Múltiplas máximas incomuns | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/1/2004
Múltiplas máximas incomuns
Adriana Baggio

+ de 5000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Nas busca de idéias que dessem concretude à minha opinião sobre o livro Para viver melhor - sabedoria prática para tornar sua vida mais feliz (Alegro/Campus Editora, 2003), do Dr. Edson Engels, encontrei na própria obra e nas reflexões feitas pelo autor o argumento que sustenta minha crítica.

A "orelha" informa ao leitor que se trata de um livro onde o autor, que é psiquiatra, psicoterapeuta, conferencista e colaborador de revistas e programas de TV, analisa algumas máximas e ditados da sabedoria popular. Junte-se essa informação à promessa feita no título e à imagem que ilustra a capa do livro - linhas e formas abstratas e coloridas, lembrando um desenho infantil - e a percepção se completa: mais um livro de auto-ajuda com conceitos rasteiros, ilusórios, a repetição de uma fórmula manjada, mas que ainda rende dinheiro aos autores (aliás, se daqui a alguns séculos forem analisar a condição dos habitantes do mundo nos nossos dias através da nossa produção literária, dirão que somos uma população de emocionalmente instáveis, tal a quantidade de "manuais" produzidos para que sejamos capazes de lidar com nossos conflitos).

Essa é a percepção que se tem através dos elementos superficiais do livro, normalmente aqueles a que temos acesso quando encontramos um exemplar na prateleira de uma livraria. No entanto, ao começar a leitura, vemos que o livro é muito mais do que título, texto da "orelha" e capa aparentam. E esse é o verbo-chave da minha idéia: aparentar.

O livro é formado por 84 máximas formuladas por romancistas, personagens históricos, filósofos, políticos e pela sabedoria popular, e mais 8 máximas do próprio Dr. Edson. Todas elas são analisadas pelo médico com o intuito de auxiliar o leitor a lidar melhor com as situações da vida. Uma delas, a que eu me refiro acima como base da crítica, é um ditado romano que diz que "à mulher de César não basta ser honesta; é preciso parecer honesta". Os comentários do Dr. Engels passam pela obviedade da interpretação deste ditado no que se refere ao comportamento que se espera das mulheres, mesmo nos nossos modernos dias, mas vão além, refletindo sobre a importância que se dá à aparência, e à impossibilidade de mudar esse padrão de avaliação. A penúltima frase do comentário, "é preciso manter as aparências para evitar os preconceitos", encaixa-se perfeitamente na análise que se faz deste livro: a falta de cuidado com sua aparência desperta o preconceito de que se trata apenas de mais um pseudomanual escrito por um charlatão.

Ao ultrapassar a observação aparente, vemos que as máximas escolhidas pelo autor não são apenas aqueles lugares-comuns que sempre se repetem quando não se tem nada mais interessante para dizer. De Balzac a Ulisses Guimarães, passando por Paulinho da Viola e por piadas e ditados de domínio público, Dr. Edson Engels escolheu temas interessantes para abordar, talvez selecionando aqueles que tratam dos conflitos que são os mais comuns das suas consultas - ou das pautas das revistas femininas e dos programas de variedades que eventualmente freqüenta.

Além da qualidade da compilação, outro mérito do autor é não ceder à interpretações que aplaquem a culpa e a angústia das pessoas, mas revelar a crueza da realidade a que cada máxima se refere. Ao comentar uma frase de Santa Teresa D'Ávila, "tem solução, por que se preocupar? Não tem solução, por que se preocupar?", Engels não nos exorta a praticar esse exercício de serenidade, mas coloca que essa tranqüilidade só "é possível e buscada pelos iogues e pelos gananciosos: os primeiros, pelo capital espiritual, e os segundos, pelo capital material". Ou seja, uma postura saudável, mas que não combina com o normal da natureza humana.

Já entre as máximas elaboradas pelo próprio autor, coloca-se o dedo na sempre aberta ferida do uso de drogas. Para o Dr. Edson Engels, as substâncias consideradas como drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas, devem ter como objetivo a provocação de um Estado Modificado de Consciência (sic) que torne o usuário mais alegre, solto e sociável. Quando o consumo de drogas se baseia não no meio para que se melhore o desempenho em uma outra atividade, como uma festa, por exemplo, mas no fim em si, "fica-se diante de um desvio de comportamento, da inconveniência ou da falta de senso". É o caso das pessoas que passam a usar drogas sozinhas, sem uma interação, seja com os amigos, com a diversão, com a conversa. Portanto, a máxima do médico é "com drogas: tudo bem se for aditivo; tudo mal se virar motivo". Encaixam-se nesse caso os bons artistas, aqueles que usaram a droga como aditivo e a arte como motivo, independentemente do tempo que passaram entre nós, reforça cuidadosamente o Dr. Engels. Apesar de as últimas frases do comentário afirmarem que o ideal, na verdade, é não usar droga alguma, fica claro que o autor tem uma postura bem avançada, polêmica e, talvez, mais realista sobre o consumo de drogas.

Um detalhezinho, que pode parecer um mero enfeite aos menos observadores, torna o livro muito mais interessante. São espécies de rosáceas que ilustram o início de cada capítulo e, portanto, de cada máxima. Os elementos dessas "rosáceas" têm a ver com o conteúdo do texto que ilustram. É um jogo divertido perceber a interpretação do conteúdo de cada reflexão através das ilustrações, principalmente daquelas onde a abstração deixou a artista Marta Oliveira com um pepino imagético nas mãos.

Respaldam a qualidade do trabalho o prefácio do professor da PUC-SP, Mario Sergio Cortella, e a apresentação do músico Jorge Mautner. Não conheço o professor, mas suponho que sua presença deva-se à sua autoridade em algum dos assuntos de que trata o livro, e suas palavras me soam plausíveis. No caso de Jorge Mautner, suponho que sua participação deva-se ao fato de ser paciente do Dr. Engels, pois suas palavras não me soam nada plausíveis. Tudo bem que as análises das máximas são interessantes, que o livro se supera enquanto título de auto-ajuda. Mas comparar Para viver melhor ao Tao Te King, do filósofo chinês Lao-tsé e chamá-lo de "I Ching do Brasil universal" , como faz Mautner em sua apresentação, é anormalmente hiperbólico.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 22/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo
02. O Oeste Selvagem de Marilia Mota Silva
03. Mamãe cata-piolho de Marta Barcellos
04. Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico de Jardel Dias Cavalcanti
05. Bruce, Bane e Batman de Vicente Escudero


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/1/2004
00h25min
Atire a primeira pedra quem nunca leu (ou folheou) um livro de auto-ajuda. Acho que o sucesso desse tipo de material (não é literatura, de forma alguma) se deve ao fato de que: 1. As pessoas não se sentem bem como são. 2. As pessoas acham que devem fazer algo a respeito. Ocupar o segundo lugar no mundo em número de cirurgias plásticas (incluindo aí todas as outras alterações, tipo botox, etc) demonstra que o brasileiro caiu no conto do 'se você quer, você pode'. O problema talvez não esteja no que se quer, mas o porquê de se querer alguma coisa. Como de hábito, o ocidental acredita em ação, nada sobrando para a boa, saudável e velha auto-observação que outros povos, principalmente os orientais, praticam há tanto tempo.
[Leia outros Comentários de Barbara Pollacsek]
24/1/2004
00h27min
Adriana fiquei contente ao ler o que você escreveu sobre minhas ilustrações. Foi um trabalho interessante esse. Durante quarenta e cinco dias fiquei fazendo essas mandalas. Lia o texto e tentava ressumir seu conteúdo em um ícone. Fui muito ajudada pelo livro e a leitura sistemática acabou por me tranpostar para uma auto reflexão profunda. Obrigada. Marta Oliveira
[Leia outros Comentários de Marta Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Metodologia das Ciencias Naturais - 4ª Edição
Geraldo Sampaio de Souza
Conquista
(1961)



The Barftastic Life of Louie Burger
Jenny Meyerhoff
Do Autor
(2013)



Crônicas Científicas
Anna Veronica Mautner
Escuta
(1994)



The Ambassadors Story: the United States and the Vatican in Worl
Thomas Patrick Melady
Our Sunday Visitor
(1994)



El Espiritu En El átomo: una Discusión Sore los Misterios de La Física
P. C. W. Davies - J. R. Brown
Alianza
(1989)



Carlos Gardel para Todos
Augusto Fernandez Capa Dura
Ediciones Porteñas
(1996)



Loteamentos e Condomínios Tomo I (2ª Edição)
Wilson de Souza Batalha (capa Dura)
Freitas Bastos (rj)
(1959)



As Duas Guerreiras
Troisi
Rocco
(2009)



A Vida e o Sagrado - 9º Ano
Coleção a Vida e o Sagrado
A Vida é Mais
(2012)



Pediatria Volume 2 Crescimento e Desenvolvimento
Med Curso
Med Curso
(2012)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês