A idolatria do século XXI | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
33234 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Plante Uma Árvore em prol da sustentabilidade
>>> Sem Censura celebra parceria de Cauby Peixoto e Angela Maria
>>> Gambiarra Lab é um dos destaques do LabCriativo (RJ)
>>> NAVEGADOR AMYR KLINK É O ENTREVISTADO DO PROGRAMA FACE A FACE DESTA TERÇA-FEIRA (3/5)
>>> 'Fados' - exposição de Constança Lucas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> O suicídio na literatura
>>> 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton
>>> E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez
>>> Literatura engajada
>>> O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
Últimos Posts
>>> Ratazanas, moscas e abelhas
>>> Cabeça de Boi
>>> O trem da saudade
>>> Verdades sobre o mundo acadêmico
>>> O Inclassificável - A Sala Vazia
>>> O Inclassificável
>>> Apenas entreabertas as gavetas
>>> O Cárcere
>>> d'EUS
>>> 5 coisas que o escritor iniciante precisa saber
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> De Bach a Borges, com J. M. Coetzee
>>> De Bach a Borges, com J. M. Coetzee
>>> Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> Journey
>>> O pueril Capote
>>> Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche
>>> A vida secreta dos números, de George G. Szpiro
Mais Recentes
>>> REVIVAL
>>> MR MERCEDES
>>> COMO EU ERA ANTES DE VOCE
>>> DE VOLTA AO JOGO
>>> A Louca de Maigret
>>> O Burgomestre de Furnes
>>> Maigret e o Ministro
>>> A Fuga do Sr.Monde
>>> Maigret e o Corpo Sem Cabeça
>>> Mulher no Escuro
>>> Amigos, Amantes, Chocolate
>>> Morte de Um Holandês
>>> Uma Agulha Para o Diabo e Outras Histórias
>>> Unidos Para Sempre
>>> Pedaço do Meu Coração
>>> Anatomia de Um Crime
>>> Prenda-me, Por Favor
>>> O Homem dos Círculos Azuis
>>> Serena
>>> Beco dos Mortos
>>> Getúlio 1882-1930
>>> Revista Realidade
>>> Montenegro - As Aventuras do Marechal Que Fez Uma Revolução nos Céus do Brasil
>>> Além do Feijão Com Arroz
>>> Contos Escolhidos
>>> Bandeira de Bolso - Uma Anotologia Poética
>>> Às Cegas
>>> Microcosmos
>>> O Tempero da Vida e Outros Ensaios
>>> O Homem Eterno
>>> Bumerangue
>>> Rodolfo Theophilo - O Varão Benemérito da Pátria
>>> Dez Mil Guitarras
>>> A Auséncia Que Seremos
>>> Vozes
>>> Morte na Primavera
>>> Diário da Queda
>>> Scarpetta
>>> Um Safado em Dublin
>>> Sherlock Holmes & Einstein no Caso dos Cientistas Assassinados
>>> Mortalha Não Tem Bolso
>>> O Silêncio do Túmulo
>>> O Herói Discreto
>>> Os Irmãos Karamabloch - Ascensão e Queda de Um Império Familiar
>>> Trapaça Mortal
>>> Os Corvos de Hollywood
>>> O Jogo de Ripley
>>> Falcão - Meninos do Tráfico
>>> O Caso das Mangas Explosivas
>>> O Ancião Que Saiu Pela Janela e Desapareceu
COLUNAS

Segunda-feira, 19/8/2002
A idolatria do século XXI
Marcelo Barbão

+ de 4100 Acessos

Recentemente, na busca por alguma coisa boa na televisão, passei por um desses programas de auditório tipo B, com um cenário pobre, algumas dançarinas que já foram gostosas antes da celulite atacar e uma platéia que participa mais pelo sanduíche de mortadela do que pelas atrações.

Mas, antes de continuar meu passeio pelos botões do controle remoto, fui pego pelo choro de um homem nos seus 50 anos. Eu conheço esse homem, foi meu pensamento na hora. E fiquei assistindo. Queria saber porque ele chorava. E descobri rapidamente. Sentados em banquinhos de plástico, uma série de artistas que fizeram sucesso no passado, reclamavam do esquecimento da mídia e pediam (era por isso que o homem chorava) uma nova chance.

Era a grande dicotomia moderna: a luta entre os famosos e os anônimos. Pois, esse é o tema do recém-lançado livro de Ignácio de Loyola Brandão, O Anônimo Célebre. Quando o anonimato passa a ser considerado uma doença, a doença-símbolo do século XXI, e vale qualquer coisa para "curar-se" dela, quando vale até transar na frente das câmeras, simular casamentos, brigas, reconciliações, quando começamos a pensar que até vale a pena morrer se nos transformarmos num mito, então podemos pensar que algum limite, em algum lugar, foi extrapolado.

O texto está construído como uma coleção de pequenas notas que Loyola foi coletando por vários anos (10, segundo o próprio autor) sobre a história do anônimo que queria ficar célebre. Tanto queria, que organizava, a seu redor, um pequeno exército de assessores (mais adiante, de acordo com a última tendência da moda, os assessores começaram a ser chamados de gurus - o conhecimento deles não mudou em nada, mas os cachês...) com a única incumbência de colocá-lo em evidência. Assim, para se manter up-to-date (será que ainda usam isto?) é necessário um assessor cultural, de tribos (criam-se novas todos os dias), de imagens, de patrocínios (afinal, depois de famoso, ninguém compra mais nada na vida - troca pelo uso de sua imagem, de serem vistos comendo naquele restaurante ou passeando nesse shopping) e um dos mais importantes de todos: o criador de falsos eventos. Loyola até dá uma excelente idéia para escritores talentosos mas sem oportunidades no terrível mercado editorial brasileiro: criador de causos para alimentar a biografia de famosos.

Entre os diversos momentos maravilhosos do livro, alguns mostram uma boa dose de inspiração, como o capítulo (não sei se o melhor seria chamar de capítulos ou notas, já que o livro lembra uma colagem de momentos como o autor já havia feito na época do O Verde Violentou o Muro e Zero) que mostra qual é o mais belo som da vida para alguém alucinado pela celebridade: o som do aplauso. Direcionado a ele, é claro. Talvez possamos complementar que o pior som do mundo seria o silêncio. O silêncio do desconhecimento e do anonimato. De não ser convidado para as festas da moda, de não ser entrevistado, de não ser chamado para dar sua opinião em programas de auditórios ou não mostrar aquela famosa receita de sua tia-avó naquele programa matinal.

O texto de Loyola é sempre interessante e fácil de ler. Neste novo livro ele, ajudado ainda pelo tema ultra-modernoso, brinca com formatos novos de linguagem como o quase-dialeto dos e-mails. Outro aspecto interessante é o uso de recursos gráficos, o que mais uma vez nos relembra os experimentalismos inovadores dos seus romances mais famosos. O resultado é um excelente livro que supera em muito suas últimas e medianas obras como O Homem que Odiava Segunda-Feira e o Anjo do Adeus.

Mas, apesar de ser um Manual para tornar-se um Famoso, algo me diz que o livro de Loyola não servirá para uma grande parte dos anônimos que vemos diariamente na TV, nas festas, em desfiles de escola de samba e em qualquer lugar onde houver uma câmera fotográfica ou de filmagem. As muitas citações, entre filmes, livros, filósofos, atores e escritores, colocam este livro acima da capacidade de qualquer um dos atuais candidatos ao estrelato global. Seria necessário acompanhar só por alguns momentos qualquer um dos (finalmente) finados programas BBB ou Casa dos Artistas para descobrir que seus participantes não seriam capazes de reconhecer nenhum dos "modelos" citados pelo escritor, como talvez não conhecessem o próprio Loyola. Estranha ironia.

O final da saga do nosso célebre anônimo ainda surpreende com um quê cortazariano que explica sem explicar. Loyola, dessa forma, consegue criar uma excelente novela dos tempos atuais onde desvenda a verdadeira arte que é manter-se em evidência. Os 12 anos à frente da Vogue, uma das publicações que tradicionalmente dita a moda e o comportamento deste mundo de famosos, certamente ajudaram na coleta do material para o manual dos Vir-a-Ser.

Para ir além



O anônimo célebre
Ignácio de Loyola Brandão
Ed. Global
379 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 19/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Daniel Frazão e a cidade sitiada de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEMÓRIAS DE ADRIANO
MARGUERITE YOURCENAR
RECORD
(1995)



ESCRAVOS E DOMÉSTICOS NA IDADE MÉDIA
JACQUES HEERS
DIFEL
(1983)



ANTES QUE OS PÁSSAROS ACORDEM
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1987)
+ frete grátis



ARQUIVOS DE NEURO - PSIQUIATRIA - VOL. 59 - N.º 2-B - JUNHO 2001
ANTONIO SPINA-FRANÇA (DIRETOR EXECUTIVO)
ACADEMIA BRASILEIRA DE NEUROLOGIA - ASSOCIAÇÃO ARQUIVOS DE NEURO-PSIQUIATRIA DR. OSVALDO LANGE
(2001)
+ frete grátis



PERTO DE CASA
PETER ROBINSON
RECORD
(2006)
+ frete grátis



O MISTÉRIO DAS CATEDRAIS-E A INTERPRETAÇÃO ESOTÉRICA DOS SÍMBOLOS HERMÉTICOS DA GRANDE OBRA
FULCANELLI (LOUIS CHARPENTIER)
70
(1964)
+ frete grátis



CIÊNCIA POLÍTICA
PAULO BONAVIDES
FORENSE
(1992)
+ frete grátis



TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO
HENRY MILLER
IBRASA
(1994)
+ frete grátis



AMES EM PROSA E VERSO - ANTOLOGIA III
DJACYR VIEIRA ALVES ET AL.
AMES
(2012)
+ frete grátis



O ZAHIR
PAULO COELHO
ROCCO
(2005)
+ frete grátis





busca | avançada
33234 visitas/dia
1,1 milhão/mês