Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Oficina do diabo
>>> Rosa dos ventos
>>> Pelagem de flor II: NEGRO
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os escritores jovens
>>> Guinga e sua Casa de Villa
>>> Pascal e a condição humana
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> O Jovem e o Mar
>>> Luz em agosto
>>> Palestra de Guilherme Wisnik
>>> Jobs e o Macintosh
>>> Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
>>> Um Furto
Mais Recentes
>>> Parcelamento Tributário & Moratória de Fábio Junqueira - Maria Inês Murgel pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Tratado de Infectologia de Ricardo Veronesi & Roberto Focaccia pela Atheneu (2009)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Estrela da Manhã de Manuel Bandeira pela Global (2012)
>>> El Mito de Faeton en La Literatura Española (ilustrações Fcs. Fora do de A. Gallego Morell pela Madrid (1961)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Pregão Nas Licitações Municipais de Marcelo Palavéri pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> La Cancion Petrarquista en La Lirica Española del Siglode Oro:... de E. Segura Covarsi pela Madrid (1949)
>>> Evolução Política do Brasil e Outros Estudos de Caio Prado JR. pela Cia. das Letras (2012)
>>> La Transcripcion Castellana de los Nombres Proprios Griecos de Manuel F. Galiano pela Soc. de Estudios Clasicos/ Madrid (1961)
>>> A Condição Espacial de Ana Fani Alessandri Carlos pela Contexto (2015)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Manual de Gramática Histórica Española de R. Menéndez Pidal (Ramón) pela Espasa- Calpe/ Madrid (1944)
>>> Um ano para enriquecer - 52 mensagens de otimismo e motivação de Napoleon Hill pela Record (2019)
>>> Controles Internos nas Organizações de Paulo N. Migliavacca pela Edicta (2004)
>>> Dante Vivo de Giovanni Papini pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> A nova dependência (dívida externa e monetarismo) de Celso Furtado pela Paz e Terra (1983)
>>> Sans Frontieres 1 - méthode de français de Michele Verdelhan, Michel Verdelhan, Philippe Dominique pela Clé international (1982)
>>> Tom Jones (encadernado.- Completo Em 01 Volume) de Henri Fielding pela Circulo do Livro/ SP. (1985)
>>> Cozinha Prática - Massas de Cristian Muniz pela Pae (2015)
>>> Chico Buarque do Brasil de Rinaldo de Fernandes. Organizador pela Garamond (2004)
>>> A Religiosa/ Capa Dura de Diderot (denis) pela Circulo do Livro (2019)
>>> Sursis/ Classicos Modernos/ Encadernado de Jean- Paul Sartre / Tradução: Sergio Milliet pela Abril (1974)
>>> MacWEEK Guide to desktop video - cd rom included de Erik Holsinger pela ZIff-Davis Press (1993)
>>> Ação Cominatória e Outras Peculiares - Doutrina, Jurisprudência ... de Ulderico Pires dos Santos pela Paumape (1989)
>>> O líder em você. Como fazer amigos, influenciar pessoas e ter sucesso em um mundo em mutação de Stuart R. Levine e Michael A. Crom pela Record (1997)
>>> El Genio Latino de Anatole France pela Ed. Grandes Autores/ B. Aires (1943)
>>> Nacha Regules (novela) de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ B. Aires (1933)
>>> O Direito Como Fato Social de José Florentino Duarte pela Sergio Antonio Fabris (1982)
>>> A Tributação Sobre Consumo de Bens e Serviços de Alessandra Machado Brandão Teixeira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Lições preliminares de direito de Miguel Reale pela Saraiva (1995)
>>> Seguro: Teoria e Prática - Doutrina - Jurisprudência - Prática Forens de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2004)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Reiki - Amor, Saúde e Transformação de Johnny de Carli pela Alfabeto (2017)
>>> As Novelas de Torquemada de Benito Pérez Galdós pela Paz e Terra (1989)
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen de Eugen Herrigel pela Pensamento (1990)
>>> Umanesimo Positivo e Emacipazione Marxista de Galvano Della Volpe pela Sugar Editore (1964)
>>> Ciência e Tecnologia Hoje de Nicolas Witkowski pela Ensaio (1995)
>>> Luvas Brancas de John Kotre pela Mandarim (1997)
>>> I-Ching - A Alquimia dos Números de Wu Jyu Cheng pela Objetiva (1993)
>>> Computer Crimes de Maria Helena Junqueira Reis pela Del Rey/ Belo Horizonte (1997)
>>> O Budismo vivo e o mundo contemporâneo de Lama Anagarika Govinda pela Siciliano (1994)
>>> Luxúria. Coleção Sete Pecados Capitais de Simon Blackburn pela Arx (2005)
>>> Mundo, Vida e Esperança de Angela Coutinho ditado por Emmanuel pela Elevação (1999)
>>> O Budismo e o Caminho da Vida de Christmas Humphreys pela Cultrix (1995)
>>> Avareza. Coleção Sete Pecados Capitais de Phillis A. Tickle pela Arx (2005)
BLOG

Quinta-feira, 16/6/2005
Blog
Redação

 
O único assunto do Brasil

Hoje, para que uma revista venda, seja ela de negócios, computador ou artesanato em macramê, é preciso ter uma celebridade na capa, senão, não vende. Para que alguém visite um site, há que se falar alguma coisa sobre um famoso em algum lugar, de preferência com fotinha. O sucesso de um evento, convenção ou prêmio, depende do ator global que vai apresentá-lo. O próprio Pânico, bola do momento, começou com um repertório de quadros de humor próprios, mas só explodiu quando Vesgo e Ceará começaram a perseguir os famosos. Seja em situação de humor, de vexame, de constrangimento ou horror, o interesse que temos, real, genuíno, intenso e mobilizador, é sempre pelas celebridades. (...) Está acontecendo em muitos lugares do mundo, mas no Brasil é flagrante.

Rosana Hermann, no Blônicas.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
16/6/2005 às 08h06

 
Antes tarde do que nunca

Angeli na Folha

Do , cujo Arquivo Z linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/6/2005 às 11h06

 
Micos, muitos micos...

Sou um neófito no mundo dos blogs. Para divulgar o meu, comecei a enviar e-mail para sites de literatura, para pessoas que escrevem neles, para um fórum de divulgação e para antigos colegas e professores da faculdade. Confesso (que vergonha) que enviei o endereço do meu blog até para e-mails de jornais e revistas. Juro que não sou louco; sei que nem vão ligar, mas, tentar não custa nada. A única coisa que pode acontecer... Simplesmente, "deletarem" meus recados.

Já recebi dois e-mais, pedindo para "não mandar mais nada". O primeira pessoa disse não me conhecia e que tinha mais de duzentos alunos e que não podia receber mensagens de desconhecidos; prejudica seu trabalho. Entendi o seu lado e não vou mais incomodá-lo. A outra pessoa, uma antiga professora, que não me conhece mais, disse: "Quem é você? Não estou interessada no que você diz ser literatura. Não envie mais nada para mim; não estou interessada". Compreendi o recado. Aliás, se tenho o direito de gostar ou não de um livro ou outra coisa qualquer, os outros também possuem o mesmo direito de não gostar do que escrevo. A rejeição faz parte da vida e do nosso crescimento como pessoa.

Enfim, continuo a viver, a escrever, a blogar e pagar micos, muitos micos...

Dudu Oliva, no seu Idéais e Histórias, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/6/2005 às 08h34

 
O Homem-bomba

Eu bem que tentei ficar longe do mar de lama, mas ele me pegou. Foi ontem. À noite.

Cheguei da Casa do Saber, conversei com a Carol e, entre um danoninho e outro, liguei a televisão.

Cultura, SBT, Globo. Lá estava, como não poderia deixar de ser, o Roberto Jefferson, no seu depoimento para a CPI dos Correios.

Me impressionou. Não pelo mar de lama (não entendo como as pessoas ainda podem se espantar), mas pela presença cênica, pela força, pela convicção.

A CPI está saindo e será essa repercussão toda por causa dele, Roberto Jefferson. É um grande ator e está mobilizando as atenções da mídia pelo seu carisma e pela personificação do que em política não mais existe.

Não importa que esteja do lado errado, não importa, até (como querem alguns), que não tenha razão. Ele é convicto, ele é verdadeiro (ou verossímil), ele está vivo (!).

Porque os politicos, em geral, estão mortos por dentro; porque a política brasileira, em geral, está morta por dentro. Porque a sociedade morreu, porque a mídia (o jornalismo) não mais existe, porque nós, em nas nossas vidinhas simples, sempre desistimos.

Eu tenho essa atração pelo homem-comício, como o Nélson Rodrigues tinha (aliás, que bela crônica ele escreveria...). Reconheço, por exemplo, a importância do Hélio Pellegrino, por causa disso. Do Glauber Rocha (mais do que do cineasta Glauber Rocha) etc.

No Brasil, tivemos grandes homens-comício. Para o bem e para o mal: Assis Chateaubriand.

Acho que, como o PC, vão é matá-lo. Digo, o Roberto Jefferson. Será "queima de arquivo". O sistema não perdoa esse tipo de afronta. E agora já foi... Não dura. Acompanhem comigo.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/6/2005 às 07h31

 
Internet2

Yes, there is another Internet. The term "Internet" simply refers to a network of computers. The one that most of us use is Internet1, or the "commodity Internet." Internet2 was created nearly a decade ago by academics at research universities as a noncommercial prototype-something like what the Internet was back when just a few university researchers were logged on to ARPANET.(...) Like the commodity Internet, Internet2 comprises servers, routers, switches, and computers that are all connected together. Routers decide which way to send information, and servers handle Web site requests and store information for retrieval. What makes Internet2 so different is that it has many fewer users and much faster connections.

Alexander Russo, na Slate.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/6/2005 às 07h31

 
Alles mit Gott

Komponist Bach: Einzige Strophenarie entdeckt

Sensationeller Fund in den Beständen der Weimarer Herzogin Anna Amalia Bibiliothek: In einer Sammlung alter Drucke wurde eine bisher unbekannte Komposition Johann-Sebastian Bachs von 1713 entdeckt. Wie durch ein Wunder entging das Dokument dem verheerenden Brand vom vergangenen September.

Ou em "inglês":

Entdeckte Bach-Komposition: Ode an den Herzog

Sensational find in the existence that Weimar duchess Anna Amalia Bibiliothek: In a collection of old pressures an unknown composition Johann Sebastian of brook was discovered of 1713. As by a miracle the document escaped the devastating fire from past September.

Ou em "francês":

Herzogin Anna Amalia Bibliothek in Weimar: Beinahe ein Raub der Flammen

Découverte sensationnelle dans les stocks de la duchesse de Weimar Anna Amalia Bibiliothek : Dans une collection de vieilles pressions, une composition Johann-Sebastian de ruisseau de 1713, inconnue jusqu'ici, a été découverte. Comme par un miracle le document est allé au-devant du feu dévastateur de septembre passé.

Na Der Spiegel, com transcriação do Babel Fish, o site dos Irmãos Haroldo (tá bom, eu sei que estou ficando chato com esse negócio de Bloglines; prometo que paro no próximo...).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/6/2005 às 11h45

 
Enquanto ela escolhe a roupa

O que fazer enquanto a sua mulher, amante ou namorada se arruma para sair?

Aí está uma das grandes questões da humanidade. Sorte tinha Adão, que pegou o mundo ainda sem muitas opções no vestuário e longe, muito longe da praga da indústria fashion.

Mesmo assim, Eva demorava horrores para escolher a parreira mais fresca, a mais enfeitada, aquela com detalhes e nervuras que lembram a costura de um Ronaldo Fraga, de um Hercovitch, nossos modernos estilistas.

O que fazer enquanto ela põe roupa e tira roupa, mulher alterada, doida demais, peça por peça do armário?

Põe e tira, vai ao espelho, pede a sua opinião... Liga para pedir a opinião da melhor amiga - afinal de contas você, velho macho conservador não entende nada dessas modinhas -, volta ao espelho, muda só a parte de baixo, agora muda só a parte de cima, troca o brinco, o colar novo, "ah, esse não combina"...

Não adianta você, caramigo, dizer que está ótimo, dizer que nunca viu mulher tão linda, dizer que nunca a viu tão deusa, dizer que é a mulher da sua vida, a que se veste melhor, a de gosto estupendo, a mais francesa das francesas, a bonequinha de luxo posando na frente da Tiffanys, a Audrey das Audreys, Catharenin Deneveuve, Juliette Binoche...

De nada adianta. Ficamos falando sozinhos nesse momento ímpar do mulherio.

O que fazer?, então, como perguntava o velho Lênin antes neoliberal e capitalista?

Relax, meu jovem, relax, caro mancebo, tranquilidade, cabrón. Como não tem remédio e nem nunca terá, o jeito é retomar tempo perdido a nosso favor. Já tive mulheres que demoravam o tempo de um jogo de futebol - com prorrogação e morte súbita - para escolher a "roupa certa". Vi muitas decisões de campeonato graças às dúvidas fashion da costela amada. Gracias.

Puta[s?] escritores, como o velho Hemingway, deixaram grandes obras graças às demoras das "patroas". Grandes inventores, idem. O humorista Grouxo Marx agradeceu publicamente à sua mulher por deixar-lhe livre para criar ótimas piadas nestes intervalos. Os exemplos são muitos. Meu amigo Pereira, velho porco chauvinista, volta à infância e monta castelos e castelos de legos. Rebelo, chapa de Curitiba, aproveita para treinar tirar ao alvo... E assim espera o mundo macho.

E quando ela, além da dúvida da roupa, diz que está gorda?

Xico Sá, no Blônicas (uma dica da Déa).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/6/2005 às 11h20

 
É a que fica

Tem coisas na vida - lugares, empregos, pessoas - que nos empolgam de cara. Tudo parece perfeito e feito sob medida. Não demoramos a nos apaixonar, a nos sentir bem, a nos alegrar com todas as virtudes aparentes e escondidas. Que vista linda da janela! Que cidade acolhedora! Quantos colegas interessantes, que chefe encorajador! O tempo passa e a satisfação não esmaece, e nos sentimos de fato gratos pela nossa sorte de ter encontrado um emprego, uma cidade, um apartamento, uma pessoa assim. E há, claro, o oposto. Aquele lugar onde chegamos e, imediatamente, temos a sensação de ter cometido um erro. As coisas começam a dar errado - não por nossa culpa, mas por azar. Os colegas são antipáticos. O vizinho é barulhento. A cidade é fria e fechada, cinza todo dia, e o carro rente à calçada passa bem em cima da poça espirrando água suja sobre nós como um presságio. Conhecemos alguém e a conversa trunca, cometemos gafes sem saber; dizemos algo e somos mal-interpretados, e a resposta da pessoa nos soa também errada. Tudo é um desastre. Queremos dar tempo ao tempo, mas o tempo passa e temos saudades de outros lugares, pessoas, ocupações.

Ocorre, então, que o tempo passa ainda mais. Passa mais. E mais. Muito imperceptível. Sabe como é, vão-se as semanas e meses, entra o inverno, os dias encurtam, essas coisas todas mudam e nem notamos, felizes que estamos, ou então insatisfeitos. Um dia a gente se pega meio de mau-humor no caminho para o emprego perfeito. Deve ser coisa de lua, ou os hormônios, ou esse trânsito especialmente ruim. A gente chega ao trabalho e o mau-humor não passa. A gente espera, tem paciência. Mas a irritação cresce. Aquela secretária solícita agora nos dá nos nervos. O computador trava toda hora. Dá enjôo só de pensar na comida do refeitório. A cidade nova já exauriu todas as suas atrações. As palmeiras bonitas que ladeiam a avenida central parecem empoeiradas e marrons. Já cansamos de ir ao mesmos restaurantes. Aquele novo amigo sensacional apronta com a gente. Tudo parece errado, e, emboscados, nos perguntamos: como raios viemos parar aqui? Como é que, no fim, tudo acaba na mesma, com tanta imensa insatisfação?

Pois há aqueles casos em que já começamos, de cara, infelizes. Sofremos. Insistimos e sofremos mais ainda. Mas o tempo passa também. Aquela pessoa meio antipática revela qualidades insuspeitas. Só precisava mesmo de tempo para nos conhecer e se abrir. Ou então finalmente compreendemos as sutilezas de nossas respectivas linguagens, e, assim, nos entendemos melhor. Ficamos melhores no emprego, nosso trabalho é reconhecido. Aquela cidade inóspita abre encantos ocultos que agora conseguimos navegar com mais destreza. Temos até um restaurante preferido onde somos clientes habituais e nos chamam pelo primeiro nome. Demorou. Parecia tudo errado de início. Parecia burrice insistir no erro. E no entanto não conseguimos entender como é que não enxergamos, de cara, o quanto tudo estava tão certo para nós.

Do recém-inaugurado blog da Daniela Sandler (porque a Dani vai embora...).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/6/2005 às 10h12

 
Réquiem reloaded

"Ótimo, ri sozinha em frente ao computador, olhando pela janela a chuva e o dia odioso que esta fazendo. Minutos de prazer."

Da Renata Linhares por e-mail.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
13/6/2005 às 18h11

 
Com-por

O que há de mais belo no filme 'Ninguém Pode Saber', ninguém pode escrever. É quase poesia visual. E não só é a fotografia, o enredo, o elenco, a trilha sonora, todos os elementos do filme são carregados de humanismo, sensibilidade e delicadeza. Antes de ser um filme sobre o abandono de quatro crianças, é um olhar sobre as pequenas alegrias da infância e irmãos que se unem muito na adversidade. Se o choro surgir, que seja de comoção diante de tanta beleza. Porque se havia alguma intenção do poeta-diretor não era a de entristecer.

E então com-porei meu destino: porei folhas secas no chão pra que meus caminhos se renovem; porei fogo na lareira pra que meu coração se aqueça; porei flores na janela pra que meus sentidos se aguçem; e porei o mar na minha frente pra que minha sede mergulhe. E farei de cada dia um ano inteiro com-posto de muitas estações.

Da Carol, do Ensaio Vespertino, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
13/6/2005 às 16h57

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MONITORAMENTO DE MAMÍFEROS COM CÂMERAS-TRAPPS EM ÁREA MANEJADA
SHELIANE NASCIMENTO UND MARILUCE MESSIAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



DOM CASMURRO - COLEÇÃO LITERATURA BRASILEIRA - NOVA ORTOGRAFIA
MACHADO DE ASSIS
CIRANDA CULTURAL
(2008)
R$ 10,00



ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA
MICHAEL A. HITT
THOMSON
(2008)
R$ 30,00



CHEGA DE SAUDADE
RICARDO AZEVEDO
ED. MODERNA
(1984)
R$ 4,00



E SE... HITLER TIVESSE VENCIDO
REVISTA SUPERINTERESSANTE
ABRIL
(2015)
R$ 12,00



ELEMENTOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA
N. EFIMOV
LIVRARIA CULTURA BRASILEIRA
(1972)
R$ 14,00



SEARA BENDITA
MARIA JOSÉ C. DE OLIVEIRA / WANDERLEY SOARES DE O
INEDE
(2000)
R$ 22,00



O ANO EM QUE SÓ NÓS TIVEMOS LUCRO
ALEXANDRE CAMARGO
MATRIX
(2010)
R$ 6,30



EVOLUÇÃO BIOLÓGICA CONTROVÉRSIAS
CELSO PIEDEMONTE DE LIMA
ATICA
(1988)
R$ 5,00



OBRAS-PRIMAS DO CONTO HUMORÍSTICO
SÉRGIO MILLET SELEÇÃO / NOTAS
MARTINS
(1956)
R$ 22,00





busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês