Digestivo nº 378 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 22/8/2008
Digestivo nº 378
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos




Música >>> Coleção Folha 50 Anos de Bossa Nova
Entre iniciativas oportunistas e exposições inócuas, a Coleção Bossa Nova da Folha se revelou uma das melhores homenagens ao movimento musical que completa agora 50 anos. Com textos de Ruy Castro — indiscutivelmente um dos maiores especialistas na matéria —, os 20 discos formam a trilha sonora quase ideal para o mesmo Chega de Saudade (a biografia que, em 2009, completa 20 anos). "Quase" porque João Gilberto está praticamente ausente; o inventor da batida fugiu da efeméride o quanto pôde (o que deixa a comemoração um tanto manca; ainda que se considere sua idade avançada e as históricas idiossincrasias). A Coleção, no entanto, passa bem e o público, com sorte, não vai nem reparar — pois todos os grandes estão lá (Tom, Vinicius, Johnny Alf e João Donato); todos os discípulos (Nara Leão, Carlos Lyra, Marcos Valle e Roberto Menescal); os principais intérpretes (Pery Ribeiro, Maysa, Wilson Simonal e Os Cariocas); e até os precursores (Dick Farney e Lucio Alves). A arte, nos CDs (pretos), evoca os antigos compactos em vinil; e os livros (não é exagero) têm uma saudável pretensão enciclopédica, com panoramas amplos e fotos especiais. Se as gravações de Tom Jobim (o primeiro volume) não são as mais originais (privilegia-se a fase "Banda Nova"), as de Dick Farney (o segundo) são quase inéditas, posto que o rádio brasileiro varreu tudo o que precede a chamada "modernidade" na nossa música. Muita expectativa em relação aos volumes dos artistas que não foram contemplados recentemente com caixas pelas gravadoras (box sets): como os próprios mestres Donato e Alf; o ídolo de João, Lucio; a precocemente desaparecida Sylvia Telles; e o trio do baterista que ensinou ritmo aos gringos, Milton Banana. Enfim, muito mais que blablablá por escrito, revivals constrangedores e efeitos especiais de mau gosto, a Coleção da Folha se concentra no que a bossa nova tem de melhor, a música. [1 Comentário(s)]
>>> Coleção Folha 50 Anos de Bossa Nova
 



Literatura >>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
E Vinicius teve sua cota de homenagens, ultimamente, nos 90 anos de seu nascimento (em 2003). Mas, agora, a Companhia das Letras está fazendo algo que realmente interessa — reeditando suas obras, em ordem, com capas originais de décadas atrás. Nesta primeira leva, além do clássico Poemas, Sonetos e Baladas (1946), acrescido do nunca mais editado Pátria Minha (1949; manualmente por João Cabral de Melo Neto), surge a preciosidade O Caminho para a Distância (1933, o primeiro livro — renegado — de Vinicius). Se no primeiro volume encontramos os bastante conhecidos "Soneto de separação", "Soneto de fidelidade", "Soneto do amor maior" e "Soneto de quarta-feira de cinzas", no último um quase anti-Vinicius surge, espiritualizado, melancólico e místico. Capaz de versos premonitórios como: "Virá o dia em que eu hei de ser um velho experiente/ Olhando as coisas através de uma filosofia sensata". Ou de uma consciência precoce do ofício da poesia: "A vida do poeta tem um ritmo diferente/ Ela o conduz errante pelos caminhos, pisando a terra e olhando o céu". Ou capaz, ainda, de evocações como: "No olhar aberto que eu ponho nas coisas do alto/ Há todo um amor à divindade". O Vinicius posterior — mundano, inconseqüente e bon-vivant — obviamente se arrependeria desta primeira obra — quase pia, virgem, imaculada ainda. Mas, mesmo renegando seus motivos, é possível encontrar um autor de 20 anos, já senhor do seu estilo, que, inclusive, justificaria: "Seus defeitos de idéia [do livro] são os meus defeitos de formação. Seus defeitos de construção são os meus defeitos de realizador". Antônio Carlos Secchin, com sabedoria, concluiu no posfácio: "(...)num determinado momento, esta foi a melhor poesia que ele logrou produzir". O Caminho para a Distância demonstra que, ao contrário do que pensam seus imitadores bêbados, houve um longo caminho até o letrista da bossa nova. [Comente esta Nota]
>>> O Caminho para a Distância - Poemas, Sonetos e Baladas - Nova Antologia Poética
 

Alexandre Schneider/UOL


Teatro >>> Breu e 21, do Grupo Corpo
Lenine despontou como uma nova promessa da MPB, com Marcos Suzano, em Olho de Peixe (1993); ascendeu à mais alta hierarquia da música brasileira contemporânea, com Chico Buarque e Edu Lobo, no musical Cambaio (2001); e, de lá, despencou. Encenando um Lenine que, mais uma vez, tenta se reerguer, encontra-se o Grupo Corpo, neste momento em cartaz em São Paulo, com o espetáculo Breu, o trigésimo terceiro da companhia que nasceu, em 1975, em Belo Horizonte. Contrastando com 21, um balé de 1992, na linha mais alegre e colorida (brasileira) do Grupo, Breu (2007), com música do compositor pernambucano, contrapõe guitarras roqueiras ao minimalismo formal do ensemble mineiro Uakti, tensão e violência a delicadeza e detalhismo, individualismo e solidão a coletividade e integração. Embora tecnicamente Breu exija muito mais dos bailarinos, a crítica considerou que o novo balé causa tensão, em vez de promover, entre a platéia, emoção. Seqüências de choques, virtuosismo e tons monocromáticos sucedem a harmonia de conjunto, a suavidade e o patchwork de 21. Na sua época, Cambaio igualmente chocou por, num primeiro momento, evocar a aura melódica de um Circo Místico (1983), mas, na hora H, privilegiar a distorção, a cacofonia e o ruído. As peças de Chico Buarque e Edu Lobo se mostraram difíceis de reconhecer, em meio à pirotecnia do cenário, ao vozerio dos atores e à execução ensurdecedora das canções. Lenine, que inicialmente entrou consagrado no projeto, saiu chamuscado da experiência, enquanto Chico e Edu ofereceram declarações desencontradas e, num segundo momento, preferiram gravar suas próprias versões das músicas de Cambaio. Hoje, Rodrigo Pederneiras, o bailarino que assumiu as coreografias do Grupo Corpo desde 1981, confessa que saiu de seu elemento para trabalhar com a ajuda de Lenine — esperamos, contudo, que Breu não repita a triste história de Cambaio e que tudo não passe de uma má impressão (momentânea). [1 Comentário(s)]
>>> Grupo Corpo no Teatro Alfa
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Précis Dhistoire Romaine
Marcel Bordet
Armand Colin
(1969)



De Parte de La Princesa Muerta
Kenizé Mourad
Tusquets
(2001)



Poesias - Coleção L-pm Pocket
Fernando Pessoa
L&pm
(2003)



Alaska Trees and Shrubs
Leslie A. Viereck , Jr. Elbert L. Litt
Forest Service U S Departmen
(1972)



Operação Cavalo de Tróia 4 - Nazareth
J. J. Benítez
Mercuryo
(1990)



Os Gnomos do Ipiranga
Shiyozo Tokutake
Atual
(1995)



Life and Works of Renoir
Janice Anderson
Siena
(2002)



Mãe Beata de Yemonja - Guia, Cidadã, Guerreira
Haroldo Costa
Garamond
(2010)



Tudo Que Voce Precisa Saber
Siro Darlan de Oliveira
Dp&a
(2004)



Coaching - Mude seu mindset para o sucesso - volume 2
Jaques Grinberg
Literare Books International
(2019)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês