Joey e Johnny Ramone | André Barcinski

busca | avançada
31000 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Arte Em Tempo Real !
>>> ALICE BAR REALIZA FEIJOADA EM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO SAMBA
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta: Cadê Noel? - uma fábula do natal.
>>> CONCURSO QUER RELEVAR NOVOS TALENTOS PELO BRASIL
>>> DE BRONZE, MAS COM GOSTINHO DE OURO OLÍMPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
>>> Taxi Driver 40 anos - um retrovisor do presente.
>>> Rio, ontem e hoje
>>> Arrogância
>>> Febre dos metais
>>> Fogo que se alastra
>>> Prazer, meu nome é corrida!
>>> Fidel era uma celebridade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor e dor para crianças em três passos
>>> Are Newspapers Doomed?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Diga: trinta e três
>>> Mito da caverna
>>> BRIO
>>> Vontade de abraçar o mundo
>>> O limite de um artista
>>> Os bastidores da crônica
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
Mais Recentes
>>> O Magnífico
>>> Viagem ao centro da Terra
>>> Moll Flanders
>>> O Amante de Lady Chatterley
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick
>>> Os Trabalhadores do Mar
>>> X-Men A Era do Apocalipse Volume 3
>>> Os Subterrâneos do Vaticano
>>> O Médico e o Monstro
>>> Ferreira Gullar - Toda Poesia
>>> As Aventuras de Tom Sawyer
>>> X-Men A Era do Apocalipse Volume 2
>>> Aventuras de Huck
>>> Vida de Don Quijote y Sancho (em espanhol) raridade
>>> A ilha perdida
>>> Novo Curso De Direito Processual Civil - Volume 1
>>> A Grande Jogada
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> O Carvalho E O Bezerro
>>> Tópicos Em Bancos De Dados, Multimídia E Web
>>> Saúde Coletiva
>>> Loucuras Do Futebol
>>> O Caminho Quádruplo
>>> Terceirização E Multifuncionalidade
>>> A Doçura Do Mundo
>>> Besouro Azul Ano Um Encadernado Novo Lacrado Matt Wagner
>>> Bandidos, Forasteiros E Intrusos
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> Diário De Uma Encrenqueira: Pérolas Ou Pegas
>>> Lendas Do Índio Brasileiro
>>> Direito Administrativo
>>> Nunca Antes Na História Deste País
>>> Histórias Para O Coração
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Física Para O 2º Grau: Termologia E Óptica
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Eternidade Mortal
>>> Honoráveis Bandidos: Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Paratii: Entre Dois Polos
>>> DC 2000 22 Legião Keith Giffen Alan Grant
>>> Mães Pais & Filhos
>>> Impressão De Jornalista
>>> Que Cara Tem O Aroeira?
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.4
>>> A Sombra Materna
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.3
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.2
>>> Comentários À Lei Dos Juizados Especiais Federais Cíveis
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.1
>>> Guia Prático Enem: Matemática E Suas Tecnologias
ENSAIOS

Segunda-feira, 24/10/2011
Joey e Johnny Ramone
André Barcinski

+ de 19100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Dez anos sem Joey Ramone. Dez anos. Como passa rápido.

Em janeiro de 2001, eu editava um site e estava trocando e-mails diariamente com Joey Ramone. Queria que ele escrevesse uma coluna semanal para o site.

A idéia era fazer uma coluna de tema livre. Joey poderia falar sobre o que quisesse.

Claro que a coluna acabaria sempre em música. O cara só pensava nisso.

Joey morava na rua 9, a poucos passos de St. Mark's Place e do Bowery, no meio do burburinho alternativo de Nova York.

Era a região dos clubes ― Continental, Coney Island High e, claro, o CBGB's. No bairro havia também incontáveis lojas de disco e DVDs. Joey estava em casa.

Não era difícil encontrá-lo andando pela rua ou checando a Kim's Video atrás de algum filme de terror bizarro. Ele fazia parte da paisagem local.

Na época, Joey já lutava contra um linfoma. Sua saúde frágil foi uma das razões para o fim dos Ramones, cinco anos antes. O cara não agüentava mais excursionar.

Depois do fim dos Ramones, ele continuou ligado à música, mas tirou o pé do acelerador. Estava cansado. Mesmo assim, fazia shows, produziu um disco de Ronnie Spector e ajudava uma banda chamada The Independents, que adorava.

Fui visitá-lo algumas vezes em seu apartamento. Era um apê muito bem arrumado. Nem parecia que um punk morava ali. Nas paredes, uma coleção de pôsteres originais de shows do Fillmore: The Doors, Jimi Hendrix, Grateful Dead. Discos estavam sempre espalhados pela casa. Ele ouvia música o dia todo.

Joey não gostava muito de falar do passado. Preferia conversar sobre seus projetos atuais.

Mas confessou que o fim dos Ramones não tinha sido o que ele esperava.

Para quem não lembra, o último show da banda rolou em Los Angeles, em 1996.

E por que em Los Angeles, e não em Nova York? De fato, não fazia sentido a banda mais nova-iorquina do mundo encerrar a carreira do outro lado do país.

Acontece que Johnny Ramone havia se mudado para a Califórnia, e se recusava a sair de lá. Ou era lá, ou não haveria show de despedida. Joey, que sonhava com um concerto no Madison Square Garden, teve de engolir.

Não é segredo pra ninguém que Joey e Johnny não se bicavam. Eram os verdadeiros donos da banda, os dois integrantes originais que resistiram até o fim. E mal se falaram por 20 anos.

Não podia existir dois caras tão diferentes: Joey era de esquerda, Johnny, de direita. Joey odiava esportes, Johnny era louco pelos Yankees. Joey era mais aberto, falava com todo mundo, enquanto Johnny era caladão e na dele.

Pra piorar, a namorada de Joey o havia largado por Johnny e casado com ele.

A bem da verdade, Johnny sempre foi ― pelo menos comigo ― um cara 100%. Era fechadão, mas quando o papo chegava em rock dos anos 60 ou filmes de terror, se abria. Era muito fã de Zé do Caixão e tinha uma coleção gigante de filmes antigos.

O que ninguém sabia, na época, é que Johnny também batalhava um câncer de próstata, que o mataria em 2004.

Quando os Ramones acabaram, Johnny abandonou a música: vendeu suas guitarras Mosrite (dizem que para Eddie Vedder) e passou seus últimos anos no sol californiano, ao lado de amigos como John Frusciante, Lux Interior e Poison Ivy e, acredite, Lisa-Marie Presley.

Já Joey, numa manhã de janeiro, depois de uma nevasca que deixou as ruas de Nova York cobertas de gelo, correu para pegar um táxi, escorregou e tomou um tombo feio. Quebrou a bacia e foi levado para um hospital, de onde só saiu morto.

Foi homenageado com um trecho de rua batizado em seu nome. A placa ― Joey Ramone Place ― tem o privilégio de ser o sinal público mais roubado da história da cidade de Nova York. Tanto que a prefeitura, cansada de substituí-la, mandou colocá-la a quatro metros do chão.

"Agora, só jogadores da NBA conseguem ler a placa", brincou Marky Ramone. Nem Joey, que media quase dois metros, conseguiria ler o próprio nome...

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog de André Barcinski.


André Barcinski
São, 24/10/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dizem que a crítica acabou; só se foi quando o verão chegou de Luís Antônio Giron


Mais André Barcinski
Mais Acessados de André Barcinski
01. Joey e Johnny Ramone - 24/10/2011
02. Manifesto da culinária ogra - 28/2/2011
03. Amy e a hipocrisia coletiva - 8/8/2011
04. Manual do Publicitário - 6/6/2011
05. Meu vizinho conversa com Deus - 8/11/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/1/2012
18h40min
Cara!... Quer coisa mais rock'n'roll do que a morte de rockers?... Putz... Ironia também não falta... Já pensou os dois cabeças do Ramones sequer se falarem por tanto tempo?... Superstars Rock'n'Roll x Superegos... Fazer o quê?... Já quanto ao legado ramônico, incontestável...
[Leia outros Comentários de Pedro Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O AUTO DE SÃO LOURENÇO - JOSÉ DE ANCHIETA
JOSÉ DE ANCHIETA
EDIOURO



CONCEITOS DA PSICANÁLISE - DEPRESSÃO- VOL 14
JEREMY HOLMES
VIVER
(2005)



ANEDOTA DO DESTINO
KAREN BLIXEN
COSAC NAIFY
(2007)



SPAS: ALQUIMIA DE UMA JORNADA
LIGIA DA LUZ POSSER
BESOUROBOX



DAVID STRAUSS: SECTÁRIO E ESCRITOR - NIETZSCHE
NIETZSCHE
ESCALA
(2008)



O PODER DO OTIMISMO
NORMAN VINCENT PEALE
CULTRIX
(1961)



LUZ VERMELHA QUE SE AZULA
NILTO MACIEL
BESTIÁRIO
(2011)



MARCADA
P. C. CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)



LA LEYENDA DEL ANILLO DE SAKUNTALA (TEATRO CHINÊS) (TEATRO INFANTIL)
MICHEL MARTÍN PÉREZ
EDICIONES MECENAS
(2003)



VERSOS ALVISSAREIROS
EMÍLIO TAPIOCA
KALANGO
(2013)





busca | avançada
31000 visitas/dia
957 mil/mês