Hilda Hilst na pintura de Egas Francisco | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Psicologia e Dilema Humano de Rollo May pela Zahar (1977)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> empreendedorismo de João Carlos Assis Dornelas pela elsevier Campus (2008)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Java 2 Ensino Didático Desenvolvendo e Implementando Aplicações 6ªed de Sérgio Furgeri pela Érica (2002)
>>> Tomografia computadorizada do corpo em correlação com ressonância magnética de Joseph K T Lee e outros pela Guanabara Koogan (2008)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Os Arquivos dos Campeonatos Brasileiros de José Renato Sátiro Santiago Jr. pela Panda Books (2006)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> empreendedorismo de João Carlos Assis Dornelas pela elsevier Campus (2009)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> As Crianças Aprendem o Que Vivenciam de Dorothy Law Nolte; Rachael Harris; Maria Luiza pela Sextante (2009)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Sociologia Geral de Reinaldo Dias pela Alínea (2010)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/6/2003
Hilda Hilst na pintura de Egas Francisco
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 7100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Para um pintor o dia começa com o sol iluminando a janela e a nudez de uma tela exposta à volúpia, pronta para ser possuída, desafiando do alto do cavalete a sensibilidade e os nervos do artista". (Egas Francisco)

Egas Francisco é um dos mais importantes pintores vivos de Campinas. No ano passado tivemos um contato mais amplo com seu trabalho através da uma exposição de suas obras promovida pelo Museu de Arte Contemporânea de Campinas (MACC). A exposição, com o título "Egas Francisco: a solidão e o grito", foi altamente satisfatória, pois através dela acompanhamos o valioso conjunto dos trabalhos de Egas, numa perspectiva que partia da segunda metade dos anos 50 até os trabalhos mais recentes.

Dentro do vasto conjunto das obras de Egas, escolhi analisar a obra "Hilda Hilst e os cães" para tentar penetrar neste rico universo pictural que o artista nos oferece.

Neste "retrato" da escritora Hilda Hilst, criação de 2000, cada pequena matéria pictórica está inflada de expressão poética. Desenhista de massas e movimentos e não de linhas, o pintor compôs uma obra onde grandes nacos de tinta batem-se, chocam-se uns contra os outros numa inquietação barulhenta, num drama pictural que desenha a figura de Hilda Hilst e a constitui como bloco tensionado. Aqui cada cor foi pensada não apenas em suas relações de valor, mas de peso, densidade e movimento. É então que a obra adquire a sua preciosa qualidade de entidade viva, trazendo em si os sinais indestrutíveis de uma vida esfuziante.

Entender este "retrato" de Hilda Hilst é entender as vibrações de uma sensibilidade densa. O principal propósito de Egas foi estabelecer o Ser da retratada através de um conhecimento essencial, só possível de ser revelado pela arte. Afinal, não é o artista aquele que mais imediatamente capta o Ser, detendo-o e estabilizando-o numa coisa presente que é a obra de arte? Nesse sentido, podemos pensar na idéia de Heidegger de que a arte é um ato de violência que revela o Ser.

A obra Hilda Hilst e os Cães não é o que se poderia chamar de uma fotografia da escritora, mas é, antes, uma visão, uma espécie de posse metafísica de uma essência absoluta. Através de gestos expressivos que traduzem visões essenciais para a linguagem dinâmica da cor, o artista deixa de lado as ambições restritas ao objeto da arte mimética e, embalado pelo poder expressivo genuíno, ingressa numa dimensão mais elevada do ser. Afinal, não é através desse ato ontológico radical que a subjetividade libera-se das influências corrompidas do pensamento racional, dando acesso ao cerne da criatividade originária?

O artista perscruta na retratada sentidos que estão além de sua órbita mais imediata. Não o preocupa uma precisão icônica ou mimética. Aqueles traços pintados buscam adquirir um significado mais amplo, tornando-se, dessa forma, "vibrações" que registram a presença de um estado mais profundo e transpessoal do Ser. O que interessa ao trabalho de Egas é seguir com fidelidade instintiva uma certeza interna, associada a uma necessidade de dar expressão imediata a essa certeza. Por isso, quando estamos diante do quadro temos a sensação de uma espécie de transmissão direta de energia que parte da retratada, atravessa o pintor e deságua na tela.

Em Hilda Hilst e os Cães Egas pretende alcançar uma espécie de unidade entre a estrutura do objeto e a estrutura do sujeito, isto é, estabelecer entre o interior e o exterior aquela continuidade e circularidade de movimento que, no pensamento de Bergson, constituía a "evolução criadora". Tal unidade só pode ser alcançada pela arte, na medida em que a arte é justamente a realidade que se cria a partir do encontro do homem com o mundo. Toda a movimentação das pinceladas de Egas tenta encontrar uma correspondência na invenção de uma linguagem pictórica que concretize seu conceito de necessidade interior. E se toda arte tem um conteúdo interior, a forma é a manifestação exterior deste conteúdo.

O que Egas almeja é constituir não uma figura que o nosso olhar, cego em seu empirismo, considera real, mas a indagação de sua essência característica, o seu aspecto mais íntimo. O artista empreende um mergulho nas profundezas da psique da retratada, em busca da raiz deste ser que, em sua crueza, ingressa na pintura. Como se cada pincelada corroesse as camadas formadas pela couraça (que constitui o rosto social) a fim de chegar ao rosto original que se rebela contra qualquer ordem, revelando os impulsos de ternura ou de cólera, de alegria ou de tormento. Como marca do trabalho impulsivo do artista, Hilda Hilst e os Cães ainda guarda o ruído do pincel ao ferir a tela, o murmúrio de tubos de tinta espremidos até o fim. Nesta pintura as palavras afável e passivo não existem. Pode-se falar, isto sim, em contração e concentração, em esforço que comprime fibras e faz fibras vibrarem. Cada único golpe condensa todo o vigor de um gesto. Uma pincelada como irrupção única e deliberada para transmitir a intensidade expressiva da retratada.

Entre o pintor e a retratada houve uma relação de simpatia no sentido etmológico do termo: padecem juntos. Para ele, a retratada não deve ser olhada do exterior, mas, ao contrário, é alguém em que se deve penetrar, dentro do qual se deve viver. Só assim a figura é subjugada pelo arrebatamento do artista, sendo extraída de sua imobilidade e restituída ao estado de incandescência.

Em Hilda Hilst e os Cães cortes abruptos e o ritmo espasmódico das pinceladas revelam, nesse habitat das forças indefinidas e opressivas que se tornou o retrato, o trauma metafísico que consome a retratada.

Aqui nesta obra a cor exprime algo por si só, não podendo descolar seu valor metafórico. A cor tem o valor de uma violenta metáfora, adquirindo uma virtude de persuasão autônoma, ainda que não distinta da inspiração geral da obra. Além da pincelada, em sua textura pictural e gestual, a cor se estabelece como índice fundamental da expressividade da obra.

A agressividade da tela parece brotar das grandes áreas de cores vivas que, ao que parece, são aplicadas amplamente por grossos pincéis. Como se manchas de cor e gestos de pincel pretendessem comunicar diretamente ao espectador o significado da obra. As cores pretendem, ao se coagularem, exprimir uma parte indefinida do sentimento que a palavra, muito positiva, não pode expressar. A cor traz significados sem referência aos códigos intelectuais e verbais. Por isso, na arte de Egas uma determinação se estabelece por meio do qual a cor é indissociavelmente relacionada à emoção.

Como dizia o pintor Derain, "as cores são cartuchos de dinamite". E aqui elas fazem explodir na tela a essência secreta da realidade da alma, em sua pura e misteriosa força libertada. A figura se nos apresenta de pronto como um anjo rebelde que conserva, sob o signo do demoníaco, seu caráter sobrenatural. A obra se constitui através de elementos ativos que determinam o dinamismo trágico da imagem. Um frêmito nervoso produz uma espécie de estremecimento secreto no rosto. Cada naco de tinta forma e avulta como um fantasma, prefigurando o destino da retratada (que nós podemos intuir).

* * *

Na retratada, o ser da poeta Hilda revela-se. A despeito de qualquer coisa, a poesia é seu destino. Existe um parentesco entre a luz que brilha no seu rosto e a alma que sonha. Essa chama sonhadora que dorme dentro da tela anuncia o mundo dos poetas. Como brilho que vive só, naturalmente só, que quer ficar só, um pequeno incêndio se alimenta de pinceladas enérgicas, vitais, que tremem em sua existência. Um brilho delicado, para além de qualquer brilho trivial, revela um modelo de vida delicada. Está marcada também a apreensão em relação à realidade exterior na parede protetora que os cães formam. Massas e cores se traduzem numa percepção da retratada, numa transcrição poderosa da sua vida interior. Egas pinta Hilda Hilst e os Cães como se a figura devesse se desintegrar, dissolver-se num caos pictórico pleno de animação, como fragmentos esvoaçantes de cor que são infinitos átomos luminosos e coloridos extremamente móveis.

Para Egas os retratos nunca são cópias fiéis das pessoas, mas apresentam total fidelidade realista à experiência da intuição de uma alma. Ele faz uso da mesma operação que produz uma poesia de forma extrema, que abandona a convenção da sintaxe, distorcendo-a, fazendo substantivos transformarem-se em verbos ou verbos em substantivos. Juntamente com efeitos de fragmentação das linhas que também podem ser vistos como um registro diretamente "indicativo" do seu significado imediato. Ou como marcações de uma partitura que, por vezes, expressam música, mas outras vezes aspiram à condição de um grito. Na obra Hilda Hilst e os Cães a deformação não é puramente ótica: é determinada por fatores subjetivos. Ao expressar o "interior" da figura em traçados espessos de tinta, busca obrigar a totalidade a se identificar com um fragmento da realidade. Esse é o projeto de Egas, tentar, por meio da pintura, retratar aqueles sentimentos que não podem ser traduzidos em palavras.

Salta aos olhos na pintura de Egas uma grande tensão que brota da oposição nervosa no uso das cores e na forma da aplicação das matérias pictóricas sobre a tela. Esta oposição, que pode ser marcada, por exemplo, pela cor branca em atrito com o vermelho ou o negro, define dois universos que existem e se opõem em eterna tensão dentro do próprio homem: o espiritual e o carnal. Na maioria de suas pinturas isso é visível, quando surgem conflitos não só entre as regiões inferiores e superiores na tela, mas também no uso que o pintor faz de matérias pictóricas mais pesadas na região inferior e matérias mais leves na região superior da tela (ou vice-versa).

A relação que marca o tensionamento entre espírito (no caso, a exigência do mergulho da escritora no universo das idéias e da criação literária) e mundo (o desencontro existente entre o tempo interior do artista e o tempo do universo social) define-se na gradação das cores e massas que o artista instala na tela. Os cães, essas massas pictóricas densas que servem como parede protetora para nos afastar de Hilda, permitem à escritora um comportamento ensimesmado, um mergulho no desconhecido da experiência artística. Criam, por bem dizer, o necessário afastamento do mundo. O ombro da figura e parte de suas costas estão fortemente tensionadas numa mescla de vermelhos e azuis que se misturam escurecendo parte da figura. Estamos ainda diante de uma proteção que favorece a aparição do rosto da escritora, que nos olha, mas não nos vê, pois está perdida em pensamentos que desconhecemos. A mão ao queixo indica a situação da mente em trabalho de criação e reflexão (lembra "O Pensador", de Rodin). A partir do rosto de Hilda Hilst, a massa pictórica vai se tornando rala até encontrar a forma vaga que surge sobre sua cabeça, fazendo a ligação da escritora com os mundos etéreos.

Diferente da pintura de um artista como El Greco, que faz as formas ascenderem de maneira suave, do natural ao sobrenatural, Egas produz uma tensão sem equivalente entre estes dois mundos antinômicos. Esta forma de apresentar essa crise entre matéria e espírito está presente em várias telas do artista.



Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 9/6/2003

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
02. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
03. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
04. Submissão, oportuno, mas não perene de Guilherme Carvalhal
05. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli - 21/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/6/2003
20h04min
Amigos Não deixem de visitar o site da Hilda Hilst. Entrarei em contato com o Egas e, caso a Hilda aprove, verei se há a possibilidade de colocar algumas reproduções dos quadros no site dela. []'s Yuri
[Leia outros Comentários de yuri v. santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Babel - Entre a Incerteza e a Esperança
Zygmunt Bauman / Ezio Mauro
Zahar
(2015)



Livro Sociologia Ideologia e Utopia Biblioteca de Ciência Sociais
Karl Mannheim
Zahar
(1972)



The Herder Symbol Dictionary
Vários Autores
Chiron Publications
(1987)



Por Que Esses Padres Deixaram a Batina
Syr Oliveira Evangelista Martins
A. D. Santos
(2004)



Livro Sociologia Elitismo, Autonomia, Populismo
Milton Lahuerta
Andreato
(2014)



O Piano Das Cores
Massin
Companhia Nacional
(2022)



Quando o Amor é Eterno
Nelson Moraes
Wpaz
(2008)



As Consequências do Amor
Sulaiman Addonia
Record
(2009)



Oscar: Arquiteto de Sonhos - Infantil
Neide Duarte e Mércia M. Leitão
Scipione
(2004)



O Símbolo Perdido
Dan Brown
Arqueiro





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês