Digestivo nº 301 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Um Recital para Ariano - com Antônio Nóbrega
>>> Coletiva de Arte Naïf | Galeria Jacques Ardies
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aforismos com juízo
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Quando uma moto se apaixona
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> A Serbian Film: Indefensável?
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Digestivo Cultural na ABL
>>> Seis anos em seis meses
>>> Valeu a espera
Mais Recentes
>>> La Structure des Révolutions Scientifiques de Thomas S. Kuhn pela Flamarion (1972)
>>> Terceiro Mundo - Unidade e Emergência de J. Soares Pereira pela Nstituto Brasileiro de Estudos (1962)
>>> Filosofia, História e Sociologia das Ciências de Org. Vera Portocarrero pela Fundação Oswaldo Cruz (1994)
>>> Bacharel Ou Professor? Processo Reestruturação Cursos de Formação... de Donaldo Bello de Souza e Rodolfo Ferreira (org.) pela Quartet (2000)
>>> Proezas do Menino Jesus de Luís Jardim pela José Olympio
>>> Facetas do Império na História: Conceitos e Métodos de Vários Autores pela Hucitec (2008)
>>> A Mulher Afrodita de Mário René Schweriner pela Harmonia (1993)
>>> Sic 2009 - Provas na Integra Brasil de Atilio Gustavo B. Barbosa e Sandriane D. Caldeira pela Medcel (2009)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec; Evandro Noleto Bezerra pela Lake (2006)
>>> Vita Di Galileo Galilei de Antonio Banfi pela Cuem (1962)
>>> Metamorfose do Poder: Prolegômenos Schmittianos a Toda Sociedade Futur de Alexandre Franco de Sá pela Viaverita (2012)
>>> O Rebelde do Traço: a Vida de Henfil de Denis de Moraes pela Jose Olympio (1996)
>>> Manual de Administração de Loja de Waldyr Jacinto de Araújo pela Essimger (1987)
>>> Buriti Plus. Matemática - 4º Ano de Vários Autores pela Moderna (2019)
>>> Reconstrução do Homem - 2ª Edição de Plinio Salgado pela Voz do Oeste (1983)
>>> Lesprit Dans La Machine: Fondements de Lintelligence Artificielle de John Haugeland pela Odile Jacob (1989)
>>> O Primo Basílio - Série Bom Livro de Eça de Queirós pela Ática (1998)
>>> Homo Ludens: Essai Sur La Fonction Sociale Du Jeu Capa Comum de Johan Huizinga pela Gallimard (1951)
>>> Buriti Plus. Português - 4º Ano de Vários Autores pela Moderna (2020)
>>> Regards Numero 8 L Ethique Quelques Reperes de Vários Autores pela Economica (1994)
>>> Calcul des Probabilités de Henri Poincaré pela Gauthier Villars (1912)
>>> Trabalho Produtivo Em Karl Marx-velhas e Novas Questões de Vera Cotrim pela Alameda (2012)
>>> Verdi Em Versos de Mendel Mendlewicz pela Gafisa (2004)
>>> Buriti Plus. História - 4º Ano de Vários Autores pela Moderna (2019)
>>> La Philosophie Empiriste de David Hume de Michel Malherse pela J. Vrin (1976)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 27/10/2006
Digestivo nº 301
Julio Daio Borges

+ de 2500 Acessos




Imprensa >>> Estilo radical
A Piauí conseguiu ser uma das revistas mais aguardadas e mais comentadas dos últimos tempos. Lá se vão quase dez anos do lançamento da Bravo!, que também provocou alguma comoção quando saiu mas que gerou certa desconfiança por ser excessivamente “plástica”. Em 1998, a internet comercial ainda engatinhava e ninguém acreditava que o texto pudesse ter, novamente, mais importância do que a imagem. Uma revista tinha de ser acintosamente bonita, como a Bravo!; e a Caros Amigos, então um hit menos engajado, era vista como de projeto gráfico ultrapassado. Tudo bem que, em 2006, a Piauí não é exatamente a última moda em matéria de design, mas seu texto vem se impondo gradativamente. Também, pudera: conseguiu o feito de trazer Ivan Lessa de volta ao Rio, quase trinta anos depois da sua partida – e ele produziu um texto que justifica a afirmativa de Diogo Mainardi de que seja um dos maiores escritores do Brasil... Rubem Fonseca é outro; é, ainda, um dos nossos maiores contistas vivos, junto com Dalton Trevisan – e está na Piauí com “Miriam”. A revista de João Moreira Salles, com direção de Mario Sergio Conti, quer ser nada mais nada menos que a New Yorker brasileira. O primeiro número é igualmente auspicioso graças a reportagens como a de Vanessa Barbara, sobre os amaldiçoados atendentes de telemarketing. A missão da Piauí, portanto, é civilizatória. Resta saber se vai haver ressonância por parte do público; se os anunciantes vão literalmente comprar a idéia; e se a redação vai manter esse nível depois de três décadas em que a tradição do bom texto foi deixada para trás. São pelo menos uma trinca de enigmas para a Piauí resolver. A isso, junte-se inevitavelmente o tema do “suporte” papel. A revista não se posicionou com relação à internet – e qualquer profissional de mídia sabe que, independente da qualidade da publicação, esse posicionamento hoje é fundamental. [Comente esta Nota]
>>> Piauí
 



Música >>> Sarabande
São Paulo vive uma espécie de apoteose das suas temporadas de concertos, e até a Veja em São Paulo já reconheceu que, antes de 2006, nunca houve calendário igual. A capital paulista não tem mais por que invejar a Buenos Aires do Teatro Colón e nem tem por que ficar no saudosismo do tempo de Maria Callas... Ainda que a Veja pare um minuto para refletir sobre isso, normalmente a imprensa dá pouca atenção ao fato – e menos atenção ainda, aparentemente, a apresentações antológicas como o virtuose Ilya Gringolts, na semana passada, encerrando a Temporada 2006 dos Concertos Itaú Personnalité. Gringolts, ao violino, levou o Prêmio Paganini aos 16 anos e agora, aos 24, está dando o ar da graça em nosso País. Como se não bastasse, encarou a celestial obra de Bach – que compunha sempre “para a glória de Deus” (aliás, se Deus não existisse, Bach o teria inventado). Enfim, Gringolts deu uma performance digna da expressão “arena sangrenta”, que é como Glenn Gould classificava suas apresentações. O violonista russo executou as três primeiras sonatas (BWV 1001, 1003 e 1005) e as três primeiras partitas (BWV 1002, 1004 e 1006), incluindo a monumental Chacona, de dezessete minutos. A platéia, meio embasbacada, não sabia se prestava atenção na ausência de partitura, na agilidade sobre-humana do performer ou se na grandeza da obra de Bach. Ilya Gringolts, em princípio inabalável, dava conta do programa como se o encarasse diariamente numa espécie de “aquecimento”. Lembrou, de novo, o Gould do livro de Thomas Bernhardt, que tinha na cabeça as obras completas para piano de muitos dos grandes compositores – começava, “na brincadeira”, ao meio-dia e só parava às duas da manhã. Ilya Gringolts, para usar outra expressão do escritor austríaco, é uma dessas “máquinas de fazer arte”. Quem viu, viu; quem não viu, talvez, só na próxima encarnação. [Comente esta Nota]
>>> Concertos Itaú Personnalité
 



Além do Mais >>> Dentro da Floresta
Em tempos em que o jornalismo anda tão desacreditado, com o eterno encolhimento das redações, com a concorrência crescente das novas tecnologias e com a decorrente crise de identidade das empresas de mídia, o jornalista, quando abordado, não se mostra naturalmente a pessoa mais animada do mundo. Portanto, é no mínimo surpreendente encontrar alguém como Matinas Suzuki Jr., que acredita ainda no bom jornalismo e na sua prevalência, quando o que vende bem (quando vende) é sensacionalismo, “celebridismo” e até desinformação. Matinas está à frente do curso de Jornalismo Literário da Casa do Saber. Além de acumular a experiência de professor em cursos universitários de graduação, coordena a coleção de mesmo nome pela editora Companhia das Letras e, sobretudo, prega que o jornalismo é capaz de produzir heróis como George Orwell, Joseph Mitchell e o nosso Euclides da Cunha. Os Sertões, para Matinas, é a maior obra de jornalismo literário de todos os tempos; Mitchell é um monumento que a New Yorker se deu ao luxo de sustentar; e Orwell, aposta, será no futuro mais lembrando por seu jornalismo – existencial? – do que por sua ficção. Com uma platéia seletíssima, que inclui nomes como Marcos Caetano e Gisela Rao, a Casa do Saber tem encampado, às quartas-feiras, debates apaixonados num momento em que teóricos, nos Estados Unidos, já calculam até o ano de extinção dos jornais em papel... No Brasil, o próprio Matinas, apesar de sua coleção, se surpreende com o boom editorial do jornalismo literário em livro: Janet Flanner, A.J. Liebling, e E.B. White – são apenas alguns dos nomes nos últimos anos. Embora tenha feito parte do establishment jornalístico, Matinas afirma que o jornalismo brasileiro não poderá fugir para sempre da qualidade; pena que ele seja, justamente, uma exceção à regra. [Comente esta Nota]
>>> Casa do Saber
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA

O Viandier, Casa de Gastronomia, convida, nesta semana, os Leitores do Digestivo Cultural para o workshop de "Panificação e Confeitaria", com Juan Bertoni, ex-chef patissier do Copacabana Palace, que virá do Rio especialmente, nesta quarta e quinta-feiras, dias 25 e 26, às 19h30. (O Viandier fica na alameda Lorena, nº 558, nos Jardins e o telefone, para reservas, é: 11 3057-2987 ou 3887-2943 – ou pelo e-mail).



>>> Palestras
* Sarau Lítero-Musical do Instituto de Avanços em Medicina
Dra. Nise Yamaguchi
(Sáb., 28/10, 17h00, VL)

>>> Autógrafos
* Política e Psicanálise - Ricardo Goldenberg
(Seg., 30/10, 19h00, CN)
* Destino Transilvânia - Regina Drummond
(Ter., 31/10, 18h30, CN)
* O Nome da Morte - Klester Cavalcanti
(Ter., 31/10, 18h30, VL)

>>> Shows
* Grooves - Alexandre Grooves
(Sáb., 28/10, 17h00, MP)
* Espaço Aberto - Rogério Maudonnet
(Dom., 29/10, 18h00, VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** Livraria Cultura Market Place Shopping Center (MP): Av. Chucri Zaidan, nº 902
**** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Contabilidade para Executivos
André Luis Fernandes Limeira
Fgv
(2003)



O menino que veio para ficar
Ganymédes José
Edijovem
(1977)



Socorro! Preciso de motivação
Luiz A. Marins Filho, Ph. D.
Harbra
(1995)



O Livro Branco
Jean Cocteau
Assírio&Alvim
(2010)



Tristao e Isolda - o Mito da Paixão
Maria Nazareth Alvim de Barros Barros
Mercuryo
(1996)



A Criança e Seu Desenvolvimento
Zilma de M. Ramos de Oliveira
Cortez
(2001)



Umbanda e o Sentido da Vida - Mediunidade de Incorporação - 2ª Ed
Alexandre Cumino
Madras
(2018)



Produção gráfica II
Mária Carramillo Neto
Global
(1997)



Um Certo Jaques Netan
Carlos Nejar
Aché
(1991)



Tropical Sol da Liberdade
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(2008)





busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês