Digestivo nº 362 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
>>> Clube do Disco - Clube da Esquina
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Fábrica
>>> Brasileiros aprendendo em inglês
>>> A revista Bizz
Mais Recentes
>>> Senhora das águas de Pedro Siqueira pela Prata (2011)
>>> Sos Truques do Lar de Leandro Margareth pela Ediouro (2010)
>>> As Melhores Frases Em Veja de Julio Cesar de Barros pela Benvirá (2012)
>>> São Francisco de Assis de Jacques Le Goff pela Record (2001)
>>> A Febre do Planeta de Edson Gabriel Garcia pela Ftd (2010)
>>> A Saga De Rondom de Jairo Mozart pela Brasília (2011)
>>> Como Abrir uma Loja Virtual de Sucesso! de Mauricio Salvador pela Comschool (2016)
>>> Plantando Sementes - Casos e Mensagens de Mara Brattig pela Rai (2010)
>>> Apesar de Não Parecer... Ele Não Está Só de Sérgio Chimatti Espírito Anele pela Vida & Consciência (2011)
>>> Scarlett - a Continuação de ... e o Vento Levou de Margaret Mitchell pela Record (1991)
>>> A Ladeira da Memória de José Geraldo Vieira pela Planeta do Brasil (2003)
>>> Depois da Escuridão de Tilly Bagshawe; Sidney Sheldon pela Record (2010)
>>> Isso é Grego para Mim de Michael Macrone pela Rotterdan (1994)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Tecnoprint Gráfica
>>> Você É o Que Você Compartilha de Gil Giardelli pela Gente (2012)
>>> O Bispo: Amor e Sexualidade Face a Face de Ana Cristina Vargas pela Vida e Consciencia (2014)
>>> A Liga da Saúde - Livro do Aluno de Eureka pela Eureka
>>> Curso de Direito da Seguridade Social de Augusto Massayuki Tsutiya pela Saraiva (2008)
>>> O Imperialismo Sedutor: A Americanização do Brasil na Época da Segunda Guerra (relações Internacionais) de Antonio Pedro Tota pela Companhia Das Letras (2000)
>>> Ísis Sem Véu, Vol. II de H P Blavatsky pela Pensamento (2012)
>>> Como Manter a Mente Sã de Philippa Perry; Cristina Paixao Lopes pela Objetiva (2012)
>>> Liberdade Até Agora: uma Antologia de Contos de Vários Autores pela Móbile (2011)
>>> A Busca da Verdade no Processo Penal de Marco Antonio de Barros; Rogerio Laura Tucci pela Rt (2002)
>>> Onde Deixei Meus Óculos? de Martha Weinman Lear pela Sextante (2008)
>>> O Senhor da Fronteira de Sophia James pela Históricos
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 11/4/2008
Digestivo nº 362
Julio Daio Borges

+ de 2200 Acessos




Imprensa >>> A morte do jornal, pela New Yorker
Primeiro, foi a melhor revista do mundo, The Economist, proclamando, em setembro de 2006, que os jornais estavam tecnicamente mortos. Agora, no último 31 de março, foi a vez da New Yorker, a "segunda" melhor revista do mundo, proclamar: os jornais estão morrendo. Segundo Eric Alterman, que assina o texto "Out of Print": na era da internet, ninguém descobriu ainda como salvar o formato jornal — nos Estados Unidos e no resto do mundo. De acordo com Alan Mutter, empreendedor do setor de mídia (entrevistado para a matéria), nos últimos três anos, os jornais norte-americanos, ou melhor, as empresas que os produzem, perderam 42% de seu valor de mercado na bolsa. The New York Times, por exemplo, viu suas ações caírem 54%, em Wall Street, desde 2004. E não é apenas especulação financeira: desde 1990, um quarto dos empregos em jornais norte-americanos foram simplesmente extinguidos. Sem contar que apenas 19% dos americanos entre dezoito e 34 anos afirma "ter dado uma olhada" num jornal de papel no último mês (a idade média do leitor de jornal, nos Estados Unidos, está em 55 anos, e subindo). Não à toa, as famílias que foram, por décadas, proprietárias de marcas estabelecidas nos EUA, como The Wall Street Journal e Los Angeles Times, venderam a maior parte de sua participação. A empresa que dirigia The Washington Post deixou de ser só de "mídia" para acrescentar um braço de "educação". Mas analistas de mercado, como os do Deutsche Bank, aconselham seus clientes a se desfazerem logo das ações de jornais, mesmo que sejam do "melhor do mundo", The New York Times. Um pouco atrasados, os jornais vêm migrando para a internet — contudo, como reforça a New Yorker, suas receitas on-line ainda não cobrem as perdas em anúncios e circulação. Lembrando a previsão de Philip Meyer — de que os jornais vão desaparecer antes de 2050 —, a segunda melhor revista do mundo pede que se abra, logo, o Newsmuseum, o museu do jornal. [8 Comentário(s)]
>>> Out of Print: The death and life of the American newspaper
 



Cinema >>> Piaf, por Marion Cotillard
Entre mais uma vítima dos excessos "artísticos" do século XX, esteve Piaf, Édith Piaf — ou, pelo menos, é assim que nos faz crer o premiado filme sobre sua vida e trajetória como intérprete, agora em DVD. Aparentemente, uma mistura fatal de álcool e drogas injetáveis, em doses cavalares durante anos, terminaram por aleijar, inutilizar e, claro, matar a cantora comumente associada a "La Vie En Rose", "Non, Je Ne Regrette Rien" (seu auto-retrato, somos informados) e "Ne Me Quitte Pas" (que surpreendentemente não está na trilha sonora). De fato, é impressionante a performance de Marion Cotillard (n. 1975), que, enquanto respeitou o mito da artista Piaf, desconstruiu sua pessoa, sua vida pessoal, chegando a um resultado perturbador (quando não exagera pelo choque ou, simplesmente, quando não atordoa o espectador). A exemplo, nos Estados Unidos, de Billie Holiday (e, no Brasil, de Carmen Miranda), Piaf foi moída pelo rolo compressor do show business, enquanto se entregava, desde cedo, à boemia nas horas vagas, e a afetos não correspondidos, desde os pais (desnaturados) até um amor impossível e, finalmente, trágico. Não espanta que, pela caracterização no longa, aos 40 anos Piaf aparentasse ter o dobro da idade, desmaiando em meio a temporadas (nossa Carmen também caiu, na televisão, no dia de sua morte), abandonando o palco, e se arrastando de volta — numa persistência, aliás, émouvante. Artista intuitiva, segundo nos contam, Piaf não teve, formalmente, aulas de canto, apenas algumas sugestões na pronúncia (apressada), e no gestual — gravando, imaginamos, "de primeira", nunca estudando, e reconhecendo a qualidade de uma canção já nos primeiros versos ao piano. Da infância num prostíbulo, passou ao circo, cantou na rua, em cabarés, foi a voz de Paris e ganhou o mundo. Mas a que preço? O DVD, também felizmente, não nos permite conclusões morais; só fica a aflição de uma Piaf, para sempre, transtornada. [2 Comentário(s)]
>>> Piaf: um Hino ao Amor
 



Artes >>> Debret e o Brasil, pela editora Capivara
Decididamente, um dos maiores presentes, nesta comemoração de 200 anos da chegada da Família Real Portuguesa, é Debret e o Brasil, o catálogo raisonné, a obra completa do pintor-cronista francês, com organização de Julio Bandeira e Pedro Corrêa do Lago, pela editora Capivara. Jean-Baptiste Debret, primo "in law" de Jacques-Louis David ― o grande nome do neoclassicismo napoleônico ―, desembarcou no Rio de Janeiro em 1816, nos embalos da chamada Missão Francesa, e no Brasil permaneceu até 1831, documentando, como ninguém, a transformação da colônia barroca em sede, civilizadamente europeizada, do império português. Debret e o Brasil, num esforço monumental de pesquisa, reúne, pela primeira vez, mais de 1300 imagens, em mais de 700 páginas, sendo 200 obras inéditas (entre elas, seis novas pinturas a óleo recentemente descobertas). Esse trabalho hercúleo de documentação ― que permitiu a Debret ser considerado inclusive "o maior repórter" do País ― resultou na sua já clássica Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil (1834-1839), nosso principal cartão de visita na Europa do século XIX, e fonte iconográfica inesgotável, até para a formação do nosso olhar e da nossa identidade como nação. Embora Nélson Rodrigues considerasse o brasileiro médio um "analfabeto plástico", não há, entre nós, quem não tenha consigo, mesmo que no inconsciente, as imagens de Debret ― que agora, com esse catálogo raisonné, permitem, além da viagem no tempo, um mergulho no Brasil profundo, de 200 anos para cá. Com prefácio do historiador José Murilo de Carvalho, o volume ainda refaz todo o percurso das obras nele reunidas, desde sua concepção até seu paradeiro (às vezes incerto), até, muitas vezes, seu feliz retorno ao Brasil. A editora Capivara já nos havia brindado com a bela edição das obras de Debret reunidas pelo colecionador Castro Maya, mas, com este Debret e o Brasil, recoloca tanto o País quanto seu pintor-redentor novamente no circuito internacional das artes. [1 Comentário(s)]
>>> Debret e o Brasil
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Doces Momentos
Danielle Steel
Record
(2008)



Histórias do Clube da Esquina
Laudo Ferreira; Omar Vinole
Devir
(2011)



O Ministério Carismático
Gordon Lindsay
Graça
(1997)



Viagem à Aurora do Mundo
Érico Veríssimo
Globo
(1996)



Juízo Final
Sidney Sheldon
Siciliano
(2000)



Cristo - O avatar do amor
Haroutiun Saraydarian
Pensamento
(1991)



A Queixa da Paz
Marcos Eduardo Melo Dos Santos
Clube De Autores
(2020)



Que Raio de Professora Sou Eu?
Fanny Abramovich
Scipione
(1990)



A nau dos insensatos
Katherine Anne Porter
Abril
(1974)



Filosofia da Educação
Maria Lucia de Arruda Aranha
Moderna
(2006)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês