Digestivo nº 12 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
Mais Recentes
>>> 12 Meses para Enriquecer - o Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> A Filha do Restaurador de Ossos de Amy Tan pela Rocco (2002)
>>> Outsiders: Vidas sem Rumo de Susan E. Hinton pela Brasiliense (1985)
>>> Repensando uma Cultura de Paz e Liberdade de Carlos Góes / Acácio Alvarenga / Átila da Veiga pela Unb (2010)
>>> Míni Aurélio de Marina Baird Ferreira pela Positivo (2006)
>>> Vaticano de Edizioni Musei Vatican pela Portoghese
>>> Konig de Ana Rita Petraroli pela Scortecci (2012)
>>> Comentários ao Código Tributário Nacional, Vol. II de Hugo de Brito Machado pela Atlas (2004)
>>> Chic Homen: Manual de Moda e Estilo de Gloria Kalil pela Senac (2004)
>>> O Ciclo das Aguas de Moacyr Scliar pela L&pm (2010)
>>> Contos de Lugares Distantes de Shaun Tan pela Cosac Naify (2008)
>>> B is For Burglar: Intermediate (macmillan Readers) de Sue Grafton pela Macmillan Education (2005)
>>> Sucessão: Charges no Jornal do Brasil de Barcímio Amaral e Outros pela Jornal do Brasil (1983)
>>> Os cientistas e seus experimento de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Seguinte (2007)
>>> Ninguém Pode Saber de Karin Slaughter pela Harper Collins (2019)
>>> Aqui e Agora de Saul Bellow pela Bloch (1967)
>>> Innovation - the Attackers Advantage de Richard Foster pela vSummit Books (1986)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Filosofia de Paul Kleinman pela Gente (2014)
>>> Ana Terra de Erico Verissimo pela Globo (1979)
>>> Quando é Preciso Ser Forte Autobriografia de De Rose pela Egrégora (2012)
>>> The Bat Scientists de Mary Kay Carson pela Desconhecida
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro (de Bolso) de Fernando Pessoa pela Companhia das Letras (2005)
>>> Estrelas Fritas com Açúcar de Leticia Wierzchowski pela Planeta (2020)
>>> Derivatives in Financial Markets With Stochastic Volatility de Jean-pierre Fouque; George Papanicolaou pela Cambridge University Press (2000)
>>> Contos de Voltaire pela Abril (1972)
DIGESTIVOS

Terça-feira, 5/12/2000
Digestivo nº 12
Julio Daio Borges

+ de 800 Acessos




Além do Mais >>> Hoje é o dia mais feliz da minha vida
Gustavo Kuerten é o nº 1. A frase, por si só, dispensa comentários. Guga subjugou, em dois dias, duas lendas-vivas do tênis: uma mais recente, Pete Sampras; outra mais experimentada, Andre Agassi. A última numa final de Masters Cup, sob o fogo cruzado de aces e paralelas, que permitiram a Kuerten emplacar sucessivamente três sets a zero, com parciais de 6/4, 6/4 e 6/4. Aqui no Brasil, os torcedores se dividem em duas facções basicamente: aquela que costuma acompanhar o esporte, mas que, por mais feliz e contente que esteja, não entende como o país do futebol pariu um Guga em Florianópolis; e aquela que se perde na pontuação e na nomenclatura do tênis, ovacionando, de qualquer jeito, o novo ídolo que, há pouco tempo, não tinha nem campeonato, nem platéia e nem mídia para lhe apoiar. Por ter lutado tantos anos sozinho, empunhando sua raquete, apenas o próprio Kuerten pode avaliar o que significa estar agora no topo do mundo. Ele e, talvez, sua mãe, igualmente uma nº 1. [Comente esta Nota]
>>> http://www.guga.com.br
 



Artes >>> De vila a metrópole
Paulistanos nascem, crescem, vivem e morrem sem conhecer direito a sua cidade. É quase um lugar-comum. A exposição do novo MASP, na Galeria Prestes Maia, no Vale do Anhangabaú, está aí para aplacar essa ignorância institucionalizada e histórica. O desenvolvimento de São Paulo, desde as ferrovias até explosão da megalópole, está retratado e explicado a partir dos marcos e dos agentes que formaram e deformaram a cidade. Olhando assim, para o caos desgovernado de trânsito, violência, poluição e pobreza, fica impossível imaginar que houve sujeitos como o próprio Prestes Maia, que, com seu projeto de Grandes Avenidas e o seu plano para o Metrô (não executado), visavam, de fato, melhorar e modernizar São Paulo. Embora haja ênfase na influência dos meios de transporte (trens, bondes, automóveis, ônibus) no contorno da urbe, iniciativas como as do IV Centenário não são esquecidas na mostra. Completam o conjunto, algumas maquetes, quadros e uma bela colagem de fotos que passa, como filme, São Paulo em todas as suas eras e idades. [Comente esta Nota]
>>> MASP Centro - Praça do Patriarca, s/ nº - Vale do Anhangabaú
 



Cinema >>> Because in the musicals nothing dreadful ever happens
Dançando no Escuro é tragédia adaptada ao cinema. Fatal, irracional, dionisíaca. Lars von Trier, o homem da revolução, dirige e escreve o roteiro. Björk, a inclassificável, canta, dança e atua no papel principal. À parte a cansativa discussão teórica em torno do filme e das possibilidades que ele explora, Dancer in the Dark convence muito mais pelo seu caráter humanista, universalista, do que por um certo virtuosismo técnico ou pela abordagem inusitada do gênero musical. Varrida a paisagem e a parafernália, resta tão somente a relação visceral, ancestral, antediluviana entre um filho e uma mãe, entre uma mãe e um filho. Selma, a protagonista, carrega um senso de missão que causa calafrios à imensa maioria dos espectadores, entorpecida pelos desejos de felicidade a prazo ou a vista. Selma não é feliz mas dá um sentido à sua existência, à sua vida, ao seu sacrifício. Descontados todos os prazeres e todas as glórias frívolas, quantos seres humanos ainda podem se resignar de terem feito algo realmente grandioso nesta vida (como Selma fez)? [Comente esta Nota]
>>> http://www.dancerinthedark.com/
 



Literatura >>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
José Saramago, o Nobel da língua portuguesa, publicou seu mais aguardado livro, A Caverna. Antes do prêmio, ele vivia de afirmar que 1 milhão de dólares não fariam a menor diferença para si e para os seus. Integridade como lema, e como sina. Tudo indica que ele tenha cumprido a sua promessa, não havendo portanto motivo para recriminação. O livro, porém, está muito aquém do que se esperava de um ficcionista (ou ensaísta, como costuma alardear) tão aclamado e tão adulado (nestas terras de além-mar). O infortúnio de Cipriano Algor, o sexagenário obrigado a se aposentar, arrasta-se por mais de trezentas páginas, e nada do mito da caverna de Platão (que supostamente justificaria o volume). Se Saramago quis metaforicamente evocar o duo ilusão-realidade através da rotina praticada pelo Centro (espécie de cidade-shopping-center), conseguiu apenas produzir um pastiche kafkiano de utilidade duvidosa. Que ele tenha lá seus cacoetes de crítico social e de costumes, é algo compreensível e até perdoável. Acontece que não há como preferir este Saramago ao Saramago d'O Evangelho Segundo Jesus Cristo ou ao Saramago do Memorial do Convento. A Caverna, por mais bem intencionada que se pretenda, não vale a epígrafe. [Comente esta Nota]
>>> "A Caverna" - José Saramago - 352 págs. - Cia. das Letras
 



Televisão >>> Mercúcio parla
Mino Carta, um dos últimos baluartes do jornalismo assinado no Brasil, foi ao Roda-Viva falar de Castelo de Âmbar, seu romance-biografia-reportagem. Impressiona que um homem de sua envergadura moral ainda precise reafirmar seus feitos e, pior, confirmá-los pela boca de seus colegas de profissão. O Mino dos ternos bem talhados, das idéias organizadas e das palavras escolhidas surge como uma figura espectral, como um fantasma, como uma alma penada - e perdida. Seus julgamentos são categóricos, suas colocações, irrefutáveis, seus veredictos, apocalípticos. No entanto, a muralha de silêncio à sua volta faz dele um parvo, um bobo, um naïf. Como todos os de sua geração não deixa discípulos. No máximo um Bob Fernandes ou um Paulo Henrique Amorim. Seus mandamentos, notáveis, contudo, ficam: fidelidade à verdade factual; exercício do espírito crítico; fiscalização do poder. Otimista, prevê um Brasil livre dos medalhões de Machado, daqui a 100 anos. [Comente esta Nota]
>>> http://www.tvcultura.com.br/
 
>>> MINHA PÁTRIA É MINHA LÍNGUA
"É tudo prédio novo, acabado de ser lançado."
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escravidão no Brasil: Trabalho e Resistência
Júlio Quevedo
Ftd
(1996)



Estude e Viva
Chico Xavier
Federação Espírita Brasileira
(2008)



Tudo Pode Dar Certo
Paulo Henrique Durci
Intelítera
(2013)



L'arte Des Origines A Nos Jours Tomo 1 - Leon Deshairs
Leon Deshairs
Larousse
(1932)



Seu Horóscopo Chines para 2014
Neil Somerville
Best Seller
(2013)



The Last Sherlock Holmes Story
Michael Dibdin
Oxford BookWorms
(2003)



Marcel and the White Star
Stephen Rabley
Penguin Readers
(1999)



À Prova de Fogo
Consuelo de Castro
Hucitec
(1977)



7 de Setembro Independência Até Onde Se Chegou?
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(1997)



Ria da Minha Vida Antes Que Eu Ria da Sua
Evandro Augusto Daolio
Arx
(2006)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês