Não queimem os jornais, ainda | Digestivo Cultural

busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Ludopédio em Pindorama
>>> Media Vs. Media Institutions
>>> O fenômeno Felipe Neto
>>> Hoje a festa é nossa
>>> Galera sobre o jornal de papel
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> História da leitura (IV): a ascensão do romance
>>> Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia
Mais Recentes
>>> Palimpsestes: Littérature au second degré de Gérard Genette pela Points
>>> O Léxico de Guimarães Rosa de Nilce Sant´Anna Martins pela Edusp
>>> Um Caso que sugere Reencarnação Simone x Angelina de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Vida de Jesus de Plínio Salgado pela Difusao Pan Americana (1964)
>>> Vença Seus Complexos de Dr. Virgílio de Camargo Pacheco pela Egraf (1964)
>>> Arte Concreta Paulista - Grupo Noigandres de Haroldo de Campos, Augusto de Campos, Décio Pignatari pela Cosac & Naify
>>> Um Minuto com Você de Airton Freire pela Wise (2013)
>>> Um Caso que sugere Reencarnação Jacira x Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Repertório dos Remédios Florais de Dr. Bach de F.J. Wheeler pela Pensamento (1979)
>>> Regressão a vidas passadas de Florence Wagner McClain pela Mauad (1985)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhael Aivanhov pela Prosveta (1986)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela Outras Palavras (2017)
>>> The Folktale de Stith Thompson pela University of California Press
>>> Pedalando na África de Toco Lenzi Darlene Dalto pela Ftd (1992)
>>> Paixão Missionária de Éber Ferreira Silveira Lima pela Proprio (1994)
>>> Óleos Essenciais na Culinária Cosmética e Saúde de Luiz Grossman pela Unibes (2005)
>>> O Trono de Dragonbone de Tad Williams pela Tad Williams (1990)
>>> O Trabalho Criativo de Willis Harman John Hormann pela Cultrix (1990)
>>> O Peregrino de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (1993)
>>> O Ocultismo a Revelação da Ciência dos Magos de Europa America pela Portas do Desconhecido (1973)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Gelcip (1995)
>>> O Livro dos Bons Negócios de F.Ramon pela Trevo (1994)
>>> O Livro do Bem de F.Ramon pela Trevo (1994)
>>> O Carma do Agora de Martin Schulman pela Agora (1988)
>>> Nosso Lar de Francisco Candido Xavier pela Feb (1992)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 20/7/2007
Não queimem os jornais, ainda

+ de 3100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Talvez por conta de um problema na vista, que cansa depois de algum tempo lendo no computador, talvez por pão-durismo, ao não querer ver a conta da energia nas alturas, ou talvez simplesmente pelo fetiche por papel, tendo a ficar com um pé atrás em relação às "novas mídias".

Mas vou defender a mídia tradicional criticando-a. Primeiro, aquele que já é um lugar comum: ou os jornais se reinventam ou morrem. Estão morrendo, mas ainda dá tempo de se reinventarem. Torço por sua vida eterna, mesmo não gostando de lê-los. E não gosto porque não trazem o tipo de texto que me interessa, as análises e as reportagens de fôlego. Por isso, prefiro as revistas.

Comovo-me ao ver quem acha que os sites e blogs, com milhares de textos disponíveis gratuitamente para leitura, farão com que os veículos tradicionais saiam do mapa. Comovo-me porque um pouco de utopia não faz mal a ninguém. Na pior das hipóteses, os jornais sairão do mapa, mas dinossauros como este escriba continuarão a fazer e a comprar revistas, nem que tenhamos de formar uma seita, secreta, se necessário.

Do lado dos jornais, essa pior hipótese se confirmará caso teimem em continuar sendo calhamaços de notícias e poços de mediocridade e hipocrisia, ao se anunciarem como imparciais. Se um dia desses eu fundar um jornal, o lema será "parcial e independente". Porque é primordial ter um lado, dizer que o tem, e, ao mesmo tempo, não estar vinculado diretamente a grupos políticos ou financeiros, vinculado a ponto de não poder discordar de seu partido, senão vai à bancarrota.

Uma das razões pelas quais mais e mais pessoas estão deixando os jornais de lado e passando para a internet é que, nesta, elas já encontram, com muito maior rapidez, as hard news, em quantidades infinitas. E encontram, também, opinião não travestida de informação, principalmente em blogs.

Como mencionei, é igualmente vital à mídia em papel lançar mão de e aprofundar aquele que ainda é seu diferencial - a grande reportagem, de preferência grande nos dois sentidos. E grandes reportagens, até onde se sabe, ainda só se consegue fazer com dinheiro, por mínimo que seja. Eu prefiro pagar para ter acesso a uma revista ou a um jornal com matérias esclarecedoras sobre meu país e o mundo feitas por repórteres que sabem escrever, do que abrir mão disso em nome de milhares de textos gratuitos na internet, sem profundidade alguma e lamentavelmente mal escritos.

Vamos aos Estados Unidos, país com o maior número de gente conectada à grande rede. Quantos sites, lá, substituem a leitura de uma The Nation, uma New York Review of Books, mesmo de um NY Times ou Washington Post? Aqui no Brasil, quantos sites têm textos melhores que uma Caros Amigos, uma Entre Livros, piauí ou Carta Capital? São todos veículos que, acredito eu, terão vida longa.

A mídia virtual veio, veio forte, e trouxe benefícios, um deles, o poder de dizer aos donos e editores de jornal "ou vocês criam um serviço diferenciado, ou nós vamos roubar todo o seu público, porque quem tem dinheiro para consumir jornal regularmente, tem computador em casa, e não vai pagar pelo que pode ter de graça". Se, por autismo, aqueles que fazem mídia tradicional não escutam o recado, é outro problema; se escutam e mesmo assim resolvem não fazer nada, é suicídio, e com suicidas não se deve argumentar. E, obviamente, simplesmente torcer para eles não terem sucesso numa provável tentativa de mudança de rumo, em nome de um luddismo às avessas, é ato infantil.


Postado por Daniel Lopes
Em 20/7/2007 às 10h53


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando não existe diálogo... de Julio Daio Borges
02. Literatura feminina reloaded de Julio Daio Borges
03. Tom, pizza e Adoniran de Vitor Nuzzi
04. Microsoft Computer Security de Julio Daio Borges


Mais Daniel Lopes no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/7/2007
22h30min
Comentando o texto, se depender de mim, a mídia impressa está acabada, prefiro mesmo a mídia virtual, se atualiza rápido e gera menos lixo. Quanto à profundidade, a própria Carta Capital pode ser lida on-line. Algumas matérias que as revistas deixam como privativas para assinantes acabam vazando para o mundo virtual... quanto ao fato de o texto ser bem escrito, encontrei uma reportagem na Veja sobre o ACM em que usam o termo AUTISMO no lugar de ALTISMO, esse é o erro que mais me aborrece, pois me dá trabalho quando vou pesquisar sobre autismo e me aparece um monte de notícias que nada tem a ver. Acho que não tem jeito, a mídia impressa está mesmo com os dias contados. Essa é minha opinião.
[Leia outros Comentários de Rita Louzeiro]
24/7/2007
12h46min
Não é o meio (impresso, vídeo, multimídia, que é o caso da web) que faz uma reportagem ser boa. É o talento do repórter, o entrosamento com o editor, a disponibilidade de uma equipe, a aposta de uma empresa jornalística. O jornalismo não é "pior" porque feito na web. É pior porque carece de investimentos, e investir é apostar em talentos. Desconheço casos de blogueiros que sejam grandes repórteres, ao estilo das grandes revistas, apenas por serem blogueiros. Há blogueiros (e há uma enorme confusão nisso) que se dizem jornalistas, mas não passam de meros "noticiadores". E notícia, hard news, lide, "aconteceu ontem" e link, para o que está acontecendo, qualquer pessoa alfabetizada pode dar. Agora, viajar, colher várias entrevistas, arriscar-se, realizar uma pesquisa complexa e saber transmitir isso (em QUALQUER meio) de forma acessível, contextualizada e bela, não é qualquer um que tem a paixão, capacidade e possibilidade de fazer. E isso pode ser feito na web também, basta investir.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
24/7/2007
21h35min
Obrigado pela resposta e obrigado por linkar no teu blog, também linkarei no meu. Essa questão dos jornais realmente dá o que pensar. Pena que quem deveria (os jornalistas, as empresas jornalísticas, as instituições como sindicatos e sobretudo a universidade) está há anos-luz disto. Ao mesmo tempo, também tem muita gente que mal entende de jornalismo, que vai na onda do fim dos impressos, etc. Acho complicado. Para quem lida com Web, a gente entende que é marketing enfatizar isto, até por causa da receita publicitária. Por outro lado, há quem trabalhe com impressos nesse "interiorzão" afora, longe de uma São Paulo da vida, que só prosperou. O próprio Rádio, Brasil afora, dá um banho em qualquer rede de podcasts, videocasts, etc., porque rádio pega em qualquer lugar, rádio é só girar um botão e ouvir, entre outras facilidades. Definir alguma coisa, só depois de muita pesquisa e pouca conjetura isolada ou, pior, achismo...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
24/7/2007
21h47min
Definir alguma coisa, só depois de muita pesquisa. E o que há é muita conjetura isolada e, pior, achismo. Até porque, se quisermos ser chatos de galocha, o fim de alguma coisa é ela deixar de existir completamente. Ou seja, diminuir não é deixar de existir, portanto, dizer "fim dos impressos" é um equívoco. Também tem a questão do localismo, que, nas grandes cidades, onde se pensa o Jornalismo, foi deixada de lado. Monte uma rede de jornais impressos em pequenas cidades do interior, mostre a cara da população, dos políticos e empresários locais (com um jornalismo sério, bem feito, etc.), e talvez a situação será animadora. Informações sobre Guerra do Iraque, mil e um blablablás sobre o Pan ou acidente da TAM nunca interessarão mais do que o que acontece de bom ou ruim com meu vizinho, na minha rua. Então, tem uma porção gigantesca de fatores a serem observados. E o que pode valer pra Nova Iorque pode não funcionar pra Pequim. Prefiro a duvida às declarações. Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
30/7/2007
19h20min
Não existe nada melhor que acordar, pegar o jornal e se trancar no banheiro, é um prazer, que não tem Mastercard q pague. Vc pode até já ter lido a maioria das notícias ontem, on-line, mas o q importa, desde q vc tenha aqueles sagrados minutos de isolamento e comunhão com toda a humanidade. Mesmo com o wireless, não dá o mesmo prazer, navegar no banheiro. É Cultural e Físico. Bjs.
[Leia outros Comentários de Pedro Brasileiro]
24/8/2007
17h00min
As tábuas de barro onde a escrita uniforme era impressa já não existe mais, virou fato histórico e trabalho de arqueológo. Os jornais serão trabalho de arquivistas e receberão visitas frequentes de escolas ao museu.
[Leia outros Comentários de hdz]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Rally da Pesada: do Monte Caburai ao Arroio Chui
J. M. Verissimo
José Marcelo dos Santos
(2011)
R$ 5,00



O Pequeno Príncipe
Antoine de Saint Exupéry
Universo dos Livros
(2017)
R$ 20,95



Os Pervertidos
Harlod Robbins
Record
R$ 5,00



Ensaios de uma Vida
Hebelardo Magalhães
Arg
(2010)
R$ 38,00



Watchman
Jonathan Littman
Record
(1998)
R$ 28,00



Amsterdã - guia visual
Folha São Paulo
Publifolha
(1998)
R$ 35,00



Astrolatria - Seguindo os Passos dos Deuses na Terra
Prof. Molinero
Mandala
R$ 15,00



Marcas de Passos na Floresta Sombria
Fulton J. Sheen
Agir
(1970)
R$ 71,00



José de Alencar na Literatura Brasileira - 2ª ed.
M. Cavalcanti Proença
Civilização Brasileira
(1972)
R$ 17,90



Monique
Luísa Coelho
Record
(2007)
R$ 4,08





busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês