Battles Without Honor and Humanity | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Contabilidade Avançada - 5° Edição de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2012)
>>> Perspectiva Ano 2 Nº 4 de Centro de Ciências da Educação Ufsc pela Ufsc (1985)
>>> Meu Cliente Meu Amigo de Silvio Luzardo pela Pallotti (2004)
>>> Autoconhecimento e Empoderamento de José Roberto Marques pela Ibc (2019)
>>> Bossa Nova: Songbook - Volume 1 de Almir Chediak pela Irmãos Vitale (2009)
>>> Quem Não Se Comunica Se Trumbica de Florinda Barbosa e Lucia Rito pela Globo (1996)
>>> Pequeña Historia de Gaudí de Jordi Oliveiras pela Mediterranea (2012)
>>> Algo Mais de Isabela M. B. David pela Insular (2006)
>>> Buscas e Encontros de Ilcéia Heidescheidt pela Do Autor
>>> Network Administration With Freebsd 7 de Babak Farrokhi pela Packt Publishing (2008)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Clube do Livro (1988)
>>> A Megera Domada de William Shakespeare pela Objetiva (2004)
>>> Receitas de Botequim 2 de Solange Couto pela Melhoramentos (2002)
>>> Intercâmbio Coisas Que Todo Jovem Precisa Saber de João Marcelo de Melo Teles pela Melhoramento (2004)
>>> Dc Comics Coleção de Graphic Novels - um Milhão: Parte 2 de Varios Autores pela Dc Comics
>>> Cantiga para Todos de Osmar Jacinto pela Edeme (1992)
>>> Amar Pode Dar Certo de Roberto Shinyashiki / Eliana Bittencourt Dumet pela Gente (1988)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> O 8º Hábito - da Eficácia à Grandeza de Stephen R. Covey pela Campus (2005)
>>> Entre os Muros do Inferno de Rosa Maria Credidio pela All Print (2016)
>>> Princípios de Economia de Otto Nogami/ Carlos Roberto Martins Passos pela Cengage (2016)
>>> Labirintos da Memoria Quem Sou de Vera Maria Antonieta Tordinho Brandão pela Portal Edicoes (2016)
>>> Som do Nosso Coração de Emma Cooper pela Record (2020)
>>> O Pequeno Planeta Perdido de Ziraldo pela Melhoramentos (2010)
>>> Conclusões 11 de Ivaldo Lopes pela Do Auto
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Cinema

Segunda-feira, 26/4/2004
Battles Without Honor and Humanity
Julio Daio Borges

+ de 2400 Acessos




Digestivo nº 172 >>> Se os anos 70 e a cultura pop não tivessem servido para nada, ainda assim, teriam produzido Quentin Tarantino e “Kill Bill” (que justificam tanto uma coisa quanto outra plenamente). Afinal, temos assistido, desde os anos 90, a um cansativo “revival” dos anos 70 – que só consegue ser caricato, superficial e desinteressante em suas imitações e modismos. A novidade no caso de Tarantino e de sua primeira realização cinematográfica desde “Jackie Brown” (1997) é que o diretor é um “erudito” nos assuntos que aborda, a saber: artes marciais chinesas (o kung fu dos filmes e seriados de TV); “filosofia” samurai japonesa (à maneira de Sonny Chiba, que participa da fita); e “ideologia” de faroeste italiano (base de seu roteiro e inspiração para a trilha sonora). Outro ponto que merece destaque é que Quentin Tarantino não se resume a uma homenagem nostálgica e estéril (como é comum): ele, na verdade, “cria” uma outra “realidade” a partir desses elementos – e por isso seu “cinema” (podemos chamá-lo assim) é tão original, rico e ainda influente. Como o próprio diz, no material de divulgação, se “Cães de Aluguel” (1992), “Pulp Fiction” (1994) e outros guardam fortes ligações com o tempo atual, “Kill Bill” transita num novo universo (único e exclusivo de Tarantino) – e, portanto (a conclusão é por nossa conta), trata-se de uma obra-prima. Pois o longa tem “vida”; é perfeitamente coerente em sua “forma”; encerra um “todo” e dá margem a inúmeras “interpretações” – como, aliás, toda grande obra. Há um “quê” de vibrante que sacode o espectador desde a primeira cena, e que gera um forte vínculo de cumplicidade (reconhecível a cada “parada”, a cada detalhe, a cada vinheta). Só um artista em pleno domínio de sua técnica consegue produzir esse efeito. Funciona como uma espécie de hipnotismo e o público é totalmente comandado (responde a comandos) do primeiro ao último “take”. (Mesmo quem for apenas para “observar”, vai se deixar contagiar.) É impressionante que, depois de 7 anos (5 contando o início das filmagens), Quentin Tarantino ainda esteja “em plena forma”: não tenha perdido a “mão” e tenha, pelo contrário, usado seu instrumento como nunca antes. “Kill Bill” é um banho de sétima arte – principalmente para quem achava que os grandes mestres tinham acabado.
>>> Kill Bill
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Coleção MPBaby, pela MCD (Música)
02. Maria Bethânia em Amor Festa Devoção (Música)
03. 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon (Literatura)
04. Revista Florense (Imprensa)
05. Otto Lara Resende sobre Vinicius de Moraes (Literatura)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guinness World Records 2010 - o Livro da Década
Guiness World Records
Ediouro
(2009)



Mar Morto 1980
Jorge Amado
Record
(1980)



Astronomie Générale - (capa Dura)
P. Bakouline e E. Kononovitch E
Éditions Mir - Moscou
(1974)



Cidade dos Etéreos Livro II da Série Orfanato da Srta Peregrine
Ransom Riggs
Intrínseca
(2016)



O Psiquismo Experimental
Alfred Erny
feb
(1995)



Mente Magra, Corpo Magro
Melinda Boyd, Larissa Wostog Ono, Michele Noonan
Universo dos Livros
(2014)



O Nada Cotidiano
Zoé Valdés
record
(1997)



Política Linguística na América Latina: Linguagem/crítica - Confira !!
Eni Pulcinelli Orlandi
Pontes
(1988)



As grandes questões sobre a fé
Jonathan Hill
thomas nelson
(2008)



Espumas Flutuantes / os Escravos
Castro Alves
Martins Fontes
(2010)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês