Tunturi, de António Vieira | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/4/2003
Tunturi, de António Vieira
Ricardo de Mattos

+ de 5700 Acessos

O escritor português António Bracinha Vieira nasceu em Lisboa no ano de 1.941. Formou-se médico na Faculdade de Medicina de Lisboa a qual encontra-se até hoje vinculado. Desenvolve grande actividade intelectual, sendo professor de antropologia biológica, pesquisador nas áreas de comportamento e evolução humanos e também fundador da Sociedade Portuguesa de Etologia. Além da firme carreira universitária é escritor, e entre seus trabalhos literários e ensaísticos podemos apontar Doutor Fausto, Discurso da Ruptura da Noite, Ensaio Sobre o Termo da História. No Brasil já foram publicados Contos Com Monstros, Sete Contos de Fúria e a novela Tunturi.

Tunturi é uma obra de feitio surpreendente, prenhe de imagens de acentuada beleza e evocativas de um modo de viver invejável para nós, cobertos por este ranço que à falta de melhor termo chamamos "civilidade". Uma jovem, cujo nome intitula o livro, mora n'uma casa de madeira às margens d'um lago finlandês, em contacto directo com a Natureza. Este entrosamento total da personagem com seu meio escapa completamente da propaganda ecológica hodierna. Não são todos os seus costumes que eu admiro, embora compreenda os motivos de alguns hábitos, mas mesmo assim... É de se ficar boquiaberto com as imagens resultantes das comparações feitas entre a vida e o corpo de Tunturi e os fenómenos naturais. Deve-se reparar também na singela manutenção por ela de antigos rituais religiosos.

O enredo é muito simples e pode ser pautado pelos factos marcantes daquele período da existência retirada da personagem. Primeiro a violência de um estupro. Vive ela afastada da vida social pois conhece os conflito inerentes, as disputas, o duelo entre fracos e fortes. Mesmo isolada em sua cabana, mesmo indo à aldeia esporadicamente, ela é alcançada, estuprada e engravidada. Após este acto, no seu ritual de purificação encerrado com um banho no lago gelado surge a reflexão: "Algum ente suspeito, latente nas lamas e nos lodos do fundo, lembrou-lhe que, sob a magia da película que espelhava o espaço, o mais fundo da natureza não é inocente". Se a Natureza, praticamente um personagem no livro, concede-lhe um viver de rústico conforto, também reserva-lhe provações, testes. Apesar disso, é justa, pois se a todos os seres sob seu domínio está reservada uma quota de dor, não lida com o aleatório. Vendo uma ave atacada por um lince, Tunturi lembra: "não fora ela própria, um dia, presa de predadores que a tinham jogado em violência?".

Interessante lembrar da inexistência de diálogos em todo o curto livro - 78 páginas de texto. O autor recorre ao discurso indirecto nas poucas vezes em que isso mostrou-se necessário. Aliás, deve ser elogiado o tratamento dado por ele ao idioma. Fino, elegante, correcto e erudito, algo nem sempre visto hoje em dia.

Do estupro resulta a gravidez e outro paralelo com os factos da natureza: "O seu corpo participava, pois, do trabalho da terra semeada pelo acaso e os caprichos dos ventos. Também, nela se engendrara mais um ser semeado que crescia envolvido de inóspito ambiente, teimava em progredir para a luz, para o estranho destino de emergir para o mundo, como se uma vontade antiga o animasse" (página 39). A criança nasce e morre em seguida, morte que Tunturi, exausta pelo parto, não conseguiu impedir. Se não pediu para ela nascer, não desejou sua morte; se um dia viu-a como invasora de seu mundo muito bem delimitado, não se aliviou com o fim, e é com cuidado que se desfaz do cadáver. Bem adiante podemos ler a conclusão de suas reflexões: "A mulher como mediadora entre a indecifração da origem e o mistério da morte...".

Apresentação da personagem e do seu meio, estupro, gestação, nascimento, morte e restauração ocupam boa parte da narrativa. A Segunda experiência de Tunturi realiza-se com o caçador Tornio. Contudo com ele são atendidos apenas os imperativos da carne. Seu espírito prático contrasta com o contemplativo de Tunturi. Ela observa a Natureza buscando entender seus mistérios e ele limita-se a verificar as condições de uma caçada. Todavia, ele quem lhe apresenta um bem-vindo campo arqueológico com misteriosas inscrições rupestres.

Entre uma visita e outra de Tornio, surge aquele simplesmente designado "estrangeiro". Tunturi obtém dele, além do sexo, o companheirismo e a cumplicidade na apreciação do mundo dos quais tanto sentia falta. É uma companhia breve e ela sabe disso.

São intercaladas no texto treze símbolos, como substituindo a numeração ou nomeação de capítulos. São símbolos rúnicos (?) representando um mago, barcos, estrelas, um local sagrado, um lago, renas, uma deusa velha - ou mãe -, uma vítima, o lar, esquilos, peixes, um deus do céu (Ukko), e um caçador. Estes desenhos aparecem nesta sequência no livro por três vezes completas e uma incompleta. Como o autor preocupou-se em incluir um anexo identificando esta iconografia, primeiro pensei que a cada desenho correspondesse um capítulo. Em poucos casos isso realmente ocorre, mas ao final creio sejam apenas representações dos personagens e locais - caçador, lago, etc.

No livro, "Tunturi" é o nome de uma mulher. Geograficamente, o nome de elevações montanhosas ao norte da Finlândia. É também o nome popular de uma espécie de coruja. No primeiro "capítulo" uma frase fez-me enxergar de forma errónea algo certo. "A neve, a escuridão e o temível Inverno ainda tardavam" Uma jovem pensando na distância a separá-la da velhice? Sim, o texto aceita o recurso a tal metáfora. Contudo o texto imediato para tal ligação foi o livro do Eclesiastes, a representação da velhice no começo do capítulo doze. Tratou-se de mera coincidência. Devemos esquecer por um momento as mitologias greco-romana e judaico-cristã e abrir o espírito para novidades.

Suponho que a fonte primária de António Vieira para elaboração desta obra, onde recolheu dados e uma poética até incomum, tenha sido o Kalevala, rapsódia finlandesa organizada no século XIX por Elias Lönnrot e publicada no ano de 1.849 em segunda e definitiva edição. A epopeia é expressamente mencionada em nota à página 65. Aliás, coisa raríssima na bibliografia universal, as notas de rodapé - pouquíssimas -servem realmente para algo.

Sobre a Finlândia e o Kalevala

A Finlândia começou a ser anexada ao reino da Suécia em 1.155, pelo rei Erik, o Santo, estendendo-se este processo até 1.634, quando ocorreu a incorporação definitiva. O domínio sueco foi o mais longo e efectivo, tanto que o a língua sueca foi imposta e o finlandês relegado à plebe. No século XVIII foi a vez da Rússia iniciar a ocupação a partir do sul, tomando a Finlândia definitivamente para si em 1.808 e mantendo-a como grão-ducado relativamente autónomo. Em Guerra e Paz, Tolstói faz Napoleão dizer que deu a Finlândia ao czar Alexandre.

No século XIX ganharam corpo os movimentos de independência. O ar estava saturado de patriotismo, e uma questão fundamental para os libertadores era o emprego do idioma finlandês em substituição ao sueco. O médico e estudioso Elias Lönnrot encontrou ocasião em extremo propícia para unir seu amor ás letras aos ideais libertários. Aos vinte anos iniciou uma série de cinco viagens pelo interior do país, as chamadas "viagens de recolha", anotando os cantos populares encontrados, bem como extensos poemas narrativos. Só em uma vila, na quinta viagem, Lönnrot anotou 4.000 versos em dois dias. Organizou o material todo em saga única intitulada Kalevala, publicando-a em 1.835. Em 1.949 publicou uma nova versão totalmente reformulada e ampliada com os versos já alterados em relação aos originariamente recolhidos. Homero foi o modelo declarado de Lönnrot.

A repercussão do poema e sua adequação ao espírito da época foi imensa e alcançou até o compositor Jean Sibelius (1.865/1.957). A pouca divulgação de sua obra, além das questões estéticas, talvez deva-se à dificuldade em se compreendê-la sem o conhecimento da rapsódia, a qual está estreitamente ligada. Seu poema sinfónico Finlândia tornou-se um hino nacionalista, tendo ainda o Kalevala inspirado outras obras como a Sinfonia Kullervo, a Suíte Karelia, Quatro Lendas Para Orquestra, A Filha Pohjola e Seis Canções Para Vozes Masculinas.

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 10/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
03. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
04. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
05. Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte de Heloisa Pait


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MALA ENCANTADA
HANS CHRISTIAN ANDERSEN
PRAZER DE LER
(2010)
R$ 9,00



RAINHA DA TEMPESTADE
MARION ZIMMER BRADLEY
IMAGO
(1988)
R$ 10,00



O COLECIONADOR
JOHN FOWLES
RIO GRÁFICA
(1980)
R$ 9,00



PINTAR A PASTEL
ERNEST SAVAGE
PRESENÇA/MARTINS FONTES
(1982)
R$ 16,50



ARGEL: CIDADE BRANCA
RÉGINE DEFORGES
NOVO SECULO
(2004)
R$ 10,00



INFÂNCIA IMÓVEL, RECORDAR - SE
LOUIS AUBERT
INQUÉRITO
(1997)
R$ 22,70



CHEMISTRY FIFTH EDITION
RAYMOND CHANG
MCGRAW-HILL
R$ 80,00



WE: A CHAVE DA PSICOLOGIA DO AMOR ROMÂNTICO
ROBERT A. JOHNSON
MERCURYO
(1987)
R$ 12,90



FILE 10 NURBS PROTO 4KT
PAULO BARRETO E PAULA PERISSINOTTO
SESI
(2009)
R$ 10,00



O CORPO NA RUA E O CORPO DA RUA
ROMEU GOMES
UNIMARCO
(1996)
R$ 15,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês