Digestivo nº 171 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 21/4/2004
Digestivo nº 171
Julio Daio Borges

+ de 10000 Acessos




Literatura >>> Testemunho imundo
Michel Laub é um dos editores mais discretos dos últimos tempos. Há alguns anos ajuda a comandar a “Bravo!”, depois de uma passagem pela “Carta Capital” (na gestão Wagner Carelli). Laub, natural de Porto Alegre, se quase não fala da revista (a única a exercer, ainda amplamente, o tal do jornalismo cultural), praticamente silencia sobre sua produção literária. “Uma coisa [mais] minha”, classifica. À mesma maneira “low-profile”, também distribui suas realizações entre poucos (e bons) leitores. Ainda que da mesma geração de escrevinhadores internéticos, histéricos e até militantes (em suas blagues e em seus blogs), Michel Laub não se mistura e nem está preocupado em ser reconhecido como parte de uma “geração”. No que está absolutamente certo. Sua literatura (sim, ele faz literatura – ao contrário de muita gente...) não padece de nenhum dos clichês da de seus contemporâneos. “Longe da água” (Cia. das Letras, 2004), seu mais recente romance, é corretíssimo na linguagem (sem quaisquer experimentalismos); trata os temas com elegância (nunca vai entrar em detalhes sobre sexo e violência, por exemplo); e deixa uma funda impressão no leitor (em pouco mais de 100 páginas), pois seus personagens são de carne e osso. Laub não exorciza as frustrações de uma vida fracassada; não tem ambições de “social climber”; e quer falar para adultos (e não para adolescentes ouvintes de Charlie Brown Jr.). Essa é a diferença. Se alguém não está apto a captar essas sutilezas, melhor desistir agora. Tudo começa com duas histórias paralelas: a do narrador e a de Laura. Ambas naturalmente se cruzam, por culpa de Jaime: o jovem namorado de Laura e, por um tempo, o melhor amigo do narrador-protagonista. Uma fatalidade separa o trio e – muitos anos depois – Laura e o narrador vão se reencontrar em São Paulo, para onde seguem em busca de trabalho. Ela é uma artista gráfica à procura de emprego fixo e ele, um pouco mais experiente, já estabelecido como “faz-tudo”em uma pequena editora, fornece-lhe a oportunidade. Eles se reaproximam, e num misto de admiração e traição a Jaime, começam um namoro e uma vida em comum. Uma segunda fatalidade separa-os. Não é um enredo complicado (como se vê), e a beleza está justamente – comme il faut – nas entrelinhas. Michel Laub descreve, habilmente, os “anos de formação” do narrador-personagem: suas inseguranças; seus talentos; suas desgraças; e seus triunfos. Não cai na tentação fácil da autobiografia (nesse aspecto, está a anos-luz de seus colegas ao redor dos 30...). Se já se nutria simpatia pelo contido editor da “Bravo!”, o romancista pode e deve conquistar um lugar na estante de preferências do leitor mais sofisticado. [Comente esta Nota]
>>> Longe da água - Michel Laub - 120 págs. - Companhia das Letras
 



Além do Mais >>> Maestros Mecânicos
Nos anos 1990, quase todo mundo ouviu falar do Sepultura. O grupo mineiro de rock pesado que chegou ao 19º lugar da parada inglesa com a faixa “Roots Bloody Roots” (1996). Seus CDs venderam milhões ao redor do globo, eles se tornaram “a” referência e participaram dos principais festivais musicais da época (nem sempre como “banda de abertura” mas também como “headliners”). Em comparação, nos anos 2000, pouca gente ouviu falar dos DJs brasileiros no exterior. Quase ninguém soube, por exemplo, que uma faixa do DJ Xerxes de Oliveira (XRS) desbancou o antigo êxito do Sepultura (“LK”, montada a partir de uma versão de “Carolina Carol Bela”, de Jorge Ben e Toquinho, chegou à 17ª posição nas “charts” da Inglaterra). Nem que o DJ Marky tem “torcida organizada” nos principais clubes de Londres, sendo tratado como celebridade à altura dos nossos mais famosos jogadores de futebol. Ou então que o DJ Anderson Noise (da mesma Belo Horizonte dos Irmãos Cavalera) é apontado hoje, pelos mais festejados disc jockeys do planeta, como a futura revelação da música eletrônica. Pois é: por essas e por outras que todo mundo precisa ler “Todo DJ Já Sambou” (Conrad, 2003) de Claudia Assef – um dos sucessos editoriais (leia-se: edição esgotada) do ano passado. Nele, a autora viaja no tempo até a pré-História dos disc jockeys nacionais. Seu Osvaldo, um técnico em eletrônica, atualmente com quase 70 anos, deu a partida com sua Orquestra Invisível, lá no final dos anos 50. (Sim, a “discotecagem” é tão velha quanto a bossa nova.) Foi seguido pelos mais variados tipos. Pelo Big Boy, o tal “Hello, Crazy People”, que é uma das estrelas do “Noites Tropicais” de Nelson Motta. Pelo Mister Sam, um argentino vivíssimo, que até os anos 80 apresentava o “Realce” (da ex-TV Gazeta) e que teve a idéia de produzir a primeira rainha das pistas brasileiras: a Gretchen. Claudia Assef passa, obviamente, pelo Frenetic Dancing Days, nos anos 70, e amarra a sua existência à das danceterias na década seguinte (Toco e Overnight, para citar apenas duas). Segundo ela, os DJs catapultaram igualmente o sucesso do Rock BR – recriando hits que estouraram como “Louras Geladas” (do RPM, aprimorada pelos DJs Grego, Iraí Campos e Julinho Mazzei). Os anos 90 seriam de sujeitos como Mau Mau, Memê (o parceiro de Lulu Santos) e Mauro Borges (no Massivo e no Que Fim Levou Robin?, pai do “brazilian drum’n’bass”). Já os anos 2000 seriam da consagração mundial, do Skol Beats e da elevação do DJ ao patamar de artista (sem esquecer das contribuições, a tudo isso, do Hell’s Club, do Mercado Mundo Mix e da “Noite Ilustrada” de Erika Palomino). É uma história e tanto – e o “samba”, que Assef dançou para produzir o volume, trouxe à luz um capítulo da adolescência e juventude de muita gente. [Comente esta Nota]
>>> Todo DJ Já Sambou - Claudia Assef - 260 págs. - Conrad
 



Música >>> Entertainer
João Carlos Assis Brasil informa que gravou “Todos os Pianos” (Biscoito Fino, 2004) em menos de duas sessões. Donde, podemos concluir que gravou tudo em uma única sessão. Em “uma sessão e meia”, talvez? O fato é que percorreu o cancioneiro da humanidade no século XX – e antes, e depois. São 11 suítes, mais um prelúdio e uma valsa. Começa com Ernesto de Nazareth: “Brejeiro”, “Odeon”,... Termina com os clássicos: Tchaikowsky, Paganini, Chopin, Brahms e Rachmaninoff. Sim, consegue ser mundano também: com Nino Rota (“Amacord”, “Noites de Cabíria”,...) e com Michel Legrand (“Summer of 42”). Ou, ainda, com Gershwin (“S’ wonderful” e “Rhapsody in blue”) e Cole Porter (“I get a kick out of you” e “Love for sale”). Mas chega de exemplos – é a trilha sonora de quem passou pela Terra nos anos 1900s, e sobreviveu a eles. O único problema, justamente, é a abrangência desse mesmo repertório. Podemos quase apostar que João Carlos Assis Brasil tem dificuldade em se impor entre os “eruditos” (por não ser tão erudito quanto eles), e que tem também pouca aceitação entre os “populares” (por não ser, obviamente, tão popular quanto esses – apesar da elasticidade, hoje, do termo). O potencial ouvinte não deve se intimidar, porém. São “Todos os Pianos” e é, ao mesmo tempo, um piano só – que atravessa o disco inteiro. A unidade, malgrado tão díspares temas, fica por conta dele (desse piano único). Se alguém se perder, João Carlos Assis Brasil fica em família gravando Victor Assis Brasil (seu irmão gêmeo – autor daquela valsa e daquele prelúdio). Arrisca, para não sair do clã, até um “Improviso” de sua autoria (João Carlos Assis Brasil). O piano ainda é a porta de entrada para a melhor música que já se fez (Bach, Mozart, Beethoven... e os que se seguiram a eles). Ter uma gravação como essa, em terras brasileiras, já é uma benção pela qualidade técnica – agora imagine quando o repertório ajuda... Sai “Todos os Pianos”. [Comente esta Nota]
>>> Todos os Pianos - João Carlos Assis Brasil - BF | Somlivre.com
 
>>> CHARGE DA HORA: "CNN LATEST NEWS" POR DIOGO



Clique aqui para ver outras charges no diogosalles.com.br


>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* A instância do livro no inconsciente - Gérard Haddad
(3ª f., 20/4, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Contracepção e Sexualidade no Brasil - Dr. José Bento de Souza e Prof. Elsimar Coutinho (5ª f., 22/4, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Longe da água - Michel Laub
(2ª f., 19/4, 18h30, CN)
* Diretas Já - Domingos Leonelli e Dante de Oliveira
(2ª f., 19/4, 18h30, CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Quaternaglia
(2ª f., 19/4, 20hrs., VL)
* Charleston e Boogie Woogie - Traditional Jazz Band
(6ª f., 23/4, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Rogério Botter Maio
(Dom., 25/4, 18hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio de Janeiro Verso e Reverso
José de Alencar
Serv Nac Teatro
(1972)



Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica
Kenneth L. Bontrager
Guanabara
(1999)



Não Há Silêncio Que Não Termine
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Gafe Não é Pecado
Claudia Matarazzo
Melhoramentos Jc
(1996)



Brasil as Cidades da Copa
Mauricio Simonetti
Escrituras
(2014)



Ouro Olímpico a História do Marketing dos Aros
Marcus Vinicius Freire e Deborah Ribeiro
Casa da Palavra
(2006)



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)



Ínri Tité - 1ª Edição
Babalorisa Mauro Tosun
Pallas
(2014)



O Divino, o Santo e a Senhora
Carlos Rodrigues Brandão
Funarte
(1978)



Responsabilidade do Estado pela Não Duração Razoável do Processo
Danielle Annoni
Abdr
(2009)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês