Dentro do Tom | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS >>> Especial Tom Jobim 80

Quarta-feira, 31/1/2007
Dentro do Tom
Guga Schultze

+ de 6000 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Ouvindo o Tom

Direi do Tom que ele era o homem carioca, andando nas ruas, no meio de Ipanema. Os dois, ele e aquelas ruas, estão intimamente ligados e de tal forma que seu fantasma percorre a cidade, a zona sul do Rio, sem nunca dar trégua a nenhum dos outros músicos coadjuvantes.

Ele e Vinícius disseram que não faziam música de elite mas, assim como podemos tirar alguém da ralé mas não se pode tirar a ralé de alguém, da mesma forma, Jobim não conseguiu, não quis, não tentou extirpar a sofisticação natural - a música dele está cheia de vazio, de alturas que vão cobrindo a extensão das planícies rasteiras em que nós, os filhos do sertanejo, os dois filhos de Francisco, os filhos da rapadura com farinha, não sabemos de nada.

Buscamos Jobim no que ele tem de popularesco, midiático, no bom humor e nas tiradas simples, naquela afabilidade que foi gravada em vídeos, nos sorrisos, nas conversas e parcerias com pessoas malandras de vários pontos e geografias desse país amedrontador. Buscamos seu lado caboclo e o encontramos de sandálias e bermudas, sentado na cadeira de palha, chapéu panamá, balançando numa rede; perdoamos seu charuto (pelo menos deve ser cubano) e fazemos vista grossa ao copo com uísque importado. Focalizamos sua cordialidade sem exageros, típica de uma geração que cresceu num outro Rio, de latitude e longitude perdidas e num outro tempo, cujos remanescentes se vão, um a um, como os últimos grãos de areia de uma ampulheta tombada. Nós o achamos assim, na tela da TV, um homem brasileiro e quase comum; e não nos enganamos de todo.

Mas como deviam ser solitárias suas mãos sobre o piano, trabalhando suas construções musicais, sua arquitetura de elegância extrema em contraponto com a paisagem do batuque na cozinha, sinhá não quer, ou dos ritmos infanto-juvenis do novo rock brasileiro. É muito: a sua sólida e vertiginosa arquitetura, onde o espaço é amplo o suficiente para abrigar a nós e outros povos que ali entram em silêncio reverente porque ouvem o som que é mais claro que um sino de catedral, um som de ecos, eólico, o modo pentatônico escorado por uma sólida e imensa estrutura harmônica que embasbacou outros ouvidos afinados.

Stan Getz: "Tom is one of the three greatest composers of this century."
O século ainda era o XX mas Stan Getz foi modesto e o século XX, no Brasil, começou nos anos cinqüenta. No vídeo, Tom afunda na poltrona e puxa o chapéu sobre os olhos. Aceita, resignado, o elogio que lhe caiu no colo e que veio, inesperadamente, num reconhecimento meio tardio, de um outro país que não o seu.

O fenômeno musical em Jobim se revela para qualquer musicólogo ou para um ouvinte atento: Tom é um mestre absoluto em harmonia. Isso significa uma sabedoria - às vezes absurda em sua beleza - na construção e no encadeamento dos acordes. São aqueles acordes que sustentam, muitas vezes, as melodias mais singelas que um compositor de porte poderia criar.

Tom costumava manter suas melodias numa amplitude reduzida, um mínimo de notas, sem arabescos ou volteios desnecessários, limpando e polindo ao máximo os eventuais floreios e disso resulta uma frase melódica direta, clara, simples mas, às vezes, enganosamente simples.

Esse poderia ser considerado o lado mais popular de sua composição: melodias fáceis e facilmente assimiláveis, ainda que sofisticadas em si mesmas. Mas do outro lado da moeda Tom grava sua efígie particular, única, a marca do seu gênio musical. Para aquelas melodias Tom desenvolve uma harmonia irretocável. A elegância chega ao seu auge, não há ornamentos ou excessos de nenhuma ordem, a sofisticação às vezes é quase inconcebível; não há hesitação; há sim uma profundidade maciça e uma inteligência musical que se impõe a cada movimento.

Em 1967 Chico Buarque compôs "Roda Viva", uma canção excelente como tantas outras do Chico. Em 85 Tom compôs "Passarim". Quero ilustrar algo a respeito da música de Jobim e vou usar essas duas canções porque começam quase que da mesma forma. A relação das notas iniciais é a mesma, ou seja, se cantadas no mesmo tom são facilmente confundidas. Poderia tentar mostrar as duas partituras e discutir os intervalos, mas posso fazer minha demonstração de uma maneira mais fácil: usando as letras das canções como recurso para lembrar apenas a melodia e a harmonia, que é o que interessa.

"Roda Viva" começa assim:

"Tem dias que a gente se sente
Como quem partiu ou morreu
A gente estancou de repente
Ou foi o mundo então que cresceu
A gente quer ter voz ativa
No nosso destino mandar
Mas eis que chega a roda viva
E carrega o destino pra lá...
"

"Passarim":

"Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro partiu mas não pegou
Passarinho me conta, então me diz
Por que que eu também não fui feliz
Me diz o que eu faço da paixão
Que me devora o coração
Que me devora o coração
Que me maltrata o coração
Que me maltrata o coração...
"

As duas primeiras linhas de cada canção são melodias quase idênticas. A partir da terceira linha de "Roda Viva" já sentimos o clima da canção em sua totalidade, intuímos onde ela vai chegar ou já percebemos o espaço que ela ocupa. Tirando o fato dela ser uma excelente canção, não há maiores novidades e sabemos mais ou menos o que esperar. A canção decola, ganha sua altura de cruzeiro e vai assim até o final. Sob muitos aspectos (e ainda que seja uma ótima canção) é um tratamento convencional de melodia e harmonia.

"Passarim" usa as mesmas notas até a segunda linha, no entanto já existe uma tensão, inequívoca, presente no movimento descendente de acordes ao fundo. A terceira linha repete o mesmo movimento até que a melodia se liberta subitamente nas duas últimas sílabas - "...me diz.." - alçando de repente um vôo inesperado e se mantendo além do previsível, acima da expectativa anteriormente gerada, acima de qualquer lugar comum, impulsionada no ar por uma estrutura harmônica de beleza ímpar.

Jobim era canhoto e eu especulo, meio forçadamente, sobre a possível influencia disso na sua música. Explico: o lado esquerdo do teclado, no piano, é tradicionalmente associado à seção harmônica da peça executada. A mão esquerda de Jobim ao piano era surpreendente, não em termos de virtuosidade ou algo assim mas na criação da tessitura harmônica. O "Samba de uma nota só" é um exemplo famoso de economia melódica versus desenvolvimento harmônico. Ficou famoso seu "piano de três dedos", um piano de "poucas" notas mas que provocava silêncio em outros músicos que estivessem por perto, que se calavam para ouvir.

Jobim fez parte da Bossa Nova. Ou a Bossa Nova fez parte de Jobim. Ambas as frases são corretas. No entanto a associação de seu nome com o movimento vai perdendo significado na medida em que sua obra ultrapassa os limites do que a Bossa Nova pode abarcar. (Alguns nomes da época também sofrem esse processo, de uma maneira ou de outra, enquanto outros serão para sempre historicamente datados).

Tenho um vídeo memorável de Chet Baker tocando "Retrato em branco e preto". Chet, músico de elegância e bom gosto extremo e cuja vida turbulenta era o oposto da serenidade mostrada ao trompete, não gostava de percussão, bateria ou marcação de ritmo. No vídeo ele está acompanhado apenas de contrabaixo e guitarra; sente-se confortável assim para dar sua versão da música de Jobim e o silêncio naquele clube de jazz atesta o que Chet já sabia - aquela música é feita apenas de harmonia, melodia e silêncio.

Tom era também um bom letrista e teve vários parceiros nessa área. Mas eu prefiro o Tom instrumental e sua melhor música sempre está além das melhores letras. Penso até que as letras, as palavras, reduzem o que era para ser entendido com a outra linguagem, a da música. Peças como "Olha, Maria" ou "Retrato em branco e preto" não precisam de palavras para intensificar o que já é intenso por natureza.

"O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Meu maestro soberano
Foi Antonio Brasileiro
"
(Chico Buarque)

O próprio Chico, letrista inigualável e provavelmente o melhor entre os vários parceiros, disse que a música de Jobim é "toda voltada pra dentro". Dentro do Tom e dentro do mundo que, sem ele, está fora de tom, acho eu.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 31/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jornalista e empreendedor? de Marta Barcellos
02. Machado sem corte de Guga Schultze
03. Jotacê de Paulo Polzonoff Jr


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


Mais Especial Tom Jobim 80
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/1/2007
18h11min
Kudos, Kudos, três vezes Kudos! Mais um excelente texto, quase didático porém não ensina, mostra. Adorei!
[Leia outros Comentários de Claudia Serretti]
31/1/2007
19h27min
Duas aulas em uma, escrever bem sobre o Tom Jobim, o melhor, e uma breve aula de música. Além de estar dentro do Tom, você não desfinou. Para mim um dos melhores discos do TOM é o URUBU, lançado pela Warner Archives, com músicas gravadas em 75 e lançadas pela Columbia Record Studios. As músicas são: Bôto, com vocais de Jobim e Miucha, essa música é de Tom e Jararaca, Lígia, Correnteza (parceria com Luiz Bonfá), Angela, Saudades do Brasil, Valse (Paulo Jobim), Arquitetura de Morar e Homem. Nesse Cd lançado em 95 voce encontra tudo o que descreveu tão bem sobre a obra de Tom, simplicidade, beleza, suavidade, qualidade, uma obra de GÊNIOMESTRE, que consciente disso nunca precisou ser "excêntrico" para chamar a atenção sobre sua obra. Para mim a melhor intérprete que gravou algumas músicas de TOM foi Elizete Cardoso que deixou registrado obras primas como Estrada Branca, O Amor em Paz, Derradeira Primavera, entre outras maravilhosas interpretações. É ouvir e sentir o melhor de TOM e ELIZETE.
[Leia outros Comentários de José Universo Soares]
1/2/2007
11h28min
Puxa, Guga, você sabe das coisas! Sem querer desmerecer os demais textos sobre o Tom neste Digestivo, você falou de Tom com uma propriedade tal que somente os bons ouvidos e os bons escritores poderiam dizer. Fiquei cantando as duas músicas "Roda Viva" e "Passarim" para entender o que você quis dizer e realmente a melodia e o ritmo das duas músicas são idênticas no início e me arrepiei ao descobrir o vôo estupendo e infinito que a canção do Tom nos leva a partir do "me diz". Voei, voei e não quis nunca mais pousar. Guga, não sei se vc é crítico de música, compositor, se tem discos e livros publicados, se não for, acho que tá na hora de pensar na idéia. Quero mais... Sds, Henrique Boschi
[Leia outros Comentários de Henrique Boschi]
1/2/2007
13h27min
Cara, me surpreendi com a sua análise quase jobiniana sobre o Tom e sua produção, ou seja, genial, genial. Esse artigo deveria ser publicado em vários jornais, revistas, livros. Vc conseguiu explicar o que é muito raro alguém saber, sem cair no didatismo teórico imbecil, como muitos o fazem. Vc foi gênio, cara, vc foi grande, vc foi Tom, foi bom. Sinto uma angústia ao pensar que só poucos possam usufruir desse texto, só alguns privilegiados e que não têm ouvido como o seu... Bj.
[Leia outros Comentários de DRI]
1/2/2007
13h39min
Guga, não sou muito de comentar textos, mas tenho que dizer que numa coisa você acertou em cheio: o fantasma do Tom pesa sobre a Zona Sul do Rio, com toda certeza. Mas eu gostaria de acrescentar que não é só nos músicos: é na população toda. Parece que a decadência do Rio tem um quê de ausência do Tom. Aquele estilo de vida genial, porém "largado", de gente como ele, Vinícius e toda aquela patota. Olhando no olho do carioca, ele parece sempre dizer: não vale a pena viver se não for como Tom. Posso estar dizendo bobagem, mas foi sempre isso que senti no Rio de Janeiro...
[Leia outros Comentários de Paulo]
1/2/2007
21h50min
Paulo, obrigado pelo comentário. Eu mesmo, carioca exilado em Minas desde sempre, sinto daqui a falta do Tom. Nada mais certo que isso aí que vc disse. Abraços, Guga
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/2/2007
16h15min
O texto do Guga é denso e vasto, como a música de Jobim. É emocionante e concordo com o Henrique Boschi: esse texto é uma verdadeira atiradeira, que me fez voar pra longe, me projetou pra longe, muito longe daqui. Eu gosto de música. Eu gosto dos Beatles e eles salvaram uma época que poderia ser perdida. Eu gosto deste texto, do Jobim e de bodoques. Valeu, old man.
[Leia outros Comentários de Bruno Sales]
6/2/2007
17h32min
Delirei com o texto, Mr. Schultze. O Bruninho e a Paulinha me aplicaram e tiveram certeza do meu delírio. Valeu demais!!!Abraços, Buda.
[Leia outros Comentários de Daniel Rubens Prado]
6/2/2007
22h34min
Guga, uma vez você me mostrou um texto - nem me lembro se foi prosa ou poesia - que li com atenção e, em seguida, lhe disse: não entendi nada, mas sei que é bom! Devido à complexidade do conteúdo e da forma, não dava para sacar um comentário totalmente racional... Tinha que absorvê-lo talvez pelos poros. Lembro também que já conversamos muito sobre a dificuldade de se atingir a simplicidade. Talvez em tudo mas certamente na música... O Tom Jobim hoje em dia encontra-se na categoria musical que eu mais aprecio, depois da ópera. E depois deles o jazz e a mpb, nessa ordem. O Tom, como você muito bem descreveu, conseguiu essa raridade de ser extremanete simples e extremamente complexo ao mesmo tempo, de ser carioca e ser universal. Tenho um vídeo do Sinatra num show em que ele canta "Bonita" de Jobim, e em que ele fala do Tom com a maior reverência. Adorei o seu texto e o Tom merece cada palavra acertada que você usou!
[Leia outros Comentários de Lumumba]
16/7/2007
12h11min
Jobim só podia ter nascido Antônio, para ser chamado Tom, o mesmo que qualidade sonora, ou nuance musical. O tom, a altura de um som, inclui o silêncio. A boa música requer modulação (mesmo qdo feita com poucas notas), variação de tonalidade como em passarim, que nos possibilita a sensação de acompanhar o vôo, a tensão vivida pelo pássaro fugindo de um tiro, bem como a analogia dessa situação com a perda de uma intensa paixão, que devora, deixa o coração maltratado; sentimos a dor a partir da música, a surpresa de cada emoção. E muitas das canções do Tom transmitem mansidão, calma, suave harmonia, de quem sente um amor tranquilo, seguro, infinito. Taí um cara que parecia estar em paz; se havia um redemoinho dentro dele, como parece haver sempre nos bons criadores de arte, devia ser bem administrado, ou ele o transformava logo em música, aí era só aproveitar o êxtase da criação, ficar zen. Nós também aproveitamos, sentimos falta de mais. Que surjam outros Tons! Será possível? Guga, bjs
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
29/7/2007
10h01min
Guga, você é genial, um gênio, fantástico! O seu texto me faz saudosista de um Rio que não conheci, mas que aprendi a amar através das letras e melodias cheias de Tom do Jobim. Bjs
[Leia outros Comentários de Flávia Serretti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês