Exclusivo: Entrevista com São Paulo | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sempre um Papo recebe lançamento de Lívia Sant’Anna Vaz
>>> ANUAL DE ARTE FAAP ABRE AO PÚBLICO NO DIA 30 DE NOVEMBRO
>>> JOSYARA FAZ SHOW NO SESC BELENZINHO
>>> Revista Úrsula na Copa
>>> Mostra Contemporânea de Natal - Vai na Fé - no Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Desapega, só um pouquinho.
>>> Menos, Redentor. Menos
>>> Sou grato a Deus
>>> Água das águas
>>> Súplica
>>> Por que me abandonastes
>>> Política na corda bamba
>>> Aonde anda a liberdade
>>> Calar não é consentir
>>> Eu já morri, de Edyr Augusto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Duetos com Renato Russo
>>> Eureca!
>>> A secretária de Borges
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Ela tem um blog?
>>> 8 de Abril #digestivo10anos
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Querem proibir as palavras
>>> WikiLeaks, uma arma contra o abuso de poder
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
Mais Recentes
>>> Sonhos Lúcidos - uma Iniciação ao Mundo dos Feiticeiros de Carlos castaneda pela Nova Era (1993)
>>> Matematica Financeira de Augusto c. morgado benjamin cesar pela Elsevier (2006)
>>> Escolas da Floresta: Entre o Passado Oral e o Presente Letrado de Nietta Lindenberg Monte pela Multiletra (1996)
>>> Samurai Saburo Sakai de Martin caidin e fred saito pela C & R Editorial (2014)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> O taro zen, de osho de Paulo rebouças pela Cultrix (2006)
>>> Estatistica basica de Wilton de o. bussab pedro a. morettin pela Saraiva (2010)
>>> Ecg Essencial - Eletrocardiograma na Prática Diária de Malcolm S. Thaler pela Artmed (2008)
>>> O vampiro que descobriu o brasil de Ivan jef pela Atica (2019)
>>> Pilates para Você um Guia Completo para Pratica de Pilates Em Casa de Ann Crowther e Helena Petre pela Madras (2010)
>>> Òrun Àiyé: o Encontro de Dois Mundos de Jose beniste pela Bertrand Brasil (2013)
>>> Ecos do Cinema de Lumière ao Digital de Ivana bentes pela Ufrj (2007)
>>> A Doença Como Caminho de Thorwald dethlefsen rudiger dahlke pela Cultrix (2007)
>>> Redes de Computadores Guia Total de Lindeberg barros de sousa pela Érica (2009)
>>> O Efeito Nocebo de Roger de lafforest pela Siciliano (1991)
>>> O Poder da Ação de Paulo vieira, phd pela Gente (2015)
>>> Como Se Iniciar na Bruxaria de Hans holzer pela Record (1980)
>>> Mulheres que correm com os lobos de Clarissa pinkola estes pela Rocco (1994)
>>> Linguagem de corpo de Cristina cairo pela Mercuryo (2009)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> Lilith: a Lua Negra de Roberto sicuteri pela Paz e Terra (1998)
>>> A Arte de Escutar de Carla faour pela Agir (2009)
>>> Gabo Periodista de Héctor Feliciano pela Fnpi (2014)
>>> Treinamento Desportivo, Carga, Estrutura e Planejamento de Prof. Dr. Armando Forteza de La Rosa pela Phorte (2008)
COLUNAS >>> Especial SP 450

Terça-feira, 27/1/2004
Exclusivo: Entrevista com São Paulo
Arcano9

+ de 6400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

- Gostaria primeiramente de agradecer à senhora por ter aceitado nos conceder esta entrevista.

- O prazer é meu. Sabe, é engraçado: as pessoas adoram falar sobre mim. Todo dia eu ouço: na rua, no shopping. Mas pouca gente vem falar comigo. Acho isso engraçado.

- Nem agora, no seu aniversário?

- Não, nem agora. (Suspiro e pausa). Acho que eles pensam que eu não tenho muito o que dizer. Devem estar certos, não sei.

- Bom, agora, a senhora tem a chance de falar o que pensa...

- Ótimo!

- Prá começar... qual é a primeira memória que a senhora tem? De quando era criança, de sua infância?

- Ah, faz tempo, muito tempo mesmo... Difícil. Eu lembro daqueles índios. Os índios não viviam lá onde os jesuítas foram construir a igreja. Viviam mais perto do rio. Era divertido. Eles eram muito tranquilos. Ficavam pescando. De vez em quando iam para as bandas do Tietê - era uma viagem naquela época! Eles iam visitar primos e primas. Também muito antes, havia outras tribos, houve até brigas. Mas isso eu fiquei sabendo pelos historiadores. Quando eu nasci, já nasci com os jesuítas. Eles eram bem-intencionados, acho. Mas eu gostava mais dos índios.

- Por quê?

- Os índios eram mais quietos. Aqueles padres chegaram falando demais. Por mais difícil que seja acreditar, eu gosto de silêncio. Hoje, ele é tão raro... minha cabeça anda cheia de barulhos, vozes, gritos. Mas ainda há momentos de silêncio. No Parque Ibirapuera, de noite... ou mesmo no centro, em alguns becos, em noites de chuva, lá perto da Rua Direita, perto dos prédios altos dos bancos, num domingo à noite. Há silêncio, ou o barulho da chuva. Num domingo à noite. Mas os jesuítas chegaram, e o barulho começou. E o barulho só atrai mais barulho.

- A senhora imaginava que ia se transformar na segunda maior cidade do mundo?

- (Risos) preciso fazer uma dieta, né? Bom, no início não. Por uns trezentos anos, eu fui crescendo normalmente. Até meados do século XVIII, as coisas iam bem. Aí inventaram de me transformar em capital, e me viciaram... Imaginei que os bons tempos iriam acabar, mas não imaginava que eu ia crescer tanto...

- A senhora falou que viciaram...

- É, me viciaram. Me viciaram em café. Não é nenhuma surpresa, eu sempre admiti isso. Acho que foi o fato de me viciarem em café que foi o mais importante nesse meu crescimento. Chegou um ponto, no final do seculo XIX, que minhas veias tinham mais cafeína do que sangue. Eu não conseguia ficar quieta. Minha pele foi se enchendo de espinhas - pequenos postes de luz, primeiro a gás, depois elétricos. As rugas também começaram a aumentar, com estas avenidas todas, a pele começou a secar, quando encanaram os rios no centro. E os rios que eles não encanaram, ficaram sujos, ficaram feios. São esses melanomas aqui (mostra em silêncio os rios ao repórter).

- Mas a senhora acha que o crescimento trouxe alguma vantagem?

- Não sei (pensa por alguns segundos). Eu gosto de ser conhecida. Conhecida fora. Vou te contar um segredo: eu morro de ciúme de minhas irmãs estrangeiras. Sei que dificilmente vou conseguir chegar aos pés de minha irmã japonesa - nossa, ela é tão imensa - mas sempre gostei de me comparar com Los Angeles, ou com a Cidade do México. Los Angeles e eu somos muito parecidas, temos essas rugas imensas... México e eu, por outro lado, somos igualmente gordas, e volta e meia nos comparam. Eu acho que eu sou mais bonita. Não fico sentada em vulcão extinto, tenho ainda essas florestas no norte e o pessoal que mora em mim é simpático, apesar de todos os problemas. Não que os mexicanos não sejam, mas eu sou mais meus paulistanos.

- Qual é o seu principal defeito, na sua opinião?

- Eu tenho muitos. Muitos... Mas acho que o principal é a falta de auto-estima. É terrível. Porque, se eu confiasse um pouco mais em mim mesma, se eu parasse de ver todos esses defeitos que eu te falei... se as pessoas me ajudassem, se elas me ajudassem, eu... (pausa. Os olhos se enchem de lágrimas).

- As pessoas que moram na senhora são culpadas por seus defeitos?

- Não, não exatamente... Eu não culpo ninguém. Mas não gosto que me culpem. Eu sou assim. As pessoas...(Pausa) Elas vêm para cá cheias de sonhos. Eu não... não é da minha natureza fechar as portas. As pessoas podem vir, eu as recebo. Eu as instalo onde for. Veja! Estou perdendo minha saúde por isso! Os meus melhores dias, nos feriados, são maravilhosos! Eu me sinto tão leve quando as pessoas vão viajar! Mas elas voltam, e elas sempre vão ser recebidas por mim. Algumas não têm nada, nem dinheiro, nem educação, e eu as coloco onde posso. Lá em Heliópolis, no Morumbi, preenchendo cada terreno, nos manaciais do sul, até no meu calcanhar, em Engenheiro Marsilac, ou na minha nuca, em Perus, ou na ponta do meu nariz, em Itaquera, Guaianazes. O que eu queria é um pouco de reconhecimento, entende? Que as pessoas entendessem que elas são bem-vindas aqui. Que eu posso ser feia, suja, imensa, com estas espinhas.... Mas eu nunca, nunca vou me recusar a dar uma chance a elas. Quero que elas sejam felizes. Olha só: recebi os imigrantes da Europa no início do século XX. Eles prosperaram: têm padarias, restaurantes, empresas diversas. Eles se deram bem. E nem eles... nem eles me agradecem! São todos uns... ingratos.

- Mas...

- Não. Não todos. Que besteira, eu não posso falar isso! Se há esses canalhas que pensam que eu sou uma... que vêm aqui para ganhar dinheiro e não têm apreço por mim, há também meus filhos mais queridos. Aqueles que olham meus problemas e se preocupam. Geralmente são pessoas mais educadas. Algumas, viram minhas outras irmãs grandes e entenderam que todas têm defeitos. Eles vão e voltam, passam um tempo com minhas irmãs e voltam, esses meus queridos. Voltam e falam: "Você é a melhor cidade do mundo, eu te amo e não posso ficar longe de você!" (risos) Eles arregaçam as mangas e me ajudam a seguir o caminho das minhas irmãs para solucionar alguns problemas.

Há também os que não têm tanta educação, mas que fazem o trabalho mais sujo. Eles trabalham duro, me reformam, me ajudam a conter minhas doenças, me ajudar a ficar mais calma, mais segura. Me elogiam, me fazem carinho. Eu amo eles. Amo demais. Eu espero que eles tenham se divertido na minha festa de aniversário. Que eu possa dar para eles um pouco da alegria que eles me dão.

- Tenho certeza que eles se divertiram. Ótimo. Podemos fazer um pingue-pongue, para terminar a entrevista?

- Pingue-pongue?

- É. Eu faço uma pergunta direta e a senhora responde de forma direta, sem elaborar muito. É uma forma de as pessoas conhecerem a senhora a fundo, mas de forma rápida.

- Tudo bem... se eu souber as respostas...

- Muito bem. Primeira: Seu nome?

- São Paulo. Era São Paulo de Piratininga, mas ficava muito longo e as pessoas esqueceram o sobrenome. Hoje, é só São Paulo.

- Apelido?

- Sampa.

- Idade?

- Essa, você sabe...

- Cor?

- Não gosto de cinza, dá para acreditar? Gosto de verde. Queria ter mais vestidos desta cor (ouviu, prefeita?)

- Número preferido?

- Hum, boa pergunta. Neste momento, é mais de 15 milhões. Se você quiser, eu dou uma pesquisada e te falou depois. Mas é entre 15 milhões e 20 milhões, por aí.

- Uma música?

- Várias. Não tenho uma favorita. Obviamente, a do Caetano (Sampa) é a que mais cantam para mim. Mas eu tenho saudade do Adoniran também. E gosto do som dos anos 80, do Latitude 2001... gosto do chorinho... os assobios dos office-boys na Paulista, os walkmans no 856-R (uma linha de ônibus)... gosto até daquela batucada da Barra Funda, da Camisa Verde-e-Branco, da Rosas de Ouro... Difícil dizer. Até mesmo a música das buzinas, mas sem exageros, é legal.

- Um poema?

- Algo do Mario de Andrade.

- Um filme?

- Fizeram alguns comigo. Mas nada que se compara com os que fizeram com minhas irmãs. Ainda vai surgir meu filme, o meu grande filme. Ouviram, cineastas?

- Um momento feliz do passado?

- Ah, tantos... Acho que o primeiro beijo, o daqueles índios, à beira do Tamanduateí. Todos os beijos de namorados até hoje. Os beijos na Paulista, os beijos no ônibus, nos motéis, nos shoppings.

- Uma lembrança ruim?

- Os 111 mortos no Carandiru.

- Uma situação embaraçosa?

- Todas as em que esses prefeitos me colocaram. Prometeram mais Metrô há muito tempo - hoje, estão construindo a linha da Rebouças, finalmente - e depois demoram anos... e eu fico tão sem graça... e aquele absurdo da Marginal Pinheiros, aquele prédio da Eletropaulo inacabado? Como é que eu fico com aquela espinha cinzenta imensa na minha cara?

- Uma pessoa?

- Você. E todos os que moram em mim.

- (Risos) Obrigado! Um desejo?

- Que as pessoas me entendam melhor.

- Prá terminar de vez: Como a senhora se vê no futuro?

- Humm, difícil responder curto essa...

- Não, pode responder o que quiser... pode se estender, se quiser.

- Tá bom. Eu me vejo uma cidade linda. Todos esses problemas são passageiros. É claro, as cicatrizes vão ficar. Mas olha minhas irmãs: Londres tinha aquele rio horrível, sujo como o Tietê, e hoje não tem mais. Nova York era uma das cidades mais violentas do mundo, hoje não é. Tóquio é muito maior que eu, mas tem um imenso metrô, uma ótima rede de transportes e, mesmo tão inchada, consegue viver bem. Não sei se vou ficar mais magra - provavelmente não. Mas posso, com certeza, ficar mais bonita. Infelizmente, eu, sozinha, posso fazer pouco para que isso se transforme em realidade. Espero que as pessoas entendam isso. E não botem a culpa em mim.


Arcano9
Londres, 27/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro de Nanda Rovere
02. Na ponta dos dedos de Marcelo Barbão
03. Como seria bom ser desenvolvido de Vera Moreira


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. A Pérola de Galileu - 30/4/2007
03. It’s my shout - 18/3/2002
04. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
05. Sombras Persas (V) - 4/5/2006


Mais Especial SP 450
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/1/2004
12h53min
Gostaria de parabenizar o autor desse texto (a entrevista com São Paulo)... Muito bom, muito bem escrito e de um senso de humor envolvente... Parabéns
[Leia outros Comentários de Maykon Souza]
31/1/2004
19h14min
Nada como ser São Paulo mesmo sem estar em São Paulo. Dizem que o tempo dissolve as más lembranças... Pobre paulista, pobre São Paulo. A enxurrada pode levar os corpos sem bens e sem vida, mas nunca afogará a sua esperança. Do sol nas areias de Miami Beach ou da fria garoa em Charing Cross Road, ainda sentes o silencio da Rua Direita no domingo à noite... Quem diria... Best regards!
[Leia outros Comentários de jorge]
23/2/2004
15h08min
Vc foi criativo e inteligente... aliás criatividade combina com inteligência! Parabéns pelo texto despretencioso e gostoso de ler! Parabéns a São Paulo pelos 450 anos... Já estava na hora de ser entrevistada!
[Leia outros Comentários de Regina Mas]
13/6/2005
10h34min
Arcano9, só te achei agora, li sua matéria sobre o Jubileu da Rainha da Inglaterra (2002). Fiquei surpreso com o comentário de que Brian Wilson foi "deprimente"... Att. Marco
[Leia outros Comentários de Marco Antonio S. S.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um apólogo
Machado de Assis
DCL
(2003)



Dom Pedro I
Neil Macaulay
Record
(1993)



Meninos, Eu Vi
Joel Silveira
tribuna da imprensa
(1967)



O Infinito Em Todos os Sentidos da Vida
Emílio Lopes da Silva
Do Autor
(2003)



Oi, Eu Sou o Ronaldinho Gaucho
Mauricio de Sousa e Yara Maura Silva
Edic
(2008)



Persépolis - 3 Volumes ( 1, 2 e 3 )
Marjane Satrapi
Cia das Letras
(2004)



Confesso que Vivi
Pablo Neruda
difel
(1981)



Livro - Monstro do Pântano - Volume 3
Alan Moore - Steve Bissette - John Totleben
Vertigo



Conexão Saúde
Deepak Chopra
Best Seller
(2007)



Valores - O Bem, O Mal, A Natureza, A Cultura, A Vida
Francesco Alberoni
rocco
(2000)





busca | avançada
51984 visitas/dia
2,0 milhão/mês