Joey e Johnny Ramone | André Barcinski

busca | avançada
35261 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> "Te Amo, Franco Roo!", espetáculo que homenageia a Praça Roosevelt, estreia dia 08 de maio
>>> Plante Uma Árvore em prol da sustentabilidade
>>> Sem Censura celebra parceria de Cauby Peixoto e Angela Maria
>>> Gambiarra Lab é um dos destaques do LabCriativo (RJ)
>>> NAVEGADOR AMYR KLINK É O ENTREVISTADO DO PROGRAMA FACE A FACE DESTA TERÇA-FEIRA (3/5)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> O suicídio na literatura
>>> 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton
>>> E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez
>>> Literatura engajada
>>> O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
Últimos Posts
>>> Ratazanas, moscas e abelhas
>>> Cabeça de Boi
>>> O trem da saudade
>>> Verdades sobre o mundo acadêmico
>>> O Inclassificável - A Sala Vazia
>>> O Inclassificável
>>> Apenas entreabertas as gavetas
>>> O Cárcere
>>> d'EUS
>>> 5 coisas que o escritor iniciante precisa saber
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> De Bach a Borges, com J. M. Coetzee
>>> De Bach a Borges, com J. M. Coetzee
>>> Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> Journey
Mais Recentes
>>> Marxisme et theorie de la personnalité
>>> REVIVAL
>>> MR MERCEDES
>>> COMO EU ERA ANTES DE VOCE
>>> DE VOLTA AO JOGO
>>> A Louca de Maigret
>>> O Burgomestre de Furnes
>>> Maigret e o Ministro
>>> A Fuga do Sr.Monde
>>> Maigret e o Corpo Sem Cabeça
>>> Mulher no Escuro
>>> Amigos, Amantes, Chocolate
>>> Morte de Um Holandês
>>> Uma Agulha Para o Diabo e Outras Histórias
>>> Unidos Para Sempre
>>> Pedaço do Meu Coração
>>> Anatomia de Um Crime
>>> Prenda-me, Por Favor
>>> O Homem dos Círculos Azuis
>>> Serena
>>> Beco dos Mortos
>>> Getúlio 1882-1930
>>> Revista Realidade
>>> Montenegro - As Aventuras do Marechal Que Fez Uma Revolução nos Céus do Brasil
>>> Além do Feijão Com Arroz
>>> Contos Escolhidos
>>> Bandeira de Bolso - Uma Anotologia Poética
>>> Às Cegas
>>> Microcosmos
>>> O Tempero da Vida e Outros Ensaios
>>> O Homem Eterno
>>> Bumerangue
>>> Rodolfo Theophilo - O Varão Benemérito da Pátria
>>> Dez Mil Guitarras
>>> A Auséncia Que Seremos
>>> Vozes
>>> Morte na Primavera
>>> Diário da Queda
>>> Scarpetta
>>> Um Safado em Dublin
>>> Sherlock Holmes & Einstein no Caso dos Cientistas Assassinados
>>> Mortalha Não Tem Bolso
>>> O Silêncio do Túmulo
>>> O Herói Discreto
>>> Os Irmãos Karamabloch - Ascensão e Queda de Um Império Familiar
>>> Trapaça Mortal
>>> Os Corvos de Hollywood
>>> O Jogo de Ripley
>>> Falcão - Meninos do Tráfico
>>> O Caso das Mangas Explosivas
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/10/2011
Joey e Johnny Ramone
André Barcinski

+ de 18500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dez anos sem Joey Ramone. Dez anos. Como passa rápido.

Em janeiro de 2001, eu editava um site e estava trocando e-mails diariamente com Joey Ramone. Queria que ele escrevesse uma coluna semanal para o site.

A idéia era fazer uma coluna de tema livre. Joey poderia falar sobre o que quisesse.

Claro que a coluna acabaria sempre em música. O cara só pensava nisso.

Joey morava na rua 9, a poucos passos de St. Mark's Place e do Bowery, no meio do burburinho alternativo de Nova York.

Era a região dos clubes ― Continental, Coney Island High e, claro, o CBGB's. No bairro havia também incontáveis lojas de disco e DVDs. Joey estava em casa.

Não era difícil encontrá-lo andando pela rua ou checando a Kim's Video atrás de algum filme de terror bizarro. Ele fazia parte da paisagem local.

Na época, Joey já lutava contra um linfoma. Sua saúde frágil foi uma das razões para o fim dos Ramones, cinco anos antes. O cara não agüentava mais excursionar.

Depois do fim dos Ramones, ele continuou ligado à música, mas tirou o pé do acelerador. Estava cansado. Mesmo assim, fazia shows, produziu um disco de Ronnie Spector e ajudava uma banda chamada The Independents, que adorava.

Fui visitá-lo algumas vezes em seu apartamento. Era um apê muito bem arrumado. Nem parecia que um punk morava ali. Nas paredes, uma coleção de pôsteres originais de shows do Fillmore: The Doors, Jimi Hendrix, Grateful Dead. Discos estavam sempre espalhados pela casa. Ele ouvia música o dia todo.

Joey não gostava muito de falar do passado. Preferia conversar sobre seus projetos atuais.

Mas confessou que o fim dos Ramones não tinha sido o que ele esperava.

Para quem não lembra, o último show da banda rolou em Los Angeles, em 1996.

E por que em Los Angeles, e não em Nova York? De fato, não fazia sentido a banda mais nova-iorquina do mundo encerrar a carreira do outro lado do país.

Acontece que Johnny Ramone havia se mudado para a Califórnia, e se recusava a sair de lá. Ou era lá, ou não haveria show de despedida. Joey, que sonhava com um concerto no Madison Square Garden, teve de engolir.

Não é segredo pra ninguém que Joey e Johnny não se bicavam. Eram os verdadeiros donos da banda, os dois integrantes originais que resistiram até o fim. E mal se falaram por 20 anos.

Não podia existir dois caras tão diferentes: Joey era de esquerda, Johnny, de direita. Joey odiava esportes, Johnny era louco pelos Yankees. Joey era mais aberto, falava com todo mundo, enquanto Johnny era caladão e na dele.

Pra piorar, a namorada de Joey o havia largado por Johnny e casado com ele.

A bem da verdade, Johnny sempre foi ― pelo menos comigo ― um cara 100%. Era fechadão, mas quando o papo chegava em rock dos anos 60 ou filmes de terror, se abria. Era muito fã de Zé do Caixão e tinha uma coleção gigante de filmes antigos.

O que ninguém sabia, na época, é que Johnny também batalhava um câncer de próstata, que o mataria em 2004.

Quando os Ramones acabaram, Johnny abandonou a música: vendeu suas guitarras Mosrite (dizem que para Eddie Vedder) e passou seus últimos anos no sol californiano, ao lado de amigos como John Frusciante, Lux Interior e Poison Ivy e, acredite, Lisa-Marie Presley.

Já Joey, numa manhã de janeiro, depois de uma nevasca que deixou as ruas de Nova York cobertas de gelo, correu para pegar um táxi, escorregou e tomou um tombo feio. Quebrou a bacia e foi levado para um hospital, de onde só saiu morto.

Foi homenageado com um trecho de rua batizado em seu nome. A placa ― Joey Ramone Place ― tem o privilégio de ser o sinal público mais roubado da história da cidade de Nova York. Tanto que a prefeitura, cansada de substituí-la, mandou colocá-la a quatro metros do chão.

"Agora, só jogadores da NBA conseguem ler a placa", brincou Marky Ramone. Nem Joey, que media quase dois metros, conseguiria ler o próprio nome...

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de André Barcinski.


André Barcinski
São, 24/10/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jane Fonda em biografia definitiva de Sonia Nolasco
02. Psicodelia para Principiantes de José Augusto Lemos
03. Sermão ao cadáver de Amy de João Pereira Coutinho
04. Amy e a hipocrisia coletiva de André Barcinski
05. Leonard Cohen de Mariana Ianelli


Mais André Barcinski
Mais Acessados de André Barcinski
01. Joey e Johnny Ramone - 24/10/2011
02. Manifesto da culinária ogra - 28/2/2011
03. Amy e a hipocrisia coletiva - 8/8/2011
04. Manual do Publicitário - 6/6/2011
05. Meu vizinho conversa com Deus - 8/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/1/2012
18h40min
Cara!... Quer coisa mais rock'n'roll do que a morte de rockers?... Putz... Ironia também não falta... Já pensou os dois cabeças do Ramones sequer se falarem por tanto tempo?... Superstars Rock'n'Roll x Superegos... Fazer o quê?... Já quanto ao legado ramônico, incontestável...
[Leia outros Comentários de Pedro Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ABOLICIONISMO
JOAQUIM NABUCO
NOVA FRONTEIRA
(2000)
+ frete grátis



O MAR QUE A NOITE ESCONDE
ARAMIS RIBEIRO COSTA
ILUMINURAS
(1999)
+ frete grátis



INSPIRAÇÃO
CHICO XAVIER E EMMANUEL *ESPÍRITO*
GEEM GRUPO ESPÍRITA EMMANUEL
(1978)
+ frete grátis



A CABEÇA
LUIZ VILELA
COSAC & NAIFY
(2002)
+ frete grátis



COM OS OLHOS DO CORAÇÃO
JOSÉ CARLOS DE LUCCA
PETIT
(2005)
+ frete grátis



HORA CERTA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/EMMANUEL
GEEM
(2010)
+ frete grátis



VEJO VOCÊS EM BREVE
MARY HIGGINS CLARK
ROCCO
(1994)
+ frete grátis



ANTROPOLOGIA ESTRUTURAL
CLAUDE LÉVI-STRAUSS
TEMPO BRASILEIRO
(1967)
+ frete grátis



MARXISMO EXISTENCIALISMO PERSONALISMO
JEAN LACROIX
PAZ E TERRA
(1967)
+ frete grátis



OS PASSOS PERDIDOS
ALEJO CARPENTIER
BRASILIENSE
(1985)
+ frete grátis





busca | avançada
35261 visitas/dia
1,1 milhão/mês