Digestivo nº 194 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Restos, por Mário Araújo
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> O que é um livro?
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
Mais Recentes
>>> Lia e o Sétimo Ano
>>> Quero ser Belo
>>> O Cão dos Baskervilles
>>> Feminismos, identidades, comparativismos: vertentes nas literaturas de língua inglesa Vol. IV
>>> A Saúde brota da Natureza
>>> Quatro Quartetos
>>> Quem é Você? Construindo a Pessoa à luz do Eneagrama
>>> Mecânica Vectorial para Engenheiros - Dinâmica (6ª ed.)
>>> O cachorro Skoz - Cão ao mar
>>> O cachorro Skoz - Passeio no ar
>>> Seu cliente pode pagar mais - 3ª edição
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 29/9/2004
Digestivo nº 194
Julio Daio Borges

+ de 5300 Acessos




Internet >>> Patuscada
MrMason é um sujeito esquivo. Resiste o máximo que pode a um contato pessoal pois já foi alvo de processos judiciais, movidos por gente como Luciano Huck e Marcos Mion. Mas MrMason não é nenhuma celebridade ou dono de uma tribuna que vive de fofocas de artistas. MrMason é humorista e, como é quase regra em sua geração, escolheu a internet como plataforma para se lançar. Sua grande realização, já há quase 4 anos, é o “Cocadaboa”, cujo logo chegou a incomodar até a Coca-Cola (que lhe pediu gentilmente para mudar). O “Cocadaboa” também mudou para a Suécia uma época, pois era perseguido, no Brasil, por hordas de advogados. E o “Cocadaboa”, igualmente, já foi blog – mas voltou a ser site. Segue uma linha de humor, entre o negro e o difamatório, muito praticado em revista e em jornal, pelo grupo Casseta, algumas décadas atrás. Quem leu o “Planeta Diário” e a “Casseta Popular” deve lembrar. Por incrível que pareça, foi o jeito escrachado, gratuito e desrespeitoso que catapultou o grupo de Bussunda e Marcelo Madureira para a Rede Globo e para a consagração. O “Cocadaboa” segue a mesma trilha, só que pela internet. Já foi convidado pela editora Conrad para fazer humor em revista, mas não teve todas as suas exigências atendidas. Então se consagrou, na esfera virtual mesmo, principalmente pelos trotes que passa, espalhando boatos como se fossem notícia de verdade. Sua última piada atende pelo nome de “Sexkut” e foi desenvolvida em parceria entre MrMason e um colaborador de São Paulo. Aparentemente sem conexão com o “Cocadaboa”, foi divulgado como uma versão sexual do “Orkut”, o famoso site de relacionamento. A mídia inteira caiu, eletrônica e não-eletrônica: “Folha”, “Blue Bus”, “Terra”, “No mínimo”, entre outros. O “Sexkut” nunca existiu; ninguém nunca se inscreveu para participar. Era, conforme dito, uma piada. MrMason se regozija agora, no “Cocada” e no “Estadão”, enquanto o resto da mídia lamenta o “fora”. Mas não é um episódio isolado. É apenas o resultado de uma internet cada vez mais viva e ativa e de uma “grande imprensa” cada vez mais morta e sucateada. [Comente esta Nota]
>>> Sexkut.com
 



Música >>> Ah! Você é de ninguém...
Algumas lendas rondam “Elis&Tom” (1974, álbum histórico, relançado agora, em CD e DVD-áudio, pela Trama). Uma delas se refere à disputa entre os arranjadores, Tom Jobim e Cesar Camargo Mariano. Depois de muitas diferenças internas, ficou acertado que cada um faria metade do disco. Jobim optou por uma abordagem mais sinfônica, dos temas mais dramáticos (“Modinha”, “Por toda a minha vida” e “Retrato em branco e preto”); já Mariano imprimiu sua assinatura mais “jazzy”, sem orquestra e com enfoque no piano (“Só tinha de ser com você”, “Brigas, nunca mais” e “Fotografia”). Coube a Elis Regina fazer a amarração entre esses dois universos. Saiu uma obra-prima. Outra lenda que corre a respeito é sobre a formação da intérprete: Nelson Motta afirma que ela detestava bossa nova, fazia pouco do canto de João Gilberto e não queria nem saber de Tom Jobim quando começou. Sérgio Cabral, em sua biografia do maestro, conta que Elis&Tom tiveram uma porção de desentendimentos durante a gravação – mas ela saiu. Um clássico. É, então, no mínimo estimulante, em termos musicais, que Cesar Camargo Mariano tenha se encarregado de remasterizar “Elis&Tom” depois de 30 anos, tendo como pano de fundo todas essas tensões passadas. Aliás, como ele mesmo confessou, no programa de Arrigo Barnabé, na Cultura FM, redescobriu estupefato as matrizes originais e se viu impressionado com a qualidade, geral, e com a importância daquele momento fundamental, na História da música brasileira. Além do disco em si, que obviamente já vale a inclusão em qualquer discoteca nacional que se preze, esse relançamento traz alguns extras, como era de se esperar. O maior deles é “Bonita”, a faixa-bônus não originalmente presente no álbum. Uma bela canção de Tom que acabou pouco conhecida no Brasil, por causa de sua letra em inglês. Depois, há também uma segunda versão para “Fotografia”, mais acelerada e suingada que a primeira. Por último, Mariano inseriu pequenos trechos de estúdio, entre conversas e marcações de tempo, estendendo alguns “takes” que antes haviam sofrido “fade out”. É um pequeno banquete para os admiradores de Elis&Tom. Que, mesmo não tendo participado desse evento, teriam certamente aprovado – e se desentendido menos. [Comente esta Nota]
>>> Elis&Tom
 



Literatura >>> Remorsos, devaneios, cor do tempo
Alguns autores, mesmo não sendo poetas, têm o talento de poetas para construir imagens. E assim é Proust. Sua “descrição” de um sentimento é tão hábil que praticamente pode ser “vista” pelo leitor. Como todo grande autor, confere sempre uma nova explicação para os mesmos fenômenos, aos quais antes nos achávamos tão acostumados... Proust redescobre o mesmo mundo que tão bem conhecemos, mas que, sob o embalo de suas palavras, nos parece outro – mais claro, mais nítido, mais verdadeiro. Desde os primeiros livros. É o que prova a coletânea “Os prazeres e os dias”, lançada pelo próprio em Paris, em 1896, e relançada este ano, aqui, pela editora Códex. E percebemos que Proust, já aos 25 anos, se consagra como um observador arguto da “mundanidade” e um estudioso dedicado do amor. Os textos ali reunidos não são obras-primas, como “Em busca do tempo perdido”, mas ensejam alguns temas e a promissora capacidade de estilo que se realizaria quase duas décadas depois. E, como não poderia deixar de ser, Proust até arrisca alguns poemas – apenas, talvez, para confirmar que o seu negócio não era mesmo ser poeta. E, sim, prosador. Outro aspecto são as citações, às quais se mostra tão apegado. Praticamente todo capítulo abre com uma delas; e quase todo subcapítulo, também. Talvez para indicar um universo respeitável de leituras, um percurso para quem quisesse entender, futuramente, de onde saiu Proust. Além das óbvias (Shakespeare, Platão,...), revela deliberadamente algumas preferências, como Emerson, e uma porção de franceses, como ele: de Victor Hugo a Anatole France (que assina o prefácio), passando por Racine e por Renan. Proust, inclusive, pega emprestados dois personagens de Flaubert e transporta-os para uma narrativa sua. O que reafirma uma verdade capital: um dos pais do modernismo na literatura arrastou consigo toda uma tradição e toda uma língua – e, sem elas, provavelmente não teria sido o que foi. Portanto, para mirar-se em Proust, é preciso, antes, passar por onde ele passou – e não ficar, simplesmente, emulando seu jeito de escrever em pleno século XXI. Talvez ele mandasse esse recado aos escrevinhadores pomposos que, por vezes, encontramos – embora fosse bastante tolerante, quase condescendente, com essa arte “menor”, a imitação... [Comente esta Nota]
>>> Os prazeres e os dias - Marcel Proust - 235 págs. - Codex
 
>>> O CONSELHEIRO TAMBÉM SAI NA TELEVISÃO

A convite de Claudiney Ferreira, apresentador do Jogo de Idéias, Julio Daio Borges, Editor do Digestivo Cultural, participa de uma mesa-redonda sobre Jornalismo na Internet, ao lado de Pollyana Ferrari (autora do livro Jornalismo Digital) e Pedro Doria (colunista do site no mínimo).

Data e Horário: 27/09/04 (segunda-feira) às 19h30
Gravação ao Vivo: Itaú Cultural - Av. Paulista, nº 149 - Tel.: 2168-1700


>>> ...E O DIGESTIVO TAMBÉM TOCA NO RÁDIO (DE NOVO)

Nota transmitida em 20/09/04, na seção "Clique Aqui",
do programa Radar, pela Nova Brasil FM (89,7 Mhz):


"A nossa indicação de hoje aborda um dos mais influentes sites da internet brasileira. O Clique Aqui detecta o DigestivoCultural.com. Trata-se de uma página que apresenta dados para o internauta pensar o mundo, através de um jornalismo de qualidade. São Notas, Ensaios, Colunas e Comentários dos Leitores que recheiam o conteúdo do website. Artes, Cinema, Música e Literatura possuem seus respectivos canais na página. Mas o destaque fica por conta do Fórum de discussão, que traz sempre debates interessantes. Uma boa dica é ler o 'Ensaio de interpretação do Orkut'. Anote a sugestão: DigestivoCultural.com, endereço na internet captado pelo Clique Aqui."


>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* O legado de Einstein - George E. Matsas
(Ter., 28/9, 19h30, VL)

>>> Palestras
* Descobrindo o Universo - Sueli M. M. Viegas e Fabíola de Oliveira (Orgs.) (Qua., 29/9, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Cassino Hotel - André Takeda
(Seg., 27/9, 18hrs., CN)
* Gêneros e formatos na televisão brasileira - José Carlos Aronchi de Souza (Ter., 28/9, 18h30, CN)
* As Bienais de São Paulo - Francisco Alambert e Polyana Canhête
(Ter, 28/9, 18h30, CN)
* Negociação para compradores - e vendedores também - Antonio de Jesus Limão Ervilha (Qui., 30/9, 18h30, CN)

>>> Shows
* Musica das Nações - Horácio Gouveia (piano)
(Seg., 27/9, 20hrs., VL)
* Hollywood: Jazz no Cinema - Traditional Jazz Band
(Sex., 1º/10, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Luísa Maita e a Urbanda
(Dom., 3/10, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A UTOPIA ANTROPOFÁGICA
OSWALD DE ANDRADE
GLOBO
(2011)
R$ 145,00



VICENTE DE CARVALHO VIVO
CASSIANO NUNES
LEP
(1953)
R$ 60,00



MEMÓRIAS DE UM OPERADOR DE HOME BROKER
ALEXANDRE LUIZ MAZZEI DA COSTA
CIÊNCIA MODERNA
(2008)
R$ 29,00



BANDEIRANTES E PIONEIROS - PARALELO ENTRE DUAS CULTURAS
VIANNA MOOG
GLOBO
(1959)
R$ 30,00



NO LIMIAR DO TEXTO: LITERATURA E HISTÓRIA EM JOSÉ SARAMAGO
GERSON LUIZ ROANI
ANNABLUME
(2002)
R$ 9,30



TERRA À VISTA. HISTÓRIAS DE NÁUFRAGOS DA ERA DOS DESCOBRIMENTOS
EDUARDO SAN MARTIN
ARTES E OFÍCIOS
(1998)
R$ 10,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



MORTE NA ALTA SOCIEDADE
GEORGES SIMENON
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



DOMINGO O RABINO FICOU EM CASA - 2ª EDIÇÃO
HARRY KEMELMAN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 13,00



CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ENTENDENDO ESSE DESAFIO
MARIA DE FÁTIMA MINETTO
IBPEX
(2003)
R$ 19,00





busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês