Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
Mais Recentes
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
>>> Pequena Filocalia
>>> Antologia poética e inéditos
>>> O processo do tenente Ieláguin
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Sexta-feira, 26/9/2003
Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar
Daniel Aurelio

+ de 13800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dedicado ao mero estudante de sociologia que o assina.

"Vem que vem cantar/ Vem que vem soprar/ Vem que vai voltar/ Vem que vai trazer/ Tudo aquilo que eu tive/ E o ventou carregou/ Quando eu estava distraído/ a olhar pro meu umbigo/ E o momento já passou"
("Vento Perdido", Pedro Bandeira in Cavalgando o Arco Íris, 1984).

O livro da minha vida chama-se É proibido Miar, do Pedro Bandeira. Uma revelação dessas, iniciativa de alguém que, deduz-se, seja um suposto crítico literário ou congênere, não é lá algo muito positivo para o currículo. Estou disposto a pagar o preço. Não seria honesto renegar que toda minha volúpia - às vezes exacerbada, confesso - pela leitura tenha nascido a partir de suas páginas.

É demasiado humano (e compreensível) que determinada falange de críticos necessite expressar, ad infinitum, seu apreço pelas obras-primas adultas; quando não para encontrar ressonância entre seus leitores, tal ato tem o rasteiro propósito de demonstrar força e enciclopédicos saberes, feito glacê para um bolo de feno.

John Fante, por exemplo. É a bola da vez. O clichê do ramo. Que mais precisamos conhecer sobre ele e seu Pergunte ao Pó (Ask The Dust, 1939) , disparado um dos vinte melhores livros do século XX? Todavia, é o atual número um dos cadernos culturais. Fácil enfrentar a ribalta do palco com uma platéia entupida de amigos.

Mas na medida em que o jovem toma seu primeiro contato com a literatura através dos infanto-juvenis, fico com a impressão de que é espantosa burrice (pequenez intelectual dos doutos) rebaixá-los a divisões intermediárias em pujança artística. Quando muito, fala-se no sazonal Salinger e seu Apanhador no Campo de Centeio. Pior: qual passe de mágica, todos os déspostas esclarecidos da "periferia do capitalismo" (quem pescou a ironia, pescou) iniciaram suas leituras aos 14 anos, com Kafka e Saramago. Aos 16, deglutiam com fluência filosofia alemã: Liebniz, Schoppenhauer, Kant, sempre consideraram as teorias hegelianas de um idealismo carola deprimente e só então passaram a Nietzsche, a espinafrar de pronto seus dualismos e os flertes que sofreu a direita e a esquerda. Um assombro.

Não faz muito, já em vista a confecção deste artigo, cavouquei pelos sites de busca da Internet ensaios ou vestígios relativos a prosa de Pedro Bandeira. Fiquei no vácuo. Em compensação, trabalhos sobre cânones literatos piscavam convidativos na tela. Alguém precisa, urgente, clamar pelo óbvio: Bandeira, ladeado por Ziraldo, é o autor mais adotado pelos colégios brasileiros (supera as badaladas Lygia Bojunga, Ana Maria Machado e Ruth Rocha, três ganhadoras do Hans Christian Andersen Medalhe, equivalente ao Nobel na categoria), e diretamente tem influenciado e formado nossos garotos e garotas desde a década de 80. Modular o discurso pulando um conceito cientifico e pedagogicamente sacramentado é covardia, é achaque.

Pouquíssimas obras mantêm tamanha sintonia com temas relacionados à segregação social e a liberdade de expressão quanto meu favorito. Talvez só encontre similaridades no espetacular Tanto, tanto! (de Trish Cooke, ed. Ática), livrinho infantil que revolucionou as táticas educacionais anti-preconceito (deixo os motivos no vazio como lição de casa: procure-o em livrarias e sebos). Outro perdido na solidão empoeirada das prateleiras.

Lançado pela editora Moderna em 1983, no limiar da ditadura militar, É proibido miar narra a trajetória do cãozinho Bingo, que desde seu nascimento demonstrava certa inabilidade com o espírito de corpo coletivo (ainda que fosse explicitamente doce, afetuoso e peralta), característica que se acentua drasticamente ao estabelecer amizade com um gato misterioso (oras, todo felino é um mistério pardo). Bingo admira seu amigo e decide copiá-lo em seus miados. Um insulto à raça canina, um código estranho ao seu meio. Configura-se a partir desse confronto um pesadelo foucaultiano clássico. Bingo sofre sucessivas tentativas de enquadramento à norma, a começar pelo desgosto e ausência de brilho nos olhos paternos, passando por vizinhos e até pela família que acolhe os cães, que representam todo o peso da super-estrutura que paira sobre o grupo. Acaba aprisionado juntos aos seus "iguais" (errantes em pobreza, sujeira e doença) no Canil Municipal, alegoria dos manicômios, prisões ou linhas ferrenhas de produção as quais um desviante humano será subjugado. Decide fugir. E foge. Para miar em paz.

Daí entra o vetor principal dos infantis de Bandeira: travestido na redentora sensação de happy end, aquele final metafórico, algo ambíguo, que tornam boas histórias em apoteoses artísticas. O mundo exterior a ele pergunta-se, solerte, por onde andarás seu filho desgarrado. Continuará a receber chibatas por ai ou migrou para uma tribo?

"Ninguém mais pôde encontrar o Bingo. Nunca mais se soube para onde ele foi (...) Outros acham que ele foi para uma terra onde todo mundo pode falar à língua que quiser. Uma terra onde é permitido miar. Uma terra onde é permitido ser diferente"

O livro é recomendado para crianças entre oito e nove anos.

Imaginou o quanto isso pode reverberar numa criança dessa idade?

Nos anos 60, Pedro Bandeira fez tudo o que se esperava de um filhote da esquerda contra-revolucionária. Foi jornalista do campeão de matérias decapitadas, o Ultima Hora de Samuel Weiner, meteu-se com teatro e ciências sociais na USP, todas essas atividades cancerígenas ao andamento azeitado de saúde das reformas propostas por militares e dinastias ultra-conservadoras da igreja e da política. Tem, portanto, o pedigree de outros mais incensados pelas altas rodas culturais, vende muito bem, é um mestre do texto, mas estranhamente não rende um debate, uma tese, uma linha. Desleixo, deliberado ou não, vergonhoso.

Antes de um prepotente onanismo acadêmico, autofágico e um tanto canalha, isso aqui é um puxão de orelhas vigoroso em quem se enxerga formador de opinião.

Pois saibam, damas e cavalheiros, que os primeiros filhos da geração Pedro Bandeira cresceram. E agora já começam a soltar seus primeiros miados incômodos de desabono.

É proibido proibir, esqueceram?

Para ir além





Daniel Aurelio
São Paulo, 26/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
05. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2003
11h11min
Eu lembro de outros livros, como os vários de Monteiro Lobato, as histórias mais amenas das 1001 Noites, as fábulas dos irmãos Grimm, Esopo e por aí vai. Mas, pelo calor da sua defesa, estarei comprando este para presentear a Damaris, minha filha de 8 anos. É uma leitura útil num tempo em que se discutem tanto as diferenças de credo, de cor, políticas e sexuais. Abraços
[Leia outros Comentários de donizeti costa]
11/2/2004
10h21min
Querido Daniel, Você realmente me tocou com o seu texto. Como agradecer-lhe? Você, que escreve, sabe o quanto é importante saber que algo que se escreveu teve alguma ressonância no coração e na mente de quem leu. É por isso que a gente escreve, não é? Aquele abraço do Pedro Bandeira
[Leia outros Comentários de Pedro Bandeira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



O CURUMIM DOURADO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
JOSÉ ARRABAL
FTD
(1990)
R$ 4,00



FRANK MILLER RONIN Nº 4
DC COMICS
DC COMICS
R$ 7,00



O DIÁRIO DE
LARISSA MANOELA
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 10,00



O NATAL DE POIROT
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1987)
R$ 8,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



A HISTÓRIA DE LULA, O FILHO DO BRASIL
DENISE PARANÁ
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,99
+ frete grátis



FALA SÉRIO! VOCÊ TAMBÉM NÃO ESTÁ A FIM DELE
IAN KERNER
BEST SELLER
(2006)
R$ 36,04



ORÁCULO DOS ANJOS
AMBIKA WAUTERS
MADRAS
R$ 30,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês