Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/2/2005
Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
Daniela Sandler

+ de 4300 Acessos

Que um campo de concentração tenha se transformado num museu é sinal da elasticidade de nossa linguagem. "Museu": Mona Lisa, gravuras, esqueletos de dinossauros, belezas, moedas romanas, resquícios de uma veste normanda, lojinha e café. E mais pinturas, os impressionistas, espada japonesa, pilha de cabelos de prisioneiros de Auschwitz, ruínas de crematório, escultura, monumento, memorial. Museu. De coleção de arte a abrigo de peças passadas, removidas do contexto original e reinseridas num novo cotidiano, o nosso, a rotina de turismos e visitas a esses novos espaços sagrados em que não se toca nas coisas que estão atrás das vidraças, em que se percorrem as salas em seqüência como num ritual, em que se abaixa a voz respeitosamente na presença quase mística dos tais objetos históricos.

Que um campo de concentração tenha se transformado num museu é sinal do lugar da memória da nossa cultura. Não que esse lugar seja estável, garantido. Tantos campos foram arrasados, transformados, na queima de arquivo durante a guerra pelos nazistas ou no esforço de esquecer e recomeçar depois. Outros campos foram enviesados em propaganda política, esquecidos das vítimas reais: no bloco Comunista, pouca menção a raça, religião, a ciganos ou judeus; em lugar disso, monumentos dedicados aos prisioneiros políticos, aos mártires do socialismo.

Mas hoje os campos de concentração têm os portões abertos, diligentes, na Alemanha, na Polônia, na República Checa. Com bilheteria, mapa, visita guiada, website. E, enquanto alguns campos são chamados apenas de monumentos ou memoriais, outros, como Auschwitz - o maior, mais famoso, onde mais pessoas morreram - tem o nome de "museu".

A intenção é preservar a evidência e o conhecimento do passado para além de livros e documentos: manter, no espaço aberto e enorme, nos barracões sombrios, a impressão do horror. Mas, para algumas pessoas, o museu é a banalização do mal: embalando os vestígios de um crime imenso nos modos confortáveis, limpos e acessíveis de uma exibição; inserindo os locais do genocídio - esses cemitérios gigantes - na rota turística, seja o turismo eclético (Louvre-Parque do Asterix-castelos bávaros-loja de departamentos), seja o turismo-peregrinação dos lugares de memória (Berlim-Verdun-Nurenberg.).

Assim, antes de ir a Auschwitz, ouvi de muita gente blasé: "Auschwitz virou Disneylândia." Comparar o museu a um parque temático não surpreende nesta era de exposições artísticas "blockbuster". Seja como for, ouvi muitos relatos torcendo o nariz para os ônibus fretados despejando turistas em Auschwitz, para os adolescentes e famílias falando alto, rindo, fotografando, comprando e comendo sorvete de vendedores poloneses (a venda foi desde então proibida). Ainda que haja o risco de que tudo isso neutralize o efeito de uma visita a Auschwitz - a desejada reflexão crítica sobre o passado-presente-futuro, o sentido da tragédia - ainda assim, cheiram um pouco a esnobismo esses comentários. Afinal, quanto mais gente visitar Auschwitz, mais gente terá visto, mais gente terá tido a chance de aprender. Não é essa a intenção? E quem somos nós para determinar os modos certos de ver, o tempo a passar em frente a um painel informativo ou objeto exibido, a correta expressão facial diante de uma informação?

Fui a Auschwitz, assim, esperando as filas de jovens com chapéus de Mickey e latas de Coca-Cola sob o sol do verão polonês num sábado de junho. Em vez disso, cheguei ao campo com a névoa fina e cinza da matina polonesa, um punhado de pessoas em duos ou sozinhas como eu, esperando pelos cantos ainda escuros da recepção modesta do museu - esperando o museu abrir. E, no dia inteiro que passei lá, o museu-campo imenso quase deserto engoliu os visitantes em tantos pontos diferentes - exibições, barracões, ruínas, monumentos - que, apesar de ter avistado um dos tais ônibus fretados, estive sozinha por quase todo o tempo.

E foi o campo me engolir com o céu de chumbo, que verão polonês pode ser frio e sombrio. Não havia vendedores de sorvete, mas havia a minha fome, meu cansaço, depois de doze horas de trem vinda de Berlim. Será indecente ter fome em Auschwitz? Onde mais de um milhão de pessoas sofreu de fome, de dieta ínfima, além dos demais maus-tratos? Será indecente, agora, eu escolher com cuidado as palavras deste texto, neste meu capricho estilístico, atentando aos vocábulos, será isso indecente diante do horror e da feiúra do que se passou em Auschwitz? Não preciso repetir Adorno, que disse que depois de Auschwitz não há poesia. Mas, sessenta anos depois (cinquenta e oito quando visitei o campo), minhas palavras se interpõem, embaçando a história. A memória não é, nem pode ser, o mesmo que a história.

Porque eu no campo com meu dia intenso, caminhando na vastidão de Auschwitz I e Birkenau, em meio às ruínas, às dezenas de barracões, às exposições, à remontagem de câmaras de gás, aos trilhos reais dos trens, às colagens de fotografias dos mortos - eu, mesmo no meio do cenário do horror, mesmo diante dos fatos e datas e informações, não posso ter idéia concreta do que lá se passou. A experiência imediata é impossível - algo que esquecemos facilmente diante de exibições interativas, reconstituições históricas "fiéis", parques temáticos, filmes de Hollywood. O conhecimento é mediado pelas palavras, fotografias e tabelas, pelas interpretações. Mas será que, entre a experiência impossível e o conhecimento mediado, haverá um meio termo? Aquele ponto onde a consciência do evento nos ataca como um soco no estômago, onde sentimos a dor - que é apenas a nossa dor, mas que talvez possa nos transcender, "empática" aos mortos, ao passado?

Passei o dia andando e tiritando de frio, a chuva me pegou no meio do campo aberto onde as ruínas se estendem num vazio de grama e mato crescido; passei o dia em pé, andando, os pés doendo, as lágrimas escorrendo fáceis diante de qualquer coisa: o crematório explodido pelos alemães para apagar seus tracos; a fotografia das famílias mortas, os nomes, os beliches apertados em que os prisioneiros dormiam. Tive fome e, vergonha das vergonhas, comi em Auschwitz, o lanche trazido do dia anterior.

Assim é: impossível viver no passado e esquecer da vida de hoje que corre e demanda de nós as coisas rotineiras que chamamos "banais". Oswiécim, a cidade polonesa em que está Auschwitz, quer viver além do campo e além do peso da sua memória. Seus habitantes procuram outras atividades ou tentam vender sorvete no campo; não querem ser conhecidos pelos crimes passados do povo invasor. Por outro lado, é o campo que dá fama e turismo à cidade, fregueses para hotéis e restaurantes, passageiros para os motoristas de táxi.

Ir a Auschwitz, ver o campo do lado de dentro dos portões: é preciso, ao menos para quem pode. Mas é preciso deixar o campo, voltar pelas ruazinhas vazias até a pequena estação de trem, tentar se comunicar com os poloneses, pegar o trenzinho antigo, e mergulhar de novo no mundo. Daqui, do lado de fora, mas com a memória do que seria ter visto o mundo de dentro dos portões fechados de Auschwitz.


Daniela Sandler
Riverside, 16/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
03. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2005
01. Festa ou casamento? - 16/3/2005
02. Uma outra moda - 30/3/2005
03. E depois, perder-se também é caminho - 8/6/2005
04. Eu não sei blogar - 25/5/2005
05. Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois - 2/2/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NUNCA VIU NÃO?
MARCIA LEITE
ATUAL
(1993)
R$ 8,00



A HUMANOECONOMIA
EUGEN LOEBL
JOSÉ OLYMPIO
(1978)
R$ 4,00



ELEMENTOS DO DIREITO - PROCESSO PENAL
ÂNGELA CRISTINA CANGIANO MACHADO E OUTROS
SICILIANO JURÍDICO
(2003)
R$ 10,00



MATRIMÔNIO E DIVÓRCIO NA IGREJA CATÓLICA
BERNARDINO LEERS
VOZES
(1978)
R$ 8,00



A MORTE EM VENEZA- TÔNIO KROEGER
THOMAS MANN
ABRIL
(1971)
R$ 9,00



EVERY MAN FOR HIMSELF HIMSELF
BERYL BAINBRIDGE
GERALD DUCKWORTH & CO LTD
(1996)
R$ 6,25



CHILDRENS STORIES FROM DIKENS
MARY ANGELA DICKENS
DERRYDALE
(1993)
R$ 12,50



CORRENTES DO DESTINO - 1ª ED.
CÉLIA XAVIER DE CAMARGO / MARIA CECÍLIA ALVES
PETIT
(2009)
R$ 17,00



DESERDAÇÃO E INDIGNIDADE NO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO
SALOMÃO DE ARAÚJO CATEB
DEL REY
(2004)
R$ 39,00



AUTO ESPORTE NOVO COROLLA Nº569
VARIOS AUTORES
GLOBO
(2012)
R$ 7,99





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês