Sombras Persas (V) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/5/2006
Sombras Persas (V)
Arcano9

+ de 5600 Acessos


Que segredos um dia esconderam as tumbas de Nasqt-e-Rostam?

Shiraz, 2/11

A montanha - esculpida, escavada, moldada pelo homem e pelo sol fortíssimo - se esquivou do tempo e foge dos meus olhos, que teimam em se fechar por causa da luz, da secura, da poeira. Nos poucos momentos em que os tenho abertos, as tumbas me atiçam, me seduzem, riem de mim. Afinal, quem sou eu? Nunca fui rei, talvez nem da minha casa; nunca fui arqueólogo, nem historiador, nem logo nem conhecimento de minha própria ignorância eu tenho. Sou, por isso mesmo, um ignorante completo, e há quem diga que a satisfação com a vida tem a ver com a falta de conhecimento sobre seus meandros. E este ignorante completo nem vai conseguir olhar dentro das tumbas dos reis Dario I, Artaxerxes I, Xerxes I e Dario II, que estão altas no paredão de pedra à minha frente, sem escadas de acesso. Embaixo, à minha altura, estão baixos-relevos dos sassanidas, uma dinastia que ousou se declarar herdeira do grande império persa aniquilado por Alexandre antes de Cristo.

Esta é Nasqt-e Rostam, um mistério de pedra que me fez novamente um fã devoto de Indiana Jones, como naqueles tempos de pré-adolescente em que eu estava convicto de que iria me tornar um violador de tumbas ancestrais em nome da ciência e da aventura. Meu sonho era adentrar fendas em templos milenares e desvendar uma incrível cadeia de túneis subterrâneos levando a salas recheadas de cobras e tarântulas, que seriam guardiões de alçapões por meio dos quais seria possível acessar câmaras ocultas com tesouros de valor incalculável. Hoje avanço pela obscura cadeia de túneis de minha quarta década de vida, fui carcomido pela realidade, mas nunca deixo de ficar embasbacado toda vez que leio sobre arqueólogos descobrindo novos tesouros. É incrível que ainda existam coisas para se descobrir.

Nasqt-e Rostam faz parte do passeio que todo turista faz obrigatoriamente ao viajar para Shiraz, o passeio que inclui a majestosa Persépolis, a mais bem preservada capital da dinastia persa arquemenida (de Dario e Xerxes), e também os três baixos-relevos de outro sítio arqueológico das redondezas, chamado Nasqt-e Rajab. Persépolis, construída a partir de 512 a.C., é o maior deles e certamente, para a maioria dos turistas que visita o Irã, o ápice da viagem. No seu auge, entre 550 e 330 a.C., a primeira dinastia do império persa tinha três capitais: Shush, que fica hoje no Irã perto da fronteira com o Iraque; Ecbatana, a antiga capital do povo medo, onde fica hoje a cidade de Hamadan; e Persépolis, tratada pelos reis como uma capital cerimonial e religiosa. Durante esses anos, o império persa dominou uma imensa região que ia do atual Uzbequistão ao Golfo Pérsico, da África ao Afeganistão. Persépolis, com seus 125 mil metros quadrados, foi construída durante um período de 150 anos em uma região de montanhas imponentes, e desde muito longe essas montanhas proporcionam ao visitante um perfeito e intimidador enquadramento para os seus magníficos palácios, visitados todos os anos, como parte das celebrações de Ano Novo, por delegações dos povos subjugados pelos persas. Essa era provavelmente sua função principal: ser a sede do império nesses momentos em que homenagens eram pagos por medos, babilônicos, sogdianos, báctrios. O fato de que uma cidade tão magnífica poucas vezes foi citada em documentos produzidos por historiadores da antiguidade reforça a tese de que a cidade e suas muralhas não tinha muita importância estratégica, e sim simbólica. Também de longe, as colunas reconstruídas de um dos palácios do complexo se anunciam. Pelo meus cálculos, essas colunas devem ter dez metros de altura. São tão altas que fica difícil acreditar que um dia elas sustentaram um teto, parece que foram feitas apenas para sinalizar que, onde elas estão, algo muito importante ocorreu. Inacreditáveis também são os blocos de pedra que formam a muralha a partir de onde escadas levam ao interior do complexo. Os blocos são tão imensos que não dá para imaginar que foram um dia transportados de algum outro lugar. Parece que lá mesmo foram esculpidos e lá deixados. Persépolis é a maior atração turística do Irã

Ao atacar as cidades-estado gregas por volta da 500 a.C., os persas, entre eles Xerxes, deixariam um gosto amargo na boca dos antepassados do jovem conquistador Alexandre. Mesmo a recente e desastrada biografia cinematográfica de Oliver Stone deixa claro que os gregos consideravam os persas uns selvagens e tinham fixação em dizimar essa selvageria, por vingança ou simplesmente por cega cobiça e inveja. As duas batalhas entre Alexandre e Dario III, em Issus (333 a.C) e Gaugamela (331 a.C), certamente estão entre as mais memoráveis da Idade Antiga, testemunhando o gênio estrategista do jovem macedônico. A entrada de Alexandre em Persépolis foi registrada por um dos biógrafos originais do conquistador, Plutarco, que deixou clara a admiração que mesmo Alexandre sentia por um dos grandes impérios da história humana:

"Fala-se que em Persépolis, ele (Alexandre) encontrou tanto ouro quanto tinha encontrado em Shush, e que foram necessários 2 mil pares de mulas e 500 camelos para levar os móveis e outros tesouros que lá foram encontrados. Foi em Persépolis que Alexandre viu uma estátua gigante de Xerxes. Ela havia sido derrubada de seu pedestal e deixada de qualquer jeito no chão por um grupo de soldados quando eles estavam forçando a entrada no palácio, e Alexandre parou e falou com a estátua como se ela estivesse viva: 'Devo passar e deixar você aí derrubada por causa de sua campanha contra a Grécia, ou devo erguê-la novamente por causa de sua grandiosidade e virtudes em outros respeitos?' (...) Era então inverno, e ele ficou quatro meses em Persépolis para dar tempo para que seus soldados descansassem."
Plutarco em Alexandre

Um dos aspectos mais fantásticos de Persépolis são seus baixo-relevos. A escadaria Apadana, a mais bem preservada do complexo, levava ao Palácio de mesmo nome e contém uma coleção de figuras de perfil, cada uma delas representando 23 povos estrangeiros que pagavam tributos aos persas, cada um deles com suas vestimentas típicas. A figura central da escada é um conhecido símbolo do Zoroastrismo, a religião do império arquemenida (um homem de perfil com asas). É impressionante ver como as figuras estão bem preservadas, e ainda mais impressionante é pensar que permanecem no mesmo lugar, sem terem sido removidas para algum museu sem graça, há cerca de 2,5 mil anos. Vendo todo o complexo, com suas estátuas e colunas, é difícil acreditar que Persépolis permaneceu enterrada na areia e na poeira por séculos, até ser redescoberta durante escavações na década de 1930. Mas, estudada e reestudada por arquéologos e curiosos, varrida por hordas de turistas ávidos por fotos, a cidade até hoje também mantém um grande mistério sem solução. Se Alexandre aparentemente tinha respeito e admiração pelos persas e não parecia inclinado a acabar com a cidade, como aponta Plutarco, por que ela acabou sendo destruída por ele? Segundo o próprio historiador, o incêndio que deixou em ruínas a grande capital cerimonial dos arquemenidas teria sido idéia de uma mulher, Thais, na época amante de um dos generais de Alexandre. Em uma festa em Persépolis, ela teria estimulado o conquistador macedônico a atear fogo nos palácios como vingança pelo fato de os persas terem atacado Atenas durante sua fracassada campanha na Grécia. O incêndio que se seguiu pode ter sido um reflexo de um porre e de um ato impulsivo nascido do desejo de vingança de Alexandre, mas outros historiadores afirmam que se tratou de uma ação calculada do macedônico, para mostrar que, apesar de estar se envolvendo com "selvagens" como os persas, ele ainda era fiel a suas raízes e a seu povo, e que ele não estava planejando ser clemente com quem tivesse causado sofrimento aos gregos. Ainda assim, segundo Plutarco, "é consenso que Alexandre rapidamente se arrependeu e deu ordens para que o fogo fosse apagado". Anos depois, em sua campanha no atual Uzbequistão, Alexandre consolidaria sua metamorfose em um rei "selvagem" ao se casar com uma local, Roxane, provocando a ira de seus compatriotas.

* * *

A cidade teria sido queimada por Alexandre, o GrandeO passeio para Persépolis, Nashq-e Rostam e Nashqt-e Rajab começa com a aventura de se encontrar um taxista honesto que o leve a Persépolis. É um passeio de umas seis horas, passando pelos três locais com tempo para vê-los direito. Dá para chegar a Persépolis de ônibus, mas logo desisti da idéia, pensando em todo o estresse em ter que me explicar em persa sobre meu destino. O problema principal em relação ao táxi é que sou um viajante solitário, que não conhecera, até então, nenhum outro viajante que se disponha a dividir o valor da corrida. Depois de procurar em vão em vários hotéis por potenciais companheiros de jornada, acabei tendo que aceitar a oferta de um taxista para me levar por uma pequena fortuna. Encurtando a história, acabei me demorando mais do que o motorista esperava em Nashqt-e Rostam e, ao me entregar de volta ao hotel, o sujeito disse que eu lhe devia 20 mil rials acima do que tínhamos combinado anteriormente. Disse a ele que não tínhamos acertado nenhuma "taxa de atraso" antes de iniciarmos a viagem. Bate-boca, cara amarrada, ameaças veladas. Deixei o veículo sem enfiar novamente a mão no bolso e lembrando que são momentos assim que estragam viagens.

Até Persépolis, dá meia hora de carro, cortando um panorama predominantemente ocre de planícies e colinas, com a ocasional plantação verde e os dezenas de vendedores de romãs. Em Teerã e em Shiraz, nas ruas, nos bazares e nas estradas, nas vilas que encontrei na estrada, o que não faltam são pessoas vendendo romãs. Romãs a preço de banana, romãs de baciada. Nunca pensei que iria associar a fruta ao Irã, mas parece que por acaso estou por aqui na época da safra da fruta e, depois de negar três vezes (como reza a tradição iraniana conhecida como Ta'aruf), acabei aceitando uma do meu então amigo taxista. Degustei dois grãozinhos vermelhos suculentos e guardei o resto da fruta na minha mochila.

Vendo Persépolis, você não consegue evitar reflexões a respeito do que significa um país ter um passado glorioso, de séculos e séculos. Um passado que alimenta um certo orgulho inconsciente, um orgulho que vem à tona em momentos muito particulares e que, no Brasil, não existe. Talvez seja esse orgulho que os americanos insistem em ignorar no Iraque, berço de civilizações tão ou mais antigas quanto a persa, a dos babilônicos, a dos assírios. Como pode um invasor ser tão inocente a ponto de acreditar que seu próprio modelo de democracia pode ser aplicado sem problemas em um país que tem milênios de história, cultura e divisões étnico-religiosas a ponderar em sua própria equação de governo? Esse orgulho só poderia aumentar com uma intervenção militar, só pode provocar reações como as do "louco" presidente iraniano.

"As pessoas não gostam muito dele por aqui", disse meu taxista sobre o presidente Ahmadinejad quando expliquei a ele, já voltando a Shiraz, como o líder iraniano está sendo visto na Grã-Bretanha. Pergunto a ele se Ahmadinejad teria o apoio maciço do eleitorado em Teerã, mas não fora da megalópole que ele governou como prefeito, e se esse apoio não teria sido suficiente para elegê-lo. Ele acha que não. "Ele tem dinheiro, isso sim", afirma. "Dinheiro vindo da Síria, da Líbia, da Arábia." Curiosa teoria. Segundo a visão do meu amigo taxista, esses países todos teriam interesse em ter na presidência do Irã um líder bem contrário aos Estados Unidos. E quanto aos próximos passos dos americanos, agora que o Iraque foi subjulgado, eles vão invadir o Irã se Ahmadinejad não parar com seus comentários sobre Israel? "Não", responde ele, de forma ainda mais enfática e mais uma vez me deixando perplexo. "O Irã é um país grande e poderoso. Mais forte que o Iraque ou o Afeganistão, e vai resistir mais a um ataque." Ou seja, os americanos devem manter distância do Irã, porque vão encontrar um inimigo verdadeiramente feroz. Orgulho iraniano? Vã esperança?

Shiraz se aproxima. Deixo meus pensamentos para quando Mahmoud Ahmadinejad disser que são os Estados Unidos, e não Israel, que devem ser eliminados da face da terra. Só espero que, em caso de ataque, os americanos não bombardeiem Persépolis e, depois, sobre as ruínas, construam um Wal-Mart.


Em Persépolis, no mesmo lugar há mais de 2 mil anos

(Continua...)


Arcano9
Londres, 4/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
02. Por que o mundo existe?, de Jim Holt de Ricardo de Mattos
03. Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk de Ricardo de Mattos
04. As fronteiras da ficção científica de Gian Danton
05. J.M. Coetzee e o romance de formação de Julio Daio Borges


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2006
01. Sombras Persas (VII) - 1/6/2006
02. Sombras Persas (V) - 4/5/2006
03. Sombras Persas (I) - 1/3/2006
04. Sombras Persas (IV) - 14/4/2006
05. Sombras Persas (X) - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FÁMILIA EDUCAÇÃO E SOCIEDADE
FRANK MUSGROVE
RÉS
R$ 27,91



A LINGUAGEM CORPORAL DA CRIANÇA
SAMY MOLCHO
GENTE
(2007)
R$ 18,00



MANTENHA-SE EM FORMA COM IOGA
LYN MARSHALL
CULTRIX
(1980)
R$ 7,90



DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA GERENTES DE PROJETOS
MÁRCIO RODRIGUES ZENKER
ELSEVIER
(2014)
R$ 55,00



112 INVOCAÇÕES DA VIRGEM MARIA NO BRASIL
NILZA BOTELHO MEGALE
VOZES
(1986)
R$ 100,00



SUAVE É A NOITE - COLEÇÃO IMORTAIS DA LITERATURA UNIVERSAL
FITZGERLD
NOVA CULTURAL
(1995)
R$ 15,00



PUNIBILIDADE NO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
FAUSTO MARTIN DE SANCTIS
MILLENIUM
(2003)
R$ 60,00



DEP – DIPLOMACIA ESTRATÉGIA POLÍTICA - NÚMERO 9
CARLOS HENRIQUE CARDIM
MRE / FUNAG
(2009)
R$ 14,00



OS DOIS APOSTOLOS
JOÃO PERNETTA
PLACIDO E SILVA
(1928)
R$ 100,00



AMOR, FELICIDADE & CIA
IÇAMI TIBA
GENTE
(1998)
R$ 4,00





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês