José de Alencar revisitado | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O historiador das idéias
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
Mais Recentes
>>> Mistérios Divinos de Neil Gaiman e P. Craig Russel pela Devir (2006)
>>> HQ A Lenda do Batman - Batman e Filho de Bob Kane e Bill Finger pela Eaglemoss Collections (2017)
>>> Metade é Verdade, o Resto é Invenção de Pedro Antônio de Oliveira pela Formato (2007)
>>> HQ Os X-Men - Ameaça do Fanático! e A Origem do Professor X de Biblioteca Histórica Marvel vol. 2 pela Panini Books (2022)
>>> HQ O Espetacular Homem-Aranha - De Volta Ao lar de A Col. Oficial de Graphic Novels 21 pela Salvat (2013)
>>> Hq Homem-Aranha - O Nascimento de Venom de A Col. Definitiva Marvel 18 pela Salvat (2017)
>>> HQ Homem-Aranha - Inferno de A Col. Definitiva Marvel 28 pela Salvat (2018)
>>> HQ Os Novos Titãs - A Origem de Lilith de Marv Wolfman - José Luis pela Panini Comics (2019)
>>> HQ Homem-Aranha - O Rapto de Mary Jane de Col. Definitiva Marvel 24 pela Salvat (2018)
>>> HQ A Mulher Invisível - Os Heróis Mais Poderosos da Marvel 16 de Marvel comics pela Salvat (2015)
>>> Para Tão Longo Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (2003)
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/5/2003
José de Alencar revisitado
Gian Danton

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Gustavo Bernardo, organizador da coletânea de textos Novas Seletas José de Alencar, define clássico como a obra que, com o passar do tempo, não cessa de surpreender as sucessivas gerações. Um clássico também pode ser aquela obra que pode ser relida diversas vezes pela mesma pessoa, oferecendo-lhe a cada vez uma nova surpresa e uma nova perspectiva. Para Bernardo, Alencar é e sempre será um clássico e, para demonstrar isso, selecionou 14 textos do autor romântico. O livro, lançado recentemente pela Nova Fronteira, é uma oportunidade para os leitores de hoje conhecerem o escritor que dominou a literatura brasileira no século XIX e conferir se sua mensagem ainda é atual.

O resultado final é muito irregular. Os piores momentos são os capítulos de romances. Esses textos podem ser facilmente encontráveis, na íntegra em coleções populares. Crônica e artigos, por outro lado, apresentam um José de Alencar pouco conhecido e na sua melhor forma.

A crônica Ano Velho, por exemplo, mostra um autor maduro que flerta com o realismo fantástico (que não existia na época). Alencar escrevia para os jornais e era costume dos cronistas ao final de cada ano fazer uma avaliação do período. Em 1854 ele teve a brilhante idéia (não, não estou sendo irônico, antes que me perguntem) de fazer o ano velho visitá-lo na forma de um senhor idoso.

O senhor, sabendo que o escritor irá fazer um balanço do ano que termina, quer convencer Alencar de que foi melhor que os anteriores. E começa a apresentar exemplos de como foi positivo, exemplos logo refutados pelo escritor. O diálogo que se segue é de um humor machadiano e não lembra, nem de longe, Alencar. Ao comentar que foi o responsável pela iluminação a gás das ruas, 1854 ouve do escritor o ponto de vista de alguns críticos, segundo o qual a iluminação tirou da cidade o encanto dos belos luares e privou os namorados daquelas noites escuras "tão favoráveis a uma conversinha de rótula, ou a um passeio na rua do Ouvidor".

O ano-velho, sábio, retruca: "Ora, senhor, esses homens não sabem o que dizem: todo o namorado, toda a mocinha - é coisa sabida - precisa de um pouco de gás".

O humor sagaz não o livra da acusação de que o preço do gás é exorbitante, numa situação semelhante hoje ao preço da energia elétrica. Alencar, que não é acionista da companhia de gás, tira do ano o mérito.

E a conversa continua assim, com um humor fino, até quase o final, quando o escritor perde a mão. Este reclama ao ano que se acaba de ter-lhe causado males, mas um principal: tê-lo feito um ano mais velho. Até aí, nenhum problema, a observação tem espírito, mas vira desculpa para o escritor desandar em suas viagens poético/redundantes: "o que há nesse mundo que valha os nossos sonhos cor-de-rosa, as nossas noites de plácida contemplação, os idílios suaves de nossa imaginação a conversar com alguma estrela solitária que brilha no céu, semelhante a essas amizades santas".

Bernardo diz que o principal defeito apontado pelos críticos ao autor de Iracema é o exagero, e argumenta, citando Kafka, que "quem exagera, super-vê". Mas não dá um pio sobre a mania do escritor de usar dez palavras para dizer algo que poderia ser dito com uma. Um exemplo, entre muitos: "Sobre aquela botina via elevar-se como sobre um pedestal um vulto de estátua, mas vago, indistinto; e contudo esse esboço sem formas sedutoras, aquela sombra sem alma e sem calor, lhe parecia de uma beleza deslumbrante. Não era ela a mulher a que pertencia o mais formoso pé do mundo, o mimo, a obra-prima da natureza". Não contente em dizer que o pé é formoso, Alencar diz que é também um mimo e ainda uma obra-prima.

É essa característica que torna a obra de José de Alencar difícil para o leitor atual. Num tempo em que tudo corre, a redundância do escritor enerva. Ao contrário de Machado de Assis, por exemplo, que é informação em estado puro, até pelas várias possibilidades de interpretação que obras como Dom Casmurro oferecem, Alencar é muito mais redundante que informativo.

Quanto ao palavreado, esse não apresenta problemas, pois o organizador inseriu, em pequenas caixas, textos elucidando palavras ou detalhes pouco conhecidos, apresentando assim, um recurso a mais para o leitor compreender Alencar. Assim, ao ler que o dia de São Silvestre está chegando, o leitor é informado que "Silvestre foi o primeiro papa a ocupar o cargo depois que Constantino I legalizou a Igreja Cristã, em 313 d.c. O dia de São Silvestre é o último do ano, o que explica o nome da corrida de São Silvestre, em 31 de dezembro, no Brasil". O leitor descobrirá também que "ressaibo" é o mesmo que sinal, indício.

Além dos textos pouco conhecidos de Alencar, o livro traz de interessante parte do livro A Pata da Gazela, que certamente interessará aos fetichistas. No século XIX deve ter causado furor a história do homem que se apaixona pelo pé de uma moça. Pelo pé, diga-se, não pela moça. O que viesse junto, era ganho. O interesse do pobre Horácio era apenas o pezinho de número 28. O texto, bem-humorado, é cheio de conotações psicológicas. Primorosa é a seqüência em que ele sente ternura pelos sapateiros por fazerem botinas para tão lindo pé e, logo em seguida, ciúmes por eles manipularem o objeto de sua paixão. Imperdível o momento em que a moça entra no carro e o moço exclama: "Senhor! Por que em vez de homem não me fizeste estribo de um carro! Teria a felicidade de ser pisado por aquele pezinho".

Enfim, Novas Seletas é talvez a melhor forma de entrar em contato com um escritor de uma época totalmente diferente da nossa, em que as pessoas tinham tempo para longos textos repetitivos na essência. O trabalho de seleção, organização dos textos e notas é digno de elogios, assim como a qualidade gráfica.

Para ir além





Gian Danton
Goiânia, 30/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
03. A São Paulo em dias de greve geral de Elisa Andrade Buzzo
04. Um alucinante encontro com Lula de Elisa Andrade Buzzo
05. Sérgio Santos, Edu Lobo e Dori Caymmi de Rafael Fernandes


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2003
01. A teoria do jornalismo e a seleção de notícias - 28/2/2003
02. A análise da narrativa - 24/1/2003
03. Os X-men e o fim da infância - 31/1/2003
04. Experiências e Livros - 7/10/2003
05. Demônio maniqueu e demônio agostiniano - 11/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2003
12h57min
Gian, queria te agradecer pelo comentário feito sobre a minha tradução de A Voz do Fogo e pela excelente resenha sobre esse belo livro de Alan Moore lançado pela Conrad.
[Leia outros Comentários de Ludimila Hashimoto B]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Embaixador
Morris West
Record
(1965)



Paula de São Paulo 6ªedição (1997)
Mariângela Bueno, Sonia Dreyfruss
Callis
(1997)



Angel
Roberto Shinyashiki
Gente
(1993)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Manual de Tributos da Atividade Rural
Pedro Einstein dos Santos Anceles
Atlas
(2002)



O Homem Mais Rico da Babilônia
George S Clason
Harper Collins
(2019)



Ler, Viver e Amar
Jennifer Kaufman
Casa da Palavra
(2011)



O Corcunda de Notre-dame série Reencontro
Victor Hugo (adaptação José Angeli)
Scipione
(2002)



Desenvolvimento e Mudança Social: Formação da Sociedade(1978)
Juarez Rubens Brandão Lopes
Scielo - Centro Edelstein
(1978)



Dizimo e Oferta na Comunidade
Antoninho Tatto
O Recado
(1983)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês