola Brandão
Ed. Global
379 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 19/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth' de Duanne Ribeiro
02. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
03. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
04. A proposta libertária de Gian Danton
05. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERTO DE CASA
PETER ROBINSON
RECORD
(2006)



2005 ANO APOSTÓLICO DE JOSUÉ 
APÓSTOLO ESTEVAM HERNANDES
IGREJA APOSTÓLICA RENASCER
(2009)



INTERNATIONAL FINANCE AND OPEN-ECONOMY MACROECONOMICS
GIANCARLO GANDOLFO
SPRINGER
(2002)
+ frete grátis



JARDIM DE HAIJIN
ALICE RUIZ S
ILUMINURAS
(2010)
+ frete grátis



A ORIGEM DAS ENFERMIDADES- PSÍQUICAS, ORGÂNICAS E SOCIAIS
NORBERTO R.KEPPE
PROTON
(2000)
+ frete grátis



A INVISÍVEL MÁQUINA DO MUNDO
MARIANNE WIGGINS
EDIOURO
(2005)
+ frete grátis



O MISTÈRIO DA VIRGEM DE GUADALUPE
J.J. BENITEZ
MERCURYO
(1991)
+ frete grátis



ARTHUR & GEORGE
JULIAN BARNES
ROCCO
(2016)
+ frete grátis



QUEBRA DE MALDIÇÃO - UMA PRÁTICA SUPERSTICIOSA ?
PAULO CESAR LIMA
CASA PUBLICADORA DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS
(2001)
+ frete grátis



IRENEU DE LIÃO- PATRÍSTICA
IRENEU DE LIÃO
PAULUS
(1995)
+ frete grátis





busca | avançada
45452 visitas/dia
1,5 milhão/mês