Digestivo nº 12 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Delírio eleitoral gratuito
>>> Minha história com Guimarães Rosa
>>> Abismos literários
>>> 18 de Agosto #digestivo10anos
>>> Amor platônico
Mais Recentes
>>> Autografado - Somos os Mortos (novela) 2ª Edição de Dirceu Quintanilha pela Fontana (1980)
>>> Fundamentación Egológica de La Teoria General del Derecho de Antonio Luiz Machado Neto pela Universitária Buenos Aires (1974)
>>> Sentença e Coisa Julgada: Exegese do Código de P C Arts 444 - 445 de Egas Moniz de Aragão pela Aide (1992)
>>> O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Segundo Piaget de Anália Rodrigues de Faria pela Ática (1989)
>>> Repensando a Leitura na Escola: um Outro Mosaico de Maurício da Silva pela Eduff (1995)
>>> O Livro do Seminário: Ensaios - Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de Santanna; Nunes; Lucas; César; Barbosa; Merquior pela L R Editores (1983)
>>> Os Universos da Crítica: Paradigmas nos Estudos Literários de Eduardo Prado Coelho pela Edições 70 (1987)
>>> A Correspondência de Fradique Mendes (de Acordo Com a Primeira Edição) de Eça de Queiroz pela Livros do Brasil
>>> O Pêndulo de Foucault 6ª Edição (volume Único) de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> Tempos da Literatura Brasileira - Série Princípios 3ª Edição de Benjamin Abdala Junior; Samira Youssef Campedelli pela Ática (1990)
>>> You are a Bad Ass (manchas de Umidade) de Jen Sincero pela Running Press (2013)
>>> I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portugues de Pós-graduação Em Letras da Uff (anais) pela Uff (1991)
>>> Poesia Erótica e Satírica: a Orgia dos Duendes Elixir do Pajé de Bernardo Guimarães (organização de Duda Machado) pela Imago (1992)
>>> O País de Bissalanka - Poema - Colecção Vozes do Mundo de Costa Andrade pela Sá da Costa (1980)
>>> Novas Lições de Análise Sintática - Série Princípios 6ª Edição de Adriano da Gama Kury pela Ática (1993)
>>> Problemas de Linguística Descritiva 16ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Estrutura da Língua Portuguesa 26ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Oralidades & Escritas Nas Literaturas Africanas de Ana Mafalda Leite pela Colibri (1998)
>>> Autismo: Um Olhar Por Inteiro de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Refém do Medo de Suzana Lyra pela Literare Books (2021)
>>> O segredo da mentalidade judaica de Rabino Dor Leon Attar pela Literare Books (2021)
>>> Valida-te de Tatiane de Sá Manduca pela Literare Books (2021)
>>> A Mamãe coaching de Iara Mastine pela Literare Books (2018)
>>> Comunicação Assertiva de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
DIGESTIVOS

Terça-feira, 5/12/2000
Digestivo nº 12
Julio Daio Borges

+ de 700 Acessos




Além do Mais >>> Hoje é o dia mais feliz da minha vida
Gustavo Kuerten é o nº 1. A frase, por si só, dispensa comentários. Guga subjugou, em dois dias, duas lendas-vivas do tênis: uma mais recente, Pete Sampras; outra mais experimentada, Andre Agassi. A última numa final de Masters Cup, sob o fogo cruzado de aces e paralelas, que permitiram a Kuerten emplacar sucessivamente três sets a zero, com parciais de 6/4, 6/4 e 6/4. Aqui no Brasil, os torcedores se dividem em duas facções basicamente: aquela que costuma acompanhar o esporte, mas que, por mais feliz e contente que esteja, não entende como o país do futebol pariu um Guga em Florianópolis; e aquela que se perde na pontuação e na nomenclatura do tênis, ovacionando, de qualquer jeito, o novo ídolo que, há pouco tempo, não tinha nem campeonato, nem platéia e nem mídia para lhe apoiar. Por ter lutado tantos anos sozinho, empunhando sua raquete, apenas o próprio Kuerten pode avaliar o que significa estar agora no topo do mundo. Ele e, talvez, sua mãe, igualmente uma nº 1. [Comente esta Nota]
>>> http://www.guga.com.br
 



Artes >>> De vila a metrópole
Paulistanos nascem, crescem, vivem e morrem sem conhecer direito a sua cidade. É quase um lugar-comum. A exposição do novo MASP, na Galeria Prestes Maia, no Vale do Anhangabaú, está aí para aplacar essa ignorância institucionalizada e histórica. O desenvolvimento de São Paulo, desde as ferrovias até explosão da megalópole, está retratado e explicado a partir dos marcos e dos agentes que formaram e deformaram a cidade. Olhando assim, para o caos desgovernado de trânsito, violência, poluição e pobreza, fica impossível imaginar que houve sujeitos como o próprio Prestes Maia, que, com seu projeto de Grandes Avenidas e o seu plano para o Metrô (não executado), visavam, de fato, melhorar e modernizar São Paulo. Embora haja ênfase na influência dos meios de transporte (trens, bondes, automóveis, ônibus) no contorno da urbe, iniciativas como as do IV Centenário não são esquecidas na mostra. Completam o conjunto, algumas maquetes, quadros e uma bela colagem de fotos que passa, como filme, São Paulo em todas as suas eras e idades. [Comente esta Nota]
>>> MASP Centro - Praça do Patriarca, s/ nº - Vale do Anhangabaú
 



Cinema >>> Because in the musicals nothing dreadful ever happens
Dançando no Escuro é tragédia adaptada ao cinema. Fatal, irracional, dionisíaca. Lars von Trier, o homem da revolução, dirige e escreve o roteiro. Björk, a inclassificável, canta, dança e atua no papel principal. À parte a cansativa discussão teórica em torno do filme e das possibilidades que ele explora, Dancer in the Dark convence muito mais pelo seu caráter humanista, universalista, do que por um certo virtuosismo técnico ou pela abordagem inusitada do gênero musical. Varrida a paisagem e a parafernália, resta tão somente a relação visceral, ancestral, antediluviana entre um filho e uma mãe, entre uma mãe e um filho. Selma, a protagonista, carrega um senso de missão que causa calafrios à imensa maioria dos espectadores, entorpecida pelos desejos de felicidade a prazo ou a vista. Selma não é feliz mas dá um sentido à sua existência, à sua vida, ao seu sacrifício. Descontados todos os prazeres e todas as glórias frívolas, quantos seres humanos ainda podem se resignar de terem feito algo realmente grandioso nesta vida (como Selma fez)? [Comente esta Nota]
>>> http://www.dancerinthedark.com/
 



Literatura >>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
José Saramago, o Nobel da língua portuguesa, publicou seu mais aguardado livro, A Caverna. Antes do prêmio, ele vivia de afirmar que 1 milhão de dólares não fariam a menor diferença para si e para os seus. Integridade como lema, e como sina. Tudo indica que ele tenha cumprido a sua promessa, não havendo portanto motivo para recriminação. O livro, porém, está muito aquém do que se esperava de um ficcionista (ou ensaísta, como costuma alardear) tão aclamado e tão adulado (nestas terras de além-mar). O infortúnio de Cipriano Algor, o sexagenário obrigado a se aposentar, arrasta-se por mais de trezentas páginas, e nada do mito da caverna de Platão (que supostamente justificaria o volume). Se Saramago quis metaforicamente evocar o duo ilusão-realidade através da rotina praticada pelo Centro (espécie de cidade-shopping-center), conseguiu apenas produzir um pastiche kafkiano de utilidade duvidosa. Que ele tenha lá seus cacoetes de crítico social e de costumes, é algo compreensível e até perdoável. Acontece que não há como preferir este Saramago ao Saramago d'O Evangelho Segundo Jesus Cristo ou ao Saramago do Memorial do Convento. A Caverna, por mais bem intencionada que se pretenda, não vale a epígrafe. [Comente esta Nota]
>>> "A Caverna" - José Saramago - 352 págs. - Cia. das Letras
 



Televisão >>> Mercúcio parla
Mino Carta, um dos últimos baluartes do jornalismo assinado no Brasil, foi ao Roda-Viva falar de Castelo de Âmbar, seu romance-biografia-reportagem. Impressiona que um homem de sua envergadura moral ainda precise reafirmar seus feitos e, pior, confirmá-los pela boca de seus colegas de profissão. O Mino dos ternos bem talhados, das idéias organizadas e das palavras escolhidas surge como uma figura espectral, como um fantasma, como uma alma penada - e perdida. Seus julgamentos são categóricos, suas colocações, irrefutáveis, seus veredictos, apocalípticos. No entanto, a muralha de silêncio à sua volta faz dele um parvo, um bobo, um naïf. Como todos os de sua geração não deixa discípulos. No máximo um Bob Fernandes ou um Paulo Henrique Amorim. Seus mandamentos, notáveis, contudo, ficam: fidelidade à verdade factual; exercício do espírito crítico; fiscalização do poder. Otimista, prevê um Brasil livre dos medalhões de Machado, daqui a 100 anos. [Comente esta Nota]
>>> http://www.tvcultura.com.br/
 
>>> MINHA PÁTRIA É MINHA LÍNGUA
"É tudo prédio novo, acabado de ser lançado."
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caminho Suave: Baralhinho Didático - 31ª Edição
Branca Alves de Lima
Caminho Suave
(2012)



Português Fcc
Décio Sena
Ferreira
(2007)



Curso Processual do Trabalho
Amauri Mascaro Nascimento
Saraiva
(2015)



Quem Disse Que Bruxa Tem de Ser Má?
Eliana Gomes Clementino
Madras
(2001)



Rumo à Liberdade (autografado)
Giselda Laporta Nicolelis
Moderna
(1991)



Como Agarrar Seu Amor pela Magia - 1ª Edição
Maria Helena Farelli
Pallas
(2002)



O Caminho Sombrio das Drogas e a Libertação do Espírito
Djalma Santos
Frei Luiz
(2012)



O Brasil Sob a Crise do Fordismo
Vitor Eduardo Schincariol
Ltce
(2007)



Viagem Vaga Música
Cecília Meireles
Nova Fronteira
(1982)



Na Terra do Crioulo Doido
Stanislaw Ponte Preta
Sabiá
(1968)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês