Digestivo nº 172 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Extraordinary Times
>>> Ensaio sobre a surdez
>>> The Search, John Battelle e a história do Google
>>> As ligações perigosas
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Consulta
>>> Dia do Sabino
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> So much that was good but is gone
Mais Recentes
>>> LEVIATÃ, ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil de Thomas Hobbes (1588-1679) pela Martin Claret (2014)
>>> O Inverno Chegou de Cynthia Freeman pela Nova Cultural (1987)
>>> Parábolas de Jesus: texto e contexto de Haroldo Dutra Dias pela Federação Espírita do Paraná (2011)
>>> Nunca Houve um Castelo de Martha Batalha pela Companhia das Letras (2018)
>>> O segredo de fátima de Irmã lúcia pela Loyola (1991)
>>> Iniciação À Arte De Curar Pelo Magnetismo Humano de Paul-Clément Jagot pela Pensamento
>>> Venda mais - DEUS na empresa. A espiritualidade ajuda a vender? Ano 9 - Nº108 de Vários pela Quantum (2003)
>>> Meu Recife de Outrora: Crônicas do Recife Antigo de Fernando Pio pela Departamento de Cultura (1969)
>>> Aparência Rio de Janeiro - 60 Notícia Histórica Descritiva da Cidade de Gastão Cruls pela José Olympio (1949)
>>> Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro de Sheila Ostrander e Outro pela Cultrix (1970)
>>> Aprender a pensar de Edward de Bono pela Plaza e Janés (1987)
>>> Nem cosme nem damião de Joaquim vaz de carvalho pela Giz (1993)
>>> A Tormenta de Espadas. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 3 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Guerra dos Tronos. As Crônicas de Gelo e Fogo - Volume 1 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Dança Dos Dragões - Coleção As Crônicas De Gelo E Fogo. Volume 5 de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Furia dos Reis: As Cronicas de Gelo e Fogo, Vol. 2 de George R R Martin pela Leya (2011)
>>> O Festim Dos Corvos - Coleção As Crônicas de Gelo e Fogo de George R R Martin pela Leya (2012)
>>> A Menina Submersa: Memórias: Um caso de amor para toda vida de Caitlin R. Kiernan pela Darkside (2015)
>>> D.Gray-Man, Volume 15 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 14 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D.Gray-Man, Volume 13 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2009)
>>> D Gray Man Vol. 12 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> D. Gray-man Volume 11 de Katsura Hoshino pela Panini Comics (2010)
>>> Manuel Bandeira- Análise e Interpretação Literária de Emanuel de Moraes pela José Olympio (1962)
>>> O Fantasma de Jo Nesbo pela Record (2017)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 28/4/2004
Digestivo nº 172
Julio Daio Borges

+ de 2200 Acessos




Imprensa >>> O jornal que não se vende, pra você assinar
Os suplementos literários não existem mais. O que existe são os cadernos de cultura dos jornais, que precisam correr atrás dos lançamentos da indústria – no ritmo desta. Quem viu alguma coisa sobre essa última Bienal, sabe que os números são espantosos. Então como um suplemento daria conta se se propusesse a acompanhar o “boom” de livros a cada semana? Seria impossível. E é. Acontece que existem outras formas: justamente aquelas dos velhos suplementos literários que acabaram. E assim faz o “Rascunho”, editado por Rogério Pereira, em Curitiba. O “Rascunho” também está na internet (rascunho.com.br), mas não é a mesma coisa que lê-lo em formato jornal. (O “Rascunho” não deve ceder, portanto, ao apelo das novas tecnologias.) Como se adquire? Como se assina? Através da editora da Unicamp (parceira do jornal), exemplares foram distribuídos gratuitamente – coincidência – na recente Bienal de São Paulo. Fora isso, mediante um contato virtual (via editora Candide, por exemplo), recebe-se periodicamente pelo custo de R$ 25 semestrais. O grande destaque da atual edição (nº 48), que comemora quatro anos de “Rascunho”, é Millôr Fernandes. Paulo Polzonoff Jr. (uma presença freqüente desde o início) conseguiu entrevistar o Guru do Meyer, e este não deixou por menos, ao chamar Bentinho de “bicha”, Machado de Assis de “boiola” e a esquerda brasileira de “intocável”. Mas a polêmica (essa velha companheira) não é, desta vez, a melhor parte. Há outra entrevista, tão bela quanto, com Deonísio Silva, conduzida por Fabrício Carpinejar. Há ainda uma com Martin Amis, no novo caderno “Viramundo” (dedicado à literatura estrangeira, dentro do mesmo jornal “Rascunho”). Depois de muitas resenhas, vagarosas e bem elaboradas (“comme il faut”), vem um excelente caderno de inéditos – também novo – “Dom Casmurro”, com Manoel de Barros, Paulo Sandrini e Miguel Sanches Neto – todos imperdíveis. Em 36 respeitáveis páginas, esse é o “Rascunho”. Se ainda pairava alguma dúvida sobre sua hegemonia perante os demais “suplementos literários” (incluindo aqui os dos grandes jornais), depois destes quatro anos (e de sua respectiva edição), não paira mais. [Comente esta Nota]
>>> Rascunho
 



Cinema >>> Battles Without Honor and Humanity
Se os anos 70 e a cultura pop não tivessem servido para nada, ainda assim, teriam produzido Quentin Tarantino e “Kill Bill” (que justificam tanto uma coisa quanto outra plenamente). Afinal, temos assistido, desde os anos 90, a um cansativo “revival” dos anos 70 – que só consegue ser caricato, superficial e desinteressante em suas imitações e modismos. A novidade no caso de Tarantino e de sua primeira realização cinematográfica desde “Jackie Brown” (1997) é que o diretor é um “erudito” nos assuntos que aborda, a saber: artes marciais chinesas (o kung fu dos filmes e seriados de TV); “filosofia” samurai japonesa (à maneira de Sonny Chiba, que participa da fita); e “ideologia” de faroeste italiano (base de seu roteiro e inspiração para a trilha sonora). Outro ponto que merece destaque é que Quentin Tarantino não se resume a uma homenagem nostálgica e estéril (como é comum): ele, na verdade, “cria” uma outra “realidade” a partir desses elementos – e por isso seu “cinema” (podemos chamá-lo assim) é tão original, rico e ainda influente. Como o próprio diz, no material de divulgação, se “Cães de Aluguel” (1992), “Pulp Fiction” (1994) e outros guardam fortes ligações com o tempo atual, “Kill Bill” transita num novo universo (único e exclusivo de Tarantino) – e, portanto (a conclusão é por nossa conta), trata-se de uma obra-prima. Pois o longa tem “vida”; é perfeitamente coerente em sua “forma”; encerra um “todo” e dá margem a inúmeras “interpretações” – como, aliás, toda grande obra. Há um “quê” de vibrante que sacode o espectador desde a primeira cena, e que gera um forte vínculo de cumplicidade (reconhecível a cada “parada”, a cada detalhe, a cada vinheta). Só um artista em pleno domínio de sua técnica consegue produzir esse efeito. Funciona como uma espécie de hipnotismo e o público é totalmente comandado (responde a comandos) do primeiro ao último “take”. (Mesmo quem for apenas para “observar”, vai se deixar contagiar.) É impressionante que, depois de 7 anos (5 contando o início das filmagens), Quentin Tarantino ainda esteja “em plena forma”: não tenha perdido a “mão” e tenha, pelo contrário, usado seu instrumento como nunca antes. “Kill Bill” é um banho de sétima arte – principalmente para quem achava que os grandes mestres tinham acabado. [Comente esta Nota]
>>> Kill Bill
 



Música >>> Sócrates exótico
Os artistas (plásticos) totais são hoje raros. De diletantes, temos mais músicos e escritores do que qualquer outra coisa. Picassos, então, nem se fala. Talvez nasça mais algum daqui a 200 anos. Talvez não nasça nunca mais. Na esteira da exposição na Oca, saiu um CD da MCD que tenta explicar a “impossibilidade” de se ter um novo Picasso. O disco abarca a “música de seu tempo”, e pelas relações (nesse reino) do pintor espanhol entendemos como a coisa é bastante improvável: Stravinski, Satie, Poulenc e Albéniz foram próximos ao executor das “Demoiselles d’Avignon”. Para o primeiro, Picasso se envolveu na feitura dos cenários da “Pulcinella”; para o segundo, desenhou os figurinos de “Parade” (também uma peça); para o terceiro, mandou recados via Apollinaire e Éluard (poetas mais chegados); e para o último, foi audiência quando a ópera Henry Clifford estreava em Barcelona. E mesmo que o “motivo” principal não fosse “Picasso”, o CD já teria valido a pena – pela cuidadosa seleção de obras do começo do século (XX). Duas das mais revolucionárias peças de Igor Stravinski, por exemplo, estão presentes: a “Dança Russa” e “Petrushka”. Depois, de Erik Satie, que mais se conhece pelas cartas (e citações) e pelo comportamento excêntrico, temos uma boa amostragem em “Choral, Prélude du rideau rouge, Prestidigitateur chinois” (pouco mais de 5 minutos). De Isaac Albéniz, está a clássica “Asturias”, conhecida por figurar em 10 entre 10 evocações musicais à Espanha. Como se não bastasse, há ainda as “Banalités” (nada banais) do mesmo Guillaume Apollinaire, musicados por Francis Poulenc; bem como o “Tel jour telle nuit” (do referido Paul Éluard), igualmente embalado por Poulenc. De Manuel de Falla (cujo sobrenome os brasileiros desinformados ligam a um certo grupo de “rock” gaúcho), foi incluído o agradável (nem parece “moderno”...) “The Three-Cornered Hat”, para fechar. Isso tudo para mostrar que Pablo Picasso, além de “artista total” genial, e explorador de mulheres nas horas vagas, foi um sujeito bem relacionado e de bom ouvido. [Comente esta Nota]
>>> Picasso: a música de seu tempo - MCD
 

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* Ética, Terrorismo e Fundamentalismo - Manuel da Costa Pinto, Márcio S. Felippe e Roberto Romano (2ª f., 26/4, 19h30, CN)

>>> Noites de Autógrafos
* Dr. Ulysses - O Homem que pensou o Brasil - Célia Soibelmann Melhem e Sônia Russo (3ª f., 27/4, 18h30, CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Ornatus Ensemble
(2ª f., 26/4, 20hrs., VL)
* Fats Waller I - Traditional Jazz Band
(6ª f., 30/4, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Mafalda Minnozzi
(Dom., 2/5, 18hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Extraterritorial - A literatura e a revolução da linguagem
George Steiner
Companhia das letras
(1989)



Dieta Antiinflamatória
Dr. Alexandre Luiz Gomes de Azevedo
Qualynute
(2008)



O Peregrino Maldito
Neimar de Barros
O Recado
(1979)



Oscar Niemeyer: Traço, Palavra, Forma
Oscar Niemeyer e Outros
Santa Clara
(2004)



Rousseau os Pensadores
Jean-jacques Rousseau
Abril Cultural
(1978)



Melancia
Marian Keyes
Bertrand
(2007)



Lendas de Sangue. o Vampiro na História e no Mito
Flavia Idriceanu
Madras
(2011)



A Revolução dos Bichos - 2016
George Orwell
Companhia das Letras
(2016)



Revista Studia Kantiana volume 9
Christian Hamm ed.
Universidade Federal de Santa Maria
(2009)



Os Tijolos Nas Paredes das Casas
Kate Tempest
Casa da Palavra
(2016)





busca | avançada
78548 visitas/dia
1,8 milhão/mês