Um recomeço? | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
37300 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/7/2001
Um recomeço?
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2200 Acessos

A Partilha, de Daniel Filho, que estreou em todo o País, é um alento para o cinema brasileiro. Não. O filme não vai render ao Brasil nenhum Oscar; tampouco é sinal do surgimento de uma nova corrente estética que se espalhará pelo mundo, tornando o nosso cinema referência mundial. A Partilha é um alento porque decreta, de uma vez por todas, o fim da Embrafilme.

O projeto de uma indústria de cinema nacional é acalentada há várias décadas. Desde a Atlântida, célebre produtora de comédias (por que diria chanchadas se são comédias?), até Mazzaropi, passando pela Renato Aragão Filmes, o cinema nacional sempre precisou de iniciativas idealistas e pouco consistentes financeiramente, que pudessem arcar com os grandes riscos do negócio. Com a entrada da Rede Globo no ramo, uma luz se acendeu, afinal, a coorporação de Roberto Marinho é grande e bem-estruturada o suficiente para, logo de início, tornar-se uma referência em se tratando de cinema.

Além disso, conta já com o know-how das novelas, que as demais produtoras e os esparsos insistem em ignorar.

O resultado é o que se vê na tela, neste A Partilha. Um roteiro bem escrito, baseado numa peça de sucesso de Miguel Falabella, é o ponto de partida. Sucesso entre a classe-média, a peça da "Loura Má" encanta pela simplicidade e pelas piadas simples mas eficientes. A direção de Daniel Filho, calcada em anos à frente de novelas e minisséries, é segura, sem grandes prodígios, o que é uma qualidade e tanto em se tratando do pretensioso cinema nacional.

Defeitos, A Partilha os têm, claro, mas nada que não possa ser consertado se o projeto de Daniel Filho de fazer 24 filmes por ano. Uma produção constante é essencial para quem quer fazer cinema de qualidade.

Aos defeitos, porém. A escolha do elenco do filme é um problema que começa com o nome que encabeça a lista: Glória Pires. Criada em TV, Glória Pires tem certos cacoetes que são insuportáveis em cinema. Um jeito de mexer no cabelo, de olhar para a câmera, de dar a deixa para as atrizes com quem contracena. O mesmo acontece, com Lilia Cabral, mas em menor escala.

Paloma Duarte foi, por certo, a melhor escolha em se tratando de atriz jovem (Daniel Filho poderia ter optado, por exemplo, por Gabriela Duarte ou uma atriz de Malhação), mas não convence em seu papel. Ela é a única que leva a sério seu papel - numa comédia descarada. O contraponto para o desempenho das três atrizes é Andréa Beltrão. A ex-TV Pirata não decepciona nos momentos de maior comedicidade do filme. Na verdade, ela é a essência deste A Partilha, com seu personagem montado à base de estereótipos que são desmontados frame após frame.

Outro defeito do filme, irritante, por sinal, é a direção musical. Talvez porque voltado essencialmente a uma classe-média urbana, Nelson Motta, diretor musical, não quis apostar em uma trilha mais interessante, optando pela bossa-novinha de sempre, misturada com a indefectível Gal Costa, com disco music (talvez os melhores momentos musicais do filme). Talvez para se redimir, Nelson Motta ministrou doses homeopáticas do vozeirão de Ed Motta já no fim do filme.

De que fala este A Partilha? O filme começa com a morte da mãe de quatro filhas, uma completamente diferente da outra, que começam a se digladiar em torno da herança. Não que o dinheiro seja muito; na verdade, mesmo que a herança fosse somente dez reais o efeito dramático seria o mesmo. Tendo de se reunir para discutirem os bens materias, contudo, as quatro irmãs começam a dar valor a bens sentimentais que o tempo e a distância desvalorizaram. Falando assim até parece um filme de Bergman, mas Falabella dá à situação um tom cômico com sua marca registrada. Piadas com alguns palavrões, personagens caricaturais, carismáticos, um pouco de melodrama para adoçar. Disso é feito A Partilha.

Acertou quem pensou que o parágrafo anterior nos remete, de certo modo, à linguagem de novela. Este é um ponto nevrálgico do filme. Afinal, há quem defenda uma separação brusca entre a linguagem cinematográfica e a de novela, a que os brasileiros estão mais acostumados. Outros defendem uma interferência da novela no cinema. O que se percebe em A Partilha é um convívio pacífico entre as duas linguagem. Deu certo.

Há tempos venho insistindo: cinema é, antes de mais nada, entretenimento. É preciso cem Titanics para que surja um Cidadão Kane. Vê se aprende, Tizuka; vê se aprende, Severo; vê se aprende, Back; vê se aprende Bianchi.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 18/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O risco de se tornar um sem-noção de Marta Barcellos


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PROFECIA VOYNICH: CRIANÇA ÍNDIGO
RICHARD D. WEBER
NOVO SÉCULO
(2008)
R$ 25,00
+ frete grátis



O FIASCO
IMRE KERTÉSZ
PLANETA
(2004)
R$ 14,90



HISTÓRIA GERAL - CURSO COLEGIAL 1º ANO
ALFREDO DESCRAGNOLLE TAUNAY E ...
CIA. NACIONAL
(1950)
R$ 11,00



INGLESES NO BRASIL - ASPECTOS DA INFLUÊNCIA BRITÂNICA DOBRE...
GILBERTO FREYRE
JOSÉ OLYMPIO
(1977)
R$ 19,70



CLÁSSICOS DA LITERATURA - A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
CIRANDA CULTURAL
(2007)
R$ 7,00



VIP LEILA Nº 232
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2004)
R$ 10,00



A PORTEIRA DO TEMPO
ROBERTO FONSECA
AGE
(1997)
R$ 10,00



MISÉRIA DA CIÊNCIA - 9779
TOM CAPRI
DO AUTOR
(2007)
R$ 10,00



DOR E GLÓRIA DE CERVANTES
BRÁULIO SANCHEZ SÁEZ
CLUBE DO LIVRO
(1967)
R$ 5,00



ALICE - BIBLIOTECA DA MULHER MODERNA 6
E. V. CUNNINGHAM
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1966)
R$ 9,00





busca | avançada
37300 visitas/dia
1,3 milhão/mês