Digestivo nº 160 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
>>> O naufrágio é do escritor
>>> 6 de Maio #digestivo10anos
>>> O Mundo Pós-Americano, de Fareed Zakaria
>>> Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino
>>> O fim da inocêcia blogueira
>>> Allen Stewart Konigsberg
>>> Susan Sontag em carne e osso
Mais Recentes
>>> Feng Shui no Trabalho de Darrin Zeer pela Sextante (2008)
>>> O Poder do Hábito de Charles Duhigg pela Objetiva (2012)
>>> Poder Sem Limites de Anthony Robbins pela Best Seller (1987)
>>> Saber Envelhecer e A Amizade de Cícero pela L&pm (2011)
>>> Os Três Estigmas de Palmer Eldritch de Philip K. Dick pela Aleph (2010)
>>> Livro Direito : espaço público e transformação social de Darcísio Corrêa (Org.) e outros pela Unijui (2003)
>>> Monarquia de Dante Alighieri pela Lafonte (2017)
>>> Os Senhores do Fosso de Michael Moorcock pela Europa-América (1969)
>>> Da Morte; Metafisica Do Amor; Do Sofrimento do Mundo de Arthur Schopenhauer pela Martin Claret (2011)
>>> O Livro do Viver e do Morrer de Osho pela Cultrix (2006)
>>> Livro VIPs Histórias Reais de um Mentiroso: o livro que deu origem ao Filme e ao Documentário de Mariana Caltabiano pela Jaboticaba (2005)
>>> Marxismo: Alvorada ou Crepúsculo de Jorge Boaventura pela Record (1968)
>>> Fale Mais Eficazmente de Dale Carnegie pela Do Autor
>>> Uso Mágico das Velas - O Seu Significado Oculto de Michael Howard pela Ediouro
>>> Em Busca do Tempo Perdido Vol.1 -No Caminho De Swann de Marcel Proust pela Biblioteca Azul (2006)
>>> Retratos de Família de Cristina Moraes Vojvodic pela Quadrante (1998)
>>> Livro Caio Fernando Abreu : inventário de um escritor irremediável de Jeanne Callegari pela Seoman (2008)
>>> O Enigma de Teotihucãn de P. Guirao pela Hemus (1984)
>>> Livro A Repudiada - baseado em fatos Reais de Rita de Cássia Souza pela Otonni (2010)
>>> Livro Anjos E Demônios: A Primeira Aventura De Robert Langdon de Dan Brown pela Arqueiro (2004)
>>> Livro Revista Jurídica De Jure VOL 12 nº 21 de Vários pela Del Rey / Ministério Público (2013)
>>> Livro Energia. As Razões Da Crise E Como Sair Dela de Ernesto Moreira Guedes Filho, Jose Marcio. Camargo, Juan Gabriel Perez Ferres pela Gente (2002)
>>> Livro Água Salobra de Bernadette Lyra pela Cousa (2017)
>>> Livro Sonata Ao Amor - Romance Esírita de Christina Nunes pelo Espírito Iohan pela Lumen (2012)
>>> Pra cima e pra baixo de Carla Irusta pela Palavras projetos (2021)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 4/2/2004
Digestivo nº 160
Julio Daio Borges
+ de 4000 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Literatura >>> Escritor: uma ambição
Paulo Polzonoff Jr. se formou na escola da polêmica do jornalismo brasileiro e acaba de lançar o que chamou de “manual do canastrão literário”: “O Cabotino – um guia de anti-ajuda para literatos”, pela recém-surgida editora Candide, de sua namorada Paula Foschia e do cronista Cláudio Lampert. A idéia por trás do empreendimento editorial não é nova: lançar, em livro, escritores oriundos da internet, ou que se consagraram através dela. Como o caso de Polzonoff, que, apesar de uma sólida carreira jornalística (no Paraná, no “Jornal do Estado” e no suplemento literário “Rascunho”), desfrutou de uma certa notoriedade no meio virtual: seja em revistas eletrônicas (como este “Digestivo”); seja através do seu site pessoal e blog (polzonoff.com.br). Agora é o teste do livro, pelo qual passam alguns outros “blogueiros” e pelo qual já passaram (e passarão) projetos estritamente virtuais (como o “02 Neurônio” e, logo mais, o site “Paralelos”). Polzonoff, porém (ao contrário da imensa maioria que se lança em forma de poesia, conto ou romance), preferiu arriscar um ensaio de crítica literária – para, justamente, desencorajar seus colegas de geração: segundo ele, apenas “escrevinhadores” ou então “proto-escritores”. “O Cabotino”, seu “manual”, se compõe de 17 capítulos (mais um preâmbulo), em que Polzonoff aborda alguns dos principais cacoetes dos “escritores” do fim do século passado (alguns apontados pelas antologias de Nelson de Oliveira) até os de hoje. Eis os títulos: “Viciados em realidade”; “Veniz cultural”; “De hermetismo e outras escatologias”; “Academicismos”; “Relação com a crítica” – e por aí vai. Num estilo leve e direto (jornalístico), Polzonoff coloca o dedo na ferida, mas estranhamente não dá nome aos bois. (Num determinado capítulo, por exemplo, usa apenas as iniciais.) De qualquer forma, é uma estréia louvável – ainda que Polzonoff fique nos devendo a sua realização “literária”; nem que seja para colocar em prática o que agora andou pregando. [Comente esta Nota]
>>> O Cabotino - Paulo Polzonoff Jr. - 106 págs. - Candide Editora
 



Música >>> A feeling I can’t hide
Muita gente pensa que a idéia do Big Brother é recente e que os resultados (da iniciativa) sempre caminham para o que há de pior na humanidade. Não foi assim em 1969, quando os Beatles decidiram filmar sua rotina de composições e ensaios. A idéia era extrair dali um especial de televisão e acabou surgindo “Let It Be”, um disco lançado posteriormente (em 1970, depois do fim da banda), onde Paul McCartney era o líder e que revelava como a convivência (do quarteto) se tornara insustentável. John Lennon reclamaria, em entrevistas, da rotina de ter de comparecer às 8 da manhã ao estúdio e de ter de encarar dúzias de técnicos, equipamentos e câmeras. Mas, com todas as reclamações, eles produziram “Get Back”, “The Long and Winding Road”, “Don’t Let Me Down” e “Across the Universe” (descontando a faixa título). Agora pergunte o que aquela excrescência, que é o Big Brother Brasil, produziu até hoje? Nestes quase 35 anos, “Let It Be” ficou também conhecido pelos arranjos orquestrais introduzidos por Phil Spector (o produtor do álbum) em cima do que já havia sido gravado. George Martin (o quinto Beatle) teve sua revanche em “Abbey Road” (1969, o disco subseqüente e o canto de cisne dos Beatles), quando exigiu que fosse tudo como sempre foi (ou seja: ele comandando todos os detalhes – desde os arranjos até a pós-produção). Pelo visto, Martin nunca engoliu as intervenções de Spector, nem o circo armado em torno do “Big Brother”. Parece que contaminados por esse mesmo espírito (mais “purista”, digamos), os Beatles remanescentes (para quem não sabe: Paul e Ringo) decidiram relançar “Let it Be” no ano passado. Mas do jeito que ele foi concebido (antes do verniz de Phil Spector). A verdade nua e crua. Daí, talvez, o título do novo CD: “Let It Be... Naked”. Musicalmente, não é nenhum ovo de Colombo. Provavelmente se justifica graças à importância social dos Beatles: quando música e História, no mundo, foram a mesma coisa. [Comente esta Nota]
>>> Let It Be... Naked - The Beatles - Apple/EMI
 



Cinema >>> Revelations
Você provavelmente vai assistir a “21 gramas”, de Alejandro González Iñárritu, e não vai entender nada até a metade. Então alguém vai soprar no seu ouvido: – “O filme vai e volta no tempo; preste atenção”. Ah, agora, sim. Não é o David Lynch que você pensava; onde todo mundo sai sem entender nada (quando simplesmente não abandona a sala no meio da projeção). Mas as idas e vindas não são a tônica de “21 Gramas” (como foram, por exemplo, nos longas de Quentin Tarantino; o “flashback” – que Paulo Francis, quando não dormia, dizia que era um recurso mais velho que Orson Welles). Enfim. “21 Gramas”, segundo nos explica Sean Penn (um dos protagonistas), é o quanto perdemos de peso no instante em que morremos. (“Como eles pesam isso?”, você pode legitimamente perguntar.) O fato é que a primeira produção de Iñárritu, depois de “Amores Brutos” (2000), gerou grandes expectativas. Também pela atuação de Penn (sempre imperdível) e de Benicio Del Toro, o “coadjuvante” que, devagar, vai se consagrando. O que cansa é a (já) velha incursão no “mundo cão” – uma moda que contagiou todos os cineastas metidos a sérios (antigamente, os “engajados”); principalmente os do Terceiro Mundo. González Iñárritu é do México. Então mergulhamos, pela enésima vez, no crime, nas drogas, no submundo em geral. Benicio Del Toro é um ex-detento tentando se recuperar; Sean Penn, um pobre diabo, vivendo com um coração emprestado, enquanto se apaixona pela viúva do doador (Naomi Watts, uma mãe de família destroçada, alternando-se entre aulas de natação e noitadas com barbitúricos). Bem, já deu para sentir... o clima. Tanto que decidimos sugerir aos exibidores: – Que tal uma nova classificação, baseada, exclusivamente, nas cenas de violência? Assim, oscilaríamos menos entre a Hollywood, dos blockbusters e dos desenhos “à la” Walt Disney, e a “vanguarda”, que ainda não se cansou de “épater les bourgeois”... [Comente esta Nota]
>>> 21 Grams
 

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Noites de Autógrafo
* Teatro de Arena: Uma Estética de Resistência - Izaías Almada
(3ª f., 3/2, 19hrs., CN)

* A Voz do Cidadão: Mútua-ajuda da Cidadania - Jorge Maranhão
(3ª f., 3/2, 19hrs., VL)

>>> Exposições
* Exposição de Jurandi Assis
(duração: de 2 a 17/2, CN)

>>> Shows
* Benny Goodman: o rei do swing - Traditional Jazz Band
(6ª f., 6/2, 20hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/1/2004
11h13min
Eu tenho uma visão diferente de "21 gramas". A forma, eliptica, do filme é o meio de comunicação da instabilidade geral da vida (social e biológica), que nem a ciência, trocando o coração, consegue dar conta... o apodrecimento virá logo. E a violência, como em "irreversível", é apenas uma metáfora de outras destruições. Creio que a sutileza da forma fala mais alto que o conteúdo "figurativo" destes filmes.
[Leia outros Comentários de jardel]
6/2/2004
00h28min
O seu texto sem as idas e vindas perde um pouco do charme, fica uma coisa muito técnica. Será que o filme tambem nao perderia algo se lhe cortassem algo?
[Leia outros Comentários de geraldo]
8/2/2004
11h23min
Concordo com o Jardel. A perplexidade e a destruição fazem parte da vida. Não é incomum a vida nos parecer sem sentido e violenta, mesmo a gente sabendo que o tempo é (?) linear e a sociedade, esforçadamente racional e democrática.
[Leia outros Comentários de Bárbara Pollacsek]
10/2/2004
09h24min
Glória Perez já escreveu uma novela sobre um coração transplantado apaixonando doador/receptor... Salvo interpretações de alto nível, o diretor mundo-cão parece ter perdido algo entre o estilo não-linear, a fotografia escura e o ritmo arrastado. "21 gramas" promete mais do que cumpre e não tira de seu título qualquer força reflexiva que amarre o filme como um todo eficaz. PS - agradecimentos à Conexão Manhattan pela dica do site!
[Leia outros Comentários de Haendel Motta]
11/2/2004
01h31min
Bom saber que o Polzonoff lançou este livro. Vou comprar agora mesmo! Parabéns!!! Espero que muitos outros venham...
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Viajantes do maravilhoso - Um novo mundo
Guillermo Giucci
Companhia das letras
(1992)



Com A Ponta Dos Dedos E Os Olhos Do Coração
Leila Rentroia Jannone
Do Brasil
(2005)



Livro de Bolso Didáticos Palavra Em Ação Minimanual de Pesquisa Física
Dorival Ronqui Júnior
Claranto
(2004)



Livro Auto Ajuda Dá pra Ser Feliz... Apesar do Medo
Flávio Gikovate
Mg Editores
(2007)



A Vida é Bela ( Pocket )
Dominique Glocheux
Sextante
(2002)



Morte Inocente
Mark Sadler
Nova Cultural
(1989)



Capitão América. O Julgamento Do Capitão América
Brubaker - Guice - Breitweiser - Deodato Jr.
Panini
(2021)



Matematica Financeira
José Dutra Vieira Sobrinho
Atlas
(1986)



Elementos de contos orfeônico 351
Yolanda de Quadros Arruda
Companhia Nacional



A Ponte pra o Sempre
Richard Bach
Record
(1984)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês