Digestivo nº 54 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> A Máquina de Xadrez de Robert Löhr pela Record (2007)
>>> Caça às Bruxas Macartismo: uma Tragédia Americana de Argemiro Ferreira pela L&pm (1989)
>>> Curso De Direito Penal - Parte Especial - Vol. 2 de Fernando Capez pela Saraiva (2013)
>>> Coleção Oab Nacional - Direito Penal de Luiz Antônio de Souza pela Saraiva (2014)
>>> A casa de Hades - Percy Jackson de Rick Riordan pela Intrinseca (2013)
>>> Leituras Indispensáveis 1 de Aziz Ab'Sáber pela Ateliê (2008)
>>> O Tango da Velha Guarda de Arturo Pérez-reverte pela Record (2013)
>>> O Decimo Inferno e Luna Caliente de Mempo Giardinelli pela Record (2003)
>>> Nefrologia de M. Legrain et Al. pela Masson (1983)
>>> Paraíso de Tatiana Salém Levy pela Foz (2014)
>>> A Chave da casa de Tatiana Salém Levy pela Record (2007)
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 31/10/2001
Digestivo nº 54
Julio Daio Borges

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Imprensa >>> Não deixe-o, por isso ame-o?
Em alguns cantos do País, já é possível sentir certos ventos de euforia, que sopram em favor das coisas do Brasil. É uma falsa preferência nacional. No fundo, escolhe-se entre o ruim e o pior. Em vez de ter de encarar aviões-bomba e armas químicas, o paulistano e o carioca, por exemplo, preferem um revólver na cabeça ou um seqüestro relâmpago. As manifestações ufanistas crescem sem razão: as pessoas comparam os Estados Unidos ao Brasil, quando não existe qualquer base de comparação. Um dos nossos trunfos, segundo a imprensa, é agora o turismo. A revista IstoÉ enumera, de boca cheia, casos de brasileiros que trocaram uma temporada em alguma metrópole norte-americana (ou até européia) pela tranqüilidade de um paraíso tropical tupiniquim. De fato, em alguns confins do Norte e Nordeste tem-se a impressão de que o mundo parou, jamais se ouve qualquer menção a Bill Gates ou Bin Laden. Ainda assim, com essa ilusão de paz e segurança, existem realmente motivos para comemorar? Qual a grande vantagem de não estarmos entre os alvos dos terroristas, se nós temos os nossos próprios, made in Brazil? Muito bem, diminuíram as viagens para Nova York. Mas alguém honestamente acredita que a Big Apple é a única prejudicada? Perdem também as nossas agências e operadoras, com está a Soletur aí para provar. Os detratores do Tio Sam não percebem que, com ou sem globalização, estamos todos amarrados a eles. Como num dominó planetário, se eles caem, nós caímos também. Outra coisa: não é porque os Estados Unidos “piora” que o Brasil “melhora”. É típico dos pequenos esperar por qualquer escorregão dos grandes e, então, proclamar sua pretensa superioridade. [Comente esta Nota]
>>> Paris fica para depois
 



Música >>> Pra você, eu digo sim
No final dos anos 1960, no Brasil, era avant-garde afirmar que, em termos de MPB, “os Mutantes eram demais”. O grupo se dissolveu nos anos 1970 e levou a pecha de genial, por causa do trio-parada-dura de Rita Lee e dos irmãos Sérgio Dias e Arnaldo Baptista. Dos dois últimos, um se mudou para a Europa, entretendo-se com música instrumental e trilhas sonoras; o outro gravou álbuns “viajandões”, despirocou, e virou cult – a exemplo (sem qualquer intenção maldosa) de Syd Barrett, do Pink Floyd. Verdade seja dita: Rita Lee, que buscou caminhos para a música brasileira – no Brasil – terminou menos “festejada”, afinal de contas, santo de casa, que ainda por cima fica em casa, não faz milagres. “Aqui, ali e em qualquer lugar”, o CD recém-lançado pela moça dos cabelos vermelhos, chega portanto para extirpar qualquer dúvida acerca do talento, igualmente genial, de Rita Lee Jones. O disco contém regravações dos Beatles, em arranjos originalíssimos de Roberto de Carvalho, que, junto com a sua senhora, lançou as primeiras versões genuinamente brasileiras das canções dos Fab Four. A crítica vai implicar com as letras reescritas em português (coisa que os músicos previram, incluindo as faixas equivalentes – e intactas – em inglês). Não há como negar, porém, as surpresas, ao ouvir, por exemplo: “With a little help from my friends”, convertida em bossa nova; “All my loving”, em pura inspiração jobiniana, com piano minimalista de João Donato; “She loves you”, transformada em samba; “I want to hold your hand”, transfigurada em forró. Mesmo quando não mexe em “nada”, Rita Lee trata de recriar hits executados à exaustão, acrescentando nuances vocais e instrumentais, como em “Michelle” e “Lucy in the sky with diamonds”. Resumindo: é um CD impecável, que merecia vender feito pão quente. (Ainda que isso não aconteça, fica registrado que Rita Lee Jones é muito mais que a moça que, nos Mutantes, tocava pandeirinho vestida de noiva.) [Comente esta Nota]
>>> http://www.ritalee.com.br/
 



Artes >>> Só é gordo quem quer
O 27º Panorama de Arte Brasileira abriu suas portas na semana passada, no Mam. Champanhe para os convidados, artistas com cabelos multicoloridos, patrocinadores engravatados, curadores com a mirada perdida no horizonte. Tinha de tudo. Nem adiantava perguntar o que era sério e o que era piada (com a cara do espectador). Um trabalho, no entanto, chamou a atenção e captou mais do que alguns segundos daqueles que passavam pelas instalações, pelos vídeos e demais objetos inclassificáveis. Foi a pesquisa de Fernanda Magalhães sobre a obesidade, mais especificamente sobre a “mulher gorda brasileira”. Numa parede estavam penduradas fotos de uma de suas modelos: primeiro, vestida; depois, nua. Numa outra parede foram colados e-mails de um grupo de internautas que se identificavam exatamente pelo excesso de peso. De repente, suas histórias de vida invadiam os pensamentos dos passantes e – para completar – um fone com depoimentos, pendendo do teto, estava disponível para quem quisesse ouvir aquelas pessoas falando. Hoje em dia, com as academias de ginástica, com os alimentos sem gordura e sem açúcar, com o excesso de zelo em relação ao corpo, os gordos (sem eufemismo) são uma espécie em extinção. Um deles afirma com razão: alguém já pensou o que significa ser consideravelmente “enorme” e viver como herege dentro da religião que prega 24 horas por dia a “boa forma”? De um momento a outro, defende-se os pretos, os judeus, as mulheres, os pobres – e os gordos? Esquecemos dos gordos. A uniformização tende a passar por cima deles. Lógico, não é a opção mais saudável do mundo (essa de ignorar a existência da balança) – mas será que eles não têm o direito, como todos, de escolher o que querem ser? [Comente esta Nota]
>>> Mam - Parque do Ibirapuera (portão 3) - Tel.: 5549-9688
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
La Bella Cucina é o nome do restaurante que fica na rua José Maria Lisboa, quase esquina com a rua Pamplona. No bairro dos Jardins, proximamente à Trattoria do Sargento e – atravessando a avenida Nove de Julho – na vizinhança do Lellis. La Bella Cucina guarda mais do que uma coincidência geográfica com ambos. Pode-se dizer que praticamente nasceu da mesma família, pois seus proprietários têm sobrenome “Lellis” e também um histórico de trabalhos com o “Sargento”. Por isso, não se deve esperar por excessiva pompa ou circunstância, La Bella Cucina é cantina “no duro”: um estacionamento amplo com manobrista; um salão único, num ambiente integrado, decorado com garrafas de vinho, arcos e pendurucalhos, conforme reza a tradição; uma cozinha de proporções industriais, que pode ser vista e visitada pelos clientes, afinal, não está encerrada num espaço à parte. No tocante à gastronomia, os garçons são ágeis e os pratos servidos com rapidez. Num piscar de olhos, a mesa está posta com o couvert: pão italiano, sardela, e azeitonas pretas temperadas (às vezes, os prazeres da vida são simples e fáceis). Num outro piscar de olhos, surge uma travessa forrada com um autêntico carpaccio (leve, saboroso, na medida). Mais um piscar de olhos, é servida a lasanha branca ao forno (forte, robusta, mas não execessivamente carregada ou num tamanho além da conta – bendita a meia porção, custando metade do preço). A sobremesa, um clássico pudim de caramelo, chega para quebrar o salgado – com um doce. Cafezinho para fechar. Enfim. Qual paulistano resiste às tentações oriundas da Itália com que praticamente foi criado? [Comente esta Nota]
>>> La Bella Cucina - R. José Maria Lisboa, 661 - Tel.: 3884-9115
 



Cinema >>> O eterno retorno
A sala UOL esteve vazia para ver o Nietzsche de Julio Bressane, na Mostra de Cinema BR. Também pudera, foi exibido numa segunda-feira à tarde. Muita expectativa em relação a como o cineasta planejava transpor para a tela os textos do filósofo. Não houve milagre, claro. Os escritos de Nietzsche foram praticamente lidos, quando não declamados, enquanto imagens de seus passeios por Turim eram contrapostas a alguma ópera. Infelizmente, pela brevidade e pela superficialidade da sétima arte, o filme soou como uma coletânea de belas frases, um verdadeiro “best of”. O protagonista, encarnado por Fernando Eiras, esteve um tanto quanto caricato, com um bigode desproporcionalmente enorme, tirando completamente a expressão do rosto do filósofo. Além disso, quis-se enfatizar demasiadamente o gosto de Nietzsche pelas roupas e pelos alfaiates, o que lhe tirou os movimentos - transformando em estátua o escritor que queria ver Deus dançar. De qualquer jeito, o longa é meritório, pois revela o segredo do sucesso de um dos pensadores mais cultuados do século XX. Nietzsche esteve muito mais para comentador do que para filósofo rigoroso. Seus livros não remetem à Tradição; quando não renegam definitivamente a História. Nietzsche, sem querer, elogiou o homúnculo que nasce agora, enfurnado em seu próprio século, considerando-se muito melhor do que tudo o que veio, e do que tudo o que foi. Um sujeitinho prepotente que olha o universo com ar de superioridade, pois crê dominá-lo como nenhum outro homem antes. Nietzsche é o herói de todos nós: um solitário que esnobou o mundo; e que, derrotado em vida, refugiou-se na morte. Ele é o rei da filosofia como “amusement”, como “divertimento”, pois lhe tolheu toda a religiosidade grave. O enlouquecer de Nietzsche, no final da vida, é toda uma alegoria do beco-sem-saída ético e moral, em que o homo sapiens de hoje se encontra. Quem sabe quantos anos e quantas inteligências ainda se consumirão, para que a humanidade retorne a seu curso? Sem vagar por aí como uma alma penada? Como um Nietzsche? [Comente esta Nota]
>>> Dias de Nietzsche em Turim
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2001
00h21min
Julio, magnífico seu último texto falando sobre a impossível comparação entre Brasil e EUA. Disse também o que sempre quis dizer: os "trouxas" brasileiros não percebem que a mínima queda em algum setor nos EUA destrói nossa economia e nosso modo de vida... Dizem que mereceram? Então também mereceram os brasileiros que lá morreram, junto com tantos outros mortos e prejudicados desde então...
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
31/10/2001
00h22min
Julio, Seu Digestivo é das melhores coisas da Internet. Natural que às vezes discordemos de alguns textos, mas o pessoal é muito bom. Pergunto-me, às vezes, se vocês estão preparados para a importância que estão assumindo. Continuem firmes e parabéns! Abraços,
[Leia outros Comentários de luciano bossi]
31/10/2001
279. Adorei
00h49min
Adorei o comentário sobre o Panorama das artes no MAM.
[Leia outros Comentários de Ana]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JUCA BRASILEIRO E O HINO NACIONAL
PATRÍCIA ENGEL SECCO
MELHORAMENTOS
(2008)
R$ 10,00



A CULTURA DA INFÂNCIA PELAS LENTES DA REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA
PAULA CAMILA PIRES CABRAL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



AMAR É PRECISO - O CAMINHO PARA UMA VIDA Á DOIS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1992)
R$ 9,20



TERMOELETRICIDADE E APLICAÇÕES COM EFEITO PELTIER E EFEITO SEEBECK
CIRO SPANHOLI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



HERANÇA
COORDENAÇÃO JOSÉ ROLIM VALENÇA
DOW
(1984)
R$ 62,00



UMA TRAJETÓRIA DE APRENDIZAGEM SOBRE FUNÇÕES LOGARÍTMICAS
PATRICK OLIVEIRA DE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



TEATRO EM COMUNIDADE
AMELINHA KLIPPEL
VOZES (PETRÓPOLIS)
(2005)
R$ 26,82



SAMURAI, O - A VIDA DE MIYAMOTO MUSASHI
WILSON
ESTACAO LIBERDADE
(2006)
R$ 47,08



MAMÃE VAI TRABALHAR E VOLTA JÁ
INÊS DE CASTRO
ORIGINAL
(2006)
R$ 10,00



INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
HAROLD E SOISSON
HEMUS
R$ 245,00





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês