Amar é... | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
>>> É Possível Salvar a Europa? de Thomas Piketty pela Intrínseca (2015)
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela José Olympio / Civilização Brasileira / Três (1973)
>>> O Caminho Para O Céu: Livro II das Crônicas da Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Ioiô Pequeno da Várzea Nova de Mario Leônidas Casanova pela Clube do Livro (1979)
>>> O Papa e Mussolini. A Conexão Secreta Entre Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa de David I. Kertzer pela Intrínseca (2017)
>>> Entrevero de Vários Autores pela L&PM / Mpm
>>> Pesquisa FAPESP Nº 265 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> O Longo Adeus a Pinochet de Ariel Dorfman pela Companhia das Letras (2003)
>>> Contos de Voltaire pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 263 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> Divina Comédia - Coleção A Obra-Prima de Cada Autor, Série Ouro de Dante Alighieri pela Martin Claret (2002)
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 13/5/2004
Amar é...
Adriana Baggio

+ de 5400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O beijo, de Gustav Klimt

Muito se fala sobre o amor, mas a maioria das pessoas não pensa muito nele no sentido de refletir, questionar, tentar analisar o que se chama de amor dentro de um contexto mais amplo que os limites do coração. O amor é mais do que uma fonte de inspiração de poemas, músicas e obras de arte. O amor, considerando também os aspectos a ele associados, é uma importante manifestação cultural da humanidade, tão importante que tem dado origem até a livros sobre sua história.

História do amor? É isso que propõe o livro de Dominique Simonnet, A mais bela história do amor (Difel, 2003), que, na verdade, de bela não tem nada. O amor foi e talvez continue sendo uma das mais cruéis formas de controle da humanidade.

Para começar, é preciso considerar o amor em três aspectos: o social, que é o casamento, o espiritual, que é o sentimento, e o biológico, que é o prazer. Por incrível que pareça, a predominância de cada um desses aspectos é inversamente proporcional à ordem de ocorrência deles na história da humanidade, já que fomos primeiro seres com orientação biológica, instintiva, depois espiritual, ritualística, e por fim orientados para a sociedade, para a convivência com o outro. Com o amor, é o contrário: primeiro se valorizou o seu aspecto social, depois o espiritual, e só mais recentemente, o biológico.

Simmonet é redator-chefe da revista francesa L´Express. Talvez por isso, o formato escolhido para o livro tenha sido o de uma grande entrevista com diversos estudiosos do tema. Também o texto coloquial, básico, torna a leitura acessível. É uma forma de aproximar as pesquisas da academia dos não-iniciados. O que não impede que seja tratado em sua forma mais profunda, como acontece com os trabalhos originais dos pesquisadores entrevistados.

É importante delimitar o conceito de amor como algo que diferencia o ser humano dos outros animais. Assim, o amor enquanto afeto, solidariedade e desejo de agradar ao próximo só surge quando o homem pré-histórico assume comportamentos distintos dos animais. Apesar da falta de documentos que possam explicar a origem do amor, os historiadores supõem que ele tenha surgido na mesma época em que os seres humanos passaram a enterrar seus mortos.

O ritual do enterro demonstra cuidado, o que pode ser uma pista da existência de um sentimento, e não apenas de relações instintivas entre os homens dessa época. O livro relata a descoberta do corpo de uma mulher que morreu aos 35 anos, uma idade avançada para a pré-história. Essa mulher apresentava fratura em um dos braços, provocada em uma idade mais jovem, que deve ter limitado seus movimentos. Faltava também uma parte da mandíbula, talvez causada por uma infecção óssea, o que provavelmente fez com que ela só pudesse se alimentar de pastas e líquidos. Apesar desses problemas, os restos mortais mostraram que a mulher era saudável. O que os historiadores deduzem dessa descoberta é que ela foi cuidada, seus alimentos preparados de forma que pudesse consumi-los. Um tratamento que, mesmo hoje, muitos doentes e pessoas incapacitadas não recebem. Para os pesquisadores, esse é um indício da existência do amor.

Apesar do controle do sentimento e da sexualidade afetar homens e mulheres, é a parcela feminina que mais sofreu com a interferência da Igreja e do Estado. Quando os homens deixaram de ser nômades e passaram a se agrupar em aldeias e povoados, surgiu o casamento. Com isso, a união entre homens e mulheres passa a ter um aspecto econômico.

A impossibilidade de escolha da parceira era a única desvantagem do homem nos casamentos antigos. Para as mulheres, além dessa existia a grande desvantagem do controle. O casamento sempre foi uma maneira de resguardar a mulher de qualquer chance de relacionamento sexual e, portanto, de concepção de filhos de outro parceiro, o que ameaçaria a tribo ou a estrutura familiar. Sempre se partiu do princípio de que a mulher era desonesta, infiel e tinha má índole por natureza. O que salvou muitas mulheres foi a viuvez e, por muitas vezes na História, o divórcio. Praticamente em toda a civilização ocidental, mulheres viúvas ou divorciadas com dinheiro tiveram uma relativa liberdade.

O sentimento, mesmo entre os esposos, nunca foi visto com bons olhos, principalmente pela Igreja. O prazer sexual, então, nem pensar. Apesar de a arte Clássica e pós-Idade Média representar nus, homens e mulheres em situações sensuais e eróticas, os historiadores defendem que essa não era a realidade. É como se a arte refletisse mais um desejo do que a vida real. O sentimento começa a ser aceito na época do Renascimento. O prazer, no entanto, só a partir do fim do século XIX.

Talvez a parte mais profunda do livro de Simonnet seja o final, nos capítulos dedicados ao prazer. Não porque falar de prazer seja melhor do que de sentimento ou contrato. Mas porque estamos nessa época, e a busca do prazer nos afeta profundamente.

Deixamos os tabus de lado; as pessoas se casam e se separam à vontade; a sociedade já não discrimina os divorciados; estuprar e espancar mulheres tornou-se crime. No entanto, continuamos em crise.

O acesso ao prazer não melhorou a relação das pessoas com o amor. Ao contrário: o acesso ao prazer virou obrigação. Transar e ter orgasmos não é uma conseqüência, mas um fim em si. Estamos na era do caráter utilitário do sexo.

As mulheres já não estão mais presas aos relacionamentos. Os homens já não carregam o pesado fardo de sustentarem sozinhos a família. Porém, ambos estão infelizes com seus relacionamentos. Uma das hipóteses para essa situação é que a liberdade sexual revelou uma incompetência do ser humano em lidar com suas frustrações e com a imperfeição do outro. Houve uma época em que um relacionamento baseado no respeito seria uma grande conquista. Hoje queremos mais do que isso: queremos tudo! Um parceiro que seja a alma gêmea, com as mesmas afinidades, que tenha bom desempenho profissional, que seja belo, magro e forte, que nos ame apaixonadamente, que seja gentil, que faça bom sexo, que não use mocassins bordôs com meias brancas, e por aí vai.

É evidente que, mesmo com todo o comodismo, o controle nunca vai ser melhor do que a liberdade, ter vinte partos nunca vai ser melhor do que a pílula, agüentar um relacionamento insuportável nunca vai ser melhor do que o divórcio. No entanto, o amor em outros tempos permitia que colocássemos a culpa em agentes externos: a família, a Igreja, a sociedade, as leis. Hoje, não: se há culpados pelo fracasso de nossos relacionamentos, somos nós mesmos.

Post-Scriptum
Essa coluna não tem pretensões de auto-ajuda e nem de divã de analista, mas aqui vão duas sugestões de reflexão: 1) olhe para o seu relacionamento, ou para a falta dele, e veja se a parte ruim dessa situação não está em você mesmo; 2) pare de comprar revistas e livros com testes e fórmulas mágicas para o amor. Prefira leituras que tratem do relacionamento entre as pessoas de forma madura e realista. Suas ilusões vão cair por terra, mas o seu espírito vai voar muito mais alto.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 13/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
02. Um dândi na bolha do tempo de Pilar Fazito
03. Os Melhores de Sempre Desta Semana de Nemo Nox
04. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock de Daniel Aurelio
05. A análise da narrativa de Gian Danton


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2004
14h50min
Teoriza-se muito sobre o amor. Tudo já foi dito e explicado. Dissecaram o amor feito rã de laboratório. As mulheres -por exemplo- se tornaram tão obcecadas com esse "negócio" de amor e romantismo que perderam a essência de fêmeas que são, para se tornarem moçinhas casadoiras (como se diz lá em Portugal) com faro aguçado para enlaces financeiramente promissores. Esse troço de "Antropologia do Amor" é conversa pra boi dormir. O que todos nós queremos -Homens e mulheres- de verdade é descobrir os segredos da paixão. Ou seja, uma coisa bem diversa do amor.
[Leia outros Comentários de Gui]
11/6/2004
09h06min
O amor quando teoria ainda é amor?
[Leia outros Comentários de Força e fé!]
2/1/2010
23h21min
Amar é..., nossa, adorei! Sou muito emotiva, Adriana. Realmente, as pessoas ficam procurando "em quem" ou "em quê" pôr a culpa. Mas, muitas vezes, elas são as próprias culpadas... Excelente leitura, parabéns.
[Leia outros Comentários de Ivis Duarte]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IPANEMA DOM DIVINO
NORMA PEREIRA REGO
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 6,48



AS MAIS DELICIOSAS REQUINTADAS E EQUILIBRADAS RECEITAS DA CULINÁRIA
MÁRCIO BONTEMPO
GROUND
(1983)
R$ 6,00



EDUCAÇÃO & SOCIEDADE
REVISTA DA CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO
PAPIRUS
(1991)
R$ 6,00



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS-ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRESTÍGIO
(2001)
R$ 19,90



UM TÚMULO EM GAZA
MATT REES
RECORD
(2008)
R$ 7,90



SÉRIE REENCONTRO - ROBIN HOOD
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(1987)
R$ 5,00



MUDANDO O MUNDO O CAMINHO PARA UMA VIDA FELIZ
SRILA B. A. PARAMADVAITI SWAMI
SRILA B. A. PARAMADVAITI SWAMI
(2013)
R$ 23,50



KIDS BOX ACTIVITY BOOK 4
CAROLINE NIXON E MICHAEL
CAMBRIDGE
(2015)
R$ 9,90



CIÊNCIAS SOCIAIS E SAÚDE NO BRASIL
ANA MARIA CAESQUI
HUCITEC
(2007)
R$ 25,00



O MUNDO DAS ORQUÍDEAS - ACOMPANHA VAPORIZADOR E TESOURA DE POLDA
BÉNÉDICTE BOUDASSOU
COOK LOVERS
(2011)
R$ 139,95





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês