Millôr no IMS Paulista | Julio Daio Bløg

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caravana em BH
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> Relationships Matter
>>> Notas de um ignorante
>>> Alumbramento
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Rumos do cinema político brasileiro
>>> Black Sabbath 1970
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Manual prático do ódio
Mais Recentes
>>> Um artificio orgânico transição na Amazônia e ambientalismo de Ricardo Azambuja pela Rocco (2022)
>>> Livro - Dr. Cabelo - Saiba Tudo Sobre os Cabelos: Estética, Recuperação Capilar e Prevenção da Calvíce de Luciano Barsanti pela Elevação (2009)
>>> Livro - Direto de Washington de Washington Olivetto pela Estação Brasil (2018)
>>> Amar é preciso de Maria Helena pela Gente (2022)
>>> O Livro do Perdão - 3ª Ed (ótimo estado) de Desmond Tutu pela Valentina (2016)
>>> Interpretação da vida de Marcus vinicius moura pela Fac (2022)
>>> Um mergulho no inferno das drogas de Maria celia ribeiro cesar pela Kelps (2022)
>>> Diário de Um Doutrinador - 4ª Ed (muito bom) de Luiz Gonzaga Pinheiro pela Eme (2003)
>>> De onde vem a sua força de Robson rodovalho pela Sara (2022)
>>> A revoluçao russa de 1917 de Marc ferro pela Perspectiva (2022)
>>> Leon e o retrato tal e qual de Allen Kurzweil pela Cia das letras (2022)
>>> A Mágica dos Gêmeos e Trigêmeos (como novo) de Silvana Chedid pela Europa Press Comunicação Brasil (2015)
>>> Capital humano de Stephen Amidon pela Objetiva (2022)
>>> Qual a medida do seu amor? (como novo) de Wanderley Oliveira / Ermance Dufaux pela Dufaux (2013)
>>> Informática para concursos de Joao Antônio pela Metodo (2022)
>>> O discurso do rei de Mark logue pela Jose Olympio (2022)
>>> Lehman Brothers de Peter Chapman pela Saraiva (2022)
>>> Inspirações positivas (como novo) de Vários autores pela Vergara (2022)
>>> Teoria geral das obrigações de Leonardo Pantaleão pela Manole (2022)
>>> A passagem de Morgan de Anne Tyler pela Mandarim (2022)
>>> Discursos de Brigham Young - Capa Dura (muito bom) de John a Widtsoe pela Bandeirante (1954)
>>> Gramatica reflexiva de Wiliam Roberto cereja pela Atual (2022)
>>> Introduçao A Genetica - 8ª Ed (muito bom) de Anthony J. F. Miller / Jeffrey H.;Gelbart e outros pela Guanabara koogan (2006)
>>> Fundamentos Da Biologia Celular - 2ª Ed (muito bom) de Bruce Alberts pela Artmed (2007)
>>> Reaprendendo o Português [Capa Dura] de Carlos Eduardo de Bruin Cavalheiro (org.) pela Edic (2010)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 24/9/2018
Millôr no IMS Paulista
Julio Daio Borges

+ de 4700 Acessos

Saí de casa com a ideia de fazer a “ronda” das exposições. Iria começar pelo IMS, iria seguir para a Fiesp, Casa das Rosas e Itaú Cultural.

Peguei o metrô orgulhoso - na contramão dos torcedores do São Paulo -, desci na Paulista, subi as escadas do Moreira Salles, mas, quando entrei na exposição do Millôr, e vi aqueles murais enormes, comecei a chorar e fui de olhos marejados até o final.

Nem visitei o resto do Instituto Moreira Salles. Desisti do Itaú Cultural, da Casa das Rosas e dispensei até o Rafael - aquele, da turma do Leonardo -, preferi não diluir o impacto do Millôr.

Por que chorei? Não sei; emoção. Quando estive com Millôr, há 15 anos, ele vinha de uma homenagem protocolar, aborrecida... Ao mesmo tempo, sentia-se pouco reconhecido no Brasil - o que parece uma contradição; mas não é, não.

Millôr era muito grande. Difícil receber uma homenagem à altura. Ainda mais no Brasil; ainda mais em vida.

Mas quando entrei na exposição do Moreira Salles e vi aqueles murais enormes, senti, em nova dimensão, o grande artista que ele foi - e que o reconhecimento havia chegado, de alguma forma. Mais de 5 anos depois de sua morte? Sim; mas é a vida! E, no Brasil, antes tarde do que nunca...

“A ideia de um projeto estético tradicional sempre foi estranha a Millôr Fernandes[...] ele dizia-se antes de tudo um jornalista e via o impresso, sobretudo em revistas e jornais, como a realização plena de sua obra”, diz o texto de abertura da exposição.

“Dos autorretratos à visão desencantada do Brasil, passando pelas reflexões sobre a condição humana e pelo prazer puro e simples das formas, ‘Millôr: obra gráfica’ propõe uma visão de conjunto de um dos maiores artistas brasileiros do século XX” - acho que foi quando as lágrimas rolaram...

Estava emocionado pelo Millôr - porque, de fato, ele *foi* um dos maiores artistas brasileiros do século XX. Artista no sentido plástico do termo. Além de escritor; além de intelectual; além de pensador. Sem contar o humorista; o dramaturgo; o tradutor de Shakespeare. O inventor do frescobol! Millôr teve tantas facetas que estamos sempre nos esquecendo de alguma...

Quando estive com ele, havia saído a sua edição do célebre “Cadernos de Literatura” do Instituto Moreira Salles. Daquele seu jeito descontraído, ele me disse em seu estúdio: “Esse pessoal do Moreira Salles esteve aqui... E fez um bom trabalho, viu? Estiveram aqui; pegaram algumas coisas... Foram lá atrás, na minha carreira...”

E hoje temos de reconhecer: foi louvável que o IMS assumiu o acervo de mais de 7 mil desenhos do Millôr. Pois, quantos acervos não se desfizeram quando seus donos se foram? Eu vi alguns. Do Daniel Piza, por exemplo, eu nem tive tempo de ver - quando soube, já havia sido desmembrado...

Ao mesmo tempo, é irônico - porque Millôr olhava com uma certa desconfiança para os Moreira Salles... Por causa do Walter Moreira Salles, o “rico” de sua época.

“Qual a diferença entre eu e o Walter Moreira Salles?”, Millôr se comparava. “Eu moro de frente para a mesma praia que ele” (no Rio, obviamente). “Ele pode viajar... mas eu também posso! Eu posso ficar, sei lá, 10, 20 dias fora... Não; 20 dias é muito!”, o próprio Millôr se emendava...

Sua versão de “Guernica”, de Picasso, na exposição, não é uma escolha aleatória. Tanto quanto o gênio do cubismo, Millôr produziu muito. Ia ao estúdio todos os dias; inclusive sábados e domingos. E foi longevo - quando conversamos tinha, aproximadamente, 80 anos, parecia lépido e fagueiro: com um discurso fluente, bem-humorado e brilhante, o mesmo desde os tempos de “O Cruzeiro”.

Me emocionei com as fotos do estúdio, em Copacabana; principalmente no catálogo da exposição. Me sentei naquele sofá vermelho e Millôr se sentou na poltrona amarela, em frente. Tentei espiar sua biblioteca ao longe e avistei pastas etiquetadas: “Pif Paf” - uma das alas da exposição...

Claro que nem tudo são flores no IMS. Senti um viés “político” ao se colocar os desenhos da época da ditadura militar (1964-1984) logo na entrada. Como um lembrete - de tempos que podem voltar... Talvez por causa de algum candidato militar nas próximas eleições?

Lembrando que Millôr foi um crítico feroz de Fernando Henrique Cardoso, cujos livros “clássicos” não perdia a oportunidade de mostrar que eram intragáveis. E, naturalmente, foi crítico de Lula - sobre quem, afirmava, “a ignorância havia subido à cabeça”. A ignorância.

Ao contrário da turma do Pasquim21, que não quis fazer “humor a favor”, quando Lula assumiu, em 2004 encomendei uma capa, ao Millôr, para a revista do Digestivo com a FGV/SP, e ele não foi nada econômico na legenda: “Os governantes proclamam: Bananas pra nossa cultura” - em pleno governo do PT, em plena gestão de Gilberto Gil, no MinC.

Millôr era da geração do Paulo Francis, que tem uma citação famosa: “Os baianos invadiram o Rio para cantar: ‘Ah, que saudade eu tenho da Bahia’... Se é por falta de adeus, PT saudações”. Caetano brigou com Francis mais de uma vez. E no Pasquim, os invasores baianos eram chamados de “baihunos”, em referência aos bárbaros que invadiram a Europa nos estertores do Império Romano...

O desenho que Millôr fez para o Digestivo está lá, na primeira ala da exposição. Foi selecionado entre os 7 mil de seu espólio. Mas está sem a legenda. Aos organizadores, deve ter parecido familiar... Afinal, eu o divulguei, à época, a torto e a direito... Mas os organizadores não conseguiram se lembrar o suficiente - e, sem a legenda, ele ficou meio fora de contexto... Mas me senti vingado, de alguma forma ;-)

“Daio, cuide da minha glória - antes que ela seja póstuma”, Millôr me escreveu, num e-mail, quando já estava mais pra lá do que pra cá. Não lembro o que respondi na época, mas hoje eu diria que:

“A sua glória está garantida, Millôr. Você não precisa se preocupar. A exposição está linda! Que grande brasileiro você foi... Estou ainda mais honrado de tê-lo conhecido.”

Para ir além
"Meu encontro com o Millôr"


Postado por Julio Daio Borges
Em 24/9/2018 às 09h55


Mais Julio Daio Bløg
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Primeiros Vôos do Menino
Elias José
do Brasil
(2005)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
principium
(2010)



Seleções de Livros
Readers Digest
Readers Digest
(2003)



A Doçura do Mundo
Thrity Umrigar
Nova Fronteira
(2008)



Um Curso de Vida
Joan Gattuso
Rocco
(2002)



C
Paulo D Siepírski e Benedito M Gil
Paulinas
(2007)



A Sociedade Informática
Adam Schaff
brasiliense
(1995)



The Kings Treasuries of Literature: Adventures of Don Quixote
Cervantes
General
(1926)



Drogas - Opçãode Perdedor
Flávio Gikovate
Moderna
(1997)



Livro - A Religião Invisível
Thomas Luckmann
Loyola
(2014)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês