Joey e Johnny Ramone | André Barcinski

busca | avançada
42710 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> América Latina, ainda em construção
>>> Isto não é um trote
>>> O cinema de Weerasethakul
>>> Para que serve a poesia?
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte III)
>>> Zizitinho Foi Para o Céu
>>> Um DJ no mundo comunista
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte II)
>>> Contra a breguice no Facebook
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Chega de Saudade by Mehmari
>>> The Daily Zen Podcast
>>> Podres de Mimados, por Pondé
>>> CaKo Machini
>>> O direito à literatura
>>> Renato Alessandro dos Santos
>>> Vininha F. Carvalho
>>> Mirian de Carvalho
>>> Hector Ângelo
>>> Anchieta Rocha
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> O bem e o mal que o cinema fez a Faulkner
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> Derrotado
>>> Cinema brasileiro agora é notícia. Por quê?
>>> Desconstruindo o Russo
>>> Coque, o violeiro de uma mão só
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> As novas estantes virtuais
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/10/2011
Joey e Johnny Ramone
André Barcinski

+ de 17000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dez anos sem Joey Ramone. Dez anos. Como passa rápido.

Em janeiro de 2001, eu editava um site e estava trocando e-mails diariamente com Joey Ramone. Queria que ele escrevesse uma coluna semanal para o site.

A idéia era fazer uma coluna de tema livre. Joey poderia falar sobre o que quisesse.

Claro que a coluna acabaria sempre em música. O cara só pensava nisso.

Joey morava na rua 9, a poucos passos de St. Mark's Place e do Bowery, no meio do burburinho alternativo de Nova York.

Era a região dos clubes ― Continental, Coney Island High e, claro, o CBGB's. No bairro havia também incontáveis lojas de disco e DVDs. Joey estava em casa.

Não era difícil encontrá-lo andando pela rua ou checando a Kim's Video atrás de algum filme de terror bizarro. Ele fazia parte da paisagem local.

Na época, Joey já lutava contra um linfoma. Sua saúde frágil foi uma das razões para o fim dos Ramones, cinco anos antes. O cara não agüentava mais excursionar.

Depois do fim dos Ramones, ele continuou ligado à música, mas tirou o pé do acelerador. Estava cansado. Mesmo assim, fazia shows, produziu um disco de Ronnie Spector e ajudava uma banda chamada The Independents, que adorava.

Fui visitá-lo algumas vezes em seu apartamento. Era um apê muito bem arrumado. Nem parecia que um punk morava ali. Nas paredes, uma coleção de pôsteres originais de shows do Fillmore: The Doors, Jimi Hendrix, Grateful Dead. Discos estavam sempre espalhados pela casa. Ele ouvia música o dia todo.

Joey não gostava muito de falar do passado. Preferia conversar sobre seus projetos atuais.

Mas confessou que o fim dos Ramones não tinha sido o que ele esperava.

Para quem não lembra, o último show da banda rolou em Los Angeles, em 1996.

E por que em Los Angeles, e não em Nova York? De fato, não fazia sentido a banda mais nova-iorquina do mundo encerrar a carreira do outro lado do país.

Acontece que Johnny Ramone havia se mudado para a Califórnia, e se recusava a sair de lá. Ou era lá, ou não haveria show de despedida. Joey, que sonhava com um concerto no Madison Square Garden, teve de engolir.

Não é segredo pra ninguém que Joey e Johnny não se bicavam. Eram os verdadeiros donos da banda, os dois integrantes originais que resistiram até o fim. E mal se falaram por 20 anos.

Não podia existir dois caras tão diferentes: Joey era de esquerda, Johnny, de direita. Joey odiava esportes, Johnny era louco pelos Yankees. Joey era mais aberto, falava com todo mundo, enquanto Johnny era caladão e na dele.

Pra piorar, a namorada de Joey o havia largado por Johnny e casado com ele.

A bem da verdade, Johnny sempre foi ― pelo menos comigo ― um cara 100%. Era fechadão, mas quando o papo chegava em rock dos anos 60 ou filmes de terror, se abria. Era muito fã de Zé do Caixão e tinha uma coleção gigante de filmes antigos.

O que ninguém sabia, na época, é que Johnny também batalhava um câncer de próstata, que o mataria em 2004.

Quando os Ramones acabaram, Johnny abandonou a música: vendeu suas guitarras Mosrite (dizem que para Eddie Vedder) e passou seus últimos anos no sol californiano, ao lado de amigos como John Frusciante, Lux Interior e Poison Ivy e, acredite, Lisa-Marie Presley.

Já Joey, numa manhã de janeiro, depois de uma nevasca que deixou as ruas de Nova York cobertas de gelo, correu para pegar um táxi, escorregou e tomou um tombo feio. Quebrou a bacia e foi levado para um hospital, de onde só saiu morto.

Foi homenageado com um trecho de rua batizado em seu nome. A placa ― Joey Ramone Place ― tem o privilégio de ser o sinal público mais roubado da história da cidade de Nova York. Tanto que a prefeitura, cansada de substituí-la, mandou colocá-la a quatro metros do chão.

“Agora, só jogadores da NBA conseguem ler a placa”, brincou Marky Ramone. Nem Joey, que media quase dois metros, conseguiria ler o próprio nome...

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de André Barcinski.


André Barcinski
São, 24/10/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembranças de Ariano Suassuna de Leandro Carvalho
02. De Kooning em retrospectiva de Sonia Nolasco
03. Allen Stewart Konigsberg de André Forastieri
04. A Empulhação Esportiva de André Forastieri
05. Meu vizinho conversa com Deus de André Barcinski


Mais André Barcinski
Mais Acessados de André Barcinski
01. Joey e Johnny Ramone - 24/10/2011
02. Manifesto da culinária ogra - 28/2/2011
03. Amy e a hipocrisia coletiva - 8/8/2011
04. Manual do Publicitário - 6/6/2011
05. Meu vizinho conversa com Deus - 8/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/1/2012
18h40min
Cara!... Quer coisa mais rock'n'roll do que a morte de rockers?... Putz... Ironia também não falta... Já pensou os dois cabeças do Ramones sequer se falarem por tanto tempo?... Superstars Rock'n'Roll x Superegos... Fazer o quê?... Já quanto ao legado ramônico, incontestável...
[Leia outros Comentários de Pedro Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

>>> Teatro do Incêndio homenageia Fauzi Arap com "Pano de Boca"
>>> Ver TV discute a propaganda de medicamentos e seus riscos à sociedade
>>> Cineclube Araucária reverencia Alberto Cavalcanti na série Memória do Cinema Paulista
>>> Leda Nagle recebe a banda Pato Fu no Sem Censura
>>> JORGE GARCIA APRESENTA ROTATÓRIA NA CAPITAL 35
>>> DUO LÉA FREIRE E AMILTON GODOY NO PROJETO #MÚSICAPRASERFELIZ
* clique para encaminhar

Nova Fronteira
Best Seller
WMF Martins Fontes
Arquipélago Editorial
Primavera Editorial
Cortez Editora
Bertrand Brasil
Globo Livros
Intrínseca
Editora Perspectiva
Hedra
Companhia das Letras
José Olympio
Civilização Brasileira
Editora Conteúdo
Editora Record
LIVROS


MINHA ALMA PARA LEVAR
RACHEL VINCENT

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



ECLIPSE - CAPA DO FILME
STEPHENIE MEYER

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



ACIDENTES DO TRABALHO
GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA

De R$ 56,00
Por R$ 28,00
50% off
+ frete grátis



OS LENTOS ANOS DE SANTINHA NA COMPANHIA DE EMILIANA
ELIZIÁRIO GOULART ROCHA

De R$ 30,00
Por R$ 15,00
50% off
+ frete grátis



WHITNEY, MEU AMOR
JUDITH MCNAUGHT

De R$ 22,00
Por R$ 11,00
50% off
+ frete grátis



ALÉM DO ARCO-ÍRIS
ROBERTO PROCÓPIO DE LIMA NETTO

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



O ATIRADOR DE IDEIAS
ADILSON XAVIER

De R$ 24,90
Por R$ 12,45
50% off
+ frete grátis



O INCONFORMISTA
ALBERTO ABADESSA

De R$ 20,00
Por R$ 10,00
50% off
+ frete grátis



COLÔNIA FLORESCER
ANGELA COUTINHO

De R$ 22,00
Por R$ 11,00
50% off
+ frete grátis



O GIRASSOL NA VENTANIA
MARCO DE CURTIS

De R$ 34,00
Por R$ 17,00
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
42710 visitas/dia
1,5 milhão/mês