Ivan Junqueira desvendando Otto Maria Carpeaux | Digestivo Cultural

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 100 homens que mudaram a História do Mundo
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> Rindo de nossa própria miséria
>>> História da leitura (V): o livro na Era Digital
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> As pessoas estão revoltadas
>>> Eu sou fiscal do Sarney
>>> Vamos sentir saudades
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Natural de Luís Taparelli D'Azeglio, Sj;Nicolau Rosseti pela Anchieta (1945)
>>> Tiro no coração de Mikal Gilmore pela Companhia das Letras (1996)
>>> A Crise Do CapitalismoA de A Crise Do Capitalismo pela A Crise Do Capitalismo (1999)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Saraiva (2015)
>>> Eu, Robô de Isaac Asimov pela Ediouro (2004)
>>> Gramatica de la lengua espantola de Emilio Alarcos Llorach pela Espasa (2015)
>>> A costureira de Dachau de Mary Chamberlain pela HarperCollins (2014)
>>> Grande Sertão. Veredas de Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (2010)
>>> The India-Rubber Men de Edgar Wallace pela London hodder & stoughton limited (1940)
>>> Flash Mx Com Actionscript - Orientado A Objetos de Francisco Tarcizo B. Junior pela Érica (2002)
>>> Destros e canhotos de José Quadros Franca pela Melhoramentos (1969)
>>> História da riqueza do homem de Leo Huberman pela Zahar (1971)
>>> Sentimentos Modernos de Maria Angela D'incao pela Brasiliense (1996)
>>> A Criança Saudável de Wilhelm Zur Linden pela Brasiliense (1977)
>>> A Mae Do Freud de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm (1987)
>>> Irritacao - O Fogo Destruidor de Torkom Saraydarian pela Aquariana (1991)
>>> Boa Noite Punpun de Inio Asano pela JBc (2019)
>>> Biblioteca Desafios Matemáticos - 7 volumes de Vários Autores pela RBA / Editec (2023)
>>> Mude a sua Mente e Transforme a sua Vida de Gerald G. Jampolsky e Diane V. Cirincione pela Cultrix (1999)
>>> Uns e Outros: Contos Espelhados - Tag de Helena Terra e Luiz Ruffato pela Tag / Dublinense (2017)
>>> A Metafísica do Cinema de Robert Bresson de Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira pela Batel (2011)
>>> Violencia Política en el Siglo XXI de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2011)
>>> Religiões e Homossexualidades de Maria das Dores Campos Machado; Fernanda Delvalhas Piccolo (Orgs.) pela Fgv (2010)
>>> Jerusalém de Gonçalo M. Tavares pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cinema, Pipoca e Piruá de Sérgio Klein pela Fundamento (2009)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 29/4/2009
Ivan Junqueira desvendando Otto Maria Carpeaux
Julio Daio Borges
+ de 16000 Acessos
+ 4 Comentário(s)




Digestivo nº 413 >>> O poeta, tradutor e ensaísta Ivan Junqueira conheceu Otto Maria Carpeaux em outubro de 1962, quando este era consultor nas áreas de literatura e filosofia na versão brasileira da Enciclopédia Barsa, nomeado pelo editor-chefe Antonio Callado. Aos 28 anos, Junqueira era redator de verbetes e monografias. O projeto, depois de ingerências diversas, e da saída do mesmo Callado, seria abortado em 1963. Carpeaux e Junqueira voltariam a se encontrar apenas em 1966, no projeto da Delta Mirador, desta vez comandado pelo filólogo Antonio Houaiss. Embora verdadeiros enciclopedistas andassem pelo Rio nos anos 60, Carpeaux detestava ter sua cultura, justamente, classificada como "enciclopédica". Junqueira, no entanto, confessa-se eterno discípulo do mestre, detentor de um conhecimento que — admite hoje — jamais alcançará. E é sobre a formação de Carpeaux, ao mesmo tempo misteriosa e milagrosa, que Ivan Junqueira escreve um de seus melhores ensaios no recente Cinzas do espólio. Embora fosse opositor exaltado da ditadura militar, passando inclusive por esquerdista militante, Carpeaux adquirira sólida formação católica na Europa — a mesma que permearia, para sempre, sua visão de mundo. Otto Karpfen (originalmente judeu), ou "Otto Maria Fidelis" (depois da conversão ao catolicismo), era herdeiro da Casa da Áustria, do conservadorismo dos Habsburgos e, portanto, do Império Austro-Húngaro. Definindo o barroco como "o último estilo que abrangeu ecumenicamente toda a Europa", Carpeaux revelava sua formação barroco-católica. Junqueira detecta, em sua tendência para o "mistério" e para as "vertigens abismais da alma", uma provável dívida para com os místicos espanhóis, Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz. Ainda identifica algo de Sêneca, "o modelo do teatro barroco", segundo o próprio Carpeaux. Mas Junqueira não deixa de lado as influências de Hegel e, sobretudo, de Benedetto Croce. Com a ajuda de Mauro Ventura, conclui que, também para Carpeaux, arte era "símbolo" e não, apenas, "documento do real". Logo, sua crítica estética, mesmo objetivando valores morais, era tributária da tradição do romantismo alemão (que, igualmente, pregava a oposição entre "símbolo" e "alegoria"). Fora o barroco-católico e o romantismo alemão, haveria, ainda, um terceiro pilar na formação de Otto Maria Carpeaux: o "sentimento trágico do mundo" — que Schopenhauer e Nietzsche emprestariam das tragédias gregas e que obrigaria Carpeaux a reler, anualmente, as obras de Shakespeare e os mesmos dramaturgos gregos da tragédia. Analisando Sófocles e concluindo que o pessimismo levava à purificação da alma, Carpeaux reforçava, mais uma vez, sua visão de mundo barroca: onde o homem era naturalmente decaído, onde prevalecia a doutrina pessimista da natureza humana e onde se negava, consequentemente, a ordem cósmica estabelecida pelo renascimento... Ivan Junqueira perderia contato com seu mestre a partir de 1973, depois de participar, como colaborador, em mais um projeto de enciclopédia, o da Mirador Internacional, onde Carpeaux comandava as seções de literatura, filosofia e música. Otto Maria Carpeaux faleceria numa sexta-feira de Carnaval de 1978, depois de anos de silêncio, depressão e agonia. Mas suas lições permaneceriam — principalmente aquela segundo a qual "a literatura é a mais alta e complexa manifestação do pensamento humano".
>>> Cinzas do espólio
 
Julio Daio Borges
Editor
Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Luciano do Valle (1947-2014) (Televisão)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2009
17h07min
Não entendi: "Embora fosse opositor exaltado da ditadura militar, passando inclusive por esquerdista militante, Carpeaux adquirira sólida formação católica na Europa - a mesma que permearia, para sempre, sua visão de mundo." Por que a formacao católica seria favorável à ditadura militar? Ou oposta ao pensamento de esquerda?
[Leia outros Comentários de Nei Duclós]
30/4/2009
17h15min
Você por acaso conhece o Roqueiro Improvável?
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
30/4/2009
21h48min
Entendi menos ainda. Queria saber porque você usou "embora" no texto sobre Carpeaux. Não sei o que tem a ver com Olavo de Carvalho no show de Los Hermanos.
[Leia outros Comentários de nei duclós]
1/5/2009
09h17min
Nei, tente aqui.
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Antologia Poética (ed de Bolso)
Vinicius de Moraes
Companhia de Bolso
(2010)



Cadernos de Pagu / Trânsitos
Adriana Piscitelli e Marcia Vasconcelos
Unicamp
(2008)



What a Carve Up
Jonathan Coe
Penguin Books
(1994)



Educando para a Vida - Sexualidade e Saúde
Dr. Vagner Lapate
Sttima
(1998)



Rebeca e Sua Rabeca
Celso Sisto
Salesiana
(2009)



Conhecimento Empresarial
Davenport & Prusak
Campus
(1999)



Muito Além das Fronteiras (1997)
Thereza Mattos
Universalista
(1997)



Construtivismo: Fundamentos e Práticas
Maria de Lourdes Carvalho
Lisa Sa
(1993)



Janela Janelinha - Coisas Que Andam
Vera Pereira
Girassol
(2016)



Sons dos Animais - Fofudo, o Coelho
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2013)





busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês