Digestivo nº 196 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 13/10/2004
Digestivo nº 196
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Imprensa >>> Desanoitece e amanhã tudo mudou
Marcel Plasse é “low-profile”. Ainda que tenha marcado uma geração nos seus tempos de “Caderno2”, fala de seus feitos com economia e é até difícil arrancar-lhe certas respostas. Sua realização mais recente, para quem acompanha (mesmo que de leve) o mercado de DVD e vídeo, atende pelo nome de “Pipoca Moderna”. Até há pouco, era uma revista simples, de poucas páginas, distribuída gratuitamente em locadoras, livrarias e em alguns pontos estratégicos. Marcel vendia espaço (para anunciantes), escrevia e diagramava cada edição. Quem via de fora, não achava que isso ia durar. Era muito trabalho. “Pipoca Moderna”, no entanto, surpreendeu os incautos. Em vez de sumir, como outras incontáveis publicações, virou “revista de verdade”: com mais de 50 páginas, distribuição (e venda) em banca e até uma pequena redação. Marcel Plasse ainda dirige tudo e seu apartamento, no Morumbi, continua abarrotado de fitas VHS e Digital Versatile Discs. Dividiu os textos com novos colaboradores (muitos da internet), desenvolveu o projeto gráfico (e o site), mas manteve os mesmos patrocinadores. A qualidade é aquela de quem está dando o sangue por uma causa. Ao contrário da postura fria e distante de jornalistas de publicações já consagradas, a turma de “Pipoca Moderna” coloca energia em cada frase e, inclusive, se emociona. Existe um “quê” de autobiografia em escritos sobre a trilogia “Guerra nas Estrelas” (um dos lançamentos mais aguardados), ou então uma apreciação nostálgica do filme “Clube dos Cafajestes”, com o eterno John Belushi. Igualmente na seção “memorabilia”, estão Jonny Quest (o do desenho) e a indefectível (e sempre desejável) Mulher Maravilha (a do seriado). A novidade (além do “upgrade” editorial geral) fica por conta de algumas resenhas de CDs, evocando uma prática antiga (dos anos da “Bizz”), mas em vias de extinção (embora haja tantas tentativas de periódico musical no Brasil...). “Pipoca Moderna”, portanto, é da era em que o jornalismo mandava mais do que a “arte” e do que a área comercial. Quem lê, percebe que há gente lá dentro escrevendo – coisa rara na maioria das vezes. [Comente esta Nota]
>>> Pipoca Moderna
 



Música >>> Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Que conclusão tirar sobre o surgimento de novos talentos na música brasileira? Embora o negócio da música esteja comprometido, ou ao menos mudando radicalmente, estamos lançando gente nova – ou estagnamos como a venda de CDs (cujo marco zero, da queda, é o final da década de 90)? Digamos que a IBM não esperou por essas respostas. Chamou Zuza “A Era dos Festivais” Homem de Mello e montou o e-Festival. Em sua 4ª edição, o evento adotou a abordagem acústica e apresentou ao público, em setembro, já o 3º colocado: a canção “Emaranhado”, de Leandro Dias, Edna Maria Pereira e Felipe Cordeiro, em interpretação de Karina Ninni. Direto de Belém, o grupo mostrou que existem compositores amadurecidos de um Brasil que o Brasil não conhece, e que existem também intérpretes dando um “show”, numa revolução não televisionada. Basta dizer que não ficaram nada a dever (ainda que seu “set” fosse só de três músicas) à quase já veterana Vanessa da Mata (pelo menos em termos de consagração nacional). A mais nova diva desfilou, num vestido branco, o repertório de canções de seu primeiro disco – pois encerrava a turnê naquela noite (e, paralelamente, se preparava para a divulgação do segundo – o que, atualmente, acontece). Mesmo que fuja das comparações como o diabo da cruz, foi inevitável não ver, no palco, um pouco do timbre e dos trejeitos de Marisa Monte; um pouco da presença cênica e do figurino de Maria Bethânia; e um pouco da estridência e da exuberância capilar de Gal Costa. Vanessa da Matta – embora feche os olhos e faça um esforço mental, para recordar sua escalada rumo ao sucesso, de alguns poucos anos pra cá (desde “A força que nunca seca”) – não tem todo o apuro e todo o domínio que se esperava dela. Está muito bem no CD, mas está também crescendo no sentido técnico. É um potencial, mas não uma cantora, como muitos pensam. Felizmente esse é só um lado do e-Festival IBM Acústico: o lado dos convidados. O lado que pode abrilhantar, que pode ofuscar, mas que pode igualmente oferecer interessantes comparações. [Comente esta Nota]
>>> e-Festival
 



Cinema >>> Inteligência artificial
“Terminal” parece encomendado pelo Tio Sam. E deve ter sido mesmo. Mas, apesar disso (ou por causa disso), Steven Spielberg não agüentou e trocou a paranóia persecutória, num cenário de aeroporto, pela fantasia infantil (sua especialidade desde sempre). Não há praticamente razão para irmos ao cinema atrás dele – mas continuamos indo, por quê? Talvez por acertos eventuais, como em “Prenda-me se for capaz” (2002; “quadradinho” como todo Spielberg deve ser, mas, ao mesmo tempo, inteligente). E talvez por alguma fagulha, ou rastro, de Kubrick, como em “A.I.” (2001) e “Minority Report” (2002). E pela crença – um pouco fora de moda, é verdade – na figura do diretor. Estamos sempre sedentos por alguém com um mínimo de estilo. Por isso, o alívio anual (ou bienal) de Woody Allens, Cohens, Almodóvars e, mais recentemente, Tarantinos. Algo no entanto nos diz que o cinemão caminha para a esterilidade total – e que a última salvação vão ser os ciclos, as mostras e os festivais. O centro continua irradiando sua influência de forma bombástica, mas é na periferia que hoje respiramos e acreditamos na criatividade humana. “Terminal”, nesse ponto, é cruelmente divertido ou divertidamente cruel (você escolhe). A interpretação tanto pode ser: “a América (os EUA) se considera o topo do mundo, mas reconhece seus excessos e faz até pilhéria deles”; quanto pode ser: “nós, as nações de terceiro e quarto mundos, nunca vamos superar a imagem do espírito de porco [Tom Hanks], sob as ordens de um ‘ente’ superior, perdido(s) entre a saída do labirinto e alguns prêmios de consolação (e pensar que nós ainda compramos ingresso para nos ver refletidos em película...)”. Nem tanto à terra, nem tanto ao mar. Spielberg não seria tão ingênuo (ainda que seja um pouco) a ponto de lançar uma bala e não prever o tiro ricocheteando. Tampouco é assim tão brilhante para transmitir complexas mensagens dentro de uma fábula rasa e mixuruca. Talvez seja, mais uma vez, o nosso desejo intenso de que as coisas fossem mais elaboradas, e de que tivessem maior profundidade. Nos intervalos entre os grandes mestres (os grandes mesmo), vamos construindo teorias e querendo acreditar que a sétima arte é “melhor” do que é na verdade. [Comente esta Nota]
>>> Terminal
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* O ócio criador: lições da Antiguidade para uma vida mais plena - Viktor D. Salis (Qua., 13/10, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Angus: O Guerreiro de Deus - Orlando Paes Filho
(Qui., 14/10, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Paulo Francis: Brasil na Cabeça - Daniel Piza
(Qui., 14/10, 18h30, CN)

>>> Shows
* Musica das Nações - Paulo Gori (pianista)
(Seg., 11/10, 20hrs., VL)
* Hot Chocolates - Traditional Jazz Band
(Sex., 15/10, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Alexandre Leão (violonista)
(Dom., 17/10, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/10/2004
20h16min
Muito bom o site, o texto é ótimo e prende a leitura. Parabenizo pela qualidade. Mais um vez aceite minhas saudações.
[Leia outros Comentários de R. Monico]
2/3/2005
11h31min
Caro Julio, aqui fala Karina Ninni de Belém (PA), muitíssimo lisonjeada pelo seu digestivo de 10 de outubro de 2004. É bom quando a gente consegue chegar nas pessoas e ter algum retorno, seja ele em forma de crítica ou de elogio. Abraços, K Ninni
[Leia outros Comentários de Karina Ninni Ramos]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ser Mãe é Sorrir Em Parafuso
Lô Galasso
Integrare
(2007)



O Imperio dos Sentimentos e a Ditadura do Prazer
Bayard Galvão
Sobre o Viver
(2007)



Receitas de Pratos Que Combinam Com Cerveja
Maria José Rios e Lizete Teles de Menezes
Marco Zero
(1992)



Sociologia Guia Alfabético
Jean Duvignaud
Forense Universitária
(1974)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Die Italienische Begeisterung: Roman
Gerd Peter Eigner (capa Dura)
Kiepenheuer e Witsch
(2008)



Negociando Racionalmente
Max H Bazerman
Atlas
(2008)



A Raça Santa Gertrudes
Alberto Alves Santiago
Inst de Zootecnia (sp)
(1974)



O Fundo Falso Pesquisas: a Ciência das Verdades Torcidas
Cynthia Crossen
Revan
(1996)



Os Planos da Vida
Kate Lúcia Portela
Ide
(2007)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês