Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete- dicionário contemporâneo da língua portuguesa de Paulo Geiger (org.) pela Lexikon (2011)
>>> Introdução à Programação Usando O Pascal de J. Pavão Martins pela Mcgraw-hill (1994)
>>> Bíblia Sagrada de Ivo Storniolo e Euclides Martins Balancin pela Paulus (2000)
>>> A Descoberta Diária de Org. João Ferreira De Almeida pela Alfalit Brasil (1998)
>>> Deus Ajuda Preces de Lorival Lopes pela Otimismo (1998)
>>> Gado Nelore 100 Anos de Seleção de Alberto Alves Santiago pela Dos Criadores (1987)
>>> Annuário De Jurisprudência Federal com um Apêndice de Legislação 1930 de Octavio Kelly pela A. Coelho Branco F. (1930)
>>> This Side Of Innocence de Taylor Caldwell pela Charles Scribner´s Sons (1946)
>>> Lands And Peoples 7 América Latina de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 6 Canadá de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Lands And Peoples 4 Ásia de Não Informado pela Grolier (1969)
>>> Soltando a Língua 8 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 7 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 6 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 5 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 4 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 3 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 2 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Soltando a Língua 1 de Sérgio Nogueira pela Gold (2007)
>>> Acervo Artístico E Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo de Org Ika Passos Fleury pela Gov. São Paulo
>>> Introdução à Estatística + CD de Mario F. Triola pela Ltc (2008)
>>> A Era Da Incerteza de John Kenneth Galbraith pela Pioneira (1998)
>>> Pc Guia Do Programador Soluções de Problemas de Robert Jourdain e outros pela Editora Campos (1993)
>>> Aprenda Brincando Artesanato e Atividades de Domingo Alzugaray e Cátia Alzugaray pela Três
>>> Lógica De Programação A Construção de Algoritmos e Estrutura de Dados de André Luiz Villar Forbellone e outro pela Mcgraw-hill (1993)
>>> Musculação Modelo Didático para Prescrição e Controle das Atividades de José Ricardo Claudio Ribeiro pela Casa Da Educação Física (2009)
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de Leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/2/2005
Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
Daniela Sandler

+ de 4400 Acessos

Que um campo de concentração tenha se transformado num museu é sinal da elasticidade de nossa linguagem. "Museu": Mona Lisa, gravuras, esqueletos de dinossauros, belezas, moedas romanas, resquícios de uma veste normanda, lojinha e café. E mais pinturas, os impressionistas, espada japonesa, pilha de cabelos de prisioneiros de Auschwitz, ruínas de crematório, escultura, monumento, memorial. Museu. De coleção de arte a abrigo de peças passadas, removidas do contexto original e reinseridas num novo cotidiano, o nosso, a rotina de turismos e visitas a esses novos espaços sagrados em que não se toca nas coisas que estão atrás das vidraças, em que se percorrem as salas em seqüência como num ritual, em que se abaixa a voz respeitosamente na presença quase mística dos tais objetos históricos.

Que um campo de concentração tenha se transformado num museu é sinal do lugar da memória da nossa cultura. Não que esse lugar seja estável, garantido. Tantos campos foram arrasados, transformados, na queima de arquivo durante a guerra pelos nazistas ou no esforço de esquecer e recomeçar depois. Outros campos foram enviesados em propaganda política, esquecidos das vítimas reais: no bloco Comunista, pouca menção a raça, religião, a ciganos ou judeus; em lugar disso, monumentos dedicados aos prisioneiros políticos, aos mártires do socialismo.

Mas hoje os campos de concentração têm os portões abertos, diligentes, na Alemanha, na Polônia, na República Checa. Com bilheteria, mapa, visita guiada, website. E, enquanto alguns campos são chamados apenas de monumentos ou memoriais, outros, como Auschwitz - o maior, mais famoso, onde mais pessoas morreram - tem o nome de "museu".

A intenção é preservar a evidência e o conhecimento do passado para além de livros e documentos: manter, no espaço aberto e enorme, nos barracões sombrios, a impressão do horror. Mas, para algumas pessoas, o museu é a banalização do mal: embalando os vestígios de um crime imenso nos modos confortáveis, limpos e acessíveis de uma exibição; inserindo os locais do genocídio - esses cemitérios gigantes - na rota turística, seja o turismo eclético (Louvre-Parque do Asterix-castelos bávaros-loja de departamentos), seja o turismo-peregrinação dos lugares de memória (Berlim-Verdun-Nurenberg.).

Assim, antes de ir a Auschwitz, ouvi de muita gente blasé: "Auschwitz virou Disneylândia." Comparar o museu a um parque temático não surpreende nesta era de exposições artísticas "blockbuster". Seja como for, ouvi muitos relatos torcendo o nariz para os ônibus fretados despejando turistas em Auschwitz, para os adolescentes e famílias falando alto, rindo, fotografando, comprando e comendo sorvete de vendedores poloneses (a venda foi desde então proibida). Ainda que haja o risco de que tudo isso neutralize o efeito de uma visita a Auschwitz - a desejada reflexão crítica sobre o passado-presente-futuro, o sentido da tragédia - ainda assim, cheiram um pouco a esnobismo esses comentários. Afinal, quanto mais gente visitar Auschwitz, mais gente terá visto, mais gente terá tido a chance de aprender. Não é essa a intenção? E quem somos nós para determinar os modos certos de ver, o tempo a passar em frente a um painel informativo ou objeto exibido, a correta expressão facial diante de uma informação?

Fui a Auschwitz, assim, esperando as filas de jovens com chapéus de Mickey e latas de Coca-Cola sob o sol do verão polonês num sábado de junho. Em vez disso, cheguei ao campo com a névoa fina e cinza da matina polonesa, um punhado de pessoas em duos ou sozinhas como eu, esperando pelos cantos ainda escuros da recepção modesta do museu - esperando o museu abrir. E, no dia inteiro que passei lá, o museu-campo imenso quase deserto engoliu os visitantes em tantos pontos diferentes - exibições, barracões, ruínas, monumentos - que, apesar de ter avistado um dos tais ônibus fretados, estive sozinha por quase todo o tempo.

E foi o campo me engolir com o céu de chumbo, que verão polonês pode ser frio e sombrio. Não havia vendedores de sorvete, mas havia a minha fome, meu cansaço, depois de doze horas de trem vinda de Berlim. Será indecente ter fome em Auschwitz? Onde mais de um milhão de pessoas sofreu de fome, de dieta ínfima, além dos demais maus-tratos? Será indecente, agora, eu escolher com cuidado as palavras deste texto, neste meu capricho estilístico, atentando aos vocábulos, será isso indecente diante do horror e da feiúra do que se passou em Auschwitz? Não preciso repetir Adorno, que disse que depois de Auschwitz não há poesia. Mas, sessenta anos depois (cinquenta e oito quando visitei o campo), minhas palavras se interpõem, embaçando a história. A memória não é, nem pode ser, o mesmo que a história.

Porque eu no campo com meu dia intenso, caminhando na vastidão de Auschwitz I e Birkenau, em meio às ruínas, às dezenas de barracões, às exposições, à remontagem de câmaras de gás, aos trilhos reais dos trens, às colagens de fotografias dos mortos - eu, mesmo no meio do cenário do horror, mesmo diante dos fatos e datas e informações, não posso ter idéia concreta do que lá se passou. A experiência imediata é impossível - algo que esquecemos facilmente diante de exibições interativas, reconstituições históricas "fiéis", parques temáticos, filmes de Hollywood. O conhecimento é mediado pelas palavras, fotografias e tabelas, pelas interpretações. Mas será que, entre a experiência impossível e o conhecimento mediado, haverá um meio termo? Aquele ponto onde a consciência do evento nos ataca como um soco no estômago, onde sentimos a dor - que é apenas a nossa dor, mas que talvez possa nos transcender, "empática" aos mortos, ao passado?

Passei o dia andando e tiritando de frio, a chuva me pegou no meio do campo aberto onde as ruínas se estendem num vazio de grama e mato crescido; passei o dia em pé, andando, os pés doendo, as lágrimas escorrendo fáceis diante de qualquer coisa: o crematório explodido pelos alemães para apagar seus tracos; a fotografia das famílias mortas, os nomes, os beliches apertados em que os prisioneiros dormiam. Tive fome e, vergonha das vergonhas, comi em Auschwitz, o lanche trazido do dia anterior.

Assim é: impossível viver no passado e esquecer da vida de hoje que corre e demanda de nós as coisas rotineiras que chamamos "banais". Oswiécim, a cidade polonesa em que está Auschwitz, quer viver além do campo e além do peso da sua memória. Seus habitantes procuram outras atividades ou tentam vender sorvete no campo; não querem ser conhecidos pelos crimes passados do povo invasor. Por outro lado, é o campo que dá fama e turismo à cidade, fregueses para hotéis e restaurantes, passageiros para os motoristas de táxi.

Ir a Auschwitz, ver o campo do lado de dentro dos portões: é preciso, ao menos para quem pode. Mas é preciso deixar o campo, voltar pelas ruazinhas vazias até a pequena estação de trem, tentar se comunicar com os poloneses, pegar o trenzinho antigo, e mergulhar de novo no mundo. Daqui, do lado de fora, mas com a memória do que seria ter visto o mundo de dentro dos portões fechados de Auschwitz.


Daniela Sandler
Riverside, 16/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A idade que habito de Marta Barcellos
02. Na toca dos leões de Gian Danton
03. Crônica do Judiciário: O Processo do Sapo de Ricardo de Mattos
04. História (não só) de livraria de Rafael Rodrigues
05. Machado de Assis: assassinado ou esquecido? de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2005
01. Festa ou casamento? - 16/3/2005
02. Uma outra moda - 30/3/2005
03. E depois, perder-se também é caminho - 8/6/2005
04. Eu não sei blogar - 25/5/2005
05. Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois - 2/2/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERAPIA OCUPACIONAL PARA A DISFUNÇÃO FÍSICA
CATHERINE A. TROMBLY
SANTOS
(1989)
R$ 20,00



JOSÉ MATIAS
EÇA DE QUEIRÓS
7 LETRAS
(2006)
R$ 9,80



O SÓCIO
JOHN GRISHMAN
ROCCO
(1997)
R$ 6,90



POR ONDE ANDA A VIRTUDE ?
FERNANDA PIVANO
BERLENDIS E VERTECCHIA
(2002)
R$ 5,00



O CAMINHO DA SALVAÇÃO - 4
WATCHMAN NEE
ÁRVORE DA VIDA
(1995)
R$ 15,00



THE BIRTH OF THE REPUBLIC 1763-1789
EDMUND S. MORGAN (THIRD EDITION)
THE UNIVERSITY CHICAGO PRESS
(1992)
R$ 29,00



INGLÊS
FÍSICO
TSC
R$ 70,00



O ANTICRISTO
FRIEDRICH NIETZSCHE
LAFONTE
(2019)
R$ 16,25



AS MELHORES PIADAS DO PLANETA... E DA CASSETA TAMBÉM
CASSETA E PLANETA
OBJETIVA
(1977)
R$ 7,90



HISTOIRE DU CONSULAT ET LEMPIRE
PAR M A THIERS
PARIS
(1949)
R$ 19,90





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês