É Isto um Homem?, de Primo Levi | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Tex Nº 247 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Os gansos selvagens de Bassan de Anne Hébert pela Guanabara (1986)
>>> Tex Nº 244 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Deixemos falar o vento de Juan Carlos Onetti pela Francisco Alves (1981)
>>> Tex Coleção Nº 125 de G. L. Bonelli pela Globo (1997)
>>> Tex Nº 303 de G. L. Bonelli pela Globo (1994)
>>> Tex Coleção Nº 33 de G. L. Bonelli pela Globo (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Desenho Mecânico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> Desenho Técnico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> História da gastronomia paulista de História da gastronomia paulista pela Sem
>>> Resgate de um cão de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Small G de Patricia Highsmith pela Mandarim (1996)
>>> As Brumas de Avalon - A Grande Rainha - livro 2 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O amor não tem limites de Amadeu Ribeiro pela Vida & Consciência (2013)
>>> Fabulosos X-Men: Revolução de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2015)
>>> As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia - livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O diário de Edith de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> Desperta ao amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> O grito da coruja de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1988)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Cela de vidro de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1990)
>>> Thor: Em Nome do Pai de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2012)
>>> O manual do bruxo de Allan Zola Kronzek pela Sextante (2003)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Quarta-feira, 17/8/2011
É Isto um Homem?, de Primo Levi
Julio Daio Borges

+ de 7200 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Digestivo nº 481 >>> É Isto um Homem?, o título de um livro que fala dos horrores do campo de concentração de Auschwitz, durante a Segunda Guerra Mundial. Mas a quem esse título se refere? Aos nazistas, que, como Hitler, comumente são considerados monstros? (Seriam eles homens?) Não, o título se refere aos prisioneiros do campo. Pois como Primo Levi, o autor, coloca em versos, antes de começar a narrativa: "Pensem bem se isto é um homem/ Que trabalha no meio do barro,/ Que não conhece paz,/ Que luta por um pedaço de pão,/ Que morre por um sim ou por um não". Levi era um químico italiano que foi capturado e deportado, para Auschwitz, o mais famoso campo de concentração da Segunda Guerra, em 1944. Em É Isto um Homem? (Rocco, 1988, tradução de Luigi Del Re), compila episódios desde a sua captura até o fim da Guerra (1945), passando pelo dia a dia, infernal, no campo. O mais chocante do livro talvez seja o começo. Quando, encerrados num vagão de trem, prisioneiros, como Levi, passam quatro dias sem ver comida nem água. E não são meros prisioneiros de guerra ― soldados ―, são famílias inteiras, com mães, crianças de colo e velhos. Ao chegar, são separados os que "se adequam ao trabalho" dos demais (e estes últimos nunca mais são vistos). Levi tem 24 anos, na ocasião, e espera, nu, num galpão, desprovido de todos os seus pertences, que são varridos, junto com seus sapatos, enquanto é tosqueado, ao lado dos outros prisioneiros, como gado. A partir daí, perderia seu nome, ganharia um número, que lhe seria tatuado, e aprenderia a sobreviver à base de sopa aguada, restos de pão guardado e banhos de água suja, fora roupas que não eram lavadas nunca, sapatos fora do número, metade de uma cama, trabalhos forçados, violência e maus-tratos. Qualquer semelhança com as distopias de George Orwell e Franz Kafka não são coincidência. Como Na Colônia Penal, os prisioneiros estavam pagando por um pecado, a eles atribuído, com a vida, e humilhações. E, como em 1984, não havia mais passado nem futuro, só o presente; uma mentira, repetida milhares de vezes, se tornava verdade; e, em nome da paz, fazia-se a guerra diuturnamente. O mais chocante de tudo, no livro de Primo Levi, é que os prisioneiros vão aprendendo a "sobreviver", e alguns até atingem "posições" dentro do campo. E o mais chocante, ainda, é que nós ― como leitores ― vamos nos "acostumando" à realidade do campo, à medida que avançamos na leitura. No fim, com a Guerra perdida, os alemães abandonam Auschwitz, deixando os prisioneiros à própria sorte, inclusive os doentes, que morrem como moscas. A famosa cena da libertação, pelos russos, infelizmente não está nesse livro, mas não faz falta nenhuma, depois de "tudo". Primo Levi, depois de um relato tão humano, demasiadamente humano, fez-se escritor célebre. Como chegou-se a pensar que não fazia mais sentido viver depois do Holocausto, é de se pensar qual o sentido de outros livros depois deste, de Primo Levi.
>>> É Isto um Homem?
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. O Alumioso, por Di Freitas (Música)
02. Medos Privados em Lugares Públicos, de Alain Resnais (Cinema)
03. Sex and the City, o filme (Cinema)
04. Orquestra Sinfônica da Galícia com Josep Colom (Música)
05. Um Jogador (Teatro)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/9/2011
20h05min
Não estranhem as dificuldades e as humilhações pelas quais iam passando e se acostumando os prisioneiros dos campos. Acaso nós não nos acostumamos a sair agarrados aos nossos pertences? Não estamos acostumados aos relatos diários de tiros? De crianças deixadas no lixo? De meninas e meninos estuprados por 'parentes'? De alunos se matando e se drogando nas escolas? E alguns até chamam a vida na poluída, congestionada, violenta e incômoda São Paulo de vida!
[Leia outros Comentários de Barbara Pollacsek]
8/9/2011
07h55min
Sra. Barbara Pollacsek, não confunda as situações. O ser livre consegue achar o paraíso perdido. Já os prisioneiros de Auschwitz não tinham escolhas, desejos... Eles foram roubados de tudo, inclusive do direito de existir.
[Leia outros Comentários de Cristina Motta]
8/9/2011
16h10min
Não cheguei ainda a ler este relato do Primo Levi, mas certos trechos neste texto me fizeram recordar de uma leitura ainda meio recente que fiz: "Maus", de Art Spiegelman, com o repasse da história de Vladek, pai do autor, por um campo de concentração. É quadrinhos, mas, ao contrário do que o preconceito que certas pessoas têm com quadrinhos - considerando qualquer livro nesse formato como sendo apenas um gibi -, é muito tocante, profundo. Vale uma leitura!
[Leia outros Comentários de Alexandre Maia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teoria e Prática da Ação Possessória
Christiano Almeida do Valle
Aide
(1985)



Dicionário de Pintores Brasileiros 2 Vol.
Vários
Spala Bozano Simonsen
(1986)



Francisco candido xavier
Fonte viva pelo espirito emmanuel
Feb
(1972)



Desenho para o Curso Colegial
Sennem Bandeira
Aurora
(1957)



Sexo x Afeto - o Grande Desafio
Sheiva Cherman
Sathya



As Max Saw It
Louis Begley
Knopf
(1994)



Ultrapassando limites
Annie Bryant
Fundamento
(2010)



No Inferno
George P. Pelecanos
Companhia das Letras
(2008)



A Odisseia - Coleção Mitologia Helênica
Homero; Tradução: Menelaos Stephanides
Odysseus
(2011)



As melhores histórias da mitologia
A.S. Franchini
L&Pm
(2012)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês